BlacKkKlansman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
BlacKkKlansman
BlacKkKlansman: O Infiltrado[1] (PRT)
Infiltrado na Klan[2] (BRA)
 Estados Unidos
2018 •  cor •  135 min 
Direção Spike Lee
Produção Jason Blum
Spike Lee
Raymond Mansfield
Sean McKittrick
Jordan Peele
Shaun Redick
Roteiro Spike Lee
David Rabinowitz
Charlie Wachtel
Kevin Willmott
Baseado em Black Klansman
de Ron Stallworth
Elenco John David Washington
Adam Driver
Laura Harrier
Topher Grace
Gênero Biográfico
Comédia
Policial
Música Terence Blanchard
Cinematografia Chayse Irvin[3]
Edição Barry Alexander Brown
Companhia(s) produtora(s) Blumhouse Productions
Monkeypaw Productions
QC Entertainment
Legendary Entertainment
Distribuição Focus Features
(Estados Unidos)
Universal Pictures
(Internacionalmente)
Lançamento 14 de maio de 2018
(Festival de Cannes)
Estados Unidos 10 de agosto de 2018
Brasil 22 de novembro de 2018
Portugal 6 de setembro de 2018
Idioma inglês
Orçamento US$ 15 milhões[4]
Receita US$ 89,515,972[4]
Página no IMDb (em inglês)

BlacKkKlansman é um filme de comédia dramática policial de 2018 co-escrito e dirigido por Spike Lee, baseado no livro autobiográfico Black Klansman, de Ron Stallworth. O filme é estrelado por John David Washington, Adam Driver, Laura Harrier e Topher Grace, e junto com Lee é produzido por Raymond Mansfield e Shaun Redick, assim como Sean McKittrick, Jason Blum e Jordan Peele. Situado no Colorado dos anos 70, o enredo segue um detetive afro-americano que parte para se infiltrar e expor a Ku Klux Klan.

O filme é produzido por Lee, Raymond Mansfield, Shaun Redick, Sean McKittrick, Jason Blum e Jordan Peele. Redick comprou os direitos do filme para o livro em 2015, e Lee assinou como diretor em setembro de 2017. Grande parte do elenco se juntou no mês seguinte, e as filmagens começaram no Estado de Nova York.

O filme estreou em 14 de maio de 2018 no Festival de Cannes, onde ganhou o Grand Prix. Foi lançado nos Estados Unidos em 10 de agosto de 2018, no aniversário de um ano da manifestação de Charlottesville 2017 da supremacia branca. O filme recebeu elogios da crítica, com muitos destacando as performances (especialmente de Washington e Driver) e temas oportunos, bem como notando-o como um retorno à forma de Lee. Recebeu seis indicações na 91.ª cerimónia do Óscar, incluindo Melhor Filme, Melhor Diretor por Lee (sua primeira indicação), e Melhor Ator Coadjuvante por Driver, e venceu Melhor Roteiro Adaptado. O American Film Institute o selecionou como um dos 10 melhores filmes do ano de 2018. Na 76º Globo de Ouro, recebeu quatro indicações, incluindo Melhor Filme Dramático.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Em 1978, Ron Stallworth (John David Washington), um policial negro do Colorado, conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan local. Ele se comunicava com os outros membros do grupo através de telefonemas e cartas, quando precisava estar fisicamente presente enviava um outro policial branco no seu lugar. Depois de meses de investigação, Ron se tornou o líder da seita, sendo responsável por sabotar uma série de linchamentos e outros crimes de ódio orquestrados pelos racistas.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Em 2015, Shaun Redick, produtor de cinema, trouxe o livro Black Klansman, de Ron Stallworth, para a QC Entertainment, onde eles começaram a adaptá-lo a um roteiro de cinema. Após o sucesso do filme Get Out de 2017, que o QC também ajudou a produzir, a QC juntou-se novamente à empresa de Jason Blum, a Blumhouse Productions, e à empresa de Jordan Peele, a Monkeypaw Productions, para ajudar a produzir o filme.[5][6] Em setembro daquele ano, foi anunciado que Spike Lee havia sido contratado para dirigir e John David Washington estava em negociações para estrelar.[7] No mês seguinte, Adam Driver, Laura Harrier, Topher Grace e Corey Hawkins juntaram-se ao elenco.[8][9][10][11] Em novembro, Paul Walter Hauser, Jasper Pääkkönen e Ryan Eggold se juntaram ao elenco[12][13][14] com Ashlie Atkinson se juntando um mês depois.[15]

