Bully (jogo eletrônico)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
BULLY
Bully us capa pt.jpg
Produtora(s) Rockstar Vancouver
Editora(s) Rockstar Games
Distribuidora(s) Take-Two Interactive
Motor RenderWare
Gamebryo (Scholarship Edition)
Plataforma(s) PlayStation 2
Conversões/
relançamentos

Wii
Xbox 360
Microsoft Windows
Android
iOS
Shield Portable
Shield Android TV
Shield Tablet
Data(s) de lançamento Estados Unidos 17 de Outubro de 2006
Europe 25 de Outubro de 2006

Australia 27 de Outubro de 2006

Japan 24 de Julho de 2008

Gênero(s) Ação-Aventura
Mundo aberto
Modos de jogo Single-player

Bully (que também é conhecido como Canis Canem Edit na versão PAL para o PlayStation 2 lançada fora da América do Norte[1]) é um jogo eletrônico de ação-aventura em terceira pessoa, lançado pela Rockstar para o PlayStation 2 em 17 de outubro de 2006 na América do Norte, em 25 de outubro de 2006 no Reino Unido, 27 de outubro de 2006 na Austrália e em 24 de Julho de 2008 no Japão. Uma versão de Xbox foi planejada, porém acabou sendo cancelada por motivos não-revelados.[2] O jogo foi relançado como Bully: Scholarship Edition em 4 de março de 2008 para o Wii e Xbox 360. A edição Scholarship também foi lançada para Microsoft Windows em 24 de outubro de 2008. A versão para PlayStation 2 do jogo também está disponível nos EUA como uma edição especial, que inclui uma revista em quadrinhos de edição limitada e uma bola de queimada, como a que aparece no jogo, com o título do jogo gravado nela.[3]

Apesar das controvérsias, a versão original do jogo foi um sucesso de crítica e público, vendendo, até março de 2008, mais de 1,5 milhões de cópias para o PlayStation 2.[4][5]

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

O jogador entrará em um universo hostil cheio de intrigas, boatos, lutas e entraves que um ambiente escolar mal estruturado fornece. "Bully" consegue capturar a essência do bullying colegial em seu todo, independente da região, cultura ou país. Em um ambiente escolar desestruturado é comum ter Valentões que atormentam os que são considerados mais fracos, menores ou simplesmente mais inteligentes. Boa parte do jogo se passa em um ambiente escolar mais "realista" se comparado a imagem de uma escola politicamente correta. Lá, o jogador interage com outros alunos que por sua vez estão estrategicamente segregados em Atletas, Cheerleaders e Nerds, mas também se pode interagir com diretores, professores e outros funcionários que nem sempre são exemplos de nobreza e moral, é nesse ambiente que Jimmy Hopkins, o protagonista, passa a viver.

No início, o jogador é limitado apenas ao terreno da escola, onde há os dormitórios masculino e feminino, o prédio escolar, a biblioteca, o ginásio, o campo de futebol americano e a área de oficina.

Por estar num internato, o jogador deve participar das aulas. Ao fim de cada uma, existe a recompensa de algum item ou uma melhora em alguma habilidade. As aulas de inglês, por exemplo, dão ao protagonista um vocabulário maior para se desculpar com os monitores e colegas para assim, poder escapar de alguma confusão (desde que leve); as aulas de química lhe dão habilidade para aprender à fazer bombinhas, bombas de fedor, pó de mico, dentre outros; as aulas de mecânica dão a Jimmy diferentes bicicletas, cada vez melhores. Sendo todas: Artes (Art), Química (Chemistry), Inglês (English), Educação física (Gym), Fotografia (Photography) e Mecânica (Shop). Na versão melhorada de "Scