Bobo-pequeno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaBobo-pequeno
Puffinus puffinus (à esquerda; com Puffinus griseus à direita)
Puffinus puffinus (à esquerda; com Puffinus griseus à direita)
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Procellariiformes
Família: Procellariidae
Género: Puffinus
Espécie: P. puffinus
Nome binomial
Puffinus puffinus
Brünnich, 1764
Sinónimos
Procellaria puffinus
O ovo

O bobo-pequeno, estapagado ou pardela-sombria (nome científico: Puffinus puffinus) é uma espécie de ave procelariiforme europeia da família dos procelariídeos. Tais aves chegam a medir até 35 cm de comprimento, possuindo bico fino e escuro, partes superiores de cor negra uniforme. É conhecida pelos nomes de bobo-pequeno ou pardela-sombria (Brasil), boeiro, boieiro (Madeira), corva, estapagado (Madeira e Açores), estrapagado, estrapagarro (Madeira), feiticeiro, feiticeiro-do-mar, frulho (Açores), fura-bucho, papagarro, pardela-sombria, patagarro (Madeira) e vira-bucho.[1]


Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Os bobos e pardelas (em inglês, shearwater) fazem parte da família Procellariidae, um grupo extenso que contém cerca de 100 espécies de aves marinhas de médio a grande porte. Eles têm asas longas e estreitas e um característico “nariz tubular”.[2] Embora tenha sido considerada uma espécie monotípica, recentemente uma subespécie endêmica para as Ilhas Canárias foi proposta: P. puffinus canariensis .[3] O grande gênero Puffinus inclui várias espécies anteriormente consideradas subespécies do bobo-pequeno, incluindo o bobo yelkouan, a pardela-do-mediterrâneo, a pardela de Hutton , a pardela negra, a pardela esvoaçante,[4] a pardela de Townsend e a pardela havaiana.[5][6] Destas, as pardelas havaianas e possivelmente as de Townsend parecem ser as mais estreitamente relacionadas com os bobos.[5]

Três espécies extintas parecem estar intimamente relacionadas como bobo-pequeno: a pardela de lava,[7] a pardela de duna e a pardela de Scarlett.[8][9] DNA recuperado da pardela de lava das Ilhas Canárias sugere que é a espécie irmã do bobo-pequeno, apesar de ser significativamente menor.[10]

O bobo-pequeno foi descrito pelo primeira vez pelo zoólogo dinamarquês Morten Thrane Brünnich como Procellaria puffinus em 1764.[11][12] O nome científico atual Puffinus deriva de "puffin" e suas variantes, como poffin, pophyn e puffing,[13] que se referiam à carcaça curada do filhote da pardela, uma antiga iguaria.[14] O uso original data de pelo menos 1337, mas já em 1678 o termo gradualmente passou a ser usado para outra ave marinha, o papagaio-do-mar do Atlântico.[13] O nome inglês atual ("Manx shearwater") foi registrado pela primeira vez em 1835 e refere-se ao antigo aninhamento desta espécie na Ilha de Man.[15]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Voando na Islândia

O bobo-pequeno tem 30-38 centímetros de comprimento, com uma envergadura de asa de 76-89 centímetros, pesando de 350-575 gramas.[16] Tem o voo "cortante" típico do gênero, mergulhando de um lado para o outro com as asas rígidas, com poucas batidas de asa, as pontas quase tocando a água. Este pássaro se parece com uma cruz voadora, com suas asas mantidas em ângulos retos com o corpo, e muda de preto para branco à medida que as partes superiores pretas e brancas sob as laterais são expostas alternadamente enquanto viaja baixo sobre o mar.

