Brasileiras e Brasileiros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Brasileiras e Brasileiros
Informação geral
Formato Telenovela
Criador(es) Carlos Alberto Soffredini
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Walter Avancini
Elenco Edson Celulari
Fúlvio Stefanini
Lucélia Santos
Carla Camurati
Ney Latorraca
Zezeh Barbosa
Daniel Dantas
Rosi Campos
Walderez de Barros
Ana Lúcia Torre
Marcelo Serrado
Antônio Calloni
Isadora Ribeiro
ver mais
Tema de abertura "Disputa de Poder" - Simone
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil SBT
Transmissão original 5 de novembro de 199014 de maio de 1991
N.º de episódios 151

Brasileiras e Brasileiros é uma telenovela brasileira exibida em vários horários pelo SBT entre 5 de novembro de 1990 e 14 de maio de 1991. Escrita por Carlos Alberto Soffredini e Walter Avancini, que também a dirigiu, foi uma co-produção da Miksom.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Na periferia paulistana, Ângelo está pensando em voltar a praticar a luta-livre. Então, ele resolve promover um ringue de luta-livre feminina ao lado de Totó, chamado Duras na Queda. É aí que entram em cena Teresa de Ogum, Alma e Arlete, sempre cercadas pela Limovi - Liga pela Moral e pela Virtude, liderada pelo moralista Coriolano. Teresa é umbandista e é filha de Ogum, por isso seu apelido.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios (desde abril de 2010).
  • Não deu certo a proposta de produzir uma novela centrada na camada pobre da sociedade; foi um desastre para o horário da novela, alterado várias vezes e para o próprio SBT, que viu seus anunciantes desaparecerem diante de um argumento miserável. Para tentar agradar ao público, os pobres representados por Edson Celulari e Carla Camurati deram lugar a uma trama centralizada entre milionários, com Rubens de Falco, Lucélia Santos, Márcia Maria, Arlete Montenegro e Fausto Ferrari à frente de um drama familiar. Mas a tentativa foi em vão.
  • Celebridades não faltaram em sua divulgação, como o diretor Walter Avancini e um time de primeira que participou dos primeiros capítulos: Juca de Oliveira, Irene Ravache, Maria Della Costa, Paulo Autran, Fábio Júnior e Ângela Maria.
  • A recuperação da audiência foi muito curiosa: Brasileiras e Brasileiros dava, em média, menos de 3 pontos. Mas, num golpe de mestre, Silvio Santos estreou as telenovelas mexicanas Carrossel e Rosa Selvagem, que foram um grande sucesso na época, quintuplicando a audiência no horário, entre 15 e 25 pontos.
  • Durante toda sua exibição a trama enfrentou a pesada concorrência com a Rede Globo, especialmente quando era exibida as 18 horas. Neste horário, a Globo exibia a novela Barriga de Aluguel, que facilmente chegava a 50 pontos, enquanto que a trama do SBT não passava dos 5 pontos.
  • O título da novela era um bordão do ex-presidente da República José Sarney, que sempre começava seus discursos assim: "Brasileiras e brasileiros…"
  • Estreia em telenovelas da atriz Isadora Ribeiro. Até então, ela participara apenas das aberturas de Tieta e do Fantástico.
  • Brasileiras e Brasileiros foi exibida em vários horários: 18h, 18h30, 17h45 e 19h. A novela se despediu da programação sendo exibida às 20h.