Bitcoin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde junho de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Bitcoin
Bitcoin logo.svg
Bitcoin-core-v0.10.0.png
Desenvolvedor Satoshi Nakamoto, Gavin Andresen
Lançamento 4 de fevereiro de 2009 (8 anos)
Versão estável 0.13.1[1] (27 de outubro de 2016; há 11 meses)
Versão em teste [+/-]
Idioma(s) inglês, alemão, espanhol, francês, neerlandês, português, italiano e russo.
Linguagem C++
Sistema operativo Windows, GNU-Linux, Mac OS X
Gênero(s) Moeda digital
Licença Licença MIT
Estado do desenvolvimento Beta
Tamanho 9,2 MB - 12,4 MB
Página oficial Bitcoin P2P Virtual Currency.

Bitcoin (símbolo: ฿; abrev: BTC ou XBT) é uma criptomoeda descentralizada apresentado em 2008 no grupo de discussão The Cryptography Mailing por um programador japonês, ou um grupo de programadores, de pseudônimo Satoshi Nakamoto;[2][3][4][5][6] É também um sistema ou rede de pagamento online baseado em protocolo de código aberto independente chamado de "sistema eletrônico de pagamento peer to peer",[7] inaugurada em 2009; É também um software de código aberto que o grupo projetou para manipulação da moeda e da respectiva rede peer-to-peer (P2P ou ponto-a-ponto).

Diferente da maioria das moedas, bitcoin não depende da confiança de um emissor centralizado ou uma instituição financeira. Usa um banco de dados distribuídos, espalhados pelos nós da rede P2P (usuários) para registrar as transações. Usando criptografia de código aberto para prover funções básicas de segurança, como certificar que a criptomoeda tenha propriedade e transferências semi-anônimas de valores, onde só podem ser gastas pelo dono evitando gastos duplos e falsificação. Também não depende da confiança entre usuários diferentes (nós da rede), onde qualquer pessoa pode controlar e monitorar um nó do sistema.

O Bitcoin pode ser salvo em computadores ou em pen drives na forma de "arquivos de carteira" ou como "serviços de carteira online" provido por terceiros; e em ambos os casos podem ser enviadas pela internet para qualquer lugar do mundo ou para qualquer pessoa que tenha um "endereço bitcoin", podendo transacionar diretamente uns com os outros, usando criptografia de chave pública, sem intermédio de uma instituição financeira.[8] Transações são verificadas pelos nós da rede P2P e registradas em um banco de dados distribuídos (livro-razão público) de contabilidade pública conhecidos como Blockchain.[9]

Por ser autônoma, o Tesouro dos Estados Unidos classificou-a como primeira moeda digital descentralizada do mundo. A topologia peer-to-peer da rede Bitcoin, e a ausência de uma entidade administradora central torna inviável que qualquer autoridade financeira ou governamental manipule a emissão e o valor de bitcoins ou induza inflação "imprimindo" mais notas. No entanto, grandes movimentos especulativos de oferta e demanda podem fazer com que o seu valor sofra oscilação no mercado de câmbio, sendo o maior de seu tipo em termos de valor de mercado.

Bitcoin é um projeto relativamente novo, em evolução. Por esta razão, seus desenvolvedores recomendam cautela.

Adoção[editar | editar código-fonte]

Gráfico demonstrando o número crescente de transações mensais em bitcoins, de 2009 até 2015

No mês de julho de 2015, o Brasil bateu seu recorde local de transações em bitcoins, contabilizando 10 mil bitcoins, equivalentes a 9,3 milhões de reais.[10]

Informações técnicas[editar | editar código-fonte]

Bitcoin é uma implementação peer-to-peer dos projetos "B-money" de Wei Dai (1998) e "Bitgold" de Nick Szabo (2005).[11]

Blockchain[editar | editar código-fonte]

A cadeia principal (em preto) consiste da maior série de blocos desde o primeiro bloco minerado, o bloco gênese (em verde), até o último bloco minerado, o bloco atual. Blocos órfãos (em roxo) são aqueles que existem fora da cadeia principal. A cada 10 minutos, um bloco contendo diversas transações é adicionado por um minerador à cadeia principal.

Blockchain ("Cadeia de Blocos" em inglês) é um banco de dados distribuídos, que tem a função de livro-razão de contabilidade pública (saldos e transações de contas), onde são registradas as transações bitcoin.[9] Considerado uma revolução no sistema monetário, pois antes da invenção da block chain, a única maneira de se manter registros de contabilidade era bancos de dados centralizados e, geralmente, não-públicos. Era necessário que as pessoas confiassem que o banco de dados fosse honesto, sem nenhuma alteração maliciosa.

A tecnologia blockchain permite que esses dados sejam distribuídos por todos os participantes, de maneira descentralizada e transparente. Dessa maneira, não é necessário mais a confiança em um terceiro para que os dados de contabilidade estejam corretos e não sejam fraudados.

Cada transação do tipo "pagador X enviou Y bitcoins para o recebedor Z" é transmitida para a rede através de um software. Os mineradores verificam se a transação é válida, e caso for, adicionam a transação ao próximo bloco da cadeia de blocos. A cada 10 minutos, um novo bloco é adicionado à cadeia de blocos por um minerador. A cadeia de blocos recebe o novo bloco contendo várias transações recentes, incluindo a transação com a informação de que o recebedor Z agora tem +Y bitcoins e o pagador X tem -Y bitcoins.

O sistema blockchain utiliza a sua própria unidade de conta monetária, chamado Bitcoin. O sistema não depende da confiança entre os diferentes usuários (nós da rede). Qualquer pessoa pode controlar e monitorar um nó do sistema. A rede bitcoin funciona de forma autônoma, sem um banco de dados central ou único administrador central. O block chain é executado e mantido coletivamente por diversos nós da rede peer-to-peer para registrar as transações, e usa criptografia de código aberto para prover funções básicas de segurança para certificar que bitcoins só podem ser gastas pelo dono e evitar gastos duplos, falsificação e adulteração de bancos de dados, sendo uma solução inovadora que executa contabilidade aberta sem depender de uma autoridade central confiável.

Transações de bitcoins são transmitidas a outros nós da rede em poucos segundos, mas não são validadas imediatamente; isso acontece apenas depois que a transação é processada na lista de marcas temporais mantida coletivamente no livro de contabilidade block chain. Esse registro baseia-se em proof-of-work system (POW) para prevenir gastos duplos.

Mais especificamente, cada nó gerador da rede procura todas as transações ainda não presentes na block-chain em um bloco candidato, um arquivo que entre outros,[12] possui o hash criptográfico do bloco válido anterior que esse nó conhece. Ele então tenta produzir um hash criptográfico desse bloco com certas características únicas, um esforço que requer um enorme poder computacional e quantidade previsível de repetidas tentativas e erros. Quando um nó encontra tal solução criptográfica, ele anuncia o resultado para o resto da rede, validando a transação. Pares que recebem novos blocos resolvidos validam-nos antes de aceitá-los, adicionando-os ao block-chain.

Eventualmente, o block-chain conterá a história de toda a transação e propriedade criptográfica de todas as bitcoins desde o endereço criador até o último endereço atual. As informações registradas em block-chain são incorruptíveis e imutáveis; e para reduzir o espaço de armazenagem, são usadas Árvores de Merkle.[13] Portanto, se um usuário tenta reusar moedas já gastas ("gasto duplo"), a rede irá rejeitar a transação.

Pares de chaves[editar | editar código-fonte]

O site bitaddress.org permite a geração de um ou mais pares de chaves criptográficas: o endereço bitcoin (à esquerda) e a sua chave privada (à direita), que são exibidos em texto e em código QR

O sistema bitcoin funciona de maneira completamente diferente ao sistema bancário tradicional. Muitas pessoas assumem erroneamente, por analogia, que endereços bitcoins são equivalentes a contas bancárias tradicionais e que as carteiras bitcoin equivalem a carteiras de bolso. No entanto, a base para o entendimento do sistema bitcoin é o conhecimento da criptografia de chave pública, na qual duas chaves criptográficas, uma pública e uma privada, são geradas.[14]

Uma das chaves é secreta (a chave privada) e a outra é pública (a chave pública, distribuída na forma de um endereço bitcoin). Apesar de diferentes, as duas partes desse par de chaves são matematicamente ligadas.

Exemplo de um par de chaves criptográficas:

  • Chave privada: 5KGLdFwZFJtkr3XGGZFTSd475j7CxjbJSkZXyxi54sGnBWjd8Kc
  • Endereço (derivado da chave pública): 1PWpSxQEGF1LpV6uomdDmzH7qSsCX7ThUJ

Chave privada[editar | editar código-fonte]

Um endereço bitcoin sempre é criado em conjunto com a sua chave privada. Ou seja, a criação de endereços bitcoin sempre envolve a geração de um par de chaves, uma pública (o endereço público) e uma privada (a chave privada). Para cada endereço criado, existe uma única chave privada associada a ele, que seria o equivalente a uma "senha". A chave privada é obrigatória para que se possa fazer (assinar) transações gastando os bitcoins associados ao endereço associado a ela. As chaves privadas dos endereços geralmente são representadas através de uma sequência aleatória de números e letras maiúsculas e minúsculas. Uma chave privada tem 51 a 52 caracteres de comprimento, e inicia com cinco (cinco), L ou K.

Exemplo de chave privada (de um endereço bitcoin): 5KGLdFwZFJtkr3XGGZFTSd475j7CxjbJSkZXyxi54sGnBWjd8Kc

Por exemplo, se a cadeia de blocos contiver a informação de que o endereço público 1PWpSxQEGF1LpV6uomdDmzH7qSsCX7ThUJ tem 10 bitcoins associados a ele, quem possuir a chave privada 5KGLdFwZFJtkr3XGGZFTSd475j7CxjbJSkZXyxi54sGnBWjd8Kc poderá criar transações válidas que gastem os bitcoins associados a esse endereço, pois possuirá todas as informações necessárias para assinar a transação.

