Bombardeamento aéreo do centro migratório de Tajura de 2019

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bombardeamento aéreo do centro migratório de Tajura de 2019
Data 3 de julho de 2019
Localização Tajura, Líbia
Tipo Bombardeamento aéreo
Causa Ataque a uma base militar próxima do local, decorrente da ofensiva no oeste da Líbia
Mortes 53[1]
Lesões não fatais +130[2][3]

Em 3 de julho de 2019, um bombardeamento aéreo, liderado pelo Exército Nacional Líbio, atingiu o Centro de Detenção de Tajura, nos arredores de Trípoli, Líbia, enquanto centenas de pessoas estavam dentro das instalações. O Centro de Detenção estava sendo usado como uma instalação de retenção para migrantes e refugiados que tentavam chegar à Europa, quando uma unidade de armazenamento usada como instalação residencial foi destruída em um bombardeio aéreo. O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas declarou que "era sabido que havia 600 pessoas vivendo dentro" da instalação.[2][4] Pelo menos 53 pessoas foram mortas e mais de 130 ficaram feridas.[1] Uma revolta internacional generalizada foi gerada contra o bombardeamento aéreo, devido a sua percebida imprudência e ao alvejamento de civis desarmados e inocentes. O bombardeamento aéreo também levantou o escrutínio da política da União Europeia de cooperar com as milícias para deter migrantes e financiar e treinar a Guarda Costeira da Líbia, que prendeu a maioria dos migrantes e refugiados.[2][5]

Fundo[editar | editar código-fonte]

O Centro de Detenção de Tajura está localizado a 16 km a leste da capital líbia de Trípoli. Faz parte de uma rede de 34 centros de detenção de migrantes em todo o noroeste da Líbia, que abrigam cerca de 5 mil pessoas. Os centros são operados pelo Governo do Acordo Nacional e são usados para deter migrantes que tentam chegar à Europa.[6]

Em abril de 2019, o Exército Nacional Líbio iniciou uma grande ofensiva para capturar o oeste da Líbia e a capital Trípoli. Depois que um bombardeamento aéreo atingiu um alvo a menos de 100 metros do centro de detenção em maio, a Agência de Refugiados da ONU pediu a evacuação de refugiados e migrantes em centros de detenção em áreas de conflito em Trípoli.[6][7]

Bombardeamento aéreo[editar | editar código-fonte]

Em 3 de julho de 2019, um ataque aéreo atingiu diretamente a unidade do Centro de Detenção de Tajura, enquanto as famílias de migrantes dormiam. Um coordenador médico do Médicos sem Fronteiras contava com 126 migrantes vivendo dentro da unidade do centro pouco antes de ser atingido diretamente pela bombardeio.[4] Fotos aéreas da cena mostram que a explosão desmoronou o telhado e explodiu as paredes da seção da unidade onde ela bateu.[8] Um assessor de mídia do Ministério da Saúde da Líbia disse que "havia sangue e partes de corpos em todo o lugar" e o governo da Líbia descreveu o bombardeio como um "massacre". Hospitais trabalharam em capacidades acima da média no rescaldo do ataque, enquanto tentavam tratar um "dilúvio" de pacientes feridos.[9]

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), pelo menos 53 pessoas foram mortas e mais de 130 ficaram feridas.[1] A ONU também registrou relatos de que "após o primeiro impacto, alguns refugiados e migrantes receberam tiros de guardas enquanto tentavam escapar".[1]

Forças associadas ao general Khalifa Hafter disseram que estavam atacando um base militar próxima do local. Eles receberam assistência do Egito, dos Emirados Árabes Unidos e da Rússia.[2]

Reações[editar | editar código-fonte]

O governo da Líbia culpou o ataque às forças aéreas associadas ao general Khalifa Hafter, do Exército Nacional Líbio (ENL). O general vinha travando uma ofensiva contra grupos rebeldes na capital da Líbia desde abril, e o ataque aéreo ocorrera dois dias depois de o general ter ameaçado ataques com bomba na área depois de anunciar que os "meios tradicionais" da diplomacia eram insuficientes.[2][5] Um porta-voz de Hafter disse ao The Independent que a alegação era "incorreta" e que "o ENL não tem operações aéreas",[9] apesar do fato de o ENL ter anunciado dois dias antes planos de ataques aéreos em resposta à perda do controle de Gariam.[10]

