Bring Me the Horizon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bring Me the Horizon
Registro do Bring Me The Horizon em 2015. Da esquerda para direita, Lee Malia, Matt Nicholls, Oliver Sykes, Matt Kean e Jordan Fish.
Informação geral
Origem Sheffield, South Yorkshire, Inglaterra
País Reino Unido
Gênero(s)
Período em atividade 2004presente
Gravadora(s) Sony Music, RCA, Columbia Records, Visible Noise,
Epitaph Records (U.S)
Earache,Sphere and MDDN Studios
Afiliação(ões) Linkin Park
I Killed The Prom Queen
Integrantes Oliver Sykes
Lee Malia
Matt Kean
Matt Nicholls
Jordan Fish
John Bon
Ex-integrantes Jona Weinhofen
Curtis Ward
Página oficial www.bringmethehorizon.co.uk
www.myspace.co.uk/bmth

Bring Me the Horizon (abreviado para BMTH) é uma banda britânica de rock, formada em 2004 em Sheffield, South Yorkshire. O grupo é composto atualmente pelo vocalista Oliver Sykes, o guitarrista Lee Malia, o baixista Matt Kean, o baterista Matt Nicholls e o tecladista Jordan Fish. Eles assinaram contrato com a RCA Records globalmente e com a Columbia Records exclusivamente nos Estados Unidos.

O primeiro lançamento oficial do Bring Me the Horizon foi o EP de 4 faixas intitulado This Is What the Edge of Your Seat Was Made For, lançado no final de 2004. A banda veio a lançar seu álbum de estreia, Count Your Blessings em 2006. Após o lançamento, o som do álbum gerou divisões entre ouvintes e foi recebido com desdém pela crítica. O Bring Me the Horizon veio a começar a romper com seu polêmico som com Suicide Season (2008), o qual foi uma virada criativa, crítica e comercial para a banda, já que o som pesado do deathcore rapidamente perdeu o espaço em consequência da sonoridade mais eclética presente ao novo álbum. A banda lançou seu terceiro álbum, There Is a Hell Believe Me I've Seen It. There Is a Heaven Let's Keep It a Secret. (2010), levando-os a uma maior fama internacional, ao mesmo tempo que incorporou influências da música clássica, eletrônica e pop. Seu quarto álbum de estúdio, Sempiternal (2013) alcançou a certificação Gold na Austrália, vendendo 35.000 cópias e Silver no Reino Unido, vendendo 60.000 cópias. Já o quinto álbum, That's the Spirit (2015) estreou em segundo lugar nas mais importantes paradas de música do Reino Unido e Estados Unidos, sendo elas, respectivamente, UK Albums Chart e US Billboard 200.[9][10] Seu sexto álbum de estúdio, Amo (2019), tornou-se o primeiro a ficar no topo das paradas do Reino Unido. Além desses seis álbuns de estúdio, eles também lançaram dois EP's e dois álbuns ao vivo. Eles receberam quatro Kerrang! Awards, incluindo dois de Melhor Banda Britânica e um de Melhor Banda ao Vivo. Eles também receberam duas indicações ao Grammy.

O estilo de seus primeiros trabalhos, incluindo seu álbum de estreia Count Your Blessings, foi descrito principalmente como deathcore, mas eles começaram a adotar um estilo mais eclético de metalcore em álbuns posteriores. Além disso, That's the Spirit marcou uma mudança em seu som para estilos musicais de rock menos agressivos.[11] Amo viu uma mudança em diferentes gêneros, como música eletrônica, pop e hip hop.[12][13]

História[editar | editar código-fonte]

Formação, assinatura e primeiro EP (2004-2005)[editar | editar código-fonte]

Oliver Sykes cantando as músicas do álbum de estreia da banda Count Your Blessings, em 2006, quando tinha apenas 20 anos

Os membros fundadores do Bring Me the Horizon vieram de diversas origens musicais dentro do metal e do rock. Matt Nicholls e Oliver Sykes tinham um interesse comum no metalcore americano, bandas como Norma Jean e Skycamefalling, e costumavam assistir a shows locais de hardcore punk. Mais tarde, eles conheceram Lee Malia, que falou com eles sobre bandas de thrash metal e death metal melódico como Metallica e At the Gates; Malia também fez parte de uma banda de tributo ao Metallica antes de conhecer a dupla.[14] Bring Me the Horizon foi oficialmente formada em março de 2004, quando os membros tinham entre 15 e 17 anos.[15] Curtis Ward, que também morava na área de Rotherham, se juntou a Sykes, Malia e Nicholls na bateria. O baixista Matt Kean, que estava em outras bandas locais, completou a formação.[16] O nome da banda foi tirado da frase do filme Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra (2003) onde na versão original o capitão Jack Sparrow diz "Now, bring me that horizon.", a banda fez apenas uma ligeira alteração na frase, dando origem ao nome oficial do grupo.[17] A banda fez seu primeiro show ao vivo em 15 de abril de 2004, no The Charter Arms em Rotherham, Inglaterra.

Nos meses seguintes à sua formação, Bring Me the Horizon criou um álbum demo intitulado The Bedroom Sessions. Em seguida, eles lançaram seu primeiro EP, This Is What The Edge of Your Seat Was Made For, em setembro de 2004, através do selo local do Reino Unido, Thirty Days of Night Records.[16] Bring Me the Horizon foi a primeira assinatura da gravadora.[18] Foi gravado no Pristine Studios em Nottingham ao longo de dois fins de semana, com bateria e baixo colocados na primeira sessão, e guitarras e vocais concluídos uma semana depois.[19]

A gravadora britânica Visible Noise notou a banda após o lançamento de seu EP,[16] e os assinou para um contrato de quatro álbuns, além de relançar o EP em janeiro de 2005.[16] O relançamento ganhou atenção significativa da banda, eventualmente chegando ao número 41 nas paradas de álbuns do Reino Unido.[20] A banda foi posteriormente premiada como Melhor Revelação Britânica na cerimônia de premiação do Kerrang! Awards.[21]

A primeira turnê da banda foi abrindo para o grupo americano The Red Chord em todo o Reino Unido.[16] Como em outras turnês anteriores, eles conseguiram essa vaga enganando os promotores do local. A mãe de Matt Kean e Oliver Sykes, Carol Sykes, eram os empresários de fato da banda nessa época, um papel que elas continuaram a ocupar até 2008.[16] Para o apoio do The Red Chord, o baixista Kean mandou um e-mail para os promotores e fingiu que eles iriam estrear em todas as datas, quando deveriam tocar apenas no show local. Isso os levou a serem, por engano, reservados para toda a turnê. Em outro caso, Sykes criou uma conta de e-mail em nome do vocalista da banda de metalcore Johnny Truant, Oliver Mitchell, que ele usou para entrar em contato com um promotor solicitando o Bring Me the Horizon em sua turnê.[16] O consumo de álcool afetou suas apresentações ao vivo no início de sua história, quando a banda ficava tão bêbada que vomitava no palco e danificava seu equipamento.[16]