Tendo em posse a chave privada, é fácil descobrir-se o endereço público associado. No entanto, tendo em posse o endereço público, é extremamente difícil descobrir-se a chave privada associada.

Chave pública e Endereço bitcoin[editar | editar código-fonte]

A chave pública corresponde à chave que é distribuída abertamente para receber os pagamentos. Ela pode ser não comprimida ou comprimida.

Exemplo de chave pública:

Chave pública (não comprimida, 130 caracteres [0-9A-F]): 042C3B22E94A3285A1C621B2EEC86C36A8C4F2AD1ADD84179E4373F5E4FC6896C163108E6175DA9C3DBBB52BD9BD2A7B50C0E9BA7689D3DC7A3AEF4366C84073FC

Chave pública (comprimida, 66 caracteres [0-9A-F]): 022C3B22E94A3285A1C621B2EEC86C36A8C4F2AD1ADD84179E4373F5E4FC6896C1

Para facilitar a distribuição e leitura, os endereços bitcoin são derivados das chaves públicas. Eles servem como identificação do remetente e destinatário para as transações (pagamentos). Eles geralmente são representados através de uma sequência aleatória de números e letras maiúsculas e minúsculas. Um endereço tem geralmente 33 caracteres de comprimento, mas esse número pode variar para mais ou para menos.

Exemplos de endereço bitcoin:

Endereço bitcoin (não comprimido, derivado da chave pública usada no exemplo acima): 19fWW9Pq5knHTKErjdrebprQdPLkGTjpVQ

Endereço bitcoin (comprimido, derivado da mesma chave pública): 16AzM7BuUh9s6787zaHKh9QFUbyUapKkKP

Os endereços não são equivalentes a contas bancárias. Cada endereço contido na cadeia de blocos tem ou já teve, pelo menos alguma vez, alguma quantidade de bitcoins associado a ele.

Geração dos pares de chaves[editar | editar código-fonte]

Uma pessoa pode criar quantos endereços ela quiser, ilimitadamente, de maneira rápida e gratuita.

Apesar de existir um número máximo de pares de chaves bitcoins que poderá ser criado, este número é enorme.

Os endereços podem ser gerados de diferentes maneiras: através de software, website, cálculos matemáticos, etc.

É importante frisar que a pessoa que gerou o endereço teve conhecimento prévio da chave privada. Ou seja, se não foi o próprio usuário que gerou o seu próprio endereço, ele precisa confiar que a outra pessoa/empresa que gerou seu endereço não usará a chave privada para roubar seus bitcoins.

Como um endereço bitcoin pode existir sem jamais ter um bitcoin associado a ele, é possível gerar-se pares de chaves em dispositivos sem conexão à internet. A geração offline oferece maior segurança, pois permite que o usuário armazene as chaves privadas de seus endereços sem que elas jamais entrem em contato com um dispositivo online, que possa estar sujeito a ataques de hackers.

Armazenamento dos pares de chaves[editar | editar código-fonte]

Tecnicamente, é incorreto afirmar-se que alguém armazena ou guarda bitcoins em sua carteira, pois os bitcoins jamais deixam a cadeia de blocos. O que efetivamente é armazenado nas carteiras bitcoin são os pares de endereços e suas respectivas chaves privadas.

Ao serem gerados, os endereços não são automaticamente incluídos na cadeia de blocos da rede bitcoin. Um endereço recém-criado só será adicionado à cadeia de blocos se fizer parte de uma transação na qual ele é definido como endereço destinatário. Nesta transação, o endereço novo receberá bitcoins que estejam vinculados a um endereço remetente.

Antes e após serem usados em transações, os endereços e suas chaves privadas são armazenados no dispositivo do usuário (aplicativo de carteira, carteira de hardware ou em papel) ou no dispositivo de um terceiro (no caso de exchanges).

Transações[editar | editar código-fonte]

Exemplo de código QR, um código de barras bidimensional que pode conter informações de texto. No sistema Bitcoin, eles geralmente contêm um endereço bitcoin, sendo utilizado para solicitar pagamentos. O código QR também pode incluir o valor da transação.

A transferência de bitcoins na rede bitcoin se dá através de transações entre o endereço remetente e o destinatário. Em geral, esses endereços pertencem a pessoas diferentes, mas é possível que um usuário crie um endereço destinatário para si, fazendo uma auto-transferência de bitcoins.

Basicamente, o processo envolve três partes: recebimento do endereço destinatário, criação da transação, transmissão da transação.

Inicialmente, o usuário que irá fazer o pagamento precisa saber o endereço destinatário. O usuário que receberá o pagamento pode informá-lo através de texto, ou, de maneira mais simples, através de um código de barras do tipo QR, que será escaneado pelo dispositivo do usuário pagador.

O programa de carteira do usuário pagador irá criar a transação. Para criar uma transação, o usuário precisa apenas informar a quantia de bitcoins que quer enviar e qual o endereço bitcoin de destino.

Para transmitir a transação à rede bitcoin, o usuário precisa apenas conectar-se brevemente à internet. Não é possível cancelar ou reverter uma transação, após ela ter sido enviada pela rede. Para ter os bitcoins associados ao seu endereço próprio, o destinatário não precisa estar online no momento da transação e não precisa confirmá-la.

Funcionamento detalhado das transações[editar | editar código-fonte]

No protocolo bitcoin, cada transação exige no mínimo três chaves criptográficas:

  • Um endereço remetente (chave pública)
  • A chave privada do endereço remetente (chave secreta)
  • Um endereço destinatário (chave pública)

Ao fazer transações nos aplicativos de carteira usados no dia-a-dia, o usuário precisa apenas informar o endereço destinatário, pois o endereço remetente e sua chave privada já estão armazenados no dispositivo do usuário.

O pseudônimo do bitcoin é diferentes das contas bancárias tradicionais, pois o titular e o número da conta não se encontram em nenhum banco de dados central. Qualquer participante da rede Bitcoin possui uma carteira digital que cria um número arbitrário de pares de chave pública/privada. As chaves privadas da carteira bitcoin são senhas privadas usadas para autorizar pagamentos, exclusivamente pelo dono da moeda. Endereços bitcoin são gerados pela carteira por um processo criptográfico arbitrário. As carteiras e endereços bitcoin não possuem qualquer informação pessoal sobre seus proprietários e são considerados anônimos.[15]

A criação de novos endereços para um único uso pode ajudar com a proteção da privacidade, uma vez que o usuário não precisará expor seus endereços antigos e transações associadas para poder proceder com a transação.

Qualquer usuário pode verificar diretamente o block chain e observar as transações quase em tempo real; existem vários sites que facilitam esse monitoramento, incluindo variáveis ​​agregadas como o número de bitcoins em circulação, número de transações por hora e taxas de transação a cada momento e representações gráficas para auditorias.

Se um usuário quiser operar de forma anônima na rede, é essencial que o usuário tome medidas preventivas para esconder o seu endereço IP de forma a obter privacidade máxima enquanto navega na internet e não tornar público a sua identidade real e seus endereços bitcoin na internet. Por outro lado, sites de câmbio bitcoin e comércios podem associar a identidade real com endereços bitcoin para fornecer serviços. Por esta razão, alguns autores preferem classificar Bitcoin como pseudo-anônimo em vez de anônimo. A popularidade de Bitcoin cresce rapidamente e na mesma proporção as ações mal-intencionadas: já existem vírus, trojans, phishings e golpes no comércio de bitcoin. Por precaução vale a pena reforçar todas as configurações de segurança do navegador.

Bitcoins contêm a chave pública (endereço da carteira) do dono atual. Quando o usuário A transfere bitcoins para o usuário B, o A transfere a propriedade da moeda ao adicionar o endereço do usuário B na carteira e autoriza a transferência assinando a sua própria chave privada-secreta[16], a carteira do usuário A então comunica essa transação a outros nós na rede peer-to-peer. O resto dos nós da rede validam as assinaturas criptográficas e as quantias envolvidas antes de registrar a transação no blockchain.

Posse[editar | editar código-fonte]

Cadeia simplificada de posse. Na realidade, uma transação pode ter mais de um input e mais de um output.

A posse de bitcoins implica que um usuário tem a habilidade de gastar os bitcoins associados a um endereço específico. Para fazer isso, o comprador deve assinar digitalmente a transação usando a chave privada correspondente ao seu endereço. Não é possível assinar uma transação (e gastar bitcoins) sem que se conheça anteriormente a chave privada do endereço. A rede verifica a assinatura usando uma chave pública.Se a chave privada for perdida, a rede bitcoin não irá reconhecer nenhuma outra evidência de posse; e as bitcoins vinculadas ao endereço tornar-se-ão inutilizáveis, ou seja, serão efetivamente perdidas. Por exemplo, em 2013 um usuário disse que perdeu 7.500 bitcoins, que equivaliam a 7,5 milhões de dólares na época, quando ele jogou fora um disco rígido de seu computador, que continha sua chave privada.[17]

Carteiras[editar | editar código-fonte]

Software de Carteira: Bitcoin Core sendo executado no Windows 7

Uma carteira bitcoin armazena as informações que são necessárias para se fazer transações com bitcoin. Embora as carteiras frequentemente sejam descritas como um lugar para guardar, carregar ou armazenar bitcoins,[18][19] no entanto, devido à natureza do sistema, os bitcoins são inseparáveis do registro da blockchain, ou seja, eles nunca saem dela. Talvez uma melhor maneira de se descrever uma carteira de bitcoins é como algo que "armazena as credenciais digitais que permitem que você use os seus fundos bitcoin"[19].

Como a tecnologia Bitcoin usa criptografia de chave pública, na qual duas chaves criptográficas, uma pública e uma privada, são geradas[14], a melhor analogia para uma carteira seria a de um chaveiro, ou seja, uma coleção das chaves privadas secretas (e seus respectivos endereços bitcoin).

Existem vários tipos de carteiras, que geralmente são dividas nos subgrupos:

  • Carteira física: Utiliza algum tipo de armazenamento físico das chaves privadas. Exemplo: Carteira em papel
    • Carteira de hardware: É um tipo de carteira física que usa algum dispositivo eletrônico. Exemplo: Trezor
  • Software de carteira: Um aplicativo de computador, smartphone ou tablet que é usado para fazer transações.
  • Serviço de carteira: Um serviço de internet que armazena as chaves para o usuário. Exemplo: Blockchain.info, Circle, Coinbase, exchanges.
  • Carteira offline: Qualquer tipo de carteira que nunca se conecta à internet.
Carteira física: uma carteira em papel de bitcoin (paper wallet) gerada no site bitaddress.org

As carteiras físicas são as carteiras mais seguras, pois elas armazenam offline as credenciais necessárias para gastar-se os bitcoins, dificultando a ação de hackers.[19] Alguns exemplos incluem moedas físicas com as credenciais impressas nela,[20] feitas de materiais como metal, madeira ou plástico. Outras são simples impressões em papel.

Carteira de hardware Trezor. Esse dispositivo armazena as chaves privadas e jamais acessa a internet, impossibilitando o ataque por hackers.

A carteira de hardware é um tipo especial de carteira física. Ela nada mais é do que um dispositivo eletrônico que armazena as chaves privadas offline, ou seja, o dispositivo nunca se conecta à internet. No entanto, o dispositivo pode ser conectado a um computador, smartphone ou tablet, permitindo a criação de transações que usem os bitcoins vinculados às chaves privadas armazenadas em seu interior.[21]

Os softwares de carteira conectam-se à rede, armazenam as credenciais (chaves) que provam a posse dos bitcoins, e possibilitam a realização de transações.[22] Os serviços de internet chamados de carteiras online, como o Blockchain.info, Circle ou Coinbase oferecem funcionalidades semelhantes, mas podem ser mais fáceis de se utilizar; em sua maioria, as credenciais do bitcoin são armazenadas com o provedor de carteira online ao invés do que no dispositivo do usuário.[23][24]

Implementação de referência[editar | editar código-fonte]

O primeiro software de carteira se chama Bitcoin Core e foi lançado em 2009 por Satoshi Nakamoto, o inventor do Bitcoin. Ele é um programa de código-aberto, e originalmente se chamava bitcoind.[25] Às vezes chamado de "cliente Satoshi", ele também é conhecido como o cliente de referência (de implementação) pois serve para definir o protocolo bitcoin e atua como um padrão para outras implementações.[22] Na versão 0.5, o cliente deixou de usar o toolkit de interface de usuário wxWidgets e passou a usar o software Qt, e o novo pacote passou a ser conhecido como Bitcoin-Qt.[22] Após o lançamento da versão 0.9, o Bitcoin-Qt mudou de nome e passou a ser chamado de Bitcoin Core.[26]

Unidades[editar | editar código-fonte]

A unidade de conta do sistema Bitcoin é o "bitcoin". Os símbolos usados para representar o bitcoin são BTC, XBT e BitcoinSign.svg.[27]:1 Pequenas quantidades de bitcoin usadas como unidades alternativas são o milibitcoin (mBTC), microbitcoin (µBTC) e satoshi. Nomeado em homenagem ao criador do bitcoin, um satoshi é a menor quantidade do sistema, representando 0,00000001 bitcoin, um centésimo de milionésimo de um bitcoin. Um milibitcoin equivale a 0,001 bitcoin, que é um milésimo de bitcoin.[28] Um microbitcoin equivale a 0,000001 bitcoin, que é um milionésimo de bitcoin. Um microbitcoin às vezes é chamado também de um bit.

Em 7 de outubro de 2014, a Fundação Bitcoin divulgou um plano para inscrever o bitcoin para um código de moedas ISO 4217, e mencionou o BTC e XBT como os candidados principais.[29]

Oferta[editar | editar código-fonte]

Atualmente, o minerador que descobre um novo bloco recebe como recompensa bitcoins novos (recém-criados) e as taxas das transações incluídas naquele bloco.[30] Desde 28 de novembro de 2012,[31] a recompensa inclui 25 bitcoins novos (recém-criados) a cada bloco adicionado à cadeia de blocos (blockchain). Para poder resgatar sua recompensa, uma transação especial chamada de coinbase é incluída pelo minerador junto com os pagamentos que ele processou. :ch. 8 Todos os bitcoins em circulação podem ser rastreados retrogradamente até as suas respectivas transações coinbase. O protocolo bitcoin especifica que a recompensa a cada bloco adicionado será diminuída pela metade a cada quatro anos, em média. Em vista disso, estima-se que no ano de 2140, quando o limite arbitrário de 21 milhões de bitcoins produzidos será atingido, a recompensa será removida completamente e, a partir de então, os mineradores receberão apenas as taxas das transações do bloco como recompensa pelo seu trabalho.[32]

Mineração (geração de bitcoins)[editar | editar código-fonte]

A rede Bitcoin cria e distribui um novo lote de bitcoins aproximadamente 6 vezes por hora aleatoriamente entre participantes que estão rodando o programa de mineração de moedas. Qualquer participante tem chance de ganhar um lote enquanto roda o programa de mineração. O ato de gerar bitcoins é comumente chamado de "minerar" (como em "minerar ouro"[33]). A probabilidade de um certo minerador ganhar um lote depende do poder de processamento computacional com que ele contribui para a rede bitcoin em relação ao poder de processamento de todos os outros combinados.[34] A quantia de bitcoins geradas por lote nunca passa de 50 BTC, e esse valor está programado no protocolo bitcoin para encolher com o passar do tempo, de modo que o total de bitcoins criadas nunca passará de 21 milhões de BTC.[15] Com a redução desse prêmio, espera-se que a motivação para se rodar nó gerador (computador executando um programa de mineração) mudará para o recebimento de taxas de transação.

Todos os nós mineradores da rede competem para ser o primeiro a achar uma solução para um problema criptográfico envolvendo seu bloco candidato na block chain, um problema que requer poder computacional e repetidas tentativas e erros para ser resolvido. Quando um nó encontra tal solução criptográfica, ele anuncia aos demais nós na rede e reivindica um novo prêmio em bitcoins. Pares ao receber um bloco recém resolvido validam-no antes de aceitá-lo e incluí-lo na cadeia de blocos block chain. Os nós usam suas CPUs com o cliente padrão, e clientes de terceiros são capazes também de utilizar GPUs.[15][35][36] Mineradores também podem se juntar em grupos de mineração (conhecidos como "pools" em inglês) e minerar coletivamente.[37]

Para que a rede gere um bloco novo a cada 10 minutos em média, cada nó separadamente reajusta o nível de dificuldade do criptodesafio a cada duas semanas em resposta a mudanças no poder de processamento coletivo da rede.[carece de fontes?]

Atualmente, a mineração de bitcoins é uma área altamente competitiva, com hardware especializado vendido no mercado. Com a crescente dificuldade dos desafios criptográficos, tornou-se economicamente inviável utilizar CPUs para a mineração (pois a energia elétrica consumida custa mais que a recompensa em bitcoins gerada), e futuramente também as GPUs tornar-se-ão completamente obsoletas para esse propósito. Por este motivo, vários mineradores passaram a utilizar também circuitos integrados de aplicação específica (ASIC) para a mineração de bitcoins. Algumas empresas comercializam sistemas ASIC prontos para a mineração, com preços entre 250 e 2500 dólares.[38]

Taxas de transação[editar | editar código-fonte]

Os usuários de bitcoins opcionalmente podem pagar uma pequena taxa em cada transação. Isso fará com que a transação seja processada com maior prioridade pelos mineradores, aumentando a probabilidade de ela ser incluída mais rapidamente na block chain.[39]Os mineradores tem a capacidade de escolher quais transações eles irão processar, e geralmente priorizam aquelas que pagam as maiores taxas. As taxas são baseadas no tamanho de armazenamento da transação gerada, que por sua vez depende do número de inputs usados para criar a transação, e não no valor que está sendo transmitido. Além disso, transações com inputs não-gastos mais antigos também recebem prioridade.[40]

As taxas de transação são um dos incentivos para que os mineradores executem "nós" mineradores, especialmente quando a dificuldade de gerar moedas crescer ou o tamanho da recompensa por resolver um bloco diminuir com o tempo. "Nós" mineradores coletam as taxas de transação associadas a todas as transações incluídas em seu bloco candidato[15].

Fungibilidade[editar | editar código-fonte]

Fungibilidade é o atributo pertencente aos bens móveis que podem ser substituídos por outros da mesma espécie, qualidade e quantidade.

As carteiras e demais softwares administram os bitcoins de maneira equivalente, estabelecendo um nível básico de fungibilidade.

No entanto, pesquisadores já demonstraram que, como o histórico de cada bitcoin é registrado e disponível publicamente no registro da block chain, alguns usuários recusam-se a aceitar bitcoins oriundos de transações controversas (por exemplos, oriundos de roubos) o que poderia ser prejudicial para a fungibilidade do bitcoin.[41] Projetos como a Zerocoin e Dark Wallet buscam resolver essas questões de privacidade e fungibilidade.[42][43]

Economia[editar | editar código-fonte]

Bitcoin é uma das primeiras implementações do conceito chamado criptomoeda descentralizada, descrito originalmente em 1998 por Wei Dai na lista de discussões Cypherpunk[44] . Embora tenha apenas formato digital, um bitcoin não deixa de ser considerada um ativo, no sentido econômico do termo.

