Bombardeio em Argel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bombardeio em Argel
Bombardment of Algiers 1816 by Chambers.jpg
Bombardment of Algiers, 1816, por George Chambers Sr.
Data 27 de Agosto de 1816
Local Argel, Argélia
Desfecho Vitória dos aliados
Combatentes
Aliados Império Otomano Império Otomano
Principais líderes
* Lord Exmouth Omar Agha
Forças
27 navios * aproximadamente 90 barcos
  • baterias na costa
Vítimas
887 mortos ou feridos 500 mortos [2]

O Bombardeio em Argel (27 de Agosto de 1816) foi uma tentativa da Grã-Bretanha de por fim nas práticas de escravidão do Dey de Argel. Uma frota Anglo-Holandesa sob o comando do Almirante Lord Exmouth bombardeou navios e as defesas do porto de Argel.

Embora tenha havido uma contínua campanha das marinhas de vários países europeus e norte-americanos para suprimir a pirataria contra europeus pelos norte africanos, o objetivo específico desta expedição era libertar escravos cristãos e para impedir a prática de escravizar europeus. Para este fim, foi parcialmente bem sucedido como a libertação em Argel de cerca de 3.000 escravos após o bombardeio e assinatura de um tratado contra a escravidão dos europeus. No entanto, o cessar da escravidão não duraria muito tempo.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Após o fim do Guerras Napoleônicas em 1815, a Marinha Real Britânica já não precisava dos Estados Bárbaros como fonte de suprimentos para Gibraltar e sua frota no mar Mediterrâneo. Houve considerável pressão política exercida para acabar com a prática de escravizar cristãos pelos Estados Bárbaros.

No início de 1816, Exmouth empreendeu uma missão diplomática, apoiada por uma pequena esquadra de navios para Túnis, Trípoli e Argel para convencer os Deys para interromper a prática e libertar os escravos cristãos. Os Deys de Túnis e Trípoli concordaram sem qualquer resistência, mas o Dey de Argel era mais desobediente e as negociações foram turbulentas. Exmouth acreditava que ele tinha conseguido sucesso ao negociar um tratado para parar a escravidão dos cristãos e voltou para a Inglaterra. No entanto, devido a ordens confusas, as tropas argelinas massacraram 200 pescadores corsos, sicilianos e sardos que estavam sob proteção britânica logo após a assinatura do tratado. Isso causou indignação na Grã-Bretanha e Europa, e as negociações de Exmouth foram vistas como um fracasso.

Como resultado, Exmouth foi enviado ao mar novamente para concluir o trabalho e punir os argelinos. Ele reuniu um esquadrão de cinco navios de linha, um navio (HMS Leander), quatro fragatas (HMS Severn, Glasgow, Granicus e Hebrus), e cinco bombas (HMS Belzebu, Fúria, Hecla e Infernal). Queen Charlotte - 100 armas - foi seu carro-chefe e o Contra-almirante David Milne foi o segundo no comando a bordo do Invencível, 98 armas de fogo. Este esquadrão foi considerado por muitos como uma força insuficiente, mas Exmouth já havia discretamente pesquisado as defesas argelinas: ele estava muito familiarizado com a cidade, e estava ciente de uma fraqueza no campo de fogo das baterias defensivas. Na opinião dele, levar a presença de mais navios de grande porte iria interferir com os outros e não seriam capazes de aumentar o poder de fogo. Além da frota principal, havia quatro corvetas (HMS Heron, Mutine, Cordelia e Britomart), oito barcos armados com foguetes Congreve, e alguns transportes para levar os escravos resgatados.

Na chegada a Gibraltar, um esquadrão de cinco fragatas holandesas (Melampus, Frederica, Dageraad, Diana e Amstel) e uma corveta - liderada pelo vice-almirante Theodorus Frederik van Capellen - se ofereceu para juntar-se a expedição. Exmouth decidiu atribuí-los a cobrir a principal força de baterias de acompanhamento argelinas, porque não havia espaço suficiente no pier para as fragatas holandesas[3]

Plano de ataque[editar | editar código-fonte]

Esboço mostrando as posições da frota durante o bombardeio.
Conselho de guerra a bordo do Queen Charlotte, 1818, Nicolaas Bauer.

No dia anterior ao ataque, a fragata Prometeu chegou e seu capitão, Dashwood, tentou secretamente resgatar o cônsul britânico juntamente com sua esposa e filho. Mas, um integrante do grupo de resgate foi descoberto e preso. O ataque foi descrito pelo cônsul dos EUA.

O plano de ataque foi montado tal que os navios de maior porte fariam a abordagem em coluna. Eles saíram para navegar para a zona onde a maioria dos canhões argelinos não poderia atingir. Em seguida, eles ancoraram e bombardear as baterias e fortificações sobre o pier para destruir as defesas. Simultaneamente, Leander - 50 armas -, era para ancorar ao largo da boca do porto e bombardear o transporte dentro do pier. Para proteger Leander da bateria da costa, duas fragatas - Severn e Glasgow, eram para navegar pela costa e bombardear a bateria.

Bombardeio[editar | editar código-fonte]

Pintura de Martinus Schouman

Exmouth em Queen Charlotte ancorado aproximadamente 80 yd (73,2 m) fora do pier enfrenta as armas argelinas. No entanto, a maioria dos outros navios, notadamente o Almirante Milne a bordo do HMS Invencível ancorado fora de posição tanto reduzindo a sua eficácia como expondo-os ao fogo impetuoso argelino. Alguns dos outros navios navegaram ultrapassando Invencível e ancorando em posições mais perto do plano.

Pintura da ação por Thomas Luny

Nas negociações prévias, tanto Exmouth como o Dey de Argel haviam afirmado que não iriam disparar o primeiro tiro. O plano Dey foi permitir a frota ancorar e depois furtivamente aproximar do porto navios com grande número de homens em pequenos barcos. No entanto, a disciplina argelina não foi eficaz e uma arma argelina foi disparada às 15:15. Exmouth imediatamente começou o bombardeio. A flotilha argelina tentou abordar, mas 33 de seus barcos foram afundados. Depois de uma hora, os canhões do pier foram efetivamente silenciados e Exmouth voltou sua atenção para o transporte no porto que foi destruído às 19:30. Embora a frota também tenha bombardeado a cidade, houve relativamente poucos danos porque a construção das casas fez com que bolas de canhão passassem diretamente pelas paredes, deixando um buraco sem destruí-las. Às 20:00, Milne pediu que a embarcação com bomba Vesúvio fosse usada contra a bateria que estava atacando seu navio. Porém, o comandante da bomba cometeu um erro de navegação e ela explodiu ineficazmente ao lado da bateria errada.

Apesar disso, as baterias argelinas não eram mais capazes de manter o fogo e às 22:15, Exmouth deu a ordem para a frota para levantar âncora e navegar fora do alcance, deixando HMS Minden para manter os disparos para suprimir qualquer resistência. Às 01:30 da manhã seguinte, a frota estava ancorada fora do alcance argelino, os feridos foram tratados e a tripulação limpou os danos causados ​​pelas armas argelinas. Baixas no lado britânico foram de 16% de mortos ou feridos.

Resultado[editar | editar código-fonte]

No dia seguinte, ao meio-dia, Exmouth enviou a seguinte carta ao Dey:

"Senhor, por suas atrocidades em Bona sobre cristãos indefesos, e sua desconsideração imprópria das exigências que fiz ontem em nome do príncipe regente da Inglaterra, a frota sob minhas ordens lhe deu um sinal de castigo, com a destruição total de sua marinha, armazém, e arsenal, com metade de suas baterias. Como a Inglaterra não guerreia com o intuito de destruir cidades, não estou disposto a castigar os moradores inocente do país por causa de suas crueldades pessoais, e eu portanto, ofereço-lhe as mesmas condições de paz que eu te transmiti ontem em nome de meu soberano. Sem a aceitação destes termos, você não terá paz com a Inglaterra."

Ele advertiu que, se eles não foram aceitos, então ele iria continuar a ação. O Dey aceitou os termos, não percebendo que eles eram um blefe, porque a frota já havia disparado toda a sua munição.

Um tratado foi assinado em 24 de setembro de 1816. 1.083 escravos cristãos e o cônsul britânico foram libertados e o dinheiro do resgate pago. Mais de 3.000 escravos no total foram mais tarde libertados.

Depois de algum tempo, os argelinos e outros estados bárbaros renovaram seu pirataria e escravidão, já que obtiveram receita dos resgates para alguns escravos europeus e ganharam mercado para outros.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. http://www.crwflags.com/FOTW/flags/dz_1776.html
  2. (em francês) Documents turcs inédits sur le bombardement d'Alger en 1816, Abdeljelil Temimi, Revue de l'Occident musulman et de la Méditerranée, 1968, Volume 5, Numéro 5, pp. 111-133
  3. Otridge et al., p. 233

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • The Life of Admiral Viscount Exmouth, by William Osler, 1841
  • Edward Pellew, Viscount Exmouth, by C. Northcote Parkinson, 1934
  • Mariner's Mirror (1941)
  • Otridge, J. et al. (1817), "Dispatches from Admiral Lord Exmouth, G.C.B., addressed to John Wilson Croker, Esq," in:The Annual Register, Or, A View of the History, Politics, and Literature for the Year 1816, pp. 230–240; and "Dutch official account of the battle", ibid., pp. 240–243

Links Externos[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bombardeio em Argel