Álbum de estreia: Count Your Blessings (2006-2007)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Count Your Blessings
Oli Sykes em performance com Bring Me The Horizon (Vainstream 2008)

A banda lançou seu álbum de estreia, Count Your Blessings em outubro de 2006 no Reino Unido e em agosto de 2007 nos Estados Unidos. Eles alugaram uma casa no interior para escrever canções, mas facilmente se distraíram. Em seguida, eles gravaram o álbum no centro de Birmingham, um processo que foi acompanhado pelo consumo excessivo e perigoso de álcool. Durante este período, o baterista Nicholls resumiu dizendo "nós saíamos todas as noites, apenas sendo garotos normais de 18 anos".[22] A maioria dos membros gravaram suas partes individualmente, invés de todo a banda junta, já que o estúdio no centro da cidade fez que os então garotos do Bring Me The Horizon se distraíssem facilmente. Os críticos foram negativos a respeito do álbum, adicionando às respostas fortemente polarizadas que a banda já estava recebendo do público.[15]

Eles fizeram uma longa turnê para promover o Count Your Blessings pelo Reino Unido em novembro,[23] e imediatamente após isso seguiram se juntando a Lostprophets e The Blackout em uma turnê pelo Reino Unido[24] até o final de novembro e dezembro de 2006.

Em janeiro de 2007, Bring Me the Horizon foi capaz de ir além do Reino Unido, quando substituiu Bury Your Dead na turnê europeia do Killswitch Engage. A vaga foi disponibilizada depois que o grupo foi forçado a se retirar pela saída da banda de seu vocalista, Mat Bruso.[25] A presença de Bring Me the Horizon na turnê foi mal recebida pelos fãs de Killswitch Engage, com os participantes do show regularmente jogando garrafas na banda antes mesmo de eles começarem a tocar seu set.[26]

Suicide Season e partida de Curtis (2008-2009)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Suicide Season

Bring Me the Horizon gravou seu segundo álbum de estúdio, Suicide Season, na Suécia com o produtor Fredrik Nordström. Ele não ficou impressionado com o primeiro álbum e inicialmente não comparecia às sessões de gravação, a menos que precisasse estar lá. Nordström mais tarde ouviu o novo som que eles estavam experimentando durante uma sessão de gravação e se envolveu muito no álbum.[27] Foi promovido viralmente nas semanas antes de seu lançamento com o slogan promocional "Setembro é Temporada de Suicídio."[28] Para promover o Suicide Season, a banda embarcou em sua primeira turnê nos Estados Unidos, assim como apareceu na Warped Tour 2008. Em maio de 2008, Bring Me the Horizon foi a principal banda de apoio na turnê australiana de despedida de I Killed the Prom Queen com The Ghost Inside e The Red Shore.[29]

Suicide Season foi lançado em 18 de setembro de 2008 nos Estados Unidos pela Epitaph e em 29 de setembro na Europa pela Visible Noise. Em 2009, Bring Me the Horizon participou do Kerrang! Tour ao lado de Black Tide, Dir En Grey, In Case of Fire e Mindless Self Indulgence.[30] Eles também se juntaram a Thursday, Cancer Bats, Four Year Strong e Pierce the Veil na parte norte-americana da turnê Taste of Chaos de 2009 entre fevereiro a abril[22] depois que o organizador da turnê Kevin Lyman lhes ofereceu a vaga.

O guitarrista australiano Jona Weinhofen se juntou à banda em 2009 após deixar o Bleeding Through.

Bring Me The Horizon se apresentando em outubro de 2007, o ex-guitarrista Curtis Ward se encontra mais à direita da imagem.

Durante a turnê Taste of Chaos em março daquele ano, o guitarrista Curtis Ward deixou a banda.[31] Seu relacionamento com a banda havia se deteriorado, pois suas performances no palco eram ruins. Ele abusou do público durante a turnê Taste of Chaos,[22] e contribuiu muito pouco para a composição de Suicide Season.[19] Outra razão para sua saída foi a piora do zumbido em seu único ouvido funcional. Ward nasceu surdo de um ouvido e admitiu que tocar na banda piorou seu problema de acufeno no outro ouvido a tal ponto que ele não conseguia dormir à noite.[32] Ward se ofereceu para realizar o resto das datas da turnê, que a banda rejeitou e, em vez disso, pediu a seu técnico de guitarra, Dean Rowbotham, para substituí-lo pelas apresentações restantes.[22] Lee Malia observou que a saída de Ward ajudou a melhorar o humor de todos, já que ele tinha sido muito negativo.[22] Sykes escreveu uma música em que metaforicamente fala sobre a relação do Bring Me the Horizon e Curtis e como o róprio Sykes ficou desapontado com o ex-guitarrista que teria aturado sua expulsão da banda "como se não fosse nada", Blacklist é a nona faixa do terceiro álbum de estúdio da banda, There Is A Hell, Believe Me I've Seen It. There Is A Heaven, Let's Keep It A Secret sairia um ano após a deixa de Ward ao grupo. Uma semana após o término da turnê, Sykes começou a conversar com Jona Weinhofen, na época o guitarrista do Bleeding Through. A banda o conhecia por meio de seu trabalho com sua banda anterior, I Killed the Prom Queen,[22] e ele foi convidado a se juntar a eles.[33] Desde então, Ward trabalhou no programa de TV Top Gear,[34] e ocasionalmente se apresentou no palco com Bring Me The Horizon, tocando "Pray For Plagues", mais notavelmente na Wembley Arena em 2015.[35] Em 2016, foi anunciado que Ward havia se juntado à banda Counting Days.[36]

Em novembro de 2009, Bring Me the Horizon lançou uma versão remixada de Suicide Season, intitulada Suicide Season: Cut Up! Músicos e produtores incluídos no álbum são: Ben Weinman, Skrillex, L'Amour La Morgue, Utah Saints e Shawn Crahan.[37] Musicalmente, o álbum incorpora muitos gêneros, incluindo: eletrônica, drum and bass, hip-hop e dubstep. O estilo dubstep do álbum foi reconhecido nas faixas de Tek-One[38] e Skrillex, enquanto os elementos de hip-hop são encontrados no remix de Travis McCoy de "Chelsea Smile".

There Is a Hell... e The Chill Out Sessions (2010–2011)[editar | editar código-fonte]

Jona Weinhofen, se apresentando com o Bring Me the Horizon em 2009.