A economia de Bitcoin ainda é pequena comparada ao sistema financeiro tradicional e o software oficial ainda está no estágio beta. Entretanto serviços e bens reais como músicas, eletrônicos, imóveis, veículos e serviços de hotéis, restaurantes e desenvolvimento de software, em diversas partes do mundo já estão sendo negociadas. Bitcoins são aceitas tanto para serviços online quanto para bens tangíveis[45] Atualmente muitas organizações e associações aceitam doações em bitcoins; entre os muitos podemos citar a Electronic Frontier Foundation, Free Software Foundation, Wikimedia Foundation, Mozilla Foundation, Internet Archive, Freenet, The Pirate Bay, WikiLeaks e Singularity Institute.[46][47] As multinacionais Microsoft, Dell, Time Inc., Dish Network, Virgin Galactic e Reddit, entre outros, aceitam pagamentos em bitcoin. Paypal anunciou em setembro de 2014 que pretende aceitá-las. Muitos negociantes fazem câmbio entre moedas normais (incluindo Dólares americanos, Euros, Rublos russos, Yens japoneses entre outras) e bitcoins através de sites de câmbio.[48][49] Qualquer usuário pode verificar diretamente o blockchain e observar as transações quase em tempo real; existem vários websites que facilitam esse monitoramento.[50][51] Mas como os endereços dizem nada sobre seus donos não seria fácil identificar quem mandou e quem recebeu as moedas.

Compra e Venda[editar | editar código-fonte]

Bitcoins podem ser comprados e e vendidos tanto online como offline. Os usuários de serviços de câmbio online realizam lances de compra e venda. O uso de um serviço de câmbio online implica certo risco, posto que tais serviços estão sujeitos a ir à falência, ou serem hackeados, levando consigo os bitcoins de clientes que estiverem sob sua custódia, e existem registros da ocorrência de ambas as situações.

Existem terminais de auto-atendimento para saque de bitcoins (ATM), que permitem a troca de reais em espécie por bitcoins e vice-versa. O serviço mais popular que fornece a localização mundial de ATMs é disponibilidado pela Coindesk.

Uma evolução muito esperada pela comunidade é o advento do câmbio descentralizado trustless, ou seja, que não requer confiança entre as partes transacionando. Há duas iniciativas em estágio avançado de desenvolvimento, mas ainda não disponíveis:

  • bitsquare.io: software livre que possibilita câmbio P2P com a presença de um árbitro mediador com reputação conhecida.
  • Coinffeine: startup que promete câmbio P2P sem necessidade de árbitro, mediante depósito em garantia maior que o valor das parcelas em que o câmbio é dividido.

Diferenças monetárias[editar | editar código-fonte]

Número total de bitcoins existentes ao longo do tempo.

Ao contrário das moedas normais, Bitcoin se destaca por suas propriedades tecnológicas superiores e neutralidade da rede, nenhum administrador ou programador pode controlar a emissão (causar inflação e deflação) de bitcoins devido a sua natureza descentralizada,[52][53] suavizando possíveis instabilidades financeiras causadas por políticas econômicas de bancos centrais como na crise econômica de Chipre.

Ao contrário dos bancos centrais, o sistema blockchain implementa um conjunto de regras que governam a rede Bitcoin. As regras são determinadas pela governança de código aberto. Estas regras são escritas pelos programadores em protocolos de código aberto auditável por todos, mas eles não são auto-executáveis. Para que as regras tenham validade é necessário criar um consenso social onde pelo menos 51% dos usuários (carteiras bitcoin) devem aceitar as regras, mas estas regras podem ser reescritas e alteradas a qualquer momento, se houver um consenso na comunidade de que as regras devem ser alteradas. Existe uma inflação programada no protocolo Bitcoin que ajusta a emissão de novas moedas, porém, por ser um código aberto totalmente auditável, a inflação é previsível e de conhecimento público.[33] A emissão de novas moedas bitcoins portanto não pode ser manipulada ou ofuscada para alterar o poder de compra dos usuários. No entanto, grandes movimentos especulativos de oferta e demanda podem fazer com que o seu valor sofra oscilação no mercado de câmbio.

As transações de bitcoin são processadas dentro da rede peer-to-peer sem a necessidade de um processador financeiro como intermediário entre os participantes da rede. As transações entre as criptomoedas não tem intermediário, portanto, estornos são impossíveis. A carteira bitcoin transmite transações para os nós da rede que continuam a propagação da informação sobre o pagamento pelo resto da rede. Transações corrompidas ou inválidas são rejeitadas por nós da rede. Transações são praticamente gratuitas, exceto pela pequena taxa opcional de transação que serve para dar prioridade ao processamento.[33] A conversão de moedas fiduciárias para bitcoin e vice-versa é feito em sites de câmbio bitcoin.

O número total de bitcoins gerados tende a 21 milhões com o passar do tempo. O suprimento de bitcoins cresce como uma progressão geométrica de 4 em 4 anos; metade do suprimento total vai ter sido minerada em 2013, e 3/4 terão sido mineradas em 2017. Chegando perto desse ponto o valor de bitcoins provavelmente começará sofrer deflação de preço (aumento no valor real) devido a escassez de moedas no mercado (maior demanda e menor oferta) e redução de moedas mineradas. No entanto, Bitcoins são divisíveis por pelo menos 8 casas decimais (disponibilizando um total de 2.1 x 1015 unidades), removendo limitações práticas em ajustes para baixo no preço bitcoin em um ambiente inflacionário (redução do poder de compra).[15] Ao invés de depender do incentivo de mineração para criar novas bitcoins, espera-se que nós mineradores durante esse período contarão com sua habilidade de coletar taxas de transação.[33]

Resultados[editar | editar código-fonte]

Hipóteses de falha para bitcoin incluem: vulnerabilidades ainda não descobertas no protocolo, desvalorização da moeda devido a queda da demanda, repressão por uma autoridade financeira global. Os sites de câmbio bitcoin podem sofrer repressão por um governo local. No entanto, provavelmente seria impossível "banir todas as criptomoedas em todo o mundo".[54] A descentralização, a internacionalização e o anonimato incorporadas em bitcoin parece ser uma reação aos processos contra companhias de moedas digitais centralizadas como E-gold e Liberty Dollar.[55] Num artigo investigativo o Times irlandês, Danny O'Brien relatou "Quando eu mostro essa economia bitcoin pras pessoas, elas perguntam: 'Isso é legal?' Perguntam: 'É um golpe?' Eu imagino que tem vários advogados e economistas por aí se esforçando pra tentar responder essas perguntas. Eu suspeito que a gente poderá incluir legisladores nessa lista em breve."[54] Em fevereiro de 2011, a cobertura por Slashdot e o subsequente efeito Slashdot afetaram o valor de bitcoin e a disponibilidade de alguns dos sites relacionados[56][57].

Cronologia[editar | editar código-fonte]

2008–2009[editar | editar código-fonte]

  • Em 2008, Satoshi Nakamoto publicou um artigo científico na lista de discussão The Cryptography Mailing List[58] descrevendo o protocolo bitcoin.[33][59][60][61]
  • Em 2009, a rede bitcoin começa a funcionar com o lançamento do primeiro cliente bitcoin open source e a emissão das primeiras bitcoins.[59][62][63][64]

2010[editar | editar código-fonte]

  • O preço inicial das bitcoins foi definido por pessoas nos fóruns BitcoinTalk. As transações iniciais incluíam, por exemplo, a compra de uma pizza por 10 mil BTC.[59] O site Mt.Gox, uma espécie de mercado de câmbio de bitcoin, começa a operar.
  • No dia 6 de agosto, uma vulnerabilidade severa no protocolo do bitcoin foi descoberta. Transações não verificadas adequadamente eram incluídas no log de transações ("blockchain"). Aproveitando-se da falha, usuários podiam emitir para si mesmos quantidades ilimitadas de bitcoins, violando as restrições econômicas da moeda.[65][66]
  • No dia 15 de agosto houve o primeiro caso de usuários aproveitando-se da vulnerabilidade recém-descoberta. Mais de 184 bilhões de bitcoins foram gerados numa só transação e enviados a dois endereços distintos. Em poucas horas a vulnerabilidade foi corrigida com o lançamento de uma nova versão do protocolo; a transação adulterada, por sua vez, foi localizada e removida do log de transações. Este foi o único caso na história da bitcoin de uma grande falha de segurança exposta e utilizada para fraude.[65][66]

2011–2012[editar | editar código-fonte]

  • Em junho de 2011, Wikileaks[67] e outras organizações passam a aceitar bitcoins como forma de doação. Entre essas organizações estava inicialmente a Electronic Frontier Foundation, que pouco depois reverteu a decisão, alegando preocupações com a falta de precedentes legais da nova moeda.[68]
  • No fim de 2011, o preço da bitcoin despencou de US$ 30,00 para menos de US$ 2,00, evento que muitos consideram um "estouro de bolha". Alguns creem que a queda repentina deu-se por conta do crescente poder computacional e consequente redução de custo (de hardware e energia elétrica) para se produzir bitcoins (atividade denominada bitcoin mining).[69]
  • Em outubro de 2012, BitPay anunciou haver mais de 1000 comerciantes aceitando bitcoin como forma de pagamento.[70]
  • Em Novembro de 2012 o WordPress começou a aceitar transações com a moeda bitcoin.[71]

