Breno Mello

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Breno Mello
Nome completo Breno Higino de Mello
Nascimento 7 de setembro de 1931
Brasil Porto Alegre, RS
Morte 11 de julho de 2008 (76 anos)
Brasil Porto Alegre, RS

Breno Higino de Mello (Porto Alegre, 7 de setembro de 1931 — Porto Alegre, 11 de julho de 2008) foi um ator e jogador de futebol brasileiro.

No início, Breno Mello atuou como jogador de futebol. Foi revelado no Renner de Porto Alegre, clube pelo qual se tornou campeão gaúcho de 1954 e ídolo nos anos 1950. Após transferir - se para o futebol carioca, jogou pelo Fluminense, onde conheceu Pelé. Antes de seguir para o Rio, e enquanto jogava pelo extinto Grêmio Esportivo Renner, de Porto Alegre, Breno Mello morou no bairro Niterói, na cidade de Canoas (vizinha de Porto Alegre), onde outros craques como Paulo Roberto Falcão (Rua Itália, Bairro Niterói, Canoas) e João Batista da Silva (Batista) Rua Curupaiti, no Bairro Niterói, ambos iniciaram jogando futebol nos campos da várzea de Canoas e só depois é que foram para o S. C. Internacional, onde tornaram-se profissionais e jogaram inclusive na Seleção Brasileira (Batista em 1978 e 1982) e Falcão (1982), e só então foram contratados por clubes da Itália: Falcão pelo Roma e Batista pela Lazio.

Em 1958, recebeu um convite para estrelar Orfeu Negro (Orphée Noir em francês), dirigido pelo cineasta francês Marcel Camus, filme vencedor da Palm d'Or no Festival de Cannes. Breno Mello protagonizou Orfeu, e contracenou com a estrela de cinema estadunidense Marpessa Dawn, fato que o associou à figura de galã. No filme, Mello cantava as canções A Felicidade e Manhã de Carnaval, tendo sido dublado por Agostinho dos Santos. O filme também contribuiu para o grande sucesso da bossa nova no exterior.

Breno Mello foi casado com Liége Lourdes dos Santos Mello e teve quatro filhos, Jorge, Paulo, Susete e Liéte Mello.

Breno Mello também viveu em Florianópolis, no estado de Santa Catarina, ao lado de Amelina Santos Corrêa, conhecida como Mana, com quem teve sua filha mais nova, Letícia Mello.

Até 2004 Mello esteve distante das telas e, desde então, foi procurado para aparecer no documentário para televisão À la recherche d'Orfeu Negro, para falar do impacto causado pelo filme Orfeu Negro na música brasileira.

Breno Mello faleceu aos 76 anos,[1][2] vítima de um infarto.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

  • 1959 - Orfeu Negro (Black Orpheus).... Orfeu
  • 1963 - Os Vencidos
  • 1963 - Rata de puerto
  • 1964 - O Santo Módico
  • 1973 - O Negrinho do Pastoreio (1973).... negro
  • 1988 - Prisioneiro do Rio.... Silêncio

Referências

  1. Jornal O Globo, pág 39, 15 de julho de 2008
  2. Zero Hora online - 12 de julho de 2008

Ligações externas[editar | editar código-fonte]