O terceiro álbum da banda, e primeiro com seu novo guitarrista Jona Weinhofen, intitulado There Is a Hell Believe Me I've Seen It. There Is a Heaven Let's Keep It a Secret., Foi lançado em 4 de outubro de 2010 e estreou no número 17 na Billboard 200 nos Estados Unidos,[39] número 13 na UK Album Chart,[40] e número um no Australian Albums Chart,[41] o UK Rock Chart [42]e o UK Indie Chart.[43] Apesar de alcançar o número um na Austrália, as vendas do álbum foram as mais baixas para um álbum número um na história das paradas da Australian Recording Industry Association (ARIA).[44]

Em abril de 2011, Bring Me the Horizon embarcou em uma turnê europeia, começando no Reino Unido. Eles fizeram turnê com Parkway Drive e Architects como principais bandas de apoio, com The Devil Wears Prada como banda de abertura para o Reino Unido e o grupo de dubstep Tek-One. A turnê, no entanto, teve seus obstáculos. Em 28 de abril, Nicholls quebrou o braço enquanto jogava futebol com membros do Bring Me the Horizon, Parkway Drive e Architects. Em vez de cancelar a turnê, o baterista do Architects Dan Searle ocupou o lugar de baterista, mas isso significou que a setlist de Bring Me the Horizon foi reduzida pela metade.[45] A turnê foi estendida com uma parte norte-americana de 13 de agosto a 4 de outubro, mantendo a Parkway Drive e Architects e adicionando Deez Nuts à formação.[46] Em 23 de agosto, eles lançaram o quarto videoclipe e single, "Visions",[47] e em 31 de outubro o videoclipe para a música "Alligator Blood" foi lançado.[48]

Matt Nicholls descreve os temas líricos de There Is a Hell... como sendo "repercussões de tudo o que cantamos em nosso último CD [Suicide Season]", chamando a música e as letras muito mais temperamentais e sombrias.[19] Cinco singles foram lançados do álbum, incluindo: "It Never Ends", "Anthem", "Blessed with a Curse", "Visions" e "Alligator Blood", com videoclipes produzidos para cada uma das canções. A banda embarcou em uma turnê em locais íntimos por todo o Reino Unido com o apoio de Cancer Bats e Tek-One.[49] Em dezembro de 2010, Bring Me the Horizon se juntou ao Bullet for My Valentine como a banda de suporte principal, ao lado de Atreyu, em uma curta turnê de cinco datas em uma arena pelo Reino Unido.[50] Para lidar com a alta demanda, a organizadora Live Nation lançou ingressos extras permanentes para todas as datas.[51]

Em dezembro de 2011, Machine Head completou uma turnê em arena pela Europa com Bring Me the Horizon como banda de suporte principal, junto com DevilDriver e Darkest Hour. Oliver Sykes disse que essas seriam as últimas datas europeias antes de começarem a escrever e gravar seu quarto álbum.[52] 2011 terminou com o anúncio da banda em 29 de dezembro de uma novo Extented Play intitulado The Chill Out Sessions, um esforço colaborativo com o DJ britânico Draper.[53] Draper lançou pela primeira vez um remix "oficialmente sancionado" da canção "Blessed with a Curse" em maio de 2011.[54] O EP deveria ser lançado originalmente a tempo para o dia de Ano Novo, e disponibilizado para download e compra através do site do Bring Me the Horizon, mas o lançamento do EP foi cancelado devido à "atual gestão e situação da gravadora" da banda.[55][56]

Sempiternal e saída de Jona Weinhofen (2012–2014)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sempiternal

Depois de uma intensa turnê, Bring Me the Horizon finalmente completou a divulgação de seu terceiro álbum no final de 2011. Eles voltaram ao Reino Unido para uma pausa prolongada e, eventualmente, começaram a trabalhar em seu próximo álbum.[57] Muito parecido com seus dois álbuns anteriores, eles escreveram seu quarto álbum em reclusão e isolamento para manter o foco. Desta vez, eles se retiraram para uma casa no Lake District. Em julho, a banda começou a publicar imagens suas gravando em um 'Top Secret Studio Location,'[58] e revelou que estava trabalhando com o produtor Terry Date para a gravação e produção do álbum.[59] Em 30 de julho, a banda anunciou que havia deixado sua gravadora e assinado com a RCA, que lançaria seu quarto álbum em 2013.[60] A banda tocou apenas três shows em todo o ano de 2012: Warped Tour 2012 em 10 de novembro no Alexandra Palace em Londres, (inicialmente se acreditava ser seu único show),[61] a Radio 1 Rocks show em 22 de outubro, onde tocaram um set de seis canções de apoio ao Bullet for My Valentine,[62][63] e em um show de aquecimento para a Warped Tour em Sheffield em 9 de novembro.[64] No final de outubro, foi anunciado que o quarto álbum se chamaria Sempiternal com um lançamento provisório no início de 2013.[65] Em 22 de novembro, a banda lançou o álbum colaborativo do DJ Draper, The Chill Out Sessions, gratuitamente.[66]

Tecladista Jordan Fish, se juntou ao Bring Me The Horizon em 2013

Em 4 de janeiro de 2013, Bring Me the Horizon lançou o primeiro single do Sempiternal, "Shadow Moses". Foi tocada pela primeira vez pelo apresentador de rádio Daniel P. Carter na Rádio 1 da BBC. Devido à demanda popular, a Epitaph lançou o videoclipe para a música uma semana antes do planejado.[67] Em janeiro, a banda também viu uma mudança em sua formação. Isso começou no início do mês, quando Jordan Fish, tecladista do Worship e músico de sessão da banda durante a composição de Sempiternal, foi anunciado como membro permanente. Então, no final do mês, Jona Weinhofen deixou a banda.[68] Apesar da banda negar as especulações de que Fish substituiu Weinhofen,[68] críticos disseram que substituir um guitarrista por um tecladista se encaixa melhor em seu estilo.[69]

A banda foi confirmada para várias apresentações em festivais em fevereiro. Eles tocaram no festival Australian Soundwave, apresentando-se em todas as cinco datas em: Brisbane, Sydney, Melbourne, Adelaide e Perth,[70] e então no RAMFest na África do Sul com Rise Against em março,[71][72] os festivais Rock Am Ring e Rock im Park na Alemanha em junho,[73] e de junho até agosto eles tocaram Warped Tour 2013 nos EUA e Canadá.[74] Para coincidir com o lançamento de Sempiternal em 29 de abril, a banda fez sua primeira turnê no Reino Unido em 18 meses com Crossfaith e Empress AD.[75]

Em apoio ao Sempiternal, a banda viajou pela Austrália com Of Mice & Men e Crossfaith,[76] e fez uma turnê britânica com Pierce The Veil e Sights & Sounds.[77] Eles então completaram a American Dream Tour na América do Norte, com o apoio de Of Mice & Men, Issues, letlive e Northlane.[78] A banda foi anunciada como o principal patrocinador da banda americana A Day to Remember em sua "Parks & Devastation Tour" pela América em setembro e outubro, junto com os artistas de apoio Motionless in White e Chiodos.[79] A banda se apresentou na Wembley Arena em Londres em 5 de dezembro com os artistas de apoio Young Guns, Issues e Sleepwave,[80] que foi gravado e lançado como um álbum/DVD ao vivo.

Mais tarde em 2014, a banda lançou duas novas faixas intituladas "Drown" em 21 de outubro, como um single autônomo, e "Don't Look Down" em 29 de outubro, como parte da nova coletânia do filme Drive.