2013[editar | editar código-fonte]

Fevereiro[editar | editar código-fonte]

  • O sistema de pagamentos Coinbase anunciou ter vendido mais de US$ 1 milhão em forma de bitcoins em um só mês, com a cotação do bitcoin acima de US$ 22,00.[72]
  • O Internet Archive anunciou que passaria a aceitar bitcoins como forma de doação; além disso, passaria também a oferecer aos seus funcionários a chance de optar por receber parte de seus salários em bitcoins.[73]

Março[editar | editar código-fonte]

  • O log de transações ("blockchain") temporariamente dividiu-se em dois logs independentes governados por regras distintas. O site de câmbio de bitcoins Mt.Gox deixou de aceitar novos depósitos de bitcoins brevemente. Cotações de bitcoin caíram 23% para cerca de US$ 37,00[74][75], retornando ao patamar anterior (cerca de US$ 48,00) após algumas horas.[76]
  • Nos Estados Unidos, o FinCEN criou regulamentos para "moedas virtuais" tais como o bitcoin, enquadrando os mineradores de bitcoins do país numa categoria financeira específica ("Money Service Businesses", algo como "Negócios Financeiros") que pode estar sujeita a obrigações legais específicas do governo.[77][78][79]
  • OKcupid começou a aceitar transações com a moeda bitcoin.[80]

Abril[editar | editar código-fonte]

  • Clientes dos sites de pagamentos BitInstant e Mt.Gox sofreram com atrasos devido ao aumento de procura por bitcoins, com consequente aumento das cotações do mesmo.[81]
  • No dia 10, a cotação do bitcoin despencou de US$ 266 para US$ 105. Seis horas após a queda, a moeda recuperou parte de seu valor, ficando cotada a US$ 160.[82]

Agosto[editar | editar código-fonte]

  • O Departamento de Finanças da Alemanha autorizou a utilização da moeda em transações financeiras privadas. Caso as empresas queiram utilizar o Bitcoin, deverão solicitar permissão da Autoridade de Supervisão Financeira Federal. O Bitcoin não será classificado como uma moeda real no país, mas sim como uma unidade de conta.

Novembro[editar | editar código-fonte]

  • Recorde. Em 17 de Novembro de 2013 a cotação do Bitcoin ultrapassou US$1216,7313.[83] A valorização do Bitcoin ocorre devido à movimentação do mercado chinês no BTC China, que hoje ocupa o primeiro lugar entre os sites de câmbio Bitcoin, ocupando o lugar que era do MTGox. O volume de compra de Bitcoin já é o maior de todos os tempos, mas não é de surpreender, já que a China possui cerca de 1,351 bilhão de habitantes (2012).

2014[editar | editar código-fonte]

Satoshi Nakamoto[editar | editar código-fonte]

Satoshi Nakamoto é o pseudônimo da pessoa ou grupo que criou o protocolo original do bitcoin, em 2008, e lançou a rede bitcoin, em 2009. Além do próprio bitcoin, nenhuma outra referência a essa identidade foi encontrada. Seu envolvimento no protocolo original parece ter se encerrado em meados de 2010.[59]Erro de citação: Elemento de fecho </ref> em falta para o elemento <ref>

Identidade[editar | editar código-fonte]

Vários jornais, como o The New Yorker e o Fast Company tentaram encontrar a verdadeira identidade de Satoshi Nakamoto. A investigação do Fast Company insinuou haver uma ligação entre uma patente de criptografia requisitada por Neal King, Vladimir Oksman e Charles Bry no dia 15 de agosto de 2008 e o registro do domínio bitcoin.org, feito 72 horas depois. O pedido de patente (#20100042841) continha tecnologia similar à do bitcoin. Ao menos uma frase idêntica foi encontrada tanto no pedido de patente quanto no documento descrevendo o bitcoin. Os três homens envolvidos na petição de patente negaram explicitamente serem Satoshi Nakamoto.[84][85]

A Bifurcação de março de 2013[editar | editar código-fonte]

No dia 12 de março de 2013, um servidor bitcoin (também chamado de "minerador") rodando a versão mais recente do protocolo criou um registro grande demais no log de transação (também chamado "blockchain"), incompatível com versões anteriores do protocolo devido ao seu tamanho. Isso criou uma divisão no log de transações. Alguns usuários utilizavam a versão mais recente do protocolo, compatível com registros mais longos, enquanto outros usuários ainda utilizavam versões mais antigas do protocolo, não utilizando o log novo, grande demais. Essa bifurcação resultou na formação de dois logs diferentes sem um consenso de qual o log definitivo, o que permitiu que um mesmo valor de bitcoins, representado em dois logs distintos, fosse utilizado duas vezes. O site Mt.Gox temporariamente deixou de aceitar novos depósitos de bitcoins.[86] A cotação do bitcoin caiu 23% para US$ 37 no Mt.Gox, retornando à cotação anterior de US$ 48 após algum tempo.[74][75]

Desenvolvedores do bitcoin.org tentaram solucionar a divisão recomendando aos usuários que voltassem a usar uma versão anterior do protocolo, que utilizava a versão mais antiga do tronco comum de logs. Os fundos dos usuários, em grande parte, mantiveram-se inalterados e um consenso foi estabelecido em torno desta decisão. [87]

Regulação do FinCEN[editar | editar código-fonte]

Status legal em 2014

No dia 18 de Março de 2013, o Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN), um órgão do governo americano, emitiu um relatório sobre moedas virtuais centralizadas e distribuídas e seu status legal. O relatório classificou moedas digitais e outras formas de pagamentos, inclusive o bitcoin, como "moedas virtuais" por estas não estarem sob autoridade de nenhum governo específico. O FinCEN eximiu os usuários americanos de bitcoin de quaisquer obrigações legais referentes à moeda, por considerar que o bitcoin não é regulado pelo FinCEN. No entanto, o órgão determinou que quaisquer partes que emitam moedas virtuais - o que inclui os "mineradores" de bitcoins - devem obeceder à legislação específica caso vendam sua moeda virtual em troca da moeda nacional.[77]

Além disso, o FinCEN declarou ter autoridade regulatória sobre organizações que usem bitcoins como um meio de pagamento ou câmbio.[78][79]

O corolário da decisão do FinCEN é a quebra de anonimidade do bitcoin. Por exemplo, em casos de atividade suspeita, os grandes sites de troca de bitcoin seriam obrigados a informar às autoridades dados sobre as negociações investigadas, da mesma maneira que instituições financeiras tradicionais têm de fazer.[88][89]

Cotações em 2013[editar | editar código-fonte]

Taxa de câmbio em dólar dos EUA

A cotação em dólar de um bitcoin cresceu uma ordem de grandeza, passando de cerca de US$ 13/BTC em 1 de Janeiro para US$ 1000/BTC em 27 de Novembro, apenas 10 meses depois. Especula-se que eventos globais como a crise financeira europeia - em particular a crise financeira do Chipre, além de declarações positivas do FinCEN dando maior respaldo legal à moeda, tenham motivado o recrudescimento da cotação.[90][91][92][93]

O valor de mercado do bitcoin - ou seja, a somatória de todas as moedas em circulação - atingiu a marca de 1 bilhão de dólares. Comentaristas do mercado financeiros suspeitam que os preços do bitcoin estejam passando por uma bolha econômica.[94][95][96] No dia 10 de abril de 2013, a moeda bitcoin caiu, em seis horas, de um preço de U$ 266,00 para U$ 105,00, retornando ao valor de U$ 160,00 dentro de seis horas.[82]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Críticas ao Bitcoin são uma constante desde o início de sua adoção, e o embasamento para as mesmas varia entre episódios reais, projeções de mercado e falhas de design. Entre os críticos de Bitcoin encontram-se ex-usuários, tecnólogos, economistas e políticos.

Tecnologia[editar | editar código-fonte]

Segurança[editar | editar código-fonte]

Embora muitos considerem o Bitcoin uma moeda segura por causa de sua encriptação ponta-a-ponta, os riscos aos quais os usuários estão expostos fora da rede são o foco do problema. Uma vez que o acesso aos fundos de uma conta dependem unicamente da posse de uma chave secreta, os fundos de carteiras online podem ser hackeados[97][98], e os fundos de carteiras offline compartilham as mesmas inseguranças de dinheiro em espécie e obrigações ao portador (títulos de crédito).[98]

Em fevereiro de 2014, a empresa de câmbio Mt. Gox iniciou uma ação de falência na justiça japonesa 4 dias após seu site ficar offline por uma crise interna originada do roubo de mais de meio milhão de bitcoins dos seus clientes devido a uma falha de segurança.

Além da possibilidade de roubo, os fundos podem simplesmente ser perdidos e se tornarem órfãos na ocasião em que o detentor da chave secreta perca sua posse (corrupção de memória, destruição ou extravio de chave física).[99] Nesse caso, não haveria meios de reaver posse da chave e, por consequência, dos fundos.

Irreversibilidade[editar | editar código-fonte]

A natureza irreversível das transações em Bitcoin geram desconfiança e aumentam o seu fator de insegurança. Embora a velocidade da confirmação de uma transação sem taxação seja um ponto positivo, uma vez que os fundos transferidos para uma chave pública serão posse confirmada do detentor de sua chave secreta equivalente na próxima atualização da blockchain, no caso onde o pagador não recebe o bem pelo qual ele pagou, a transação não pode ser desfeita e o pagador é prejudicado.[99]

Outro caso em que a irreversibilidade é indesejável é no caso em que os valores da transação, como a quantidade de bitcoins e as chaves públicas envolvidas, estejam incorretos. Nesse caso, a quantidade de Bitcoins transferida pode ser superior à desejada, ou bitcoins podem ser transferidas para os fundos da chave pública (destinatário) incorreta.

