Bryan Ruiz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bryan Ruiz
Bryan Ruiz
Ruiz treinando pelo Twente
Informações pessoais
Nome completo Bryan Ruiz González Jafet
Data de nasc. 18 de agosto de 1985 (29 anos)
Local de nasc. Alajuela, Costa Rica
Altura 1,86 m
Informações profissionais
Período em atividade 2003-presente (11 anos)
Clube atual Inglaterra Fulham
Posição Atacante
Clubes profissionais1
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
20032006
20062009
20092011
2011
2014
Costa Rica Alajuelense
Bélgica Gent
Países Baixos Twente
Inglaterra Fulham
Países Baixos PSV Eindhoven (emp.)
0066 000(21)
0078 000(26)
0065 000(35)
0084 000(12)
0014 0000(5)
Seleção nacional3
2005 Flag of Costa Rica.svg Costa Rica 0071 000(16)


1 Partidas e gols pelo clube profissional
contam apenas partidas das ligas nacionais,
atualizados até 23 de outubro de 2014.


3 Partidas e gols da seleção nacional estão atualizados
até 23 de outubro de 2014.

Bryan Ruiz González Jafet, mais conhecido como Bryan Ruiz (Alajuela, 18 de agosto de 1985), é um futebolista costarriquenho que atua como atacante. Atualmente, joga pelo Fulham.

Bryan é o capitão da Seleção Costarriquenha de Futebol, com quem disputou a Copa Ouro da CONCACAF de 2011 e a Copa do Mundo FIFA de 2014 no Brasil. Bryan Ruiz se destacou jogando a Copa do Mundo pela seleção da Costa Rica.

Copa do Mundo 2014[editar | editar código-fonte]

Ruiz comanda a Costa Rica, faz gols históricos e vira “herói nacional”[editar | editar código-fonte]

Bryan fez o gol que classificou a Seleção da Costa Rica para as oitavas-de-final da Copa do Mundo FIFA 2014 , na vitória por 1 a 0 contra a poderosa Seleção Italiana na 2ª rodada do Grupo D, considerado o “Grupo da Morte”, que ainda tinha as seleções Uruguaia e Inglesa. Além do gol contra a Itália, Ruiz ainda fez mais um na estréia de sua seleção no Mundial, na vitória de virada por 3 a 1 contra o Uruguai. O jogo surpreendeu e calou o mundo do futebol, pois a expectativa era que a Seleção caribenha fosse massacrada pelas outras seleções (campeãs mundiais) integrantes do grupo.

Na 3ª rodada da primeira fase, a Costa Rica empatou em 0x0, com a já eliminada Inglaterra.

Nas oitavas-de-final, Bryan abriu o placar contra a Grécia em Recife, na Arena Pernambuco aos 7 minutos da segunda etapa. Após o time grego empatar o jogo nos acréscimos, a partida foi para a disputa de pênaltis, Ruiz converteu sua cobrança. Seu time ganhou por 5x3 e se classificou, pela primeira vez na história, às quartas-de-final de uma Copa do Mundo. O adversário nas quartas, seria a poderosa Holanda que tinha batido, de virada, o México uma hora antes.

A Seleção Costarriquenha vivia o seu melhor momento no futebol, sendo a melhor campanha na história das Copas de uma seleção centro-americana.

Contra a Holanda, em Fortaleza na Arena Fonte Nova, o time caribenho mostrou mais uma vez ao mundo porque era chamada de "mata-gigantes". Numa partida muito difícil, a "Laranja Mecânica" veio com fome de gols. A postura da Costa Rica foi igual a de toda a campanha, jogando na retranca, os Ticos suportaram a pressão e levaram o jogo para a prorrogação, onde o gol não saiu e o placar ficou em 0x0. Na decisão por pênaltis, Tim Krul foi herói. O goleiro que entrou no fim da prorrogação só para a disputa de pênaltis, pegou as cobranças do próprio Ruiz e de Michael Umaña e colocou a Laranja nas semifinais.

Apesar da derrota, o time Costarriquenho saiu de cabeça erguida de campo, sabendo que tinham lutado até o fim e perderam "jogando com a sorte". Os Ticos sabiam que tinham dado trabalho a poderosa Holanda, e que quando desembarcassem em San José iriam ser festejados como deuses. O grupo desacreditado que foi para o Brasil esperando uma eliminação na primeira fase, eliminou Itália e Inglaterra (dois campeões do mundo), passou pela enjoada Grécia e caiu, de cabeça erguida para a forte Holanda de Robben, Van Persie e Sneijder. A Costa Rica calou, surpreendeu e encantou o mundo com seu futebol bem jogado. Com um camisa 10 (Ruiz) tranquilo, consciente e decisivo. Um centro-avante (Campbell) brigador, talentoso e incasável. Um goleiro (Navas) que foi eleito 3 vezes melhor em campo e que parou os melhores atacantes do mundo, fazendo defesas milagrosas e defendendo um pênalti histórico. E um técnico (Pinto) conhecedor do futebol, dos seus adversários, das qualidades e defeitos do seu time, e de extrema noção tática.

Ruiz, junto com o elenco foram heróis e fizeram a campanha mais bonita de seu país no maior campeonato de futebol do mundo. Bryan atraiu visibilidade mundial e muitos elogios sobre seu futebol. O camisa 10 e capitão foi o artilheiro da equipe na competição com 2 gols.

Ruiz foi considerado pela imprensa, junto com o atacante Joel Campbell e o goleiro Keylor Navas, o responsável pela brilhante campanha e a estrela da Seleção que encantou o mundo.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Alajuelense
Twente
Bandeira de Costa RicaSoccer icon Este sobre futebolistas costa-riquenhos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bryan Ruiz