Boca do Lixo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela minissérie homônima da Rede Globo, veja Boca do Lixo (minissérie).
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde julho de 2012). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Boca do Lixo
País
Estado São Paulo
Cidade São Paulo
Bairro(s) Luz

A Boca do Lixo é uma região não oficial do centro da cidade de São Paulo localizada no bairro da Luz, em um quadrilátero que inclui a rua do Triunfo, a rua Vitória e adjacências. Notabilizou-se por ter se abrigado um polo cinematográfico desde as décadas de 1920 e 1930, quando empresas como a Paramount, a Fox e a MGM se instalaram na região. Nas décadas seguintes, essas companhias atraíram distribuidoras, fábricas de equipamentos especializados, serviços de manutenção técnica e outras empresas do ramo cinematográfico para as redondezas. Entre o fim dos anos 1960 e o começo dos anos 1980, a Boca do Lixo tornou-se um reduto do cinema independente brasileiro, desvinculado dos incentivos governamentais. Durante aqueles anos, era comum ver homens guiando carroças carregadas de latas de filmes pela via pública.[1].[2]

Muitos cineastas, como Carlos Reichenbach, Luiz Castelini, Alfredo Sternheim, Juan Bajon, Cláudio Cunha, Julio Bressane, Rogério Sganzerla ou Walter Hugo Khouri, tinham clara proposta autoral em seus filmes, mas a produção da Boca ficou mesmo caracterizada pelos filmes baratos e que tinham forte apelo sexual. Ela floresceu e se expandiu na pornochanchada dos anos 1970, com musas como Helena Ramos, Sandra Bréa, Vanessa Alves, Patrícia Scalvi, Nicole Puzzi, Zilda Mayo. Comédias, dramas, policiais, faroestes, filmes de ação e de kung fu, terror, entre outros, foram gêneros explorados pelo cinema da Boca, sem deixar de lado o uso restrito do erotismo. Produtores como Antônio Polo Galante, David Cardoso, Nelson Teixeira Mendes, Juan Bajon, Cláudio Cunha, Aníbal Massaini Neto, entre outros, ficaram milionários com esse tipo de cinema.[3]

Alguns tiveram sucesso de bilheteria, entre os quais A Viúva Virgem, de Rovai, e Giselle, de Victor di Mello. Com raras exceções, esses filmes não eram muito apreciados pela crítica especializada, que preferia os filmes mais voltados à questão social, de diretores ligados ao Cinema Novo e, nos anos 1970, integrados à Embrafilme, que produzia filmes com incentivo estatal.

O fim da ditadura militar no Brasil trouxe a liberação de filmes com cenas de sexo explícito, o que acabou matando essa indústria cinematográfica.[4]

Nos anos 1990, parte da área da Boca do Lixo veio a ser chamada de Cracolândia e se tornou uma da regiões mais degradadas da cidade de São Paulo. A partir de 2005, a prefeitura de São paulo começa a intervir neste espaço através de uma estratégia repressiva, aumentando o policiamento local e fechando hotéis e bares supostamente ligados ao tráfico de drogas e à prostituição. Centenas de imóveis residenciais ou utilizados por pequenos comerciantes foram declarados de utilidade pública e desapropriados a fim de atrair investimentos privados e empresas do setor imobiliário. Em 2007 é lançado o programa Nova Luz, destinado a promover a requalificação da região através da renúncia fiscal do IPTU como estímulo a reformas das fachadas. Paralelamente, tratava-se de afugentar os grupos socialmente mais vulneráveis: os sem tetos eram retirados ou expulsos sumariamente; catadores de material reciclável tinham seu trabalho dificultado; usuários de crack e outras drogas (entre eles, muitas crianças e adolescentes) eram impedidos de se reunir no local e impelidos a perambular, sem rumo, por bairros vizinhos. O programa revelava assim seu caráter higienista. Em 2012, tem início a "Operação Centro Legal", de combate ao tráfico na região e internação compulsória dos dependentes de crack. Já no primeiro mês, pequenas cracolândias se espalharam pela cidade - distribuindo-se, segundo a Polícia, por 27 bairros, entre eles a Barra Funda, Higienópolis, Santa Cecília e Luz. Na época, segundo um relatório do governo de São Paulo, 155 usuários de drogas foram internados, 191 pessoas foram presas em flagrante e 63 toneladas de drogas (incluindo três toneladas de crack) foram apreendidas.[5]

Referências

  1. A Boca do Lixo ainda respira. Por Carlos Juliano Barros e Laura Lopes. Repórter Brasil, 15 de junho de 2004.
  2. Com poucos recursos, filmes da Boca do Lixo não podiam dar margem a erros. Por Inácio Araújo. Folha de S. Paulo, 16 de fevereiro de 2014.
  3. Remanescentes da Boca do Lixo se reúnem para realizar filme. Por Guilherme Genestreti. Folha de S. Paulo, 16de fevereiro de 2014.
  4. Vídeo: Cineastas lembram Auge da Boca do Lixo. TV Uol, 16 de fevereiro de 2014
  5. Dossiê Cracolância. Sedes Sapientiae. Departamento de Psicanálise. Junho de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]