Vocalização[editar | editar código-fonte]

Esta ave é silenciosa no mar, mesmo quando os pássaros estão reunidos nas colônias de reprodução. Ele vocaliza em suas visitas noturnas às tocas de nidificação. As vocalizações consistem principalmente em uma série estridente de sussurros, uivos e gritos, normalmente em grupos de algumas sílabas, que se tornam mais fracas e guturais. O macho tem tons claros de toque e gritos que são ausentes do repertório mais bruto da fêmea, a diferença sendo óbvia quando um casal faz duetos. As fêmeas podem reconhecer a voz de seus companheiros, mas não de seus filhotes.[17][18] Eles não prestam cuidados pós-nidificação, e como um filhote em sua toca é provavelmente deles, a identificação por voz não é necessária.[19]

Visão[editar | editar código-fonte]

Cada retina do bobo-pequeno tem uma fóvea e uma faixa alongada de alta densidade de fotorreceptores. O pecten ocular possui muitos vasos sanguíneos e parece manter a retina suprida de nutrientes.[20]

A visão do bobo-pequeno tem uma série de adaptações ao seu modo de vida. Como outras aves marinhas com nariz tubular, tem uma área longa e estreita de sensibilidade visual contendo a fóvea na retina do olho.[21] Esta região é caracterizada pela presença de células ganglionares regularmente organizadas e maiores do que as encontradas no resto da retina. Este recurso auxilia na detecção de itens em uma pequena área projetada abaixo e ao redor do bico. Pode ajudar na detecção de presas perto da superfície do mar quando um pássaro voa baixo sobre ela.[22]

Uma vez que visita sua colônia de reprodução à noite, o bobo também tem adaptações para a visão noturna. Nos olhos do bobo, a lente faz a maior parte da curvatura da luz necessária para produzir uma imagem focada na retina. A córnea, a cobertura externa do olho, é relativamente plana, portanto, de baixo poder refrativo. Em um pássaro diurno como um pombo, o inverso é verdadeiro; a córnea é altamente curva e é o principal componente refrativo. A relação entre a refração da lente e a da córnea é de 1,6 para a o bobo e 0,4 para o pombo. A distância focal mais curta dos olhos do bobo dá-lhe uma imagem menor, mas mais brilhante do que no caso dos pombos. Embora o bobo-pequeno tenha adaptações para a visão noturna, o efeito é pequeno, e essas aves provavelmente também usam o olfato e a audição para localizar seus ninhos.[23]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

O bobo-pequeno é uma espécie inteiramente marinha, normalmente voando dentro de 10 metros da superfície do mar. Ele nidifica em tocas em pequenas ilhas, que visita apenas à noite.[24] As suas colónias de nidificação encontram-se no Oceano Atlântico Norte, no Reino Unido, Irlanda, Islândia, Ilhas Faroé, França, Ilha de Man, Ilhas do Canal, Açores, Ilhas Canárias e Madeira. As colônias mais importantes, com um total de mais de 300 000 pares, estão nas ilhas do País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte. Três quartos das aves britânicas e irlandesas se reproduzem em apenas três ilhas; Skomer, Skokholm e Rùm . Cerca de 7 000 a 9 000 pares se reproduzem na Islândia, com pelo menos 15 000 casais nas Ilhas Faroé. Outras populações são de, no máximo, algumas centenas de pares. O nordeste da América do Norte foi colonizado recentemente de Newfoundland and Labrador a Massachusetts ; embora a reprodução tenha sido registrada pela primeira vez em 1973, as populações permanecem pequenas. Os registros no nordeste do Pacífico estão aumentando e há suspeitas de reprodução na Colúmbia Britânica e no Alasca.[25][26]

Durante a época de reprodução, as aves viajam regularmente entre sua colônia e áreas de alimentação distantes da costa que podem chegar a 1 500 km de distância.[27] Por exemplo, observou-se que os bobos-pequenos que criam seus filhotes na costa oeste da Irlanda viajam até a Dorsal Mesoatlântica para se alimentar quando as condições são adequadas.[27]

As colônias de reprodução ficam desertas de julho a março, quando as aves migram para o Atlântico Sul, invernando principalmente no Brasil e na Argentina, com números menores no sudoeste da África do Sul.[28] A jornada para o sul pode ser superior a 10 mil quilômetros,[29] então um pássaro de 50 anos provavelmente cobriu mais de um milhão de quilômetros apenas em migração. A migração também parece ser bastante complexa, contendo muitas escalas e zonas de forrageamento em todo o Oceano Atlântico.[30] O ornitologista Chris Mead estimou que um pássaro anilhado em 1957 quando tinha cerca de 5 anos e ainda reproduzindo na Ilha de Bardsey, no País de Gales, em abril de 2002, voou mais de 8 milhões de quilômetros no total durante sua vida de 50 anos.[31]

