Brites de Albuquerque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Brites de Albuquerque
2° governador da Capitania de Pernambuco
Período 1554-1584
Antecessor Duarte Coelho
Sucessor Duarte Coelho de Albuquerque
Dados pessoais
Nascimento 1517
Reino de Portugal
Morte 1584
Capitania de Pernambuco, Brasil Colônia

Brites de Albuquerque (Portugal, 1517Pernambuco, 1584) foi uma nobre portuguesa, esposa do primeiro capitão-donatário da Capitania de Pernambuco, Duarte Coelho. Por ter assumido o governo da Capitania após a morte do marido, é reconhecida como a primeira governante das Américas.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida em Portugal, era filha de Joana de Bulhão com Lopo de Albuquerque, Conde de Penamacor.[2] Brites, ou Beatriz, como era também chamada, fazia parte da poderosa família dos Albuquerque, arrolados entre os “barões assinalados” do poema Os Lusíadas, sendo sobrinha de Afonso de Albuquerque.[3]

Chegou ainda jovem a Pernambuco (9 de março de 1535), acompanhando o seu marido, Duarte Coelho, que recebera a posse da Capitania, por doação de el-Rei D. João III. Além da esposa, Duarte Coelho partiu para o Brasil acompanhado de seu cunhado, Jerônimo de Albuquerque.

Por volta de 1553, quando o marido retorna a Portugal acompanhado dos filhos do casal, Duarte Coelho de Albuquerque e Jorge de Albuquerque Coelho, Dona Brites assume interinamente o governo da capitania, assistida por seu irmão, Jerônimo de Albuquerque, que se havia estabelecido na região e casado com a princesa tabajara Muira-Ubi, depois batizada Maria do Espírito Santo Arcoverde. Jerônimo ficaria conhecido como o “Adão pernambucano”, por ter deixado vastíssima descendência por todo o Brasil.[4]

Com a morte de seu marido, Duarte Coelho (1554) em Portugal, ela própria ocupará o cargo, assumindo, assim, todas as honras e obrigações adjacentes ao título, sendo que a designariam por "capitoa" pela firmeza de sua gestão. Manteve-se no posto até a maioridade do seu filho mais velho, Duarte Coelho de Albuquerque, que estudava em Portugal, juntamente com seu irmão Jorge de Albuquerque Coelho. Quando ambos chegam ao Brasil, em 1560, Duarte assume o governo de Pernambuco, mas tão somente até 1572, data em que terá sido chamado de regresso a Portugal. Duarte e Jorge são incorporados à armada do rei D. Sebastião, que avançava sobre a África. Ambos são gravemente feridos após a batalha de Alcácer-Quibir, em 4 de agosto de 1578, e nunca mais retornariam ao Brasil. Assim, uma vez mais, Dona Brites ficará no comando das terras pernambucanas, exercendo essa função até o fim de sua vida.

Dona Brites é considerada pelos especialistas como uma das mais ilustres brasileiras, sendo que durante o seu governo, manteve a ordem e a paz da Capitania de Pernambuco, combatendo as insurreições indígenas, legislando e controlando os assuntos dos colonos e construindo e urbanizando núcleos, como Olinda, onde faleceu, provavelmente entre junho e outubro de 1584.[5]

Referências

  1. Amaral, Tércio (22 de novembro de 2015). «Na sombra da história». Diario de Pernambuco. Consultado em 11 de junho de 2017 
  2. «Joanna de Bulhão». www.araujo.eti.br. Genealogia Pernambucana. Consultado em 8 de julho de 2016 
  3. «Albuquerques» (PDF). Projeto Áquila Griffo-UFRJ. Consultado em 8 de junho de 2016 
  4. «O "Adão" Pernambucano e a "Capitoa"». História Hoje. Consultado em 7 de abril de 2019 
  5. Adler Vainsencher, Semira. «Brites Mendes de Albuquerque». Secretária da Mulher do Governo de Pernambuco. Consultado em 8 de julho de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Duarte Coelho
2° Governador da Capitania de Pernambuco
1554-1584
Sucedido por
Duarte Coelho de Albuquerque