Bloqueio atrioventricular do terceiro grau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bloqueio atrioventricular de 3.º grau
ECG de um bloqueio atrioventricular completo. A onda P e a onda QRS aparecem sem a sincronia normal.
Especialidade cardiologia
Classificação e recursos externos
CID-10 I44.2
CID-9 426.0
DiseasesDB 10477
eMedicine emerg/235
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 
Sistema de condução elétrica do coração. Iniciando no nodo SA (1) fluindo pro nodo AV (2) e então pelos feixes esquerdo e direito e depois por fibras de Purkinje.

Bloqueio atrioventricular de terceiro grau ou bloqueio cardíaco completo é uma emergência médica na qual o impulso elétrico natural entre as câmaras superior (átrios) e inferior (Ventrículos) do coração está bloqueado.[1] O impulso normalmente é gerado no nodo sinoatrial(SA) do átrio direito cardíaco e se propaga para o átrio esquerdo e para o Nodo atrioventricular(AV) e depois para ambos ventrículos através do Feixe de His e posteriormente pelas fibras de Purkinje. No mundo, afeta em média 2 a 4 em cada 10.000 pessoas por ano, sendo mais comum em idosos.[2]

Causas[editar | editar código-fonte]

Existem muitas possíveis causas[3][4]:

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Em um eletrocardiograma a onda P (que representam as despolarizações atriais) fica completamente dessincronizada ao complexo QRS (despolarizações ventriculares). As ondas P aparecem com uma frequência de 60 a 100 batimentos por minuto e as ondas QRS, com uma frequência muito menor, de 30 a 100 por minuto. [5]vl

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O bloqueio AV de 3.º grau pode ser tratado com o uso de um marcapasso artificial, para ressincronizar os impulsos. Geralmente os marcapassos modernos também estão programados para impor um ritmo cardíaco mínimo e para registrar os casos de Arritmias de origem sinusal e Fibrilação auricular, duas condições secundárias comuns que podem acompanhar esse grau de bloqueio AV.[6]

O tratamento de casos mais leves pode incluir também medicamentos para controlar a pressão arterial e fibrilação atrial, bem como estilo de vida e hábitos alimentares para reduzir os riscos de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral.

Quando a condição foi causada por overdose de medicamento ou toxina, pode melhorar conforme o organismo metaboliza essas substâncias.

Referências