Os bobos-pequenos podem voar diretamente de volta para suas tocas quando liberadas a centenas de quilômetros de distância, mesmo longe do oceano.[32]

Em vôo

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Os bobos-pequenos são aves de vida longa. Um bobo-pequeno que se reproduz na Ilha de Copeland, Irlanda do Norte, era em 2003/04, a ave selvagem viva mais velha conhecida no mundo: anilhada quando adulta (pelo menos 5 anos) em julho de 1953, foi recapturada em julho de 2003, tendo pelo menos 55 anos.[33]

Esta é uma espécie gregária, que pode ser vista em grande número em barcos ou promontórios, especialmente na migração no outono. É silencioso no mar, mas à noite, as colônias de reprodução estão vivas com gritos estridentes e cacarejantes.

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Embora os bobos retornem às colônias reprodutoras a partir de março, as fêmeas frequentemente partem novamente por 2 a 3 semanas antes da postura dos ovos no início de maio. Os machos retornam às colônias em que nasceram, mas até metade das fêmeas podem se mudar para outro lugar. O ninho é uma toca, muitas vezes previamente escavada por um coelho europeu, embora os bobos possam cavar seus próprios buracos. Buracos adequados sob as rochas também podem ser usados. As tocas podem ser reaproveitadas nos anos subsequentes.[34]

O ovo branco, único, tem em média 61 mm x 42 mm e pesa 57 gramas, dos quais 7% é casca.[35]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

O bobo-pequeno se alimenta de pequenos peixes (arenques, espadilhas e galeotas), crustáceos, cefalópodes e vísceras da superfície. A ave pega comida na superfície ou por meio de mergulho de busca e se alimenta sozinha ou em pequenos bandos. Pode ser atraído por cetáceos se alimentando, mas raramente segue barcos ou se associa a outras espécies de bobos.[36]

Aves marinhas com nariz tubular podem detectar alimentos a uma distância de várias dezenas de quilômetros usando seu olfato para detectar resíduos e compostos como o dimetilsulfóxido produzidos quando o fitoplâncton é consumido pelo krill. Elas seguem o vento até encontrar um cheiro e o seguem contra o vento até sua origem.[37]

Rafting, um comportamento comum em bobos e pardelas

Rafting[editar | editar código-fonte]

Os bobos-pequenos adotam um comportamento denominado "rafting", em que os pássaros se sentam, geralmente em grandes grupos de mais de 10 000, na água adjacente à Ilha Skomer, colônia de reprodução antes e depois de visitar seus filhotes. As jangadas ("rafts", em ingles) se aproximam da ilha durante a noite e se distanciam pela manhã, o que produz um efeito de "auréola" - onde nenhum pássaro é encontrado perto da ilha durante o dia. Esses ciclos diurnos e noturnos de distribuição de rafting são proeminentes para os bobos-pequenos ao redor da Ilha Skomer e podem fornecer uma forma de esperar o anoitecer que reduz o risco de predação.[38]

Predadores e parasitas[editar | editar código-fonte]

Por causa de sua falta de mobilidade em terra, os bobos-pequenos são vulneráveis ao ataque de grandes gaivotas, como o alcatraz-comum[39] e o moleiro-grande.[40] Aves de rapina, como o falcão-peregrino e a águia-real, também caçam aves adultas.[41]

Ratos e gatos são um problema sério onde estão presentes; a grande colônia de bobos em Calf of Man foi destruída por ratos que chegaram de um naufrágio no final do século XVIII.[42] Os ouriços terrestres comem os ovos das aves marinhas em seus ninhos onde foram introduzidos.[43] Há registros que veados-vermelhos matavam e se alimentavam de bobos jovens pelo menos em Foula, Skokholm e Rùm; na última ilha, 4% dos filhotes são mortos por veados, e ovelhas também estão envolvidas na matança.[44] Acredita-se que a razão para o comportamento carnívoro seja a necessidade de cálcio extra.[45]

