Blind Pigs

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Blind Pigs
Informação geral
Origem Barueri, SP
País  Brasil
Gênero(s) Punk rock, Hardcore Punk, Oi!, Street Punk
Período em atividade 19932008
2013 - 2016
Gravadora(s) Sweet Fury Records
Höhnie Records
Dirty Faces
Amanecer Records
Paradoxx Music
Alfa Music
Grita! Records
Integrantes Henrike - Vocal
Arnaldo - Bateria
Galindo - Baixo
Mauro - Guitarra
Ex-integrantes Paulo
Fralda
Luciano
Pablo
Kléber
Buda
Fabiano
Gordo
Página oficial [1]

Blind Pigs (de 2006 a 2008 conhecida como Porcos Cegos) é uma banda de punk rock formada em 1993, em Alphaville, bairro da cidade de Barueri, SP com influências de bandas como Forgotten Rebels, Asta Kask e Stiff Little Fingers. A banda lançou 4 álbuns (incluindo um ao vivo) e um EP entre 1997 e 2004, ainda sob o nome de Blind Pigs, todos produzidos independentemente pela gravadora DIY própria, Sweet Fury Records. Em 2005 foi anunciado no site oficial e em webzines que fariam uma pausa indeterminada, segundo os próprios, por motivos pessoais. No início de 2006 a banda retornou em uma nova postura lançando o disco Heróis ou Rebeldes, com o nome traduzido e músicas somente em português. A banda acabou em 2008, mas voltou a ativa em 2011 com o nome original, para lançar um novo single que foi uma prévia do disco "Demos", uma coletânea com raridades lançada no ano seguinte. Em 2013 voltam a ativa novamente em comemoração do aniversário de 20 anos da banda, anunciando um novo disco de inéditas e uma nova tour.

 História[editar | editar código-fonte]

Começo (1992 - 1994)[editar | editar código-fonte]

No final de 1992, os amigos de infância Gordo, Laranja e Henrike tem a idéia de montar uma banda de punk rock, influenciados pelas bandas que ouviam na época. Gordo já sabia tocar guitarra, Laranja iria aprender a tocar bateria e Henrike baixo, nenhum dos dois aprenderam, Henrike assumiu os vocais e Laranja deixou a banda (atualmente atua como fotógrafo oficial).

A saga rumo ao fracasso começa em fevereiro de 1993. Sem a menor aptidão musical, sem amigos no meio e com uma vaga, e errada, idéia sobre o que é ter uma banda, desperdiçam seus domingos ensaiando na cozinha de uma casa em Barueri onde moravam os integrantes da banda Hard Life.

Em novembro daquele ano, gravam a primeira demo, ao vivo, no quintal de uma casa barueriense. Algumas músicas desse sofrível registro, intitulado Blind Pigs, podem ser ouvidas nas faixas escondidas de seus dois primeiros CDs. Em 94 descobrem que São Paulo tem uma coisa chamada "cena", conhecem outras bandas e fazem seus primeiros shows na capital paulista, gravam a segunda demo em dezembro, chamada Sweet Fury. A partir daí, novas portas se abririam para os porcos cegos.

Contrato com Paradoxx e São Paulo Chaos (1995 - 1997)[editar | editar código-fonte]

Jay Ziskrout, primeiro baterista do Bad Religion, está de passagem pelo país em busca de "talentos do rock latino" para sua nova gravadora. Seria ele um vanguardista ou um retardado? Não importa. Jay volta pra NY com caixas e caixas de fitas demo e CDs. Entre elas a doce fúria do Blind Pigs.

Seis meses depois, Mr. Zisktrout liga para Henrike e diz que gostou muito da demo - "Vocês não têm mais nada gravado?". "Não, mas daqui a um mês a gente vai ter". Desse telefonema surge a fita Lost Cause, a idéia era gravar umas músicas só pra mandar pro gringo, mas o resultado fica tão bom que vira outra demo.

Além de ser dono da gravadora Grita, Jay trabalhava na Epitaph Europe, e era o responsável pelo licenciamento dos discos da major indie na Iberoamérica. No Brasil, quem distribuia a Epitaph era a Paradoxx. Ninguém sabe como ou porquê, mas a Paradoxx aceitou a sugestão de Jay e assinou contrato com os porcos. Nasce então o São Paulo Chaos, primeiro álbum da banda (produzido também por Mingau, ex guitarrista do Ratos de Porão). Juntando as prensagens de Paradoxx, Grita (EUA e Europa), Alpha Music (Japão) e Sweet Fury Records (que relança o disco em 2000), o São Paulo Chaos vendeu cerca de 10 mil cópias. Logo após seu lançamento, em julho de 97, a banda entra numa van e faz seus primeiros shows fora do estado. A Brazil Chaos Tour percorre 18 cidades do sul, sudeste e centro-oeste do país.

O Fim[editar | editar código-fonte]

Em 2016 após a morte de Fabiano e a saída de Gordo, os integrantes decidem que a banda deve acabar para iniciarem um novo projeto com outro nome e sonoridade.

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Última formação[editar | editar código-fonte]

  • Henrike - voz (1993-2016)
  • Gordo - guitarra e voz (1993-2016)
  • Mauro - guitarra e segunda voz (1993-1997, 2015-2016), baixo (1998-2007)
  • Galindo - baixo (2008-2016)
  • Arnaldo - bateria (1996-1997, 2000, 2006, 2013-2016)

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

(Não tinham baixista nem baterista fixo até 1994)

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Singles, demos e ep's[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

Compilações[editar | editar código-fonte]

Videografia[editar | editar código-fonte]

Videoclipes[editar | editar código-fonte]

  • Steroid Addict, 2000
  • Conformismo e Resistência, 2000
  • Amanhã Não Vai Mudar, 2002
  • O Idiota, 2003
  • Legião de Inconformados, 2004
  • Heróis ou Rebeldes, 2008
  • União, 2013
  • Cinco Cadeados, 2013
  • Sentinela dos Mares, 2013
  • Antro de Trastes, 2014
  • Linha de Frente, 2015

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Prêmios recebidos[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]