Bonde dos 40

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bonde dos 40
Fundação 2007-presente
Local de fundação São Luís  Maranhão
Território (s) São Luís
Atividades Assaltos, Sequestro, Atentado e Tráfico de drogas
Aliados Comando Vermelho (CV),

Amigos dos Amigos (ADA)

Rivais Primeiro Comando do Maranhão (PCM) e Primeiro Comando Da Capital (PCC) Comando Organizado do Maranhão (COM)

O Bonde dos 40 é uma das organizações criminosas criada no estado do Maranhão em São Luís sob a liderança dos narcotraficantes ("Giheliton de Jesus Santos Silva") e ("Sadrak"), o Bonde dos 40 tem uma forte rivalidade com o Primeiro Comando do Maranhão (PCM)[1] aliada ao Primeiro Comando da Capital (PCC).[2] Tudo isso é uma disputa pelo tráfico de drogas dentro e fora das prisões do estado do Maranhão.[3] A facção também é conhecida por aterrorizar o estado com ataques, sequestros, atividades terroristas, tráfico de drogas e assaltos.[4][5][6] A facção está entre os 5 principais facções criminosas no país de acordo com dados.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Veja, ed. (11 de janeiro de 2014). «Mapa do tráfico: Bonde dos 40 e PCM disputam venda de crack em São Luís». Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  2. Juliana Coissi, ed. (20 de janeiro de 2014). «Presídio que teve detentos decapitados é disputado por 4 facções no MA». Consultado em 13 de março de 2017 
  3. «Em dois meses, sete adolescentes foram vítimas de disputa entre facções no MA». 18 de setembro de 2015. Consultado em 13 de março de 2017 
  4. El País, ed. (28 de setembro de 2014). «"A vida deles dentro do presídio é dormir, usar droga e comer"». Consultado em 13 de março de 2017 
  5. «Disputa do tráfico e influência do PCC guiam facções no Maranhão». 13 de janeiro de 2014. Consultado em 13 de março de 2017 
  6. «Ordem de 'Sadrak' de dentro de Pedrinhas para iniciar ataques aponta para falha da Sejap». 28 de setembro de 2014. Consultado em 13 de março de 2017 
  7. «Bonde dos 30 está entre as cinco maiores facções do Brasil». 16 de janeiro de 2017. Consultado em 13 de março de 2017