Bruno Zevi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bruno Zevi
Nascimento 22 de janeiro de 1918
Roma, Itália
Morte 9 de janeiro de 2000 (81 anos)
Roma, Itália
Nacionalidade italiano
Cônjuge Tullia Calabi (c. 1940)
Alma mater
Campo(s) Arquitetura

Bruno Zevi (Roma, 22 de janeiro de 19189 de janeiro de 2000) foi um crítico, escritor, ensaísta, arquiteto e urbanista italiano, conhecido sobretudo como historiador e crítico da arquitetura modernista.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Zevi nasceu na capital italiana, em 1918, em uma família judaica. Terminou o ensino básico em 1933 e ingressou no curso de arquitetura da Universidade de Roma, mas devido às leis antisemitas impostas na Itália, ele precisou abandonar os estudos em 1938, embarcando primeiro para Londres até se mudar para os Estados Unidos. Em solo norte-americano, ele se formou pela faculdade de design da Universidade Harvard, na época dirigida por Walter Gropius.[1][2]

Em 1940, ele se casou com a jornalista e escritora Tullia Calabi. Enquanto morava nos Estados Unidos, Zevi desocbriu o trabalho de Frank Lloyd Wright, que se tornou uma das bases de seu trabalho pioneiro com a arquitetura orgânica.[3][4]

Em 1943, ele retorna a Londres, onde trabalha como tradutor para os esforços de guerra e, em 1944, chega à Itália, onde cria a Apao - Associação para a Arquitetura Orgânica (Associazione per l'architettura organica) e, no ano seguinte, a revista Metron.No pós-guerra, com Lina Bo Bardi[5] e Carlo Pagani, funda o semanário La Cultura della Vita.[6]

Em 1948, se torna professor de história da arquitetura pelo Universidade de Veneza e em 1964 da Universidade de Roma. Muito ativo no campo da crítica da arquitetura, publica, em 1948, Saper vedere l'architettura (Saber ver a arquitetura); de 1954 a 2000 assina uma coluna semanal de arquitetura na revista Cronache e, depois, na revista L'Espresso.Em 1955, funda a revista mensal L'architettura. Cronache e storia.[7]

Morte[editar | editar código-fonte]

Zevi morreu em 9 de janeiro de 2000, na sua casa em Roma, aos 81 anos.[8]

Referências

  1. «Politics could do more harm than the planners in Jerusalem». The Times. 25 de agosto de 1975 
  2. Ruggero Lenci (ed.). «Zevi, Bruno». Enciclopedia Italiana. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  3. Rachel Donadio, ed. (27 de janeiro de 2011). «Tullia Zevi, 91; Led Italian Jewish Community». The New York Times. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  4. Pilat, Stephanie Zeier (2014). Reconstructing Italy: The Ina-Casa Neighborhoods of the Postwar Era. [S.l.]: Routledge. p. 63. ISBN 9781409465805 
  5. Lima, Zeuler R. (2021). Lina Bo Bardi - o que eu queria era ter história. São Paulo: Companhia das Letras. p. 456. ISBN 9786559210664 
  6. Claudio Dolci (ed.). «Nuove interpretazioni per il centenario di Lina Bo Bardi». Area Arch. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  7. CARVALHO, Waleska Almeida de (2005). O Armário do Arquiteto: o diálogo de Bruno Zevi com a história (PDF) (Tese). Ribeirão Preto: Universidade Federal da Bahia (UFBA). Consultado em 21 de setembro de 2021 
  8. Herbert Muschamp, ed. (14 de janeiro de 2000). «Bruno Zevi, Architecture Critic With Populist Flair, Dies at 81». The New York Times. Consultado em 21 de setembro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]