Filmagens[editar | editar código-fonte]

As filmagens começaram em outubro de 2017,[16] ocorrendo em Ossining, Nova York, em 22 de outubro.[17]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Lee e o elenco no Festival de Cinema de Cannes de 2018

Em 12 de abril de 2018, o filme foi selecionado para competir pela Palma de Ouro no Festival de Cannes de 2018, onde estreou em 14 de maio de 2018.[18][19] Está programado para um lançamento em larga escala nos EUA em 10 de agosto de 2018, que foi escolhido para coincidir com o aniversário de um ano dos tumultos mortais em Charlottesville.[20]

Imprecisão histórica[editar | editar código-fonte]

Embora baseado em uma história real, o enredo do filme é consideravelmente mais dramático do que os eventos do livro, e o período de tempo foi deslocado. Notavelmente:

  • A verdadeira identidade do parceiro de Stallworth é desconhecida; devido a sua interação cara-a-cara com o Klan, ele nunca foi público com sua história. Foi a decisão de Lee de torná-lo judeu para fins dramáticos.
  • O filme acontece em 1972, mas os eventos ocorreram em 1979.
  • Enquanto o primeiro terço do filme é relativamente preciso, o diagrama de bombas do KKK é uma invenção para adicionar tensão dramática; o capítulo real que Stallworth e seu parceiro infiltraram estava principalmente preocupado em insinuar seus membros em posições militares de alto escalão. Como resultado da investigação, quatro membros das forças armadas dos EUA foram realocados, com Stallworth brincando que eles foram "enviados para o Pólo Norte".[21]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

BlacKkKlansman arrecadou US$ 48,5 milhões nos Estados Unidos e no Canadá, e US$ 40,9 milhões em outros territórios, para um total bruto mundial de US$ 89,5 milhões, contra um orçamento de produção de US$ 15 milhões.

Nos Estados Unidos e Canadá, BlacKkKlansman foi lançado ao lado de Slender Man e The Meg, e foi projetado para arrecadar cerca de US$ 10 milhões de 1.512 cinemas em seu fim de semana de estréia.[22] Arrecadou US$ 3,6 milhões em seu primeiro dia (incluindo US$ 670.000 das prévias da noite de quinta-feira).[23] Ele estreou para US$ 10,8 milhões, terminando em quinto nas bilheterias e marcando o melhor final de semana de Lee desde Inside Man ($ 29 milhões) em 2006.[24] Ele faturou US$ 7,4 milhões no segundo final de semana e US$ 5,3 milhões no terceiro, terminando em sétimo e oitavo, respectivamente.[25][26]

Resposta crítica[editar | editar código-fonte]

No site de agregação de revisão Rotten Tomatoes, o filme tem uma classificação de aprovação de 95% com base em 337 avaliações, com uma classificação média de 8,3/10. O consenso crítico do site diz: "BlacKkKlansman usa a história para oferecer comentários mordazes sobre os eventos atuais - e destaca alguns dos trabalhos mais difíceis de Spike Lee em décadas ao longo do caminho."[27] No Metacritic, que atribui uma classificação normalizada às resenhas, o filme tem uma pontuação média ponderada de 83 em 100, com base em 56 críticos, indicando "aclamação universal".[28]

Peter Bradshaw do The Guardian deu ao filme três de cinco estrelas, escrevendo: "É um espetáculo divertido, mas o brilhante equilíbrio tonal em algo como a sátira de Jordan Peele, Get Out, deixa isso um pouco exposto. No entanto, responde ferozmente, com desprezo no coração do regime Trump e alegremente paga de volta em sua própria moeda."[29] Para IndieWire, David Ehrlich deu ao filme um grau de "B+" e escreveu que é "muito mais assustador do que é engraçado" e "embala tais assuntos pesados e ultra-relevantes na forma de uma noite descontroladamente descontrolada mas consistentemente divertida no cinema."[30]

