Borges de Barros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o político do Império do Brasil, veja Domingos Borges de Barros.
Borges de Barros
Hebe Camargo e Borges de Barros em A Praça da Alegria, como o personagem mendigo, TV Paulista (julho de 1960).
Nome completo Fileto Borges de Barros
Nascimento 27 de março de 1920
Corumbá, MS
Morte 12 de dezembro de 2007 (87 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Ocupação ator, humorista e dublador
Período de atividade 1949 - 2005

Fileto Borges de Barros (Corumbá, 27 de março de 1920[1]São Paulo, 12 de dezembro de 2007) foi um ator, humorista e dublador brasileiro. Ficou conhecido como "O homem das mil caras e das mil vozes".[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do alfaiate Leobino Borges de Barros (que morreu quando Borges de Barros nasceu) e Teresa de Jesus Lívio, ele e seus cinco irmãos foram criados pela mãe e tiveram uma infância pobre. Ainda na infância mudou-se, com a família, para Campo Grande e estudou em colégio de padres,[3] tendo no padre João Crippa o seu tutor espiritual. Aos doze anos, já era professor de catecismo.

Quando já morava em São Paulo, estudou no Instituto de Ciências e Letras, de Alfredo Pucca, e trabalhava como guarda-livros para ajudar no sustento da família. Numa festa de fim de ano do instituto, perceberam sua veia cômica e sua voz poderosa, sendo convidado a trabalhar na Rádio Difusora.[3] Na rádio, sua principal característica foi logo notada; a capacidade de fazer várias vozes diferentes. A partir de então, começou a fazer rádio-novelas e trabalhar com dublagens, quando uma lei obrigava que os filmes estrangeiros fossem dublados para serem exibidos na televisão.[3] Dublou personagens famosos, como Moe do seriado “Os Três Patetas”, mas o principal deles foi o Dr. Smith em Perdidos no Espaço.[4]

Embora procurasse fazer personagens sérios, sempre o escalavam para comédias e assim conheceu Manuel da Nóbrega, na TV Paulista. Manuel o escolheu para fazer a Praça da Alegria, no papel de mendigo milionário, no que fazia críticas políticas. O seu bordão "Caro colega" ficou muito conhecido no Brasil todo.[2][3][5] A parceira com Manuel da Nóbrega durou 25 anos.

Sua técnica de dublagem virou referência na área que seu nome virou verbo. Sempre que um dublador consegue acertar uma sequência difícil, o profissional recebe o elogio de que ele “borgeou” aquele trabalho.[6]

Morte[editar | editar código-fonte]

Faleceu no dia 12 de dezembro de 2007, aos 87 anos, vítima de parada cardíaca,[5] após cerca de 25 dias de internação.[2][7]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Dublagem[editar | editar código-fonte]

Televisão e cinema[editar | editar código-fonte]

Séries, novela e minisséries
Ano Título Papel Emissora
1956 Praça da Alegria " Mendigo " TV Paulista
1957 Teledrama Tio Belly (ep: Semente amarga) TV Paulista
1963 Miss Campeonato ? TV Paulista
1973 Meu Adorável Mendigo ? Rede Record
1979 Os Gigantes jardineiro Onofre Rede Globo
1981 Os Adolescentes ? Rede Bandeirantes
1984 Jerônimo ? SBT
1987/2005 A Praça É Nossa " Caro Colega " SBT

No Cinema

Ano Filmes Personagem Notas
1952 Simão, o Caolho
1970 Se Meu Dólar Falasse Comendador [5]
1973 Regina e o dragão de Ouro Raposa dublagem do personagem
1998 Boleiros - Era uma Vez o Futebol...

Referências

  1. Astros e estrelas do cinema brasileiro Imprensa Oficial do Estado de São Paulo
  2. a b c Nagado, Alexandre (13 de dezembro de 2007). «Morre o veterano dublador e ator Borges de Barros». Omelete. Consultado em 28 de agosto de 2012 
  3. a b c d Lobão, David Denis;Cezar Jr. (13 de dezembro de 2007). «Morre Borges de Barros – Adeus meu caro colega». ohaYO!. Consultado em 28 de agosto de 2012 
  4. Barbosa, Djeferson (4 de agosto de 2004). «Dubladores de "Perdidos" falam de bons tempos e problemas da profissão». UOL Televisão 
  5. a b c Vieira, Willian (28 de dezembro de 2007). «Borges de Barros, grande voz do humor». Folha.com. Consultado em 29 de agosto de 2012 
  6. Dubladores brasileiros são respeitados e tudo começou com Borges Jornal Gazeta do Povo
  7. Arquette, Clarence (14 de dezembro de 2007). «Morre o dublador Borges de Barros». Henshin!. Consultado em 29 de agosto de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]