Os bobos-pequenos frequentemente carregam piolhos (Mallophaga), a maioria dos quais são comedores de penas nos grupos Ischnocera ou Amblycera, que também consomem sangue. Os mais comuns são os ischnoceras Halipeurus diversus e Trabeculus aviator. Os ninhos das aves reprodutoras frequentemente contêm a pulga da cagarra; Ornithopsylla laetitiae também está comumente presente, que compartilha uma ancestralidade comum com pulgas de coelho norte-americanas.[46] Onde suas tocas ficam próximas às dos papagaios-do-mar do Atlântico, o carrapato Ixodes uriae é comum.[47] O ácaro Neotrombicula autumnalis está frequentemente presente e tem sido implicado na disseminação da puffinose,[47] uma doença viral na qual os pássaros jovens apresentam bolhas nos pés, conjuntivite e problemas de movimento. A taxa de mortalidade pode chegar a 70% em aves infectadas.[48][49] Parasitas internos incluem a tênia Tetrabothrius cylindricus .[50]

Status[editar | editar código-fonte]

A população europeia do bobo-pequeno foi estimada em 350 000–390 000 casais reprodutores ou 1 050 000–1 700 000 de aves individuais e representa 95% do número total mundial. Embora a população desta espécie agora pareça estar diminuindo, a diminuição não é rápida ou grande o suficiente para acionar critérios de vulnerabilidade de conservação. Dados os seus números elevados, este bobo é classificado pela União Internacional para a Conservação da Natureza como sendo a menos preocupante.[51]

No norte de sua distribuição, os números são estáveis e a distribuição está se expandindo, mas as atividades humanas estão afetando as populações nas ilhas da Macaronésia no Oceano Atlântico oriental. Isso inclui pássaros encalhados quando ofuscados pela iluminação artificial. Tal como acontece com outras cagarras e petréis, os bobos-pequenos recém-emplumados são suscetíveis a encalhe em áreas construídas devido à luz artificial. O ciclo lunar e os fortes ventos terrestres influenciam os eventos de aterramento no oeste da Escócia.[52] Cerca de 1000–5000 pintos por ano são legalmente levados para alimentação nas Ilhas Faroé. Mamíferos introduzidos são um problema, embora as populações possam se recuperar quando ratos e gatos são removidos das ilhas. Os coelhos podem tentar ocupar tocas, mas também cavar novos túneis.[53]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Esta espécie encontra-se listada no Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal com o estatuto de Em Perigo nos Açores e Vulnerável na Madeira.

Na cultura[editar | editar código-fonte]

Os pintinhos grandes dos bobos-pequenos são muito ricos em óleos, por sua dieta de peixes, e são consumidos desde os tempos pré-históricos. Eles são facilmente retirados de suas tocas, e a colheita anual da Calf of Man pode ter chegado a 10 000 pássaros por ano no século XVII. Os jovens pássaros também foram comidos na Irlanda, Escócia e ilhas escocesas.[54]

Os gritos estranhos e noturnos dos bobos-pequenos levaram a associações com o sobrenatural. As colônias de reprodução em Trollavalm Trøllanes e Trøllhøvdi nas Ilhas Faroé são acreditados para ter adquirido suas associação com trolls pelos clamores noturnos dessa ave.[55]