A. O. Scott, escrevendo para o The New York Times, viu o filme como tanto político quanto provocativo ao abrir discussões sobre temas oportunos depois de Charlottesville. Ele afirmou: "Os anti-racistas comprometidos podem sentar-se quietamente ou rir educadamente quando as coisas odiosas são ditas. Epítetos proferidos em ironia podem ser repetidos a sério. A coisa mais chocante sobre a impostura de Flip (papel de detetive disfarçado de Adam Driver) é o quão fácil parece, o quão natural soa. Essa autenticidade desconcertante é, em parte, uma prova da capacidade do Sr. Driver de colocar um desempenho dentro de outro, mas também atesta uma verdade austera e desconfortável. Talvez nem todos que são brancos sejam racistas, mas o racismo é o que nos torna brancos. Não durma neste filme."[31]

Em sua resenha para o Vulture, David Edelstein achou o filme um potente antídoto para filmes anteriores, que Lee vê como indevidamente favoráveis ao ponto de vista racista no passado, como The Birth of a Nation, de Griffith. Ele afirmou: "O próprio Lee tem uma veia propagandista, e ele sabe que nada nunca vendeu a mensagem de emasculação branca e a necessidade existencial de manter negros assim como o filme de 1915 de Griffith. Reviveu o Klan e — insulto à injúria — ainda é considerado um marco do cinema narrativo. Se não houvesse outra razão para fazer BlackkKlansman, este seria bom o suficiente."[32]

O cineasta Boots Riley, cuja estréia no cinema, Sorry to Bother You, também estreou em 2018, foi ao Twitter em 17 de agosto para criticar o filme por sua perspectiva política.[33] Enquanto Riley reconheceu o trabalho do filme como "magistral" e citou Lee como uma grande influência em seu próprio trabalho, ele sentiu que o filme foi desonestamente comercializado como uma história verdadeira, e criticou suas tentativas de "fazer um policial o protagonista na luta contra a opressão racista", quando os negros americanos enfrentam o racismo estrutural "da polícia no dia-a-dia". Em particular, Riley alegou que o filme encobriu o tempo que Stallworth passou trabalhando para a COINTELPRO para "sabotar uma organização radical negra", e se opôs às escolhas do filme para retratar o parceiro de Stallworth como judeu e para documentar um bombardeio "para fazer a polícia parecer heróis".[34][35][36] Lee respondeu em entrevista ao The Times em 24 de agosto, afirmando que, embora seus filmes "tenham sido muito críticos em relação à polícia ... Eu nunca vou dizer que todos os policiais são corruptos, que todos os policiais odeiam pessoas de cor."[37][38]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

BlacKkKlansman venceu o Grand Prix no Festival de Cinema de Cannes.[39] Foi posteriormente indicado para quatro Globos de Ouro, incluindo Melhor Filme Dramático.[40] Lee foi indicado ao prêmio de Melhor Diretor de Filme pela Directors Guild of America e os produtores são indicados ao prêmio Producers Guild of America de Melhor Filme.[41][42]

O filme também foi indicado para quatro Critics Choice Awards, incluindo Melhor Filme,[43] sete Satellite Awards, incluindo Melhor Diretor para Lee,[44] e três Prémios Screen Actors Guild, incluindo o Melhor Ator para Washington.[45] O American Film Institute também o incluiu em seus 10 melhores filmes do ano.[46]

BlacKkKlansman foi indicado ao Oscar de Melhor Filme pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Além disso, Spike Lee foi indicado para Melhor Diretor e Adam Driver foi indicado para Melhor Ator Coadjuvante. O filme também foi indicado para Melhor Roteiro Adaptado, onde ganhou a estatueta e Melhor Montagem. O compositor Terence Blanchard foi indicado para Melhor Trilha Sonora.[47]