O ministro do interior da Líbia, Fathi Bashagha, anunciou em 4 de julho que o governo estava considerando encerrar os centros de detenção e liberar todos os migrantes, já que o governo não pode garantir a proteção dos mesmos.[11]

  •  Nações Unidas - Um porta-voz da agência de refugiados da ONU afirmou que a proximidade do centro de detenção a um armazém de armas fez dele um alvo por associação.[2] O chefe de direitos humanos da ONU chamou o bombardeamento aéreo de "crime de guerra". O diretor do Oriente Médio e Norte da África para a Anistia Internacional também exigiu que a Corte Penal Internacional investigue o bombardeio como um crime de guerra.[3] Em um comunicado oficial, o secretário-geral Antonio Guterres exigiu uma investigação sobre "como isso aconteceu e quem foi o responsável e levar as pessoas em consideração".[12] O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados e a Organização Internacional de Migração fizeram uma declaração conjunta: "Nossas duas organizações condenam veementemente este e qualquer ataque à vida civil. Também pedimos o fim imediato da detenção de migrantes e refugiados".[5] O Conselho de Segurança das Nações Unidas considerou uma resolução elaborada pelo Reino Unido que teria condenado o ataque e pediu um cessar-fogo. A resolução não foi aprovada.[13]
  •  Estados Unidos - O Departamento de Estado dos Estados Unidos declarou: "Esta trágica e desnecessária perda de vidas, que afetou uma das populações mais vulneráveis, ressalta a necessidade urgente de todas as partes líbias reduzirem os combates em Trípoli e retornarem ao processo político, que é o único caminho viável para a paz duradoura e estabilidade na Líbia".[5]

Referências

  1. a b c d «Libya migrants 'fired on after fleeing attack'». BBC. 4 de julho de 2019. Consultado em 5 de julho de 2019 
  2. a b c d e f Musa, Rami; Magdy, Samy (3 de julho de 2019). «Airstrike kills 44 migrants in Libyan detention center». Associated Press. Consultado em 5 de julho de 2019 
  3. a b «UN says Libya migrant attack could be war crime». BBC. 3 de julho de 2019. Consultado em 5 de julho de 2019 
  4. a b «MSF RESPONSE: Deadly airstrikes on Tajoura detention centre». Médecins Sans Frontières UK. 3 de julho de 2019. Consultado em 5 de julho de 2019 
  5. a b c d Romo, Vanessa; Chappell, Bill (3 de julho de 2019). «Airstrike On Migrant Detention Center In Libya Kills At Least 44 People». NPR. Consultado em 5 de julho de 2019 
  6. a b Walsh, Declan (3 de julho de 2019). «Airstrike Kills Dozens of Migrants at Detention Center in Libya». The New York Times. Consultado em 5 de julho de 2019 
  7. «Move refugees in Tripoli out of harm's way, urges UNHCR». Agência de Refugiados da ONU. 8 de maio de 2019. Consultado em 5 de julho de 2019 
  8. Thornton, Chandler; Elshamy, Mohammed; Westcott, Ben; Paget, Sharif (3 de julho de 2019). «At least 40 killed after airstrike targets migrant center in Libya». CNN. Consultado em 5 de julho de 2019 
  9. a b Daragahi, Borzou; Bel, Trew (3 de julho de 2019). «Libya airstrike: Up to 80 killed in attack on migrant detention centre in Tripoli». The Independent. Consultado em 5 de julho de 2019 
  10. «Libya airstrike hits migrant detention center in Tripoli, killing scores». CBS News. 3 de julho de 2019. Consultado em 5 de julho de 2019 
  11. Assad, Abdulkader (4 de julho de 2019). «Libyan Interior Minister says government mulling releasing all migrants». The Libya Observer. Consultado em 5 de julho de 2019 
  12. Guterres, António (3 de julho de 2019). «Libya detention centre airstrike could amount to a war crime says UN, as Guterres calls for independent investigation». Nações Unidas. Consultado em 5 de julho de 2019 
  13. Assad, Abdulkader (3 de julho de 2019). «US prevents Security Council resolution condemning airstrike on migrants center in Libya». The Libya Observer. Consultado em 5 de julho de 2019 
  14. Guler, Sena (3 de julho de 2019). «Migrant camp attack in Libya 'crime against humanity': Turkey». Anadolu Agency. Consultado em 5 de julho de 2019