Soluções propostas são os serviços de garantias desenvolvidos na plataforma Bitcoin, mas o envolvimento de terceiras partes diminui a segurança ponta-a-ponta, e também é alvo de críticas.

Escalabilidade[editar | editar código-fonte]

O funcionamento da rede Bitcoin depende da ocorrência de um número bastante limitado de ações que diz respeito à criação de novos nós, fabricação de transações, mineração de moedas, prova de trabalho e estabelecimento de consenso. Porém, é uma visão crescente a de que a rede Bitcoin como originalmente implementada não é escalável.

Na criação de novos nós, a cópia da blockchain, base de dados sempre crescente, é a principal etapa. Porém o crescimento da mesma tem superado o crescimento das taxas de transferência de dados e capacidade de armazenamento. Para frear esse crescimento, os blocos da mesma tiveram seu tamanho máximo limitado, o que também limita o número de transações por período (10 minutos).[98] Embora isso não represente o fim imediato do Bitcoin, micropagamentos e transações isentas estão sendo cada vez menos processadas, eventualmente expirando.

O debate entre o aumento ou manutenção do tamanho máximo do bloco de transações por período tem dividido a comunidade envolvida no projeto e gerado controvérsia.[100] Aqueles que defendem o aumento, alegam que a manutenção está prejudicando a confiabilidade das transações feitas na rede, e os que defendem a manutenção, alegam que o aumento diminuiria o número de mineradores, gerando centralização da rede, além de não resolver o problema de escalabilidade do tamanho da blockchain. Os grupos que defendem cada um dos lados criaram versões concorrentes conhecidas como Bitcoin Core e Bitcoin Classic.

Centralização[editar | editar código-fonte]

Um das principais diretivas do projeto Bitcoin é a descentralização. Porém críticas sobre determinados aspectos do Bitcoin dizem respeito a elementos de centralização no mesmo. Ainda que a arquitetura da rede maximize a descentralização nos nós, a necessidade de prova de trabalho garante uma influência maior aos nós com maior poder de processamento específico na etapa de mineração. Aliado ao uso em larga escala de ASICs pela nova geração de mineradores, apenas um seleto grupo de indivíduos controla a criação de novos blocos da Blockchain. Com o possível aumento do tamanho máximo do bloco proposto pela versão Bitcoin Core, essa centralização se tornaria ainda maior.[100]

Outra forma de centralização que é alvo de críticas ao projeto Bitcoin é o processo de tomada de decisões de design. Embora o processo para sugerir novas modificações a serem feitas no código seja aberto a qualquer um que queira contribuir, a escolha das medidas a serem adotadas é feito por um pequeno grupo de programadores[100], os quais não foram eleitos para tal função, nem são o(s) criador(es).

Economia[editar | editar código-fonte]

Instabilidade[editar | editar código-fonte]

Economistas conservadores têm desaconselhado a aplicação de fundos em Bitcoin como forma de investimento por causa de sua instabilidade. Embora crescimento instável possa ser regulado pela geração de interesse no investimento em bitcoins, um episódio de rápida desvalorização poderia significar a total ou parcial perda de valor da criptomoeda causada por um episódio de panic selling. As consequências disso seriam milhares de investidores da criptomoeda perderem seus investimentos da noite pro dia, ainda que sem perder a posse de seus bitcoins.[101]

Entre aqueles que levantaram essa questão está o ex-presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos, Ben Bernake, que acusou a criptomoeda de ser altamente volátil.[102]

Em 2013, foi registrado um crescimento de 80 vezes no valor em libras de 1 bitcoin entre o início do ano e seu mês de novembro. Porém em abril de 2014 o seu valor foi registrado abaixo da metade do máximo registrado 5 meses antes.[97]

Outro motivo que faz com que a instabilidade do Bitcoin gere desconfiança é que ser uma forma estável de armazenar valor é uma de duas funções que uma moeda precisa desempenhar para que ela seja bem sucedida, sendo a outra função a de servir como um meio de troca.

Modelo Econômico[editar | editar código-fonte]

Embora o modelo de soma total fixa tenha sido um dos principais motivos para muitos terem elogiado e adotado o Bitcoin, vendo nele o exemplo oposto do que é feito por alguns governos (com a impressão de moeda e consequente inflação), essa decisão de design acabou significando uma diminuição na circulação da moeda, uma vez que muitos daqueles que a adotaram o fizeram na esperança de poder lucrar com o aumento de seu valor.[97] Além disso, quando a criação de bitcoins cessar, sempre que uma chave secreta for perdida, ou alguém se utilizar da blockchain para fazer uma marca temporal, a soma total de bitcoins não-orfãs diminuirá, diminuindo essa soma na prática.

Utilização[editar | editar código-fonte]

As diferentes maneiras nas quais você pode utilizar bitcoins ainda são limitadas, se comparadas ao dólar ou real.[98] Isso vem do fato de que é necessário um nível mais alto de conhecimento técnico para que uma pessoa possa receber pagamentos no formato da criptomoeda.

Uma vez que o número de clientes adeptos da moeda é pequeno para as grandes empresas, as mesmas tem mantido sua desconfiança com a aceitação da criptomoeda como forma de pagamento. Por falta de consolidação, Bitcoin tem encontrado dificuldades em ser amplamente utilizado no pagamento de serviços ou bens.[99] Uma possível consequência disso é a redução da criptomoeda a uma moeda intermediária, ou a um possível investimento, na prática. Se for esse o caso, existe uma tendência de desvalorização.

Especulação[editar | editar código-fonte]

A escolha de um teto para o número total de bitcoins também é criticada pelo incentivo à especulação. Aqueles que adotaram a moeda precocemente fizeram parte de histórias de enriquecimento e serviram de exemplo para aqueles interessados em obter bitcoins à espera de valorização.[97] Além disso, a moeda é deflacionária (devido à “orfanização” de bitcoins), e tem uma tendência permanente de crescimento.

Por outro lado, a existência desse mercado especulativo forte representa um risco indesejado àqueles dispostos a adotar a moeda como meio de pagamento, uma vez que ela se tornou extremamente instável e pode sofrer grandes variações de valor entre uma transação e outra.[99] Esse fato atrapalha a consolidação do Bitcoin como moeda, uma vez que quanto menos interesse houve em utilizá-la como meio de pagamento, menos pessoas e empresas se arriscarão a aceitá-la como meio de pagamento.

Político[editar | editar código-fonte]

O surgimento do Bitcoin iniciou um debate sobre a necessidade e a possibilidade de regulação de valores e transações. Embora algumas figuras políticas tenham demonstrado entusiasmo com a criptomoeda, outros defendem a necessidade de legislação regulatória, que pode focar nas transações a ocorrerem na rede, ou na criação de fundos de garantias de crédito para investidores da criptomoeda.

Regulamentação[editar | editar código-fonte]

A anonimidade (proposital) das transações que ocorrem na rede Bitcoin possibilita que a moeda seja utilizada como forma de pagamento em transações ilegais, como apostas e tráfico de drogas.[98] Embora seja fácil o rastreio das chaves públicas a qual uma determinada quantia pertenceu desde a sua criação, o mesmo não se pode dizer da tarefa de associar tais chaves à identidade dos portadores dessas carteiras. Essa característica impossibilita a taxação de um grande número de transações por parte dos governos dos diferentes países pelos quais esse valor pode ter viajado.

A necessidade de regulação não é defendida somente por legisladores, porém, mas também por aqueles que vêem na falta de regulação um motivo para não adotarem Bitcoin como uma moeda, uma vez que não existe nenhum órgão que ofereça garantia de valor mínimo àqueles dispostos a investir na moeda. Diferentemente do ouro, que tem como valor mínimo o de matéria-bruta para a produção de jóias, e do dólar, que tem o valor mínimo garantido pelo governo americano, o Bitcoin não possui garantias de valor.[101][99] E um órgão regulador que cumprisse a função de garantidor de crédito é cogitado como a solução para esse problema.

Não-Regulamentação[editar | editar código-fonte]

A arquitetura descentralizada do Bitcoin é uma escolha de design proposital com o objetivo de impossibilitar a regulação interna de seus mecanismos por um indivíduo ou instituição específica. Essa consequência foi atrativa para aqueles que viam com antipatia os episódios em que o governo de um país emitia cédulas e cedia crédito a grandes empresas com o propósito de evitar que as mesmas falissem, em detrimento do valor das reservas e salários da classe trabalhadora. Porém, a pressão feita pelas instituições governamentais pela existência de fiscalização e taxação podem diminuir o valor atrelado às bitcoins existentes.[98] Entretanto, isso não é uma possibilidade por limitações tecnológicas em mudar a estrutura da rede, atualmente.

Moral[editar | editar código-fonte]

Além dos problemas e críticas em relação ao projeto Bitcoin no sentido de sua capacidade como uma moeda funcional, o projeto também encontra dificuldade de aceitação por causa das possibilidades negativas que surgiram com a criação da criptomoeda.

Todas as transações na rede são registradas com a identificação de nós pelos seus pseudônimos. Um usuário mal-intencionado pode se utilizar da inexistência de registros de sua identidade na rede para fins ilícitos. O uso de bitcoins para o pagamento de transações no mercado negro (como a compra de drogas ilícitas, armas, etc.[102]) tem sido uma prática cada vez mais comum. Além disso, devido à irrastreabilidade de transações, a rede tem sido usada em esquemas de lavagem de dinheiro e sonegação de impostos.