Referências

  1. COSTA, Hélder; et al. (2000). Nomes Portugueses das Aves do Paleárctico Ocidental. Lisboa. [S.l.: s.n.] ISBN Assírio & Alvim Verifique |isbn= (ajuda) 
  2. Hoyo, Josep del; Elliott, Andrew; Sargatal, Jordi; Christie, David A; de Juana, Eduardo, eds. (2013). «Procellariidae: Petrels, Shearwaters». Handbook of the Birds of the World Alive. Barcelona: Lynx Edicions. Consultado em 14 de dezembro de 2014  (inscrição necessária)
  3. Rodríguez, Airam; Rodríguez, Beneharo; Montelongo, Tinguaro; Garcia‐Porta, Joan; Pipa, Tania; Carty, Martin; Danielsen, Jóhannis; Nunes, João; Silva, Carlos (15 de setembro de 2020). «Cryptic differentiation in the Manx Shearwater hinders the identification of a new endemic subspecies». Journal of Avian Biology. 51: jav.02633. doi:10.1111/jav.02633 
  4. Hoyo, Josep del; Elliott, Andrew; Sargatal, Jordi; Christie, David A; de Juana, Eduardo, eds. (2013). «Manx Shearwater (Puffinus puffinus. Handbook of the Birds of the World Alive. Barcelona: Lynx Edicions. Consultado em 11 de outubro de 2014  (inscrição necessária)
  5. a b Austin, Jeremy J; Bretagnolle, Vincent; Pasquet, Eric (2004). «A global molecular phylogeny of the small Puffinus shearwaters and implications for systematics of the Little-Audubon's Shearwater complex» (PDF). Auk. 121: 847–864. JSTOR 4090321. doi:10.2307/4090321. Consultado em 20 de dezembro de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 21 de junho de 2015 
  6. Murphy, Robert Cushman (1952). «The Manx Shearwater, Puffinus puffinus, as a species of world-wide distribution» (PDF). American Museum Novitates. 1586: 1–21 
  7. Rando, J C; Alcover, J A (2008). «Evidence for a second western Palaearctic seabird extinction during the last Millennium: the Lava Shearwater Puffinus olsoni». Ibis. 150: 188–192. doi:10.1111/j.1474-919X.2007.00741.x 
  8. Rando, Juan Carlos; Alcover, Josep Antoni (2009). «On the extinction of the Dune Shearwater (Puffinus holeae) from the Canary Islands» (PDF). Journal of Ornithology. 151: 365–369. doi:10.1007/s10336-009-0463-6 
  9. Holdaway, R N; Worthy, T H (1994). «A new fossil species of shearwater Puffinus from the Late Quaternary of the South Island, New Zealand, and notes on the biogeography and evolution of the Puffinus gavia superspecies». Emu. 94: 201–215. doi:10.1071/mu9940201 
  10. Ramirez, O; Illera, J C; Rando, J C; Gonzalez-Solis, J; Alcover, J A; Lalueza-Fox, C (2010). «Ancient DNA of the extinct Lava Shearwater (Puffinus olsoni) from the Canary Islands reveals incipient differentiation within the P. puffinus complex». PLOS ONE. 5: e16072. Bibcode:2010PLoSO...516072R. PMC 3013140Acessível livremente. PMID 21209838. doi:10.1371/journal.pone.0016072 
  11. Hoyo, Josep del; Elliott, Andrew; Sargatal, Jordi; Christie, David A; de Juana, Eduardo, eds. (2013). «Manx Shearwater (Puffinus puffinus. Handbook of the Birds of the World Alive. Barcelona: Lynx Edicions. Consultado em 11 de outubro de 2014  (inscrição necessária)
  12. Brunnich, Morten Thrane (1764). Ornithologia Borealis (em latim). Hafniae: [s.n.] 
  13. a b «Puffin». Oxford English Dictionary. Oxford University Press. Consultado em 14 de dezembro de 2014 (inscrição necessária)
  14. Jobling, James A (2010). The Helm Dictionary of Scientific Bird Names. London: Christopher Helm. ISBN 978-1-4081-2501-4 
  15. «Manx». Oxford English Dictionary. Oxford University Press. Consultado em 14 de dezembro de 2014 (inscrição necessária)
  16. Hoyo, Josep del; Elliott, Andrew; Sargatal, Jordi; Christie, David A; de Juana, Eduardo, eds. (2013). «Manx Shearwater (Puffinus puffinus. Handbook of the Birds of the World Alive. Barcelona: Lynx Edicions. Consultado em 11 de outubro de 2014  (inscrição necessária)
