Brasão de Campos do Jordão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Brasão de armas

O brasão de Campos do Jordão, município do interior de São Paulo, foi criado pelo heraldista Salvador Thaumaturgo e homologado pela lei municipal nº 251, de 1 de janeiro de 1959. Os três pinheiros do desenho figuram no escudo por influência de uma lenda local da cidade, de autoria de Ignácio Caetano de Carvalho. Além disso, o pinheiro araucária foi declarado árvore-símbolo de Campos do Jordão pela lei municipal de 1.264, de 15 de julho de 1981.[1]

Significado[editar | editar código-fonte]

O escudo do brasão é arredondado e foi baseado na heráldica portuguesa. No escudo, há um campo de prata, um mantel vermelho formando um triângulo, e, nascentes sobre o mantel, três pinheiros em verde. Sobre o escudo há uma coroa e abaixo dele há uma faixa. O significado de cada elemento segue abaixo:

  • O campo de prata simboliza a pureza do clima. A prata foi a cor escolhida pelo autor do desenho por ser considerada o símbolo da pureza e da benignidade que faria de Campos do Jordão um dos lugares mais famosos do Brasil.
  • O mantel vermelho representa a elevada altitude do município - das mais altas de todo o país. Sua cor significa a riqueza do solo e a luta cotidiana dos jordanenses pelo progresso da cidade.
  • Os três pinheiros representam a característica da flora dominante do município, além de ser a araucária brasilienses uma das mais belas árvores da flora universal.
  • A coroa, assente sobre o escudo, é a característica coroa mural de município, com os seus poderes constituídos.
  • O listel posto abaixo do escudo é de prata, com os dizeres: "Campos do Jordão", tendo aos lados as datas de 1874 e 1934, que evocam, respectivamente, o ano da fundação do povoado e o de sua elevação a municípío.

Referências