That's the Spirit e Royal Albert Hall show (2015–2017)[editar | editar código-fonte]

Oliver Sykes se apresentando com o BMTH em 2016, no Rock im Park
Ver artigo principal: That's The Spirit

No final de junho do ano de 2015, a banda começou a promover fotos de um símbolo de guarda-chuva sendo usado

como tatuagem, e em adesivos e pôsteres em toda a Inglaterra, Estados Unidos, Austrália e Europa; mais tarde, foi usado para uma capa promocional para o primeiro single da banda.[81] A banda lançou um pequeno vídeo no início de julho, onde as palavras "esse é o espírito" podiam ser ouvidas ao contrário.[82] Em 13 de julho de 2015, o single promocional "Happy Song" foi lançado na página Vevo da banda, e em 21 de julho de 2015, Sykes revelou que o nome do álbum era That's the Spirit.[83] A banda lançou o single e o videoclipe de "Throne" em 23 de julho de 2015, e outra faixa promocional do álbum, intitulada "True Friends", foi lançada em 24 de agosto de 2015.[84] O álbum foi lançado em 11 de setembro de 2015 com aclamação da crítica. Isso levou a vários videoclipes, incluindo "Drown", "Throne", "True Friends", "Follow You", "Avalanche" e "Oh No".

A banda embarcou em uma turnê nos Estados Unidos em outubro de 2015 com o apoio da banda de metalcore Issues e da banda de rock PVRIS.[85] A banda também fez uma turnê pela Europa em novembro de 2015 e embarcou em uma segunda turnê nos Estados Unidos em abril e maio de 2016. Isso foi seguido por uma turnê australiana em setembro de 2016 e uma segunda turnê europeia em novembro de 2016.[86][87]

Em 22 de abril de 2016, a banda realizou um concerto ao vivo com uma orquestra conduzida por Simon Dobson no Royal Albert Hall em Londres. O show marcou a primeira vez que a banda se apresentou com uma orquestra ao vivo. Foi gravado, e o álbum ao vivo, Live at the Royal Albert Hall, foi lançado em 2 de dezembro de 2016 através da plataforma de crowdfunding PledgeMusic em CD, DVD e vinil, com todos os rendimentos doados ao Teenage Cancer Trust.[88] Após o show, Fish insinuou a possibilidade de fazer uma turnê completa com uma orquestra, dizendo: "Parece quase uma pena fazer todo esse esforço por meses e meses por apenas uma noite."[89]

Amo, Music to Listen To... e Post Human: Survival Horror (2018–presente)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Amo
Oliver Sykes perfomando o álbum amo no festival Rock am Ring, em 2019

Em agosto de 2018, pôsteres crípticos apareceram nas principais cidades do mundo com a mensagem "você quer começar um culto comigo?".[90] Os cartazes foram atribuídos pela grande mídia à banda apenas pelo uso do logotipo de um hexagrama anteriormente usado pelo Bring Me The Horizon. Durante esse tempo, a própria banda não reconheceu seu envolvimento com a campanha publicamente. Cada pôster forneceu um número de telefone exclusivo e um endereço de site.[91] O site forneceu uma breve mensagem intitulada "Um convite para a salvação" e mostra a data de 21 de agosto de 2018. As linhas telefônicas colocaram os fãs em espera com mensagens de áudio longas e variadas que mudavam com frequência.[92] Algumas dessas mensagens terminam supostamente com um clipe de áudio distorcido do que foi considerado ser uma nova música da banda.[93]

Em 21 de agosto, a banda lançou o single principal "Mantra".[94] No dia seguinte, a banda anunciou seu álbum Amo, lançado em 11 de janeiro de 2019, junto com um conjunto de datas de turnê chamado First Love World Tour.[94]

Em 21 de outubro, a banda lançou seu segundo single "Wonderful Life" com Dani Filth, junto com a tracklist de Amo.[95] No mesmo dia, a banda anunciou que o álbum foi adiado e agora está marcado para 25 de janeiro de 2019.[95]

Em 1º de dezembro, foi relatado que, durante um show no Ally Pally, um fã morreu no fosso e foi escoltado por paramédicos e seguranças. Um dia depois, foi confirmado pela banda com uma declaração: "Palavras não podem expressar o quão horrorizado estamos nos sentindo esta noite depois de ouvir sobre a morte de um jovem em nosso show ontem à noite. Nossos corações e profundas condolências vão para sua família e entes queridos neste momento terrível. Vamos comentar mais no devido tempo."[96][97]

Em 3 de janeiro de 2019, a banda lançou seu terceiro single "Medicine" e seu videoclipe correspondente.[98] Em 22 de janeiro, três dias antes do lançamento do álbum, a banda lançou o quarto single "Mother Tongue".[99] Em 24 de janeiro, a banda lançou o quinto single "Nihilist Blues" com Grimes.[100]

Em 26 de julho, a banda lançou o sexto single "Sugar Honey Ice & Tea" ao lado de um videoclipe.[101] Em 21 de outubro, a banda lançou o sétimo single "In the Dark" junto com um videoclipe com Forest Whitaker.[102][103] Em 6 de novembro, a banda lançou a música "Ludens", que faz parte da trilha sonora de Death Stranding: Timefall, junto com a notícia de que a banda está planejando nunca lançar um álbum novamente e, em vez disso, deseja lançar EPs.[104][105] Em 27 de dezembro, a banda lançou Music to Listen to~Dance to~Blaze to~Pray to~Feed to~Sleep to~Talk to~Grind to~Trip to~Breathe to~Help to~Hurt to~Scroll to~Roll to~Love to~Hate to~Learn Too~Plot to~Play to~Be to~Feel to~Breed to~Sweat to~Dream to~Hide to~Live to~Die to~Go To sem qualquer anúncio prévio.[106][107]

Em 20 de março de 2020, a banda compartilhou que eles estavam em um estúdio caseiro, escrevendo e gravando material para seu oitavo álbum, que deve ser um EP, com parte dele sendo co-produzido por Mick Gordon.[108] Em 25 de junho, a banda lançou o single "Parasite Eve" ao lado de um videoclipe. No mesmo dia, a banda também anunciou um projeto no qual eles estão trabalhando, intitulado Post Human, no qual eles disseram ser quatro EPs lançados ao longo do próximo ano que, quando combinados, formariam um álbum.[109][110] Em 2 de setembro, a banda lançou com o cantor inglês Yungblud um single colaborativo intitulado "Obey" e seu videoclipe correspondente.[111] Em 14 de outubro, a banda anunciou oficialmente através de redes sociais que Post Human: Survival Horror seria lançado em 30 de outubro de 2020.[112] Em 22 de outubro, uma semana antes da data de lançamento, o quarto single "Teardrops" foi lançado junto com um videoclipe que o acompanhava.[113][114][115]

Música[editar | editar código-fonte]

Estilo e influências[editar | editar código-fonte]

Entre as primeiras influências de Bring Me the Horizon estavam bandas como At the Gates, Carcass, Pantera, Metallica, The Dillinger Escape Plan, Every Time I Die, Norma Jean, Skycamefalling e Poison the Well;[14][19][116][117][118] e gêneros death metal, grindcore e emo foram citados pelo escritor do AllMusic Steward Mason.[119] No entanto, com o desenvolvimento do som, a banda começou a receber influências do rock progressivo, post-rock, dubstep e música eletrônica.[120][116] O estilo musical da banda foi descrito principalmente como metalcore e - embora eles tenham mudado desde o gênero - seu material inicial foi considerado deathcore. Ao longo de sua carreira, a banda também tocou dentro dos gêneros metal alternativo, rock alternativo, pop rock, rock eletrônico, hard rock, heavy metal, post-hardcore, pop, nu metal, electropop, hip hop, EDM, arena rock, melodic metalcore, electronicore, electronica, screamo, hardcore punk, techno metal e emo.

