Bonde dos 40

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bonde dos 40
Fundação 2007
Local de fundação São Luís  Maranhão
Território (s) São Luís (desde 2007)
Teresina (desde 2018)[1]
Atividades Assaltos
Sequestros
Atentados
Tráfico de drogas
Aliados Primeiro Comando da Capital (PCC)
Amigos dos Amigos (ADA)
Rivais Primeiro Comando do Maranhão (PCM, até 2017)
Comando Vermelho (CV, desde 2017)
Comando Organizado do Maranhão (COM, desde 2007)

O Bonde dos 40, mais conhecida como B40, é uma organização criminosa criada em São Luís, aliada à facção carioca Amigos dos Amigos (ADA). Até 2017, o grupo era aliado à facção carioca Comando Vermelho (CV) contra o Primeiro Comando do Maranhão (PCM) que tinha como aliada a facção paulista Primeiro Comando da Capital (PCC). No entanto, as facções carioca (CV) e paulista (PCC) romperam com seus antigos aliados no Maranhão, obrigando estas fazerem alianças: o B40 se aliou com a facção paulista PCC e com a carioca ADA, enquanto o PCM se aliou ao CV e mudou nome para ser a filial Comando Vermelho maranhense.

Em 2019, o B40 tem o domínio aproximado de 80% da Capital Maranhense, enquanto outros 15% são do rival do Comando Vermelho (CV) e os outros 5% restantes do Comando Organizado do Maranhão (COM), dissidência do PCM, B40 e contrários a aliança do antigo PCM ao CV.

A facção também é conhecida por aterrorizar o Estado com atividades criminosas (ataques, sequestros, tráfico de drogas e assaltos). Está entre as 5 principais facções criminosas no país de acordo com dados.[2].

História[editar | editar código-fonte]

O Bonde dos 40 surgiu em 2007 por causa dos contatos dos presidiários maranhenses em outros estados, que estiveram presos e foram transferidos para prisões maranhenses que estiveram contato com outros presos pertencentes de outras facções criminosas. Em apenas dois anos (2009), passaram atuar dentro e fora das cadeias no interior do Maranhão, chegando a se aliar com Comando Vermelho (CV) e Amigos dos Amigos (ADA).

Entre 2010 a 2014, o grupo ficou conhecido por promover rebeliões nas cadeias e no Pedrinhas contra PCM e ataques nas ruas, provocando a morte de mais 100 presos. Desde então, o PCM e B40 passaram a lutar violentamente pelos domínios nos bairros de parafitas (nome local para "favelas nos mangues") e comunidades (nome local para "periferia" ou "bairro pobre", sem nenhuma relação ao significado favela), causando dezenas de mortes e feridos.

Com o tempo, entre 2013 a 2017, o B40 passou a vencer o rival PCM e dominar quase todos os bairros, chegando a dominar 90% dos pontos de venda de drogas e bairros, além de atuar no interior do Maranhão. Porém, quando já estava a ganhar 95% dos domínios, as facções cariocas (CV) e paulista (PCC) romperam com seus antigos aliados no Maranhão, obrigando estas fazerem alianças: o B40 se aliou com a facção carioca ADA, enquanto o PCM se aliou ao CV e mudou nome para a filial Comando Vermelho maranhense. Isto fez surgir outra facção Comando Organizado do Maranhão (COM), uma dissidência das duas facções maranhenses, que passou atacar na comunidade (bairro pobre) Cidade Olímpica e ganhou o domínio do bairro desde então. Enquanto isso, o CV (ex-PCM) decidiu mudar de tática ao atacar e conseguir dominar partes dos bairros Cidade Operária e São Cristóvão, além de atuar em bairros nos municípios do Paço do Lumiar, São José de Ribamar e Raposa.

Em 2018, a facção maranhense ultrapassou fronteira estadual e passou a ter a presença nos bairros pobres da zona sul da cidade de Teresina, capital do Piauí (após dominar bairros periféricos de Codó, Caxias e Timon nos anos anteriores),[1] dando ordem nos bairros pra proibições pra evitar presença policial: roubar, matar, fumar, ingerir bebida alcoólica, inclusive proibir o uso de drogas ilícitas em algumas áreas públicas (comprar, vender ou consumir se houver crianças no local), que só teve destaque na imprensa maranhense em janeiro de 2019, de acordo com as pichações nos muros da cidade.[3][4] A presença do B40 na zona sul da capital piauiense só foi facilitada com a aliança dos traficantes de drogas locais.[3] Segundo do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), no Piauí existem cinco facções criminosas, além do Bonde dos 40, existe a paulista PCC, os criminosos locais da Facção Criminosa de Teresina, Primeiro Comando de Campo Maior e Primeiro Comando de Esperantina.[4]

Na noite do dia 20 de janeiro de 2019, o B40 invadiu o bairro da Vila Conceição (zona urbana ao sul de São Luís), controlado pelo rival CV pra tomar o controle.[5] A troca de tiros durou três dias, em diferentes pausas de horas, até a intervenção da Polícia Militar na tarde do dia 24 de janeiro (após denúncias de moradores) quando oito envolvidos no tráfico são mortos.[6][7][8]

Referências

  1. a b Rodrigo Antunes (26 de julho de 2018). «Polícia investiga pichações alusivas a facção criminosa do Maranhão». Cidade Verde. Consultado em 27 de janeiro de 2019 
  2. «Bonde dos 30 está entre as cinco maiores facções do Brasil». 16 de janeiro de 2017. Consultado em 13 de março de 2017 
  3. a b Edrian Santos (20 de janeiro de 2019). «Facção do Maranhão chega ao Piauí e passa recados com ameaças através de pichações». Oito e Meia. Consultado em 27 de janeiro de 2019 
  4. a b «Facção criminosa do Maranhão atua no Piauí, diz portal de notícias». Portal Guará. 21 de janeiro de 2019. Consultado em 27 de janeiro de 2019 
  5. Luís Pablo (21 de janeiro de 2019). «EXCLUSIVO! Facções entram em confronto na capital». Blog do Luís Pablo. Consultado em 27 de janeiro de 2019 
  6. Luís Pablo (24 de janeiro de 2019). «Membros de facção são mortos após confronto com a polícia em São Luís». Blog do Luís Pablo. Consultado em 27 de janeiro de 2019 
  7. «Operação na Vila Conceição tem oito mortos após confronto entre policiais e bandidos». Portal Guará. 24 de janeiro de 2019. Consultado em 27 de janeiro de 2019 
  8. «Identificados os mortos após operação policial na Vila Conceição». Portal Guará. 25 de janeiro de 2019. Consultado em 27 de janeiro de 2019 

Ver também[editar | editar código-fonte]