Referências

  1. «BlacKkKlansman: O Infiltrado». SAPO. Consultado em 7 de setembro de 2018 
  2. «Infiltrado na Klan». AdoroCinema. AdoroCinema. Consultado em 15 de junho de 2018 
  3. CHAYSE IRVIN, CSC
  4. a b «BlacKkKlansman (2018)». Box Office Mojo. Consultado em 13 de agosto de 2018 
  5. Kit, Borys (8 de setembro de 2017). «'Black Klansman' KKK Thriller in the Works From Spike Lee, Jordan Peele (Exclusive)». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 16 de maio de 2018 
  6. D'Alessandro, Anthony (25 de outubro de 2017). «Adam Driver Joins Spike Lee's 'Black Klansman'». Deadline. Consultado em 16 de maio de 2018 
  7. Kroll, Justin (8 de setembro de 2017). «Spike Lee, Jordan Peele Team Up on KKK Crime Thriller 'Black Klansman'». Variety (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2017 
  8. McNary, Dave (25 de outubro de 2017). «Adam Driver Joins Spike Lee's 'Black Klansman' Thriller». Variety (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2017 
  9. D'Alessandro, Anthony (25 de outubro de 2017). «Adam Driver Joins Spike Lee's 'Black Klansman'». Deadline (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2017 
  10. Busch, Anita (31 de outubro de 2018). «Topher Grace Joins Spike Lee's 'Black Klansman'». Deadline (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2017 
  11. «Corey Hawkins Joins Spike Lee's 'Black Klansman' (Exclusive)». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2017 
  12. N'Duka, Amanda (9 de novembro de 2017). «'I, Tonya' Actor Paul Walter Hauser Joins Spike Lee's 'Black Klansman'». Deadline (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2017 
  13. Kroll, Justin (16 de novembro de 2018). «Spike Lee's 'Black Klansman' Adds 'Vikings' Actor Jasper Paakkonen (EXCLUSIVE)». Variety (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2017 
  14. Busch, Anita (17 de novembro de 2017). «Ryan Eggold, Who Played Fan Favorite Tom Keen In 'The Blacklist,' Joins Spike Lee's 'Black Klansman'». Deadline (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2017 
  15. N'Duka, Amanda; Hipes, Patrick (4 de dezembro de 2017). «Pedro Pascal Joins Barry Jenkins' 'If Beale Street Could Talk'; Ashlie Atkinson Cast In 'Black Klansman'». Deadline (em inglês). Consultado em 14 de maio de 2018 
  16. «Spike Lee Talks 'Black Klansman' Movie and Why He Regrets the Rape Scene in 'She's Gotta Have It' Film». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2017 
  17. Matsuda, Akiko (27 de outubro de 2017). «Spike Lee filming movie in Ossining». Lohud.com 
  18. «The 2018 Official Selection». Cannes. Consultado em 12 de abril de 2018 
  19. «Cannes Lineup Includes New Films From Spike Lee, Jean-Luc Godard». Variety. Consultado em 12 de abril de 2018 
  20. Siegel, Tatiana; Gardner, Chris (14 de maio de 2018). «Cannes: Spike Lee's 'BlacKkKlansman' Draws 10-Minute Ovation». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 16 de maio de 2018 
  21. «Editorial: why the movie 'Blackkklansman' matters». The Roanoke Times. 17 de agosto de 2018. Consultado em 9 de setembro de 2018 
  22. McClintock, Pamela (8 de agosto de 2018). «Box-Office Preview: Big-Budget 'The Meg' Heads for Tepid $20M-Plus U.S. Debut». The Hollywood Reporter. Consultado em 8 de agosto de 2018 
  23. D'Alessandro, Anthony (10 de agosto de 2018). «'The Meg' Bigger Than Expected At $36M…But Is It Big Enough? – Midday Box Office». Deadline Hollywood. Penske Business Media. Consultado em 10 de agosto de 2018 
  24. D'Alessandro, Anthony (12 de agosto de 2018). «'August Audiences Get Hooked On 'Meg' Shelling Out $44.5M». Deadline Hollywood. Penske Business Media. Consultado em 12 de agosto de 2018 
  25. D'Alessandro, Anthony (19 de agosto de 2018). «'Crazy Rich Asians' Even Richer On Saturday With $10M+; Weekend Bling Now At $25M+ With $34M 5-Day Debut». Deadline Hollywood. Penske Business Media. Consultado em 19 de agosto de 2018 