A cada álbum, o Bring Me the Horizon tende a mudar suas sonoridade características e influências, acreditando que eles sempre deveriam ser "diferentes".[121] Seu álbum de estreia, Count Your Blessings foi recebido pela crítica como um estilo "estrondoso", comparado a bandas como Norma Jean, além de um som "agressivo, violento e desagradável[...]".[23] Já seu segundo álbum, o Suicide Season um "sucesso crativo, crítico e comercial" para a banda.[15] O som amplamente descrito como um "deathcore extremo e pesado"[15] rapidamente perde espaço para o Bring Me the Horizon em prol de um som caracteristicamente mais eclético.[122] Antes do lançamento, Oliver Sykes descreveu como "100% diferente do Count Your Blessings" além de observar que o álbum soaria "mais rock do que metal".[123] Com o passar do tempo, Bring Me the Horizon começou a rejeitar seu álbum de estreia Count Your Blessings e considerou o Suicide Season como seu "ano zero".[15]

Bring Me the Horizon se afastou ainda mais do deathcore com seu terceiro álbum, There Is a Hell..., que incorporou eletrônica, música clássica e música pop em seu estilo metalcore.[124] Isso exigiu feitos de produção mais ambiciosos, como o uso de um coro completo, uma orquestra sintetizada e vocais distorcidos, favorecendo passagens atmosféricas silenciosas nas quebras de música.[125][126] Para a composição de Sempiternal, a banda reuniu influências muito mais amplas, como atos post-rock como This Will Destroy You e Explosions In The Sky[127] e da música pop.[128]

Bring Me the Horizon tem feito experiências com sua música nos últimos anos, misturando pop com metal,[129][130][131] levando a banda a ser rotulada como um ato de "pop metal".[132] Com o lançamento de That's the Spirit, seu som mudou para rock eletrônico,[133] metal alternativo[134][135] e rock alternativo,[136][137] também incorporou outros gêneros, como pop rock[138][139][140] e nu metal,[141][142] enquanto abandonava completamente o som metalcore de seus álbuns anteriores.[138]

Membros[editar | editar código-fonte]

Membros atuais
Ex-membros
Membros de turnê
  • Dean Rowbotham - Guitarra rítmica (2009)
  • Dan Searle - Bateria, percussão (2011)
  • Tim Hillier-Brook - Guitarra rítmica (2013)
  • Robin Urbino – Guitarra rítmica (2013)
  • Brendan MacDonald - guitarra rítmica, vocal de apoio (2013-2014)

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio
Ano Título Gravadora Posição
Top 200 US Heat
2006 Count Your Blessings Visible Noise / Earache Records
2008 Suicide Season Visible Noise / Epitaph Records 107 2
2010 There Is A Hell, Believe Me I've Seen It. There Is A Heaven, Let's Keep It A Secret 17
2013 Sempiternal RCA Records / Epitaph Records 11
2015 That's The Spirit Columbia Records 2
2019 Amo Sony 14
Álbuns Ao Vivo
EPs
Remixes
Outras músicas
  • Eyeless (Slipknot cover) - Para um CD cover da revista britânica de rock, Kerrang!.[143]
  • Duas canções intitulado "Shed Light" e "Who Wants Flowers When You're Dead? Nobody" foram gravadas para a demo chamada "The Bedroom Sessions", mas nunca foi oficialmente lançado. Uma versão instrumental de Rawwwrr! Também foi registrada.
  • Don't Look Down - feita para a recriação da trilha sonora do filme Drive, dirigida por Zane Lowe.
  • Ludens - feita para a trilha sonora do jogo Death Stranding, de Hideo Kojima. A banda teve apenas 5 dias para fazer a música do zero.[144]

Vídeografia[editar | editar código-fonte]

Ano Título Diretor
2006 "Traitors Never Play Hangman" -
2007 "Pray for Plagues" Popcore Films
2008 "For Stevie Wonder's Eyes Only (Braille)" Perrone Salvatore
"The Comedown" Adam Powell
2009 "Chelsea Smile"
"Diamonds Aren't Forever" Khaled Lowe
"The Sadness Will Never End" Adam Powell
2010 "It Never Ends" Jakob Printzlau
2011 "Anthem" Shane Davey
"Blessed with a Curse" Sindre Moen
"Visions" Jakob Printzlau
"Alligator Blood" Stuart Birchall
2013 "Shadow Moses" A Nice Idea Everyday
"Sleepwalking"
"Go To Hell, For Heaven's Sake" Danny Todd
"Can You Feel My Heart"
2014 "Drown" Jacob Printzlau
2015 "Throne" Oliver Sykes e Plastic Kid
"True Friends" Oliver Sykes
2016 "Follow You"
"Avalanche"
"Oh No"
2018 "MANTRA"
2019 "medicine"
"mother tongue"
"sugar honey ice & tea"
"in the dark"
"Ludens"
2020 "Parasite eve"

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Grammy Awards Indicado a Melhor musica de rock por MANTRA em 2019
  • Kerrang! Prêmio de Melhor revelação britânica de 2006.
  • Kerrang! Prêmio de Melhor Álbum do Ano. (2011)
  • Kerrang! Prêmio de Melhor Vídeo Clipe Alligator Blood (2012)
  • Kerrang! Prêmio de Melhor Banda Britânica 2013.
  • Alternative Press! Prêmio de Melhor Banda Internacional (2014)
  • Alternative Press! Prêmio de Melhor Álbum do ano (Sempiternal) (2014)
  • Alternative Press! Prêmio de Melhor Vídeo Clipe Drown (2015)
  • Kerrang! Prêmio de Melhor Banda Britânica 2015.
  • Prêmio John Peel de Inovação Musical 2016

Outros projetos[editar | editar código-fonte]

  • Oli Sykes ("Master Syko"), Matt Nicholls, Tom Sykes e XricciX formaram um grupo de rap cômico, chamado Womb 2 da Tomb.
  • Oli Sykes e o irmão de sua ex-namorada, Neil Whiteley, formaram uma banda de death/thrash metal chamada Purple Curto
  • Oli Sykes tem uma grife de roupa chamada "Drop Dead" e emprega seu irmão mais novo Tom, e sua mãe Carol e para o ajudar a trabalhar com isso.
Diversidades
  • Em 2009 os leitores da Rock Sound fizeram uma enquete, e o Bring Me the Horizon foi eleito como "Melhor Banda Britânica" e "Pior Banda Britânica".
  • Numa enquete feita por leitores da revista Kerrang!, o Bring Me the Horizon foi eleito como "Melhor Banda de 2008 e 2010".
  • A banda ficou mundialmente reconhecida quando teve seu single Drown em primeiro lugar na lista de mais vendidos do iTunes em 2014.

