Brevibacterium linens

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaBrevibacterium linens
Queijo romadur alemão com Brevibacterium linens causando manchas vermelhas em sua superfície.
Queijo romadur alemão com Brevibacterium linens causando manchas vermelhas em sua superfície.
Classificação científica
Domínio: Bacteria
Reino: Monera
Sub-reino: Posibacteria
Filo: Actinobacteria
Subclasse: Actinobacteridae
Ordem: Actinomycetales
Subordem: Micrococcineae
Família: Brevibacteriaceae
Gênero: Brevibacterium
Espécie: B. linens
Nome binomial
Brevibacterium linens
(Wolff, 1910) Breed, 1953

Brevibacterium linens é uma bactéria gram-positiva em forma de bastonete. A maioria das cepas são pobres em ou livres de plasmídeos.[1] Originalmente isolado do queijo alemão remoudou, desempenha um papel importante na maturação da superfície de queijos.[2] É uma bactéria omnipresente na pele humana e é a causadora do odor característico do pé conhecido como chulé. O odor familiar é devido a compostos com enxofre conhecidos por tioésteres s-metil. Seu aroma também atrai mosquitos.[3]

Em 2013 foi publicado o primeiro mapa proteômico referência compreensível de B. linens.[4]

Condições de vida[editar | editar código-fonte]

A bactéria é aeróbica e cresce na faixa de temperatura de 8 a 37 ° C, melhor entre 21 e 25 ° C e com um pH de 6,0 a 9,8 (ideal: 6,5-7,0). A maioria das cepas tolera 15% de solução salina.

Metabolismo[editar | editar código-fonte]

A Brevibacterium linens decompõe proteína e forma metanotiol a partir de L-metionina. Para a formação de pigmentos vermelhos, os carotenóides, muitas cepas requerem luz. As bacteriocinas desta espécie são chamadas linecinas.

Uso comercial[editar | editar código-fonte]

Alguns queijos amadurecem com a ajuda da bactéria Brevibacterium linens, que cresce na superfície do queijo e quebra as proteínas a partir daí. Devido ao crescimento de bactérias laranjas, esses queijos são chamados de queijo com manchas vermelhas. Exemplos são o queijo limburger, remoudou, alguns queijos "Bierkäse" e queijos de leite azedo (como o queijo harzer).

Referências

  1. SKERMAN. SNEATH, V. B. D.; VICKI McGOWAN, P. H. A (1 de janeiro de 1980). «Approved Lists of Bacterial Names». ICSP. 30 (7038): 225–420. doi:10.1099/00207713-30-1-225 
  2. Riemelt, B. Bartel, M. Malczan (2003). Milchwirtschaftliche Mikrobiologie. [S.l.: s.n.] ISBN 3-89947-049-4 
  3. Dixon, Bernard (27 de abril de 1996). «Cheese, toes, and mosquitoes». British Medical Journal. 312 (7038). 1105 páginas. doi:10.1136/bmj.312.7038.1105 
  4. Shabbiri, Khadija; Botting, Catherine H.; Adnan, Ahmad; Fuszard, Matthew (2013). «Charting the cellular and extracellular proteome analysis of Brevibacterium linens DSM 20158 with unsequenced genome by mass spectrometry-driven sequence similarity searches». Journal of Proteomics. 83: 99–118. doi:10.1016/j.jprot.2013.02.029 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]