  26. D'Alessandro, Anthony (26 de agosto de 2018). «'Why 'Happytime Murders' Reps A Solo Career B.O. Low For Melissa McCarthy In A 'Crazy Rich' Weekend – Update». Deadline Hollywood. Penske Business Media. Consultado em 26 de agosto de 2018 
  27. «BlacKkKlansman (2018)». Rotten Tomatoes. Fandango Media. Consultado em 16 de maio de 2018 
  28. «BlacKkKlansman Reviews». Metacritic. CBS Interactive. Consultado em 16 de maio de 2018 
  29. Bradshaw, Peter (14 de maio de 2018). «BlacKkKlansman review – Spike Lee's clanging rebuke to the New Trump Order». The Guardian. Consultado em 20 de maio de 2018 
  30. Ehrlich, David (14 de maio de 2018). «'BlacKkKlansman' Review: Spike Lee Detonates a Funny and Righteously Furious 'Fuck You' to Trump — Cannes 2018». IndieWire. Consultado em 20 de maio de 2018 
  31. Scott, A. O. (9 de agosto de 2018). «America's Heart of Darkness». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 21 de agosto de 2018 
  32. Edelstein, David (6 de agosto de 2018). «Spike Lee's BlacKkKlansman Is an Entertaining and Effective Piece of Melodrama». Vulture. New York Media. Consultado em 21 de agosto de 2018 
  33. BootsRiley (17 de agosto de 2018). «Ok. Here's [sic] are some thoughts on #Blackkklansman.» (Tweet) – via Twitter 
  34. Kaplan, Ilana (19 de agosto de 2018). «Boots Riley pens essay on problems with 'BlacKkKlansman'». Rolling Stone. Consultado em 21 de agosto de 2018 
  35. Dessem, Matthew (18 de agosto de 2018). «Sorry to Bother You Director Boots Riley Has a Blistering Critique of Spike Lee's BlacKkKlansman». Slate. The Slate Group. Consultado em 21 de agosto de 2018 
  36. Shoard, Catherine (20 de agosto de 2018). «Boots Riley attacks Spike Lee over 'made up' BlacKkKlansman». The Guardian. Guardian News and Media. Consultado em 21 de agosto de 2018 
  37. «Spike Lee: Trump is a racist. I don't care if you wear a hood or a suit, that's who you are». The Times. Times Newspapers Limited. 24 de agosto de 2018. Consultado em 7 de setembro de 2018 
  38. Darville, Jordan (24 de agosto de 2018). «Spike Lee responds to Boots Riley's BlacKkKlansman criticisms». The Fader. Consultado em 7 de setembro de 2018 
  39. Debruge, Peter (19 de maio de 2018). «Japanese Director Hirokazu Kore-eda's 'Shoplifters' Wins Palme d'Or at Cannes». Variety. Penske Business Media. Consultado em 19 de maio de 2018 
  40. Staff (6 de dezembro de 2018). «'Vice,' 'The Assassination of Gianni Versace' lead 2019 Golden Globe nominations». Los Angeles Times. Consultado em 6 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2018 
  41. Nolfi, Joey (8 de janeiro de 2019). «Bradley Cooper, Spike Lee land Directors Guild of America Award nominations: See the full list». Entertainment Weekly. Consultado em 9 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2019 
  42. Nolfi, Joey (4 de janeiro de 2019). «A Star Is Born, Black Panther, more gain Oscar momentum with Producers Guild nominations». Entertainment Weekly. Consultado em 9 de janeiro de 2019 
  43. Harris, Hunter (10 de dezembro de 2018). «The Favourite, Black Panther Lead Critics' Choice Awards Nominations». Vulture.com. Consultado em 10 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 11 de dezembro de 2018 
  44. «2018 Nominees». 28 de novembro de 2018. Consultado em 29 de novembro de 2018 
  45. Hipes, Patrick (12 de dezembro de 2018). «SAG Awards Nominations: 'A Star Is Born', 'Mrs. Maisel', 'Ozark' Lead Way – The Full List». Deadline Hollywood. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  46. Tapley, Kristopher (4 de dezembro de 2018). «'Black Panther,' 'A Quiet Place,' 'Atlanta' and More Selected for AFI Awards». Variety. Consultado em 5 de dezembro de 2018 
  47. https://www.bbc.com/news/entertainment-arts-46917940