Boliqueime

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Boliqueime (desambiguação).
Portugal Portugal Boliqueime 
  Freguesia  
Travessa da Consolação em Boliqueime
Travessa da Consolação em Boliqueime
Símbolos
Brasão de armas de Boliqueime
Brasão de armas
Localização
Localização no município de Loulé
Localização no município de Loulé
Boliqueime está localizado em: Portugal Continental
Boliqueime
Localização de Boliqueime em Portugal
Coordenadas 37° 07' N 8° 09' O
Município LLE1.png Loulé
Administração
Tipo Junta de freguesia
Características geográficas
Área total [1] 46,21 km²
População total (2021) [2] 4 794 hab.
Densidade 103,7 hab./km²

Boliqueime é uma freguesia portuguesa do município de Loulé[3], com 46,21 km² de área e uma população de 4794 habitantes (censo de 2021)[4], tendo uma densidade populacional de 103,7 h/km², o que lhe permite ser classificada como uma Área de Baixa Densidade (portaria 1467-A/2001).[5].

Boliqueime é sede de freguesia, com 42 km2 de extensão, e mais de 6000 habitantes. Pela prefeitura foi esta freguesia unida ao Concelho de Albufeira. Pela Lei de 17 de Abril de 1838 anexada ao antigo Concelho de Loulé, tendo voltado a pertencer ao Concelho de Albufeira entre 10 de Julho de 1839 e 24 de Outubro de 1855, data em que Boliqueime passou, definitivamente, a integrar o novo Concelho de Loulé onde permanece até aos nossos dias.

Boliqueime surgiu onde se encontram olhos de água. O topónimo "Boliqueime" deriva do italiano "bulicame" que significa "fonte termal", estando a criação desta aldeia ligada aos genoveses, venezianos e sicilianos que, nos séculos XIII, XIV e XV, demandavam a costa algarvia para a pesca do atum e da baleia e iam aos Olhos D’Água (ou seja a Boliqueime) carregar a indispensável água potável. Obviamente o sufixo português "-queime" substituí o falso sufixo italiano "-came", assim exprimindo o sentido do adjetivo "termal".

Este nome, que agradou aos seus naturais, foi adoptado pelos populares e ficou na povoação desde que Boliqueime se “deslocou” para onde actualmente está implantado.

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Boliqueime
AnoPop.±%
1864 3 393—    
1878 4 020+18.5%
1890 4 700+16.9%
1900 5 034+7.1%
1911 5 640+12.0%
1920 5 641+0.0%
1930 5 007−11.2%
1940 5 638+12.6%
1950 5 335−5.4%
1960 4 796−10.1%
1970 3 934−18.0%
1981 3 804−3.3%
1991 4 387+15.3%
2001 4 473+2.0%
2011 4 973+11.2%
2021 4 794−3.6%

Património[editar | editar código-fonte]

A título de curiosidade, reza a história que foi na freguesia que D. João I mandou fazer as primeiras experiências de plantação de cana-de-açúcar. Afetada pelo sismo de 1755, a igreja matriz de Boliqueime teve que ser novamente edificada, sendo actualmente um dos pontos de atracção turística em Boliqueime, seguindo-se o museu e a Igreja de S. Faustino, santo a quem a população dedica uma festa e grande devoção por este ser apelidado de advogado dos quebrados.

A excelência da paisagem e o superior acolhimento da sua gente constituem, igualmente, fortes atracções para nacionais e estrangeiros que de longe a visitam e a escolhem para residência. Os valores da ruralidade caracterizam a freguesia de Boliqueime, que vive fundamentalmente da agricultura de sequeiro e de regadio, para além do comércio que se localiza próximo do aglomerado urbano e na Fonte de Boliqueime e se estende, igualmente, ao longo da EN 125.

Mantêm-se, também, ainda vivas na freguesia algumas tradições, tais como as feiras de 4 de agosto e 17 de outubro, a festa em honra de Nossa Senhora das Dores, São Luís e São Sebastião, em Setembro e a festa de São Faustino, no Domingo de Pascoela. De tradição mais recente, em meados de Junho, têm lugar no átrio da Igreja Matriz as festas populares de São João.

Realizam-se são também passeios pedestres pelas paisagens da freguesia, de onde se podem vislumbrar o mar, antigos moinhos de vento, poços de água, miradouros, ribeiras de águas límpidas e cristalinas e as mais variadas vegetações.

Figuras ilustres[editar | editar código-fonte]

Boliqueime é o lugar de nascimento do político e economista Aníbal Cavaco Silva, que foi Primeiro-Ministro de Portugal entre 1985 e 1995 e Presidente da República entre 2006 e 2016. A Escola Básica Integrada de Boliqueime foi inaugurada no dia 19 de setembro de 1994 e tem o nome EBI Prof. Doutor Aníbal Cavaco Silva.

É também o lugar de nascimento da escritora Lídia Jorge (1946) e da escritora e ensaísta Maria Aliete Galhoz (1929).

Referências

  1. «Áreas das freguesias, municípios e distritos da CAOP2013». Separador Areas_Freguesias_CAOP2013. Direcção-Geral do Território. 2013. Consultado em 1 de Abril de 2014. Cópia arquivada em 4 de Dezembro de 2013 
  2. «População residente, segundo a dimensão dos lugares, população isolada, embarcada, corpo diplomático e sexo, por idade (ano a ano)». Informação no separador "Q601_Algarve". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 1 de Abril de 2014. Cópia arquivada em 4 de Dezembro de 2013 
  3. «Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro (Reorganização administrativa do território das freguesias)» (pdf). Diário da República eletrónico. Consultado em 1 de Abril de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 6 de Janeiro de 2014 
  4. INE. «Censos 2021 - resultados preliminares». Consultado em 29 de julho de 2021 
  5. Teixeira, Ângelo José Lopes (2006). Tipologia sócio-económica das freguesias da Região do Algarve, 1991 - 2001, Dissertação de mest., Economia Regional e Desenvolvimento Local,Faculdade de Economia, Univ. do Algarve

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Boliqueime


Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.