Brasigóis Felício

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox warning pn.svg
Este artigo foi proposto para eliminação semirrápida por um ou mais editores. A(s) justificativas apresentada(s) para eliminação foram:

Por favor, melhore o artigo se possível e procure enquadrá-lo dentro das regras do projeto.
Caso não haja oposição à eliminação desta página, ela será suprimida a partir de 27 de novembro. Para mais informações, veja Política de eliminação e Eliminação semirrápida.


Encontre referências para o artigo: Google (notícias, livros e acadêmico)


Usuário: Se esta página possui arquivos de mídia que não são utilizáveis em outras páginas, adicione uma nota em WP:PER, para que um administrador lusófono do Wikimedia Commons verifique se ela se encontra no escopo do projeto.

Aviso ao criador: Os principais editores da página podem ser avisados (recomendável) e seu criador (se registrado) deve ser notificado com
{{subst:Aviso-ESR|1=Brasigóis Felício}} ~~~~
Aviso ao criador com nota de boas-vindas:
{{subst:Av-bv-ESR|1=Brasigóis Felício|2=~~~~}}

Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:

Biografia[editar | editar código-fonte]

De orientação política conservadora, Brasigóis Felício nasceu em Aloândia, em Goiás, 13 de julho de 1950. Filho de José Felício dos Santos e de Divina Carneiro da Silva. Mudou-se para Goiânia com os pais e cursou o primário no Grupo Escolar Henrique Silva, no bairro de Campinas. O curso ginasial, no Colégio Pedro Gomes e no Colégio Bandeirantes.Presidiu a União Brasileira de Escritores, Seção de Goiás. Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás.Ocupa a cadeira 25 da Academia Goiana de Letras Jornalista e cronista do jornal O Popular. Detentor de dezenas de premiações literárias em nível regional, nacional e internacional. Participa de antologias de conto e poesia publicadas em línguas espanhola e francesa. Sua obra foi tema de dissertação de mestrado na Universidade Federal de Goiás.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Sermão do ateu (poemas), 1972;
  • Martírio das horas (poemas), 1974;
  • Diários de André (romance), 1974;
  • Literatura contemporânea em Goiás (crítica), 1975;
  • Monólogos da angústia (contos), 1975;
  • Os navegantes: Goiás, dez anos de poesia (crítica), 1977;
  • Escrito no muro (poemas), 1980;
  • Hotel do tempo (poemas), 1981;
  • A marca de Caim (contos), 1984;
  • A dor das coisas (poemas), 1985;
  • Exílio (poemas), 1986;
  • A luz nas vísceras (poemas), 1991;
  • rosto da memória (poemas), 1991;
  • Árias do silêncio (poemas), 1992;
  • Viver é devagar (crônicas), 1996;
  • Eles não beijam molhado (crônicas), 1997;
  • Crônicas e outras histórias de O Popular (crônicas), 1998;
  • Os gemidos de Jó (poemas), 2000;
  • Armagedon, a marcha da insensatez (poemas), 2002;
  • O Cristo que não deu certo, 2002;
  • O bufão do povo (poemas) 2004;
  • No barco dos dias, trinta anos de navegação poética (poemas); 2004;
  • Vozes do farol (diário poético), 2005;
  • O Balé das ilusões (ensaio) 2005.

Referências[editar | editar código-fonte]

Antonio Miranda Diário do bardo