Bruta Crispina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Brútia Crispina)
Ir para: navegação, pesquisa
Bruta Crispina
Imperatriz-consorte romana
Altes Museum - Bildnis der Crispina.jpg
Busto de Bruta Crispina.
Reinado julho de 178-182
Consorte Cômodo
Antecessor(a) Lucila
Sucessor(a) Flávia Ticiana
Dinastia Nerva-antonina
Nome completo
Bruttia Crispina
Nascimento 164
  Roma
Morte 191 (27 anos)
  Capri
Pai Caio Bruto Presente
Mãe Valéria

Bruta Crispina ou Brútia (Roma, 164 - Capri, 191) foi uma imperatriz-consorte romana, esposa do imperador Cômodo.[1] Ela não teve filhos, o que provocou uma crise de sucessão conhecida como "ano dos cinco imperadores" em 193, iniciando com o brevíssimo reinado de Pertinax.

Família[editar | editar código-fonte]

Crispina veio de uma ilustre família aristocrática e era filha do cônsul por duas vezes Caio Bruto Presente[2] com sua esposa Valéria.[3] Os avôs paternos dela eram o cônsul e senador Caio Bruto Presente e a rica herdeira Laberta Hostília Crispina, filha de outro cônsul por duas vezes, Mânio Labério Máximo.

O irmão de Crispina era o futuro cônsul Lúcio Bruto Quíncio Crispino. A família de seu pai era originária de Volceios, na Lucânia, e era intimamente ligada aos imperadores Trajano, Adriano, Antonino Pio e Marco Aurélio. É possível que Crispina tenha nascido e sido criada lá ou em Roma.

Casamento[editar | editar código-fonte]

Crispina se casou com Cômodo, então com dezesseis anos, no verão de 178 e deu-lhe, na forma de dote, um grande número de propriedades. Estas, quando somadas ao tesouro imperial, deu-lhe controle sobre uma parte substancial do território da Lucânia.[4][5][6] A cerimônia em si foi modesta, mas foi comemorada através da cunhagem de moedas e em generosas distribuições para a população.[7] Um epitalâmio para a ocasião foi composto pelo sofista Júlio Pólux.[8]

Ao se casar, Crispina recebeu o título de augusta[9] e, assim, se tornou imperatriz-consorte do Império Romano pois seu marido havia sido elevado a co-imperador juntamente com o sogro dela, Marco Aurélio. A imperatriz anterior, Faustina, a Jovem, seria sua sogra se não tivesse morrido três anos antes do casamento.

Como a maior parte dos casamentos entre jovens nobres, o de Crispina foi arrumado pelos paters: no caso de Crispina, pelo seu pai e pelo seu sogro. Cômodo não gostava da esposa, provavelmente pelo seu temperamento— ela era bela, mas diz-se que era também vaidosa e arrogante—, mas também por que Cômodo sabidamente preferia a companhia masculina. Crispina é descrita como sendo uma pessoa graciosa, mas não existem medalhas com sua aparência.[10]

Como augusta, Crispina foi muito homenageada em imagens públicas, principalmente nos dois últimos anos do reinado de seu sogro e nos primeiros no de seu marido.[9] Ela não parece ter tido influência sobre o marido durante o seu bizarro reinado. Porém, ela não estava isenta de participar nas intrigas da corte, pois sua cunhada, Lucila, era uma mulher ambiciosa e tinha ciúmes de Crispina, a imperatriz reinante, por causa de sua posição e do poder que detinha.[11]

O casamento de Crispina e Cômodo não produziu filhos por culpa principalmente dele,[12] o que levou a uma crise de sucessão. Na realidade, tanto Anístio Burro (com quem Cômodo dividiu seu primeiro consulado como único governante) quanto Caio Árrio Antonino, que eram provavelmente relacionados com a família imperial, foram supostamente executados por "suspeita de aspirarem ao trono".[13]