  17. Hoyo, Josep del; Elliott, Andrew; Sargatal, Jordi; Christie, David A; de Juana, Eduardo, eds. (2013). «Manx Shearwater (Puffinus puffinus. Handbook of the Birds of the World Alive. Barcelona: Lynx Edicions. Consultado em 11 de outubro de 2014  (inscrição necessária)
  18. Snow, David Snow (ornithologist); Perrins, eds. (1998). The Birds of the Western Palearctic concise edition (2 volumes). Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-854099-1 
  19. Brooke, Michael (2010). The Manx Shearwater. Col: Poyser Monographs. London: [s.n.] ISBN 978-1408137536 
  20. Schematic diagram of retina of right eye, loosely based on Sturkie (1998) p. 6.
  21. Güntürkün, Onur, "Structure and functions of the eye" in Sturkie (1998) pp. 1–18.
  22. Hayes, Brian (1991). «Novel area serving binocular vision in the retinae of procellariiform seabirds». Brain, Behavior and Evolution. 37: 79–84. PMID 2054586. doi:10.1159/000114348 
  23. Martin, Graham R; Brooke, M de L (1991). «The eye of a procellariiform seabird, the Manx Shearwater, Puffinus puffinus: Visual fields and optical structure». Brain, Behavior and Evolution. 37: 65–78. PMID 2054585. doi:10.1159/000114347 
  24. Snow, David Snow (ornithologist); Perrins, eds. (1998). The Birds of the Western Palearctic concise edition (2 volumes). Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-854099-1 
  25. Hoyo, Josep del; Elliott, Andrew; Sargatal, Jordi; Christie, David A; de Juana, Eduardo, eds. (2013). «Manx Shearwater (Puffinus puffinus. Handbook of the Birds of the World Alive. Barcelona: Lynx Edicions. Consultado em 11 de outubro de 2014  (inscrição necessária)
  26. Goettel, Beth (8 de setembro de 2009). «Manx Shearwaters decide National Wildlife Refuge is perfect place to raise a chick». U S Fish and Wildlife Service. Consultado em 25 de janeiro de 2013 
  27. a b Wischnewski, Saskia; Arneill, Gavin E.; Bennison, Ashley W.; Dillane, Eileen; Poupart, Timothée A.; Hinde, Camilla A.; Jessopp, Mark J.; Quinn, John L. (1 de maio de 2019). «Variation in foraging strategies over a large spatial scale reduces parent–offspring conflict in Manx shearwaters». Animal Behaviour. 151: 165–176. ISSN 0003-3472. doi:10.1016/j.anbehav.2019.03.014 
  28. Onley, Derek; Scofield, Paul (2007). Albatrosses, Petrels and Shearwaters of the World (Helm Field Guides). [S.l.]: London: Christopher Helm. ISBN 978-0-7136-4332-9 
  29. Guilford, T G; Meade, J; Willis, J; Phillips, R A; Boyle, D; Roberts, S; Collett, M; Freeman, R; Perrins, C M (2009). «Migration and stopover in a small pelagic seabird, the Manx shearwater Puffinus puffinus: insights from machine learning». Proceedings of the Royal Society B. 276: 1215–1223. PMC 2660961Acessível livremente. PMID 19141421. doi:10.1098/rspb.2008.1577 
  30. Freeman, R.; Dean, B.; Kirk, H.; Leonard, K.; Phillips, R. A.; Perrins, C. M.; Guilford, T. (2013). «Predictive ethoinformatics reveals the complex migratory behaviour of a pelagic seabird, the Manx Shearwater». Journal of the Royal Society Interface. 10. 20130279 páginas. PMC 3673166Acessível livremente. PMID 23635496. doi:10.1098/rsif.2013.0279 
  31. «Oldest bird clocks 5 million miles». CNN.com. 18 de abril de 2002. Consultado em 31 de março de 2013 
  32. Birkhead (2012) pp. 168–172.
  33. Jacquie A. Clark; Robert A. Robinson; Dawn E. Balmer; Sue Y. Adams; Mark P. Collier; Mark J. Grantham; Jeremy R. Blackburn; Bridget M. Griffin (2004). «Bird ringing in Britain and Ireland in 2003». Ringing and Migration. 22: 114. doi:10.1080/03078698.2004.9674318 
