Brasil Kirin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mergefrom 2.svg
O artigo ou secção Schincariol deverá ser fundido aqui. (desde junho de 2018)
Se discorda, discuta sobre esta fusão aqui.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Disambig grey.svg Nota: Para a equipe de voleibol, veja Brasil Vôlei Clube.
Brasil Kirin
Razão social Brasil Kirin Participações e Representações S.A.
Empresa de capital fechado
Slogan Viva Sua Sede
Indústria Bebidas
Fundação 2012 (6 anos)
Encerramento 2017
Sede Itu, SP
Área(s) servida(s) Brasil
Proprietário(s) Kirin Company (2012—2017)
Heineken (até 2017)
Presidente André Salles
Produtos cerveja, refrigerante, suco, água mineral, energético
Valor de mercado EUR 1,025 bilhão (2017)[1]
Faturamento Aumento R$ 3,706 bilhões (2016)[1]
Antecessora(s) Schincariol
Sucessora(s) Heineken Brasil
Website oficial www.brasilkirin.com.br
Fábrica da Brasil Kirin em Cachoeiras de Macacu

A Brasil Kirin[2] foi uma empresa de bebidas com sede no Brasil. no mercado de cervejas, proprietária das marcas Schin, Glacial, Cintra, Baden Baden, Devassa e Eisenbahn. A empresa concorria com a AmBev e o Grupo Petrópolis, além de outras microcervejarias brasileiras. Em fevereiro de 2017 a cervejaria Heineken anunciou um acordo com o Kirin Company para a compra da sua subsidiária brasileira, a Brasil Kirin[3] Em 1 de Junho a Heineken anuncia ao mercado a finalização da compra e o inicio da integração das duas empresas, inicio da divulgação dos produtos com a marca, e encerramento das publicações nas mídias sociais.[4]

História[editar | editar código-fonte]

Compra do Grupo Schincariol pela Kirin[editar | editar código-fonte]

Em 2011, o grupo anunciou a compra de parte majoritária, 50,45% das ações da cervejaria brasileira Schincariol, por R$ 3,95 bilhões.[5][6]

No final do mesmo o CADE aprova a compra 100% da empresa pela empresa Kirin Holdings por R$ 7,3 bilhões.[7][8]

Em 2012 a Schincariol passou a se chamar Brasil Kirin.[9]

Em 2012, Gino Di Domenico substituiu Adriano Schincariol na presidência da empresa.[10]

Compra pela Heineken[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2017 a cervejaria Heineken anunciou um acordo com o Kirin Company para a compra da sua subsidiária brasileira, a Brasil Kirin.[3]

O valor do acordo e de 664 milhões de euros(equivalente a 704 milhões de dólares estadunidenses ou 2,2 bilhões de reais).[1] Segundo analista a expectativa que o acordo seja concluído ainda no primeiro semestre de 2017.[3]

Em maio de 2017 o CADE aprovou a venda da Brasil Kirin para Heineken, com isso este ultimo tornou-se o segundo maior cervejaria brasileira[11]

Produtos[editar | editar código-fonte]

A Brasil Kirin possui em sua linha de produtos:[12]

  • Cervejas: Schin (Pilsen, Malzbier, Munich e Zero Álcool), Glacial, Cintra, Baden Baden, Devassa e Eisenbahn
  • Refrigerantes: Schin (citrus, uva, limão, laranja, guaraná, cola), Itubaína, Maçã, Tônica, Fibz Kirin (refrigerante com fibras) de cola e também de guaraná.
  • Refrigerantes light: Guaraná Zero e Cola Zero
  • Suco de frutas: Skinka e Fruthos
  • Água mineral Schincariol (com e sem gás)
  • Energéticos: ecco! "K" energy drink

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Cibelle Bouças (13 de Fevereiro de 2017). «Heineken compra dona da Schincariol por 664 milhões de euros». Valor Econômico. Consultado em 13 de Fevereiro de 2017. 
  2. [1]
  3. a b c «Heineken compra Kirin e se torna segunda maior cervejaria do Brasil». epocanegocios.globo.com 
  4. «Brasil Kirin». m.facebook.com. Consultado em 12 de junho de 2017. 
  5. [2]
  6. [3]
  7. Daniela Barbosa (7 de dezembro de 2011). «Cade aprova compra da Schincariol pela Kirin». Veja.com. Consultado em 7 de dezembro de 2011. 
  8. «Japonesa Kirin anuncia a aquisição de 100% da Schincariol». Veja.com. 4 de novembro de 2011. Consultado em 7 de dezembro de 2011. 
  9. [4]
  10. [5]
  11. «Cade aprova negócio, e Heineken se torna a 2ª maior cervejaria no Brasil». Folha de S.Paulo 
  12. SCHINCARIOL. «Produtos». Consultado em 1 de junho de 2010. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]