Referências

  1. Weingarten, Christopher. «Bring Me the Horizon, 'There is a Hell Believe Me I've Seen It. There Is a Heaven Let's Keep It a Secret'». Spin magazine. Consultado em 1 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2010 
  2. Paul Brannigan, ed. (22 de setembro de 2010). «Kerrang!». United Kingdom: Bauer Consumer Media (1331). ISSN 0262-6624 
  3. «The New Class of Post-Hardcore: 11 Bands You Need To know». fuse.tv. Consultado em 14 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2016 
  4. «Local CD pick». St. Cloud Times. 21 de janeiro de 2016. Consultado em 8 de fevereiro de 2016 
  5. https://m.oglobo.globo.com/cultura/musica/bring-me-the-horizon-chega-ao-topo-apos-mudanca-de-estilo-17740207
  6. https:www.nme.com/news/music/bring-me-the-horizon-new-song-medicine-2426091/amp
  7. https:/amp/s/oglobo.globo.com/cultura/musica/bring-me-the-horizon-banda-de-rock-que-parou-de-ouvir-rock-surpreende-com-estranho-amo-23462522%3fversao=amp
  8. https://m.oglobo.globo.com/cultura/musica/bring-me-the-horizon-chega-ao-topo-apos-mudanca-de-estilo-17740207
  9. «Stereophonics bag sixth Number 1 album: "Thank you all"». www.officialcharts.com (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  10. Blabbermouth (20 de setembro de 2015). «BRING ME THE HORIZON's 'That's The Spirit' Lands At No. 2 On The Billboard 200 Chart». BLABBERMOUTH.NET. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  11. Blabbermouth (21 de julho de 2015). «BRING ME THE HORIZON To Release 'That's The Spirit' Album In September». BLABBERMOUTH.NET. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  12. «Bring Me the Horizon amo». exclaim.ca (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  13. January 25, Loudwire StaffPublished:; 2019. «Why Did Bring Me the Horizon Go Pop?». Loudwire (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  14. a b Dayal, Patterson (2011). "The Devil's Rejects". Londres, Reino Unido: Metal Hammer. p. 216. ISBN 14229048 Verifique |isbn= (ajuda) 
  15. a b c d e «Hard rock & metal hammer». Hard rock & metal hammer (em German). 1999. ISSN 1422-9048. OCLC 231811609. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  16. a b c d e f g h Patashnik, Ben (2012). "We Were So Clueless". Londres: Freeway Press. p. 166. ISBN 1465-0185 Verifique |isbn= (ajuda) 
  17. «Why They're Called… Bring Me The Horizon». Spin. 22 de novembro de 2010. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  18. «Thirty Days Of Night Records / Label // Drowned In Sound». web.archive.org. 4 de outubro de 2013. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  19. a b c d «Bring Me The Horizon - Interview - Rockfreaks.net». www.rockfreaks.net. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  20. «Chart Log UK: Darren B - David Byrne». www.zobbel.de. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  21. Brown, Mark; correspondent, arts (25 de agosto de 2006). «Lostprophets on their metal as they top the Kerrang! awards». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  22. a b c d e f Patashnik, Ben (2012). "We Were So Clueless". Londres: United Kingdom: Freeway Press. p. 166. ISBN 1465-0185 Verifique |isbn= (ajuda) 
  23. a b «Bring Me The Horizon: "It's just party music" / In Depth // Drowned In Sound». web.archive.org. 17 de abril de 2010. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  24. «Saturday 09/12/06 Lostprophets, Bring Me The Horizon, The Blackout @ Hammersmith Apollo, London | Gigwise». web.archive.org. 9 de junho de 2011. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  25. «BRING ME THE HORIZON Replaces BURY YOUR DEAD On KILLSWITCH ENGAGE's European Tour» 
  26. Ritchie, Andy (Summer 2012). Patashnik, B. (ed.). "Hall Of Fame: Suicide Season". Rock Sound. London, United Kingdom: Freeway Press (164). ISSN 1465-0185. [S.l.: s.n.] 
  27. Ritchie, Andy (Summer 2012). Patashnik, B. (ed.). "Hall Of Fame: Suicide Season". Rock Sound. London, United Kingdom: Freeway Press (164). ISSN 1465-0185. [S.l.: s.n.] 
  28. «September Is 'Suicide Season'». web.archive.org. 7 de outubro de 2011. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  29. «I Killed The Prom Queen farewell tour on FasterLouder.com.au». web.archive.org. 15 de março de 2011. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  30. «Kerrang!». Kerrang!. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  31. Patashnik, Ben (October 2012). Patashnik, B. (ed.). "We Were So Clueless". Rock Sound. London, United Kingdom: Freeway Press (166). ISSN 1465-0185. [S.l.: s.n.] 
  32. AltPress (13 de julho de 2009). «Bring Me The Horizon: The Power And The Glory». Alternative Press (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  33. Nichola Browne, ed. (11 July 2009). "Kerrang Bauer Consumer Media". Kerrang!. No. 1269. London, United Kingdom: Bauer Consumer Media. ISSN 0262-6624. [S.l.: s.n.] 
  34. «Oliver Sykes And Lee | Funny Interview [BMTH] Bring Me The Horizon». YouTube (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  35. «Bring Me The Horizon - Pray For Plagues (Live from Wembley Arena)» 
  36. «Counting Days recruit ex Bring Me The Horizon man Curtis Ward - News - Metal Hammer». web.archive.org. 25 de agosto de 2016. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  37. «Bring Me The Horizon Remix Suicide Season - News». Rock Sound Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  38. «Bring Me The Horizon - Suicide Season - Cut Up - Reviews». Rock Sound Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  39. «Bring Me the Horizon». Billboard. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  40. «"ARIA Top 50 Albums Chart". Australian Recording Industry Association» 
  41. «"Official Charts – Rock Charts". Official Charts Company. Archived» 
  42. «Official Rock & Metal Singles Chart Top 40» 
  43. «"Official Charts – Alternative Charts". Official Charts Company. Archived» 
  44. «71,964 Dollars Buys You The Number 1 Album in Australia». Pedestrian TV (em inglês). 19 de outubro de 2010. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  45. «Metal Hammer | Louder». Metal Hammer Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  46. admin. «Bring Me The Horizon US Tour w/ Parkway Drive». Consultado em 19 de novembro de 2020 
  47. «Metal Hammer | Louder». Metal Hammer Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  48. «BLABBERMOUTH.NET - BRING ME THE HORIZON: 'Alligator Blood' Video Released». web.archive.org. 4 de outubro de 2013. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  49. «Bring Me The Horizon And Cancer Bats For Tiny Venue UK Tour - News». Rock Sound Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  50. «Bring Me The Horizon Support Bullet For My Valentine On Arena Tour - News». Rock Sound Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  51. «Glasswerk National \\ Bring Me The Horizon To Support Bullet For My Valentine». web.archive.org. 4 de outubro de 2012. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  52. «Bring Me The Horizon: 'Machine Head tour will be our last UK dates for a while' | NME». NME Music News, Reviews, Videos, Galleries, Tickets and Blogs | NME.COM (em inglês). 22 de junho de 2011. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  53. admin. «Bring Me The Horizon To Release Remix Album "The Chill Out Sessions"». Consultado em 19 de novembro de 2020 