Outra prática ilícita levantada pela Interpol é a utilização da Blockchain para espalhar conteúdo ilegal (como pornografia infantil) ou danoso (como malwares).[103]

Social[editar | editar código-fonte]

Em entrevista concedida ao portal online The Verge, Bill Gates desconsidera Bitcoin como uma opção para a população mais pobre[104], atualmente, devido a sua volatilidade, e ao custo para a contratação de serviços de garantia que preservem os fundos do pagador, caso o mesmo cometa um erro ao fazer um pagamento.


Desafios à investigação criminal[editar | editar código-fonte]

Caixa eletrônico de bitcoins troca dinheiro real pela moeda digital.

Os relatórios emitidos pelo Banco Central Europeu (Virtual Currency Schemes – 2012), pelo Financial Crimes Enforcement Network do Departamento do Tesouro Nacional norteamericano (Application of FinCEN’s Regulation to Persons Administering, exchanging or Using Virtual Currencies – 2013) e pelo Federal Bureau of Investigation (Bitcoin Virtual Currency: Unique features Present Distinct Challenges for Deterring Illicity Activity – 2012) apresentam aspectos críticos associados à natureza conceitual e às transações envolvendo o Bitcoin.

Ao rigor das normas do Banco Central Europeu, bitcoin não é considerado moeda eletrônica por deixar de preencher alguns dos requisitos exigidos pela diretiva que orienta as transações com e-money, a Electronic Money Directive (2009/110/EC). De acordo com o documento, para ser considerada moeda eletrônica, faz-se necessário que tenha a capacidade de ser armazenada eletronicamente, ser aceita como forma de pagamento por instituições diversas da que a originou e ser emitida com base na recepção de fundos em quantidade não inferior ao valor monetário emitido. As duas condições iniciais estão satisfeitas, ao contrário da última, que conflita com a dinâmica de geração da moeda, denominada “mineração”, que mais se assemelha a uma competição matemática do que a uma operação financeira. Ao contrário dos mineradores de metais preciosos, como o ouro, que têm como desafio encontrá-los nas rochas ou no leito dos rios, os de Bitcoins tratam com dados. Toda a rede é garantida e regulada através de criptografia[105].

Nos Estados Unidos, qualquer instituição que ofereça serviço de câmbio ou de remessa de valores ao exterior deve estar registrada como Money Services Business (MSB) junto ao Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN) e implementar o programa de prevenção à lavagem de capitais.

No caso do bitcoin, o usuário final não é considerado MSB, não estando sujeito às regras do FinCEN. Porém, o administrador (aquele que coloca e retira bitcoins de circulação) e o exchanger (o que realiza a conversão e troca entre a moeda virtual e a oficial) devem, no âmbito das fronteiras norteamericanas, submeter-se às normas da referida instituição, comprometendo-se, inclusive, a implementar o programa anti-lavagem de capitais.[106]

O bitcoin pode se tornar um atrativo às atividades criminosas na medida em que é valorizado ante moedas oficiais e é aceito como forma de pagamento em diversas transações onlines para compra de bens (roupas, jogos, músicas) e serviços (hotéis, restaurantes), em diversas partes do mundo.[107]

Por essa razão, e com base em fontes confiáveis, o FBI classificou como alta a probabilidade de cibercriminosos se apropriarem indevidamente de bitcoins alheias constantes em carteiras individuais ou de interferirem nos serviços de validação da transação, utilizando-se de malwares ou invasões a sistemas computacionais.

O fato de não haver uma autoridade ou base de dados central, pois se trata de uma rede descentralizada e baseada em P2P, faz com que seja um grande desafio aos agentes da lei detectar atividades suspeitas, identificar usuários, obter registros das transações e, consequentemente, iniciar uma ação penal.[108]

A complexidade relativa à identificação do usuário pode ser mitigada pela possibilidade (facultativa) da publicação na block-chain do endereço IP de onde foi originada a transação, o que dependerá, também da forma como o usuário implementa sua carteira, utilizando-se ou não de recursos para tornar anônima sua posição.

A incerteza legal relacionada ao bitcoin deixa seus usuários desprotegidos, além de constituir um atrativo para criminosos, com a intenção de se apropriar indevidamente de valores (os próprios bitcoins), lavar capitais, fraudar transações.

Atividades suspeitas[editar | editar código-fonte]