  34. Hoyo, Josep del; Elliott, Andrew; Sargatal, Jordi; Christie, David A; de Juana, Eduardo, eds. (2013). «Manx Shearwater (Puffinus puffinus. Handbook of the Birds of the World Alive. Barcelona: Lynx Edicions. Consultado em 11 de outubro de 2014  (inscrição necessária)
  35. «Manx Shearwater Puffinus puffinus [Brünnich, 1764]». BirdFacts. British Trust for Ornithology (BTO). Consultado em 17 de janeiro de 2015 
  36. Hoyo, Josep del; Elliott, Andrew; Sargatal, Jordi; Christie, David A; de Juana, Eduardo, eds. (2013). «Manx Shearwater (Puffinus puffinus. Handbook of the Birds of the World Alive. Barcelona: Lynx Edicions. Consultado em 11 de outubro de 2014  (inscrição necessária)
  37. Birkhead (2012) pp. 154–158.
  38. Richards, Cerren; Padget, Oliver; Guilford, Tim; Bates, Amanda E. (21 de outubro de 2019). «Manx shearwater (Puffinus puffinus) rafting behaviour revealed by GPS tracking and behavioural observations». PeerJ (em inglês). 7: e7863. ISSN 2167-8359. PMC 6812691Acessível livremente. PMID 31656697. doi:10.7717/peerj.7863 
  39. «Skomer Island: Manx Shearwater Factsheet» (PDF). The Wildlife Trust of South and West Wales. Consultado em 17 de dezembro de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 18 de dezembro de 2014 
  40. Heaney, V; Ratcliffe, N; Brown, A; Robinson, P J; Lock, L (2002). «The status and distribution of European storm-petrels Hydrobates pelagicus and Manx shearwaters Puffinus puffinus on the isles of Scilly» (PDF). Atlantic Seabirds. 4: 1–15. Consultado em 18 de dezembro de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 18 de dezembro de 2014 
  41. Wormell, P (1965). «Manx Shearwaters and other sea-birds as prey of Peregrines and Golden Eagles» (PDF). British Birds. 58: 149 
  42. «Manx Shearwater Puffinus puffinus». Joint Nature Conservation Committee. Consultado em 18 de dezembro de 2014 
  43. Heaney, V; Ratcliffe, N; Brown, A; Robinson, P J; Lock, L (2002). «The status and distribution of European storm-petrels Hydrobates pelagicus and Manx shearwaters Puffinus puffinus on the isles of Scilly» (PDF). Atlantic Seabirds. 4: 1–15. Consultado em 18 de dezembro de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 18 de dezembro de 2014 
  44. Brooke (2010) p. ix.
  45. Furness, R W (1988). «Predation on ground-nesting seabirds by island populations of red deer Cervus elaphus and sheep Ovis». Journal of Zoology. 216: 565–573. doi:10.1111/j.1469-7998.1988.tb02451.x 
  46. Rothschild & Clay (1957) p. 63.
  47. a b Brooke (2010) pp. 16–17.
  48. Harris, M P (1965). «Puffinosis among Manx Shearwaters on Skokholm» (PDF). British Birds. 58: 426–434 
  49. Macdonald, J W; McMartin, D A; Walker, K G; Carins, M; Dennis, R H (1967). «Puffinosis in Fulmars in Orkney and Shetland» (PDF). British Birds. 60: 356–360 
  50. Rothschild, Miriam; Clay, Theresa (1957). Fleas, Flukes and Cuckoos. A study of bird parasites. New York: Macmillan 
  51. BirdLife International (2012). "Puffinus puffinus". IUCN Red List of Threatened Species. 2012. Retrieved 26 November 2013.
  52. Syposz, M.; Gonçalves, F.; Carty, M.; Hoppitt, W.; Manco, F. (2018). «Factors influencing Manx Shearwater grounding on the west coast of Scotland» (PDF). Ibis. 160: 846–854. doi:10.1111/ibi.12594 
  53. Hoyo, Josep del; Elliott, Andrew; Sargatal, Jordi; Christie, David A; de Juana, Eduardo, eds. (2013). «Manx Shearwater (Puffinus puffinus. Handbook of the Birds of the World Alive. Barcelona: Lynx Edicions. Consultado em 11 de outubro de 2014  (inscrição necessária)
  54. Cocker, Mark; Mabey, Richard (2005). Birds Britannica. [S.l.]: Chatto & Windus. ISBN 978-0-7011-6907-7 
  55. Cocker, Mark; Tipling, David (2013). Birds and People. London =: Jonathan Cape=. ISBN 978-0224081740 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Bobo-pequeno