Depois de dez anos de casamento, Crispina acabou sendo falsamente acusada de adultério e foi banida para a ilha de Capri em 188, onde ela foi posteriormente executada.[14] Livre da esposa, Cômodo não se casou novamente, mas a se relacionar com uma amante chamada Márcia, que, diz-se, conspirou depois para matá-lo.[15]

Morte[editar | editar código-fonte]

Com base numa leitura errônea da História Augusta (5.9) e de Dião Cássio (73.4.6), sua queda é por vezes incorretamente associada a uma conspiração de Lucila para assassinar Cômodo em 181 ou 182. Seu nome continua a aparecer nas inscrições até pelo menos 191 (CIL VIII, 02366). O eventual exílio e morde de Crispina, contudo, parece ter sido resultado da queda de Marco Aurélio Cleandro ou da incapacidade de Cômodo de ter filhos com ela para assegurar a sucessão dinástica.[16]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bruta Crispina
Nascimento: 164 Morte: 191
Títulos reais
Precedido por:
Faustina, a Jovem
Imperatriz-consorte romana
178–182
Sucedido por:
Flávia Ticiana

Referências

  1. Boatwright, Mary T. (2003). Hadrian and the Cities of the Roman Empire. Princeton: Princeton University Press. p. 64. ISBN 9780691094939 
  2. Drinkwater], edited by Timothy Venning ; [introduction by John F. (2010). A chronology of the Roman Empire. [S.l.]: Continuum. p. 551. ISBN 9781441154781 
  3. Chidester Egbert, James (1896). Introduction to the Study of Latin Inscriptions. [S.l.]: American Book Co. p. 107 
  4. Buck, Alastair M. Small ; Robert J. (1994). The excavations of San Giovanni di Ruoti. [S.l.]: University of Toronto Press. p. 27. ISBN 9780802059482 
  5. Adams, Geoff W (2012). Marcus Aurelius in Historia Augusta and Beyond. [S.l.]: Rowman & Littlefield. p. 123. ISBN 0739176382 
  6. Mennen, Inge (2011). Power and status in the Roman Empire, AD 193-284. Leiden: Brill. p. 90. ISBN 9789004203594 
  7. The Cambridge ancient history. 3rd ed. ed. [S.l.]: Cambridge University Press. 1970. p. 182. ISBN 9780521263351  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  8. Swain, Simon (1996). Hellenism and Empire : Language, Classicism, and Power in the Greek world, AD 50-250. [S.l.]: Clarendon Press. p. 54. ISBN 9780198147725 
  9. a b Varner, Eric R. (2004). Monumenta Graeca et Romana. damnatio memoriae and Roman imperial portraiture. [S.l.]: Brill. p. 152. ISBN 9789004135772 
  10. Morgan, Sydney (2010). Woman and Her Master:, Volume 2. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 244. ISBN 9781108019347 
  11. Potter, David S. (2004). The Roman Empire at bay : AD 180-395 Reprinted. ed. 600: Routledge. ISBN 9780415100571 
  12. Yeo, Allen M. Ward, Fritz M. Heichelheim, Cedric A. (2003). A History of the Roman people 4th ed. ed. [S.l.]: Prentice Hall. p. 379. ISBN 9780130384805 
  13. Ackeren, edited by Marcel van (2012). A Companion to Marcus Aurelius. [S.l.]: Wiley-Blackwell. p. 237. ISBN 9781405192859 
  14. Roger Michael Kean, Oliver Frey (2005). The Complete Chronicle of the Emperors of Rome (em inglês). [S.l.]: Thalamus. p. 100 
  15. Freisenbruch, Annelise (2011). The First Ladies of Rome: The Women Behind the Caesars. [S.l.]: Random House. p. 6. ISBN 1446499065 
  16. Hekster, O., Commodus: An Emperor at the Crossroads, Gieben, 2002, pp. 71-72.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bruta Crispina