  54. «Draper's Remix Of Bring Me The Horizon's "Blessed With A Curse" Available For Streaming». Theprp.com (em inglês). 13 de maio de 2011. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  55. «RAW TUNEAGE: Bring Me The Horizon remix "The Chill Out Sessions" release cancelled.». web.archive.org. 11 de janeiro de 2012. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  56. «NEWS: Bring Me The Horizon pull 'The Chill Out Sessions' remix album!». DEAD PRESS! | It's more than "just music" to us (em inglês). 2 de janeiro de 2012. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  57. Blabbermouth (27 de janeiro de 2012). «BRING ME THE HORIZON To Begin Writing New Album Next Month». BLABBERMOUTH.NET. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  58. «Bring Me The Horizon Begin Work On New Album At 'Top Secret Studio Location'». Music Feeds. 19 de julho de 2012. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  59. «Bring Me The Horizon Enter The Studio, Confirm Producer For Album #4 - News». Rock Sound Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  60. «Bring Me The Horizon Announce New Record Label - News». Rock Sound Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  61. «Kerrang!». Kerrang!. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  62. «Metal Hammer | Louder». Metal Hammer Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  63. «Radio 1 Rocks». BBC Music Events (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  64. «Bring Me The Horizon to play free Sheffield gig next week (November 9) | NME.COM». web.archive.org. 8 de dezembro de 2015. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  65. «Kerrang! Bring Me The Horizon name forthcoming album». web.archive.org. 29 de outubro de 2012. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  66. «Bring Me The Horizon release free digital remix EP | Downloads | Big Cheese Magazine - punk, metal and rock music news, reviews, interviews and more.». web.archive.org. 31 de dezembro de 2012. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  67. Blabbermouth (22 de janeiro de 2013). «BRING ME THE HORIZON: 'Shadow Moses' Video Released». BLABBERMOUTH.NET. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  68. a b January 14, Graham HartmannPublished:; 2013. «Bring Me the Horizon Confirm Departure of Guitarist Jona Weinhofen». Loudwire (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  69. «Metal Hammer Podcast 230 Part 3: Bring Me The Horizon 'Sempiternal' Review - YouTube». web.archive.org. 14 de maio de 2014. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  70. Andrew Tijs (17 de agosto de 2012). «Soundwave 2013 Adds Slayer, Cypress Hill And Heaps More». Noise11.com (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  71. «TimesLIVE». TimesLIVE (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  72. «AS I LAY DYING Cancel Appearance At Next Year's RAMFest Due To Scheduling Conflict». Metal Shock Finland (World Assault ) (em inglês). 20 de dezembro de 2012. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  73. «The Prodigy for Rock am Ring and Rock im Park 2013 - First acts announced - Festival News». web.archive.org. 17 de maio de 2013. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  74. Whitt, Cassie (9 de fevereiro de 2013). «Watch Warped Tour announcement videos from Bring Me The Horizon, BVB, ABR and 3OH!3». Alternative Press (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  75. «Crossfaith Announced As Main Support To Support Bring Me The Horizon - News». Rock Sound Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  76. «Bring Me The Horizon Touring Australia With Of Mice & Men And Crossfaith This October». Music Feeds. 7 de junho de 2013. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  77. Kraus, Brian (9 de setembro de 2013). «Bring Me The Horizon add Pierce The Veil and Sights & Sounds to UK headlining tour». Alternative Press (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  78. Crane, Matt (18 de dezembro de 2013). «Issues, letlive. added to Bring Me The Horizon, Of Mice & Men tour». Alternative Press (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  79. «Motionless In White Join A Day To Remember's Parks & Devastation Tour - News». Rock Sound Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  80. «Bring Me The Horizon Announce Wembley Supports - Kerrang!». web.archive.org. 13 de outubro de 2014. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  81. «What Are Bring Me The Horizon Up To? - News». Rock Sound Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  82. «Bring Me The Horizon Unveil Teaser Video - Kerrang!». web.archive.org. 8 de julho de 2015. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  83. «Bring Me The Horizon On New Album 'That's The Spirit' - And Riding Around Greek Islands On Quad Bikes | NME». NME Music News, Reviews, Videos, Galleries, Tickets and Blogs | NME.COM (em inglês). 21 de julho de 2015. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  84. August 24, Anya ZadroznyPublished:; 2015. «Bring Me the Horizon Unleash New Song 'True Friends'». Loudwire (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  85. «PVRIS Join Bring Me The Horizon/Issues US Tour - Kerrang!». web.archive.org. 10 de agosto de 2015. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  86. February 22, Graham HartmannPublished:; 2016. «Bring Me the Horizon Announce Spring 2016 U.S. Tour Dates». Loudwire (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  87. «Bring Me The Horizon Announce 2016 Australian Tour». Music Feeds. 17 de fevereiro de 2016. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  88. «Live At The Royal Albert Hall: Release Date & Limited Edition Run Update. | PledgeMusic». web.archive.org. 17 de outubro de 2016. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  89. April 2016, Stef Lach27. «Bring Me The Horizon ponder orchestra tour». Metal Hammer Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  90. «Bring Me The Horizon's "Cult" Posters Have Turned Up In Chicago». Kerrang!. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  91. «joinmantra.org - This website is for sale! - joinmantra Resources and Information.». joinmantra.org. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  92. Darus, Alex (13 de agosto de 2018). «Bring Me The Horizon's cryptic album teasing has reached the U.S.». Alternative Press (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  93. «It looks like Bring Me The Horizon are teasing something new». Upset (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  94. a b «Bring Me The Horizon Have Announced The Details Of Their New Album, Announced A Tour - News». Rock Sound Magazine (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  95. a b Campbell, Rachel (21 de outubro de 2018). «Bring Me The Horizon unleash "Wonderful Life," more album details». Alternative Press (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  96. «Words can not express...». Twitter. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  97. Injection, Metal (1 de dezembro de 2018). «Report: Fan Dies In The Pit of BRING ME THE HORIZON Show». Metal Injection (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  98. brownypaul (3 de janeiro de 2019). «Bring Me The Horizon release music video for 'мedιcιne'». Wall Of Sound (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  99. Magazine, Alternative Press (22 de janeiro de 2019). «Bring Me The Horizon get romantic on new song "Mother Tongue"». Alternative Press (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  100. January 24, Tyler SharpPublished:; 2019. «Bring Me the Horizon Release New Song With Popstar Grimes». Loudwire (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  101. brownypaul (3 de janeiro de 2019). «Bring Me The Horizon release music video for 'мedιcιne'». Wall Of Sound (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2020 
