Breadtube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
BreadTube
Origem USA
Carreira na internet
Servidor(es) YouTube
Gênero Criadores, jornalistas e artistas com perspectivas de esquerda
Slogan "youtube, but good"
Período de atividade 2010s–presente

Breadtube ou Lefttube é um flexível e informal grupo de criadores de conteúdo online que fornecem opiniões editoriais[1][2] e palestras educacionais de perspectivas socialistas, comunistas, anarquistas e outras perspectivas de esquerda.[3][4] Os criadores do BreadTube geralmente postam vídeos no YouTube que são discutidos em outras plataformas online, como o Reddit.[5]

Os criadores do BreadTube são conhecidos por participarem de uma forma de "sequestro algorítmico".[6] Eles usam como base para escolher temas os mesmos discutidos pelos criadores de conteúdo em foco pela política de direita. Isso permite que seus vídeos sejam recomendados ao mesmo público que consome vídeos de extrema direita e, assim, exponha um público mais amplo às suas perspectivas.[5] Muitos criadores de conteúdo do BreadTube são financiados por crowdfunding.[7]

Origem[editar | editar código-fonte]

O termo BreadTube vem de La Conquête du Pain, de Peter Kropotkin,[8][9] um livro que explica como alcançar o anarco-comunismo e como uma sociedade anarco-comunista funcional.[10] O movimento BreadTube em si não tem uma origem clara, embora muitos canais BreadTube tenham começado em um esforço para combater o conteúdo guerreiro anti-justiça social que ganhou força em meados da década de 2010.[11]

Recepção[editar | editar código-fonte]

De acordo com The Conversation, a partir de 2021, os criadores de conteúdo do BreadTube "recebem dezenas de milhões de visualizações por mês e têm sido cada vez mais referenciados na mídia e na academia como um estudo de caso em desradicalização."[11]

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Somos, Christy (25 de outubro de 2019). «Dismantling the 'Alt-Right Playbook': YouTuber explains how online radicalization works». CTVNews (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2021 
  2. Alexander, Julia (31 de janeiro de 2020). «Carlos Maza is back on YouTube and ready to fight». The Verge (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2021 
  3. «ZEIT ONLINE | Lesen Sie zeit.de mit Werbung oder im PUR-Abo. Sie haben die Wahl.». www.zeit.de. Consultado em 22 de julho de 2021 
  4. «BreadTube - Poderosos ativistas do YouTube no combate ao fascismo Americano». SBP - Super Bate Papo. 29 de junho de 2021. Consultado em 22 de julho de 2021 
  5. a b Kuznetsov, Dmitry; Ismangil, Milan (13 de janeiro de 2020). «YouTube as Praxis? On BreadTube and the Digital Propagation of Socialist Thought». tripleC: Communication, Capitalism & Critique. Open Access Journal for a Global Sustainable Information Society (em inglês) (1): 204–218. ISSN 1726-670X. doi:10.31269/triplec.v18i1.1128. Consultado em 22 de julho de 2021 
  6. Roose, Kevin (8 de junho de 2019). «The Making of a YouTube Radical». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 22 de julho de 2021 
  7. «View of YouTube as Praxis? On BreadTube and the Digital Propagation of Socialist Thought | tripleC: Communication, Capitalism & Critique. Open Access Journal for a Global Sustainable Information Society». www.triple-c.at. Consultado em 22 de julho de 2021 
  8. Amin, Shaan (2 de julho de 2019). «Can the Left Win YouTube?». The New Republic. ISSN 0028-6583. Consultado em 22 de julho de 2021 
  9. Roose, Kevin (12 de fevereiro de 2020). «A Thorn in YouTube's Side Digs In Even Deeper». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 22 de julho de 2021 
  10. «Three: Mirror Image». The New York Times (em inglês). 30 de abril de 2020. ISSN 0362-4331. Consultado em 22 de julho de 2021 
  11. a b Lee, Alexander Mitchell. «Meet BreadTube, the YouTube activists trying to beat the far-right at their own game». The Conversation (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre Internet é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.