Brothers in Arms: Hell's Highway

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre um jogo eletrônico. Para o álbum de Dire Straits, veja Brothers in Arms. Para a música de mesmo nome, veja Brothers in Arms (canção).
Brothers in Arms: Hell's Highway
Desenvolvedora(s) Gearbox Software
Publicadora(s) Ubisoft
Produtor(es) Mike Wardell
Escritor(es) Mike Neumann
Programador(es) Neil Johnson
Compositor(es) Ed Lima
Duncan Watt
Motor Unreal Engine 3
Série Brothers in Arms
Plataforma(s) Microsoft Windows, Xbox 360, PlayStation 3
Gênero(s) Tiro em primeira pessoa, tiro tático
Modos de jogo Single-player, multi-player
Brothers in Arms: Earned in Blood (2005)
Brothers in Arms: Double Time (2008)

Brothers in Arms: Hell's Highway é um jogo de tiro em primeira pessoa de 2008 desenvolvido pela Gearbox Software e publicado pela Ubisoft para PlayStation 3, Xbox 360 e Microsoft Windows. É o terceiro jogo da série Brothers in Arms.

Brothers in Arms: Hell's Highway continua com a história dos homens do 502º Regimento de Infantaria Paraquedista (502th PIR) da 101ª Divisão Aerotransportada nos últimos estágios da Segunda Guerra Mundial, durante a Operação Market Garden nos Países Baixos, com o jogador retornando ao papel do Sargento Matthew Baker (baseado em Harrison C. Summers) do primeiro jogo da série.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Brothers in Arms: Hell's Highway é um jogo de tiro tático ambientado durante a Segunda Guerra Mundial jogado tanto na perspectiva de primeira pessoa quanto na de terceira pessoa (um recurso novo para série). O objetivo de Hell's Highway é guiar o personagem do jogador, o Staff Sgt. Matthew Baker e os esquadrões sob seu comando, completando objetivos durante a Operação Market Garden. No modo campanha, os jogadores devem completar uma série de níveis que englobam o enredo de Hell's Highway. A jogabilidade conta com novos atrativos: agora os civis podem dar dicas aos americanos sobre a posição ou movimentação das tropas inimigas, o comandante pode requisitar auxílio aéreo pelo rádio, além de portar armamento pesado, como bazucas. O histórico de cada um dos soldados está bem desenvolvido e esmiuçado, aumentando ainda mais a sensação de imersão e contextualização histórica do jogador.[1] O combate em Hell's Highway contém elementos de estratégia e é baseado em esquadrões, mantendo muito da jogabilidade de seus antecessores. O jogador tem controle direto de Baker enquanto os membros do esquadrão são controlados pela inteligência artificial do jogo. Conforme os jogadores progridem ao longo da história, um máximo de três esquadrões podem acompanhá-los no campo de batalha. Três variações de esquadrão estão disponíveis, cada uma com seus próprios pontos fortes e pontos fracos; por exemplo, equipes de fogo de supressão, geralmente equipados com rifles M1 ou uma metralhadora portátil Browning M1919, são eficientes em suprimir o inimigo ou encurrala-los, enquanto equipes de assalto, geralmente equipadas com metralhadoras de assalto como a Thompson M1A1, BAR e granadas, são preferidas para manobras de flanco. O jogador pode emitir comandos para os esquadrões, como enviá-los para se protegerem ou focar fogo de supressão em uma posição inimiga. Um círculo vermelho acima dos inimigos mostra quando eles estão ativos na batalha e são uma ameaça, tanto para o jogador quanto para o seu esquadrão. Quando o jogador emite uma ordem de tiro supressivo, o círculo fica cinza e o inimigo está suprimido ou encurralado, indicando uma oportunidade para o jogador ou esquadrão mover-se para uma posição de flanco melhorada.

O jogo possui um sistema de cobertura, que permite aos jogadores se esconderem estrategicamente atrás de objetos enquanto lutam contra inimigos, e alterna a visão do jogador para uma perspectiva sobre o ombro, semelhante a um jogo de tiro em terceira pessoa. Hell's Highway apresenta um sistema de cobertura destrutível, permitindo que objetos como cercas de madeira e sacos de areia sejam destruídos por tiros ou explosivos. Ao contrário dos dois jogos anteriores da série, uma regeneração de saúde está presente, justificado por representar a exposição de um personagem à ameaça em um campo aberto ao invés de resiliência a danos: quando o personagem do jogador é exposto ao fogo inimigo, a tela fica vermelha e embaçada. Se ele permanecer sob fogo, eventualmente será atingido e morto. Permanecer em cobertura perante ao fogo inimigo removerá rapidamente a "ameaça" da tela vermelha. A jogabilidade também introduz o recurso de "câmera de ação" que às vezes diminui momentaneamente e o tempo fica em câmera lenta quando um jogador mata um inimigo com um tiro na cabeça ou granada. Geralmente esses momentos de "câmera de ação" expõe o gore do jogo, e resulta em mutilações e desmembramento dos inimigos.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

História[editar | editar código-fonte]

A história volta sob a perspectiva do Sargento Matthew Baker durante as ações do 502º Regimento de Infantaria Paraquedista na Operação Market Garden em setembro de 1944. Baker agora pertence a uma unidade de reconhecimento do 502º. O Sargento está sofrendo de estresse psicológico e pós-traumático resultantes dos horrores da guerra, ele está tendo alucinações com os homens que foram mortos sob o seu comando durante os eventos da invasão da Normandia (que é destaque nos dois primeiros jogos da série) em especial com um Soldado operador de rádio chamado Kevin Legget, que foi morto durante a defesa de Carentan. Fruto de suas alucinações, o "fantasma" de Legget assombra Baker durante todas as ações da 101ª Divisão Aerotransportada em Eindhoven, e em uma estrada que fazia parte de um setor da 101ª Divisão nos Países Baixos no Corredor EindhovenArnhem, que os aliados batizaram de "Estrada do Inferno" (Hell's Highway em inglês).

Enredo[editar | editar código-fonte]

O recém-promovido Sargento Matt Baker é constantemente assombrado pelos eventos da Batalha da Normandia que levaram à morte dos Soldados Allen e Garnett e ao envolvimento do falecido Soldado e operador de rádio Kevin Leggett. O melhor amigo de Baker, o Sargento Joe "Red" Hartsock, comanda o 2º esquadrão da unidade de Baker enquanto eles se preparam para a Operação Market Garden, uma operação terrestre e aerotransportada de alto risco idealizada pelo General Bernard Montgomery, destinada a "vencer a guerra até o Natal". A unidade de Baker recebe substitutos, incluindo o recém-chegado Soldado Franky "Beans" LaRoche e o substituto inglês PFC Dawson. Enquanto isso, o Cabo Sam Corrion está frustrado por ter sido constantemente preterido para promoção; como teste, LaRoche é colocado sob seu comando.

No início da operação diurna em 17 de setembro de 1944, a unidade de Baker chega com segurança aos Países Baixos em planadores de suprimentos. Eles logo se encontram com o membro da resistência holandesa Nicolaas, que fornece informações de reconhecimento. Baker então se encontra com o 1º Sargento Mac Hassey, e depois de ajudar alguns planadores acidentados, liga-se ao 506º Regimento, comandado pelo Coronel Robert Sink. A unidade de Baker luta para tomar a ponte de Son, mas ela é demolida pelas forças alemãs, atrasando a operação. A unidade de Baker é então designada para tomar a cidade de Eindhoven, onde eles eliminam um atirador alemão e posições de artilharia. Logo depois, a unidade de Baker abre caminho para os tanques britânicos da operação terrestre, e Baker encontra o filho desaparecido de Nicolaas, Pieter. Enquanto os cidadãos de Eindhoven comemoram, Baker reencontra Nicolaas com seu filho e LaRoche se apaixona por uma garota holandesa.