  • Junho 2011: O Silk Road comercializa drogas ilícitas, aceitando pagamento unicamente através de Bitcoins;
  • Junho de 2011: O malware Infostealer.Coinbit foi considerado o primeiro destinado a furtar Bitcoins de carteiras individuais;
  • Julho de 2011: ZeroAccess botnet;
  • Outubro de 2011: Cibercriminoso oferece a venda do ZeuS botnet Trojan, aceitando pagamento em Bitcoins, Liberty Reserve ou WebMoney.[109]
  • Março de 2013: Mercado Bitcoin atacado com fatos ainda não esclarecidos bitcointalk.org
  • Fevereiro de 2014: Mt. Gox entra em colapso e suspende suas operações, suspeita-se de fraude interna e negligência, causando uma perda em 744,408 Bitcoins. Impacto afeta cotações em todo mercado de BitCoins.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Bitcoin Core version 0.13.1 released». Consultado em 13 de dezembro de 2016 
  2. Jeffries, Adrianne (10 de abril de 2011). «The New Yorker's Joshua Davis Attempts to Identify Bitcoin Creator Satoshi Nakamoto». Betabeat Observer. Consultado em 27 de dezembro de 2013 
  3. «Satoshi's posts to Cryptography mailing list». Mail-archive.com. Consultado em 14 de dezembro de 2013 
  4. Nakamoto, Satoshi (31 Outubro 2008). «Bitcoin P2P e-cash paper». Consultado em 5 Março 2014 
  5. Robin Sidel (16 de abril de 2013). «Bitcoin Investors Hang On for the Ride – WSJ.com» (em inglês). Online.wsj.com. Cópia arquivada desde o original em 29 de abril de 2013. Consultado em 20 de abril de 2013 
  6. «Virtual currencies: Mining digital gold». The Economist. 13 de abril de 2013. Cópia arquivada desde o original em 29 de abril de 2013. Consultado em 20 de abril de 2013 
  7. BITCOIN A Primer for Policymakers, JERRY BRITO AND ANDREA CASTILLO, Mercatus Center, George Mason University, 31-08-2013
  8. Hough, Jack (3 junho 2011). «The Currency That's Up 200,000%». Dow Jones & Company. SmartMoney. Arquivado desde o original 11 de abril de 2013. Consultado em 18 fevereiro 2013 
  9. a b CIO.com (22 de junho de 2016). «Blockchain: o que é e como funciona». Computerworld. Tecnologia - Estratégias. Consultado em 7 de dezembro de 2016 
  10. [1]
  11. Narayanan, Arvind. Bitcoin and Cryptocurrency Technologies: A Comprehensive Introduction (em en). Google Livros: Princeton University Press, 2016. ISBN 9781400884155 Página visitada em 07/12/2016.
  12. «Bitcoin Wiki: Block Hashing Algorithm» 
  13. «Bitcoin Block Explorer» 
  14. a b «Bitcoin: Bitcoin under pressure». The Economist. 30 November 2013. Consultado em 30 November 2013  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  15. a b c d e Nathan Willis (10 de novembro de 2010). «Bitcoin: Virtual money created by CPU cycles». LWN.net 
  16. [2]
  17. «Man Throws Away 7,500 Bitcoins, Now Worth $7.5 Million». CBS DC. 29 November 2013. Consultado em 23 January 2014  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  18. Adam Serwer and Dana Liebelson (10 April 2013). «Bitcoin, Explained». motherjones.com. Mother Jones. Consultado em 26 April 2014  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  19. a b c Villasenor, John (26 April 2014). «Secure Bitcoin Storage: A Q&A With Three Bitcoin Company CEOs». forbes.com. Forbes. Consultado em 26 April 2014  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  20. Staff, Verge (13 December 2013). «Casascius, maker of shiny physical bitcoins, shut down by Treasury Department». The Verge. Consultado em 10 January 2014  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  21. Eric Mu (15 October 2014). «Meet Trezor, A Bitcoin Safe That Fits Into Your Pocket». Forbes Asia. Forbes. Consultado em 31 October 2014  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  22. a b c Skudnov, Rostislav. Bitcoin Clients (PDF) (Tese). Turku University of Applied Sciences 
  23. Jon Matonis (26 April 2012). «Be Your Own Bank: Bitcoin Wallet for Apple». Forbes. Consultado em 17 November 2014  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  24. Bill Barhydt (4 Jun 2014). «3 reasons Wall Street can't stay away from bitcoin». NBCUniversal. Consultado em 2 April 2015  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  25. «Bitcoin-Qt/bitcoind version 0.5.0». Consultado em 6 May 2015  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  26. «Bitcoin Core version 0.9.0 released». bitcoin.org. Consultado em 8 January 2015  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  27. «Regulation of Bitcoin in Selected Jurisdictions» (PDF). The Law Library of Congress, Global Legal Research Center. January 2014. Consultado em 26 August 2014  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  28. Katie Pisa and Natasha Maguder (9 July 2014). «Bitcoin your way to a double espresso». cnn.com. CNN. Consultado em 23 April 2015  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  29. «Press Release October 7, 2014: Bitcoin Foundation Financial Standards Working Group Leads the Way for Mainstream Bitcoin Adoption». Press Release. Bitcoin Foundation. 7 October 2014. Consultado em 7 November 2014  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  30. Ashlee Vance (14 November 2013). «2014 Outlook: Bitcoin Mining Chips, a High-Tech Arms Race». Businessweek. Consultado em 24 November 2013  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  31. «Block #210000». Blockchain 
  32. Ritchie S. King, Sam Williams, David Yanofsky (17 December 2013). «By reading this article, you're mining bitcoins». qz.com. Atlantic Media Co. Consultado em 17 December 2013  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  33. a b c d e Nakamoto, Satoshi (24 Maio 2009). «Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System» (PDF). Consultado em 20 dezembro 2012 
  34. Luongo, Thomas (23 de julho de 2010). «The FED's Real Monetary Problem». LewRockwell.com. Consultado em 12 de outubro de 2010 
  35. DiabloMiner, OpenCL miner for BitCoin
  36. poclbm, Python OpenCL bitcoin miner
  37. Bitcoin Pooled Mining
  38. [3]
  39. «How much will the transaction fee be?». FAQ. Bitcoin Foundation. Consultado em 19 March 2014  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  40. «How much will the transaction fee be?». Bitcoinfees.com. Consultado em 30 November 2014  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  41. Ben-Sasson, Eli; Chiesa, Alessandro; Garman, Christina; Green, Matthew; Miers, Ian; Tromer, Eran; Virza, Madars (2014). «Zerocash: Decentralized Anonymous Payments from Bitcoin» (PDF). 2014 IEEE Symposium on Security and Privacy. IEEE computer society. Consultado em 31 October 2014  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  42. Miers, Ian; Garman, Christina; Green, Matthew; Rubin, Aviel. «Zerocoin: Anonymous Distributed E-Cash from Bitcoin» (PDF). Johns Hopkins University. Consultado em 15 February 2015  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  43. Greenberg, Andy. «'Dark Wallet' Is About to Make Bitcoin Money Laundering Easier Than Ever». Consultado em 15 February 2015  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  44. [4]
  45. «Bitcoin Trade». Bitcoin.org. Consultado em 22 de dezembro de 2010 
  46. EFF Bitcoin donation page
  47. SIAI donation page
  48. Bitcoin Charts
  49. Thomas, Keir (10 de outubro de 2010). «Could the Wikileaks Scandal Lead to New Virtual Currency?». PC World. Consultado em 10 de outubro de 2010 
  50. bitcoinwatch.com
  51. bitcoinmonitor.com
  52. Bitcoin FAQ
  53. ALMEIDA, Pedro Bueno de. A MOEDA DESCENTRALIZADA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: O CASO DA BITCOIN P2P DIGITAL CURRENCY. 2013. 69 f. Curso de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013. Acesso em: 13 maio 2014.
  54. a b O'Brien, Danny (26 novembro 2010). «Imagine your computer as a wallet full of Bitcoins». The Irish Times. Consultado em 19 de dezembro de 2010 
  55. Herpel, Mark (6 de dezembro de 2010). «2011 Observations on the Digital Currency Industry». SSRN (Article for DGC magazine Jan2011). Consultado em 19 de dezembro de 2010 
  56. Online-Only Currency Bitcoin Reaches Dollar Parity via Slashdot.
  57. Bitcoin Charts
  58. metzdowd.com
  59. a b c d Wallace, Benjamin (23 novembro 2011). «The Rise and Fall of Bitcoin». Wired. Consultado em 13 outubro 2012 
  60. «Bitcoin P2P e-cash paper». 31 outubro 2008 
  61. «Satoshi's posts to Cryptography mailing list». Mail-archive.com. Consultado em 26 março 2013 
  62. «Block 0 – Bitcoin Block Explorer» 
  63. Nakamoto, Satoshi (9 janeiro 2009). «Bitcoin v0.1 released» 
  64. «SourceForge.net: Bitcoin» 
  65. a b Sawyer, Matt (26 fevereiro 2013). «The Beginners Guide To Bitcoin – Everything You Need To Know». Monetarism 
  66. a b «Vulnerability Summary for CVE-2010-5139». National Vulnerability Database. 8 June 2012. Consultado em 22 março 2013  Verifique data em: |date= (ajuda)
  67. Greenberg, Andy (14 junho 2011). «WikiLeaks Asks For Anonymous Bitcoin Donations». logs.forbes.com. Consultado em 22 junho 2011 
  68. «EFF and Bitcoin | Electronic Frontier Foundation». Eff.org. 14 junho 2011. Consultado em 22 junho 2011 
  69. Arthur, Charles (18 outubro 2011). «Bitcoin value crashes below cost of production as broader use stutters». The Guardian 
  70. Browdie, Brian (11 setembro 2012). «BitPay Signs 1,000 Merchants to Accept Bitcoin Payments». American Banker 
  71. «Pay Another Way: Bitcoin». The WordPress.com Blog. 15 de novembro de 2012. Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  72. Ludwig, Sean (8 fevereiro 2013). «Y Combinator-backed Coinbase now selling over $1M Bitcoin per month». VentureBeat 
  73. Mandalia, Ravi (22 fevereiro 2013). «The Internet Archive Starts Accepting Bitcoin Donations». Parity News. Consultado em 28 fevereiro 2013 
  74. a b Lee, Timothy (12 março 2013). «Major glitch in Bitcoin network sparks sell-off; price temporarily falls 23%». Arstechnica 
  75. a b Blagdon, Jeff (12 março 2013). «Technical problems cause Bitcoin to plummet from record high, Mt. Gox suspends deposits». The Verge 
  76. «Bitcoin Charts» 
  77. a b Lee, Timothy (20 March 2013). «US regulator: Bitcoin exchanges must comply with money-laundering laws». Arstechnica. Bitcoin miners must also register if they trade in their earnings for dollars.  Verifique data em: |date= (ajuda)
  78. a b «US govt clarifies virtual currency regulatory position». Finextra. 19 março 2013 
  79. a b «Application of FinCEN's Regulations to Persons Administering, Exchanging, or Using Virtual Currencies» (PDF). Department of the Treasury Financial Crimes Enforcement Network. Consultado em 19 março 2013 
  80. Franceschi-Bicchierai, Lorenzo. «OKCupid Now Accepts Bitcoin». Mashable. Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  81. Roose, Kevin (8 April 2013) Inside the Bitcoin Bubble: BitInstant’s CEO – Daily Intelligencer. Nymag.com. Página visitada em 20 abril 2013.
  82. a b Farivar, Cyrus (11 abril 2013). «Bitcoin crashes, losing nearly half of its value in six hours». Arstechnica 
  83. «History of Bitcoin». Wikipedia, the free encyclopedia (em inglês).  
  84. Penenberg, Adam. «The Bitcoin Crypto-Currency Mystery Reopened». Fast Company. Consultado em 16 fevereiro 2013 
  85. Greenfield, Rebecca (11 outubro 2011). «The Race to Unmask Bitcoin's Inventor(s)». The Atlantic. Consultado em 16 fevereiro 2013 
  86. Karpeles, Mark. «Bitcoin blockchain issue – bitcoin deposits temporarily suspended». Mt.Gox. Consultado em 12 março 2013 
  87. «11/12 March 2013 Chain Fork Information». Bitcoin Project. Consultado em 12 março 2013 
  88. Lee, Timothy (19 março 2013). «New Money Laundering Guidelines Are A Positive Sign For Bitcoin». Forbes 
  89. «The rise of the bitcoin: Virtual gold or cyber-bubble?». Washington Post. 4 abril 2013 
  90. Traverse, Nick (3 abril 2013). «Bitcoin's Meteoric Rise» 
  91. Bustillos, Maria (2 abril 2013). «The Bitcoin Boom» 
  92. Seward, Zachary (28 março 2013). «Bitcoin, up 152% this month, soaring 57% this week». Consultado em 9 abril 2013 
  93. «A Bit expensive». 1 março 2013 
  94. Estes, Adam (28 março 2013). «Bitcoin Is Now A Billion Dollar Industry» 
  95. Salmon, Felix. «The Bitcoin Bubble and the Future of Currency». Consultado em 9 abril 2013 
  96. Ro, Sam (3 abril 2013). «Art Cashin: The Bitcoin Bubble» 
  97. a b c d Ben Dyson (5 de abril de 2014). «Bitcoin's 3 Fatal Design Flaws» (em inglês). Consultado em 04 de dezembro de 2015  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  98. a b c d e f Timothy B. Lee (3 de abril de 2013). «Four Reasons You Shouldn't Buy Bitcoins» (em inglês). Consultado em 04 de dezembro de 2016  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  99. a b c d e «Bitcoin's Disadvantages» (em inglês). Consultado em 04 de dezembro de 2016  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  100. a b c Ben Popper (9 de fevereiro de 2016). «Bitcoin is on the verge of splitting in two» (em inglês). Consultado em 04 de dezembro de 2016  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  101. a b Paul Krugman (28 de dezembro de 2013). «Bitcoin is Evil» (em inglês). Consultado em 04 de dezembro de 2016  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  102. a b Stan Higgins (19 de Novembro de 2015). «Ben Bernanke: Bitcoin Has 'Serious Problems'» (em inglês). Consultado em 04 de dezembro de 2015  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  103. Jordan Pearson (27 de março de 2015). «The Bitcoin Blockchain Could Be Used to Spread Malware, INTERPOL Says» (em inglês). Consultado em 04 de dezembro de 2016  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  104. Kyle Torpey (23 de janeiro de 2015). «Bill Gates: 3 Criticisms of Bitcoin» (em inglês). Consultado em 4 de dezembro de 2016 
  105. Bitcoin Press Center
  106. FinCEN. Application of FinCEN’s Regulation to Persons Administering, exchanging or Using Virtual Currencies. Março, 2013.
  107. FBI. Bitcoin Virtual Currency: Unique Features Present Distinct Challenges for Deterring Illicity Activity . 2012.
  108. FBI. Bitcoin Virtual Currency: Unique Features Present Distinct Challenges for Deterring Illicity Activity . 2012.
  109. FBI. Bitcoin Virtual Currency: Unique features Present Distinct Challenges for Deterring Illicity Activity . 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bitcoin