  102. «Bring Me The Horizon Release New Video For in the dark». Kerrang!. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  103. «'In The Dark': Here's Bring Me The Horizon's new video with Forest Whitaker and an interview with Oli Sykes | NME». NME Music News, Reviews, Videos, Galleries, Tickets and Blogs | NME.COM (em inglês). 21 de outubro de 2019. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  104. «Bring Me The Horizon on bold new track 'Ludens' – and why they may never make another album again | NME». NME Music News, Reviews, Videos, Galleries, Tickets and Blogs | NME.COM (em inglês). 6 de novembro de 2019. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  105. Blabbermouth (6 de novembro de 2019). «BRING ME THE HORIZON Releases New Song 'Ludens'». BLABBERMOUTH.NET. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  106. «Bring Me the Horizon release surprise album featuring Halsey, Lotus Eater, Bexey, and more: Stream». Consequence of Sound (em inglês). 27 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  107. December 27, Lauryn SchaffnerPublished:; 2019. «Stream Bring Me the Horizon's Collab-Filled Surprise EP Now». Loudwire (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2020 
  108. «"NEWS: Bring Me The Horizon begin work on eighth record!".» 
  109. «Bring Me The Horizon tell us about their new 'survival horror song' 'Parasite Eve' and ambitious 'Post Human' project». NME Music News, Reviews, Videos, Galleries, Tickets and Blogs | NME.COM (em inglês). 25 de junho de 2020. Consultado em 20 de novembro de 2020 
  110. «Bring Me The Horizon Are Planning To Release Four Albums Over The Next Year». Music Feeds. 26 de junho de 2020. Consultado em 20 de novembro de 2020 
  111. September 2, Lauryn SchaffnerPublished:; 2020. «Bring Me the Horizon Drop New Song 'Obey' Featuring Yungblud». Loudwire (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2020 
  112. «Bring Me The Horizon Just Announced A New EP - 'Post Human: Survival Horror' - News». Rock Sound Magazine (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2020 
  113. «Bring Me The Horizon Tease New Song, Tear Drops». Kerrang!. Consultado em 20 de novembro de 2020 
  114. Dowd, Rachael (21 de outubro de 2020). «Here's the first look at Bring Me The Horizon's new song "Teardrops"». Alternative Press (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2020 
  115. brownypaul (22 de outubro de 2020). «Bring Me The Horizon Debut New Song/Video 'Teardrops'». Wall Of Sound (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2020 
  116. a b «Inside The Mind Of Oliver Sykes - Features». Rock Sound Magazine (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2020 
  117. Blabbermouth (7 de janeiro de 2007). «BRING ME THE HORIZON Replaces BURY YOUR DEAD On KILLSWITCH ENGAGE's European Tour». BLABBERMOUTH.NET. Consultado em 20 de novembro de 2020 
  118. July 2013, Drum Expo 2013 31. «Matt Nicholls (Bring Me The Horizon) interview». MusicRadar (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2020 
  119. «Bring Me the Horizon | Biography, Albums, Streaming Links». AllMusic (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2020 
  120. Gill (October 2010). Alexander Milas (ed.). "Trial By Fire". Metal Hammer. London, United Kingdom: Future Publishing (210). ISSN 1422-9048. [S.l.: s.n.] 
  121. «Rock Sound Classic Interviews: Matt Tuck vs Oli Sykes - Features». Rock Sound Magazine (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  122. «"Bring Me The Horizon // Drowned In Sound"». DrownedInSound (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  123. «Bring Me The Horizon new album info | News». Killyourstereo.com (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  124. «Bring Me The Horizon broadens for young band» 
  125. There Is a Hell, Believe Me I've Seen It. There Is a Heaven, Let's Keep It a Secret. - Bring Me the Horizon | Songs, Reviews, Credits | AllMusic (em inglês), consultado em 14 de janeiro de 2021 
  126. «Bring Me The Horizon: Interview With The Guitarist Lee Malia» 
  127. «Bring Me The Horizon planning 'post-rock' influenced fourth album | NME». NME | Music, Film, TV, Gaming & Pop Culture News (em inglês). 29 de dezembro de 2011. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  128. direct, artist. «"Oli Sykes of Bring Me The Horizon Talks "Sempiternal", Movies, and More"». ARTISTdirect. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  129. «Bring me the Horizon, interview: Could the band become the new». The Independent (em inglês). 28 de novembro de 2014. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  130. Silverstein, Adam (1 de dezembro de 2014). «Bring Me the Horizon: From deathcore to Wembley». Digital Spy (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  131. «Bring Me the Horizon review – a raucous rejuvenation of British metal». the Guardian (em inglês). 7 de dezembro de 2014. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  132. «Bring me the Horizon have some True Friends | Metal Insider» (em inglês). 24 de agosto de 2015. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  133. Chillingworth, Alec. «Bring Me The Horizon - That's The Spirit (Album Review) - Stereoboard». Stereoboard.com (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  134. «Bring Me The Horizon - veröffentlichen Song vom neuen Album - News - Modern Metal - metal.de». web.archive.org. 5 de março de 2016. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  135. «Bring Me the Horizon | Biography & History». AllMusic (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  136. «Bring Me the Horizon That's the Spirit». exclaim.ca (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  137. That's the Spirit - Bring Me the Horizon | Songs, Reviews, Credits | AllMusic (em inglês), consultado em 14 de janeiro de 2021 
  138. a b Wiederhorn, Jon; Wiederhorn, Jon (23 de julho de 2015). «Bring Me the Horizon on Poppy, Positive New Album». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  139. «Bring Me The Horizon "That's The Spirit" | "Doomed" + "Follow You" [Snippets] | BeatCog». web.archive.org. 28 de setembro de 2015. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  140. «That's The Spirit Review | Bring Me The Horizon | Compact Discs | Reviews @ Ultimate-Guitar.Com». web.archive.org. 6 de março de 2016. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  141. «Bring Me the Horizon: That's the Spirit review – nu-metal reanimators». the Guardian (em inglês). 10 de setembro de 2015. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  142. RYAN, TIM. «Local CD pick». St. Cloud Times (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  143. «Bring Me The Horizon: banda fez cover de "Eyeless", do Slipknot, mais pesado do que o original». Roadie Metal. 5 de fevereiro de 2019. Consultado em 20 de novembro de 2020 
  144. «Bring Me The Horizon on bold new track 'Ludens' – and why they may never make another album again | NME». NME (em inglês). 6 de novembro de 2019. Consultado em 20 de novembro de 2020 


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui imagens e outras mídias sobre Bring Me The Horizon