Naquela noite, a Luftwaffe bombardeia Eindhoven. A unidade de Baker luta contra os escombros em chamas e se encontra com o esquadrão de Hartsock. Enquanto isso, LaRoche parte para resgatar a garota holandesa, apesar das tentativas de Corrion de detê-lo. Eles descobrem que o 2º esquadrão sofreu baixas de um atirador e, imediatamente depois, o Cabo Paddock aparece com o cadáver de Pieter, que foi morto ao lado de seu pai em um prédio em colapso. Baker lidera a unidade pelas ruínas enquanto as forças alemãs tentam proteger a cidade. Depois, eles encontram LaRoche levando a holandesa para um lugar seguro em um prédio em chamas, e Baker os segue para dentro, mas fica desorientado com as chamas e acaba pulando por uma janela em um rio. Quando ele recupera a consciência, ele se encontra perto de um hospital abandonado. Ele testemunha a menina holandesa ser executada pelos alemães, e mais tarde encontra um LaRoche moribundo dentro do prédio. Hartsock consegue encontrá-los e leva Baker perturbado de volta ao hospital. Imediatamente após Baker entrar em uma sala de aula, ele é derrubado quando uma bomba fica presa na estrutura de metal da clarabóia. Baker então alucina e atira em alemães imaginários que estão acima dele. Sua alucinação é testemunhada por Hartsock.

A unidade deixa Eindhoven e se encontra com Hassey em Oedenrode, trazendo suas preocupações sobre Baker. A unidade então se move para Veghel, que eles defendem com a ajuda de tanques britânicos. Hartsock tenta fazer Baker admitir seus problemas mentais quando eles se encontram em um café, mas o esquadrão é repentinamente atingido por um morteiro; Baker sofre um ferimento facial, enquanto Hartsock é gravemente ferido e fica inconsciente, o pelotão também sofre uma baixa; Dean "Friar" Winchell. Após isso, Baker escolhe Paddock em vez de Corrion para liderar o 2º esquadrão, levando a um confronto entre os dois, onde Baker culpa Corrion pela morte de LaRoche.

Depois, a unidade é implantada na Hell's Highway, onde são imediatamente emboscados; Corrion é baleado e evacuado para um posto de socorro. Após a batalha, Dawson confronta Baker e diz a ele que conheceu Leggett em Carentan e ameaça Baker para revelar a verdade ou o próprio Dawson o fará. Depois de ser incitado pela culpa de Paddock após sua previsão não intencional da morte de seus companheiros de esquadrão, Baker finalmente confessa à unidade que Allen e Garnett foram emboscados enquanto Leggett observava distraidamente. A unidade de Baker então limpa as posições de artilharia alemã em um último ataque para liberar uma saída para os soldados aliados. Após o ataque, eles descobrem que Market Garden foi um fracasso e a última ponte que atravessa o Reno continua em mãos inimigas, causando mais de 17.000 baixas aliadas. Em uma estação de triagem, Baker descobre que Hartsock está paralisado e sendo enviado para casa para sua família.

Agora à beira de um colapso emocional, Baker alucina uma conversa com Leggett, insinuando a próxima Batalha do Bulge. Baker se recompõe e, com nova determinação, faz um discurso motivador para sua unidade para levantar o ânimo, dizendo que continuará a liderá-los até o fim.

Novelização[editar | editar código-fonte]

Brothers in Arms: Hell's Highway foi publicado pela Presidio Press como um romance complementar para o jogo pelo diretor histórico do videogame, Coronel John Antal, que serviu no Exército dos Estados Unidos e se aposentou após 30 anos.[2]

Gráficos[editar | editar código-fonte]

O jogo utiliza a engine Unreal 3 o que fornece gráficos renderizados com Directx 9 e Pixel Shader 3.

Ícone de esboço Este artigo sobre jogos eletrônicos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. https://www.voxel.com.br/jogo/brothers-in-arms-hells-highway
  2. Hell's Highway (Brothers in Arms): Amazon.co.uk: John Antal: Books. [S.l.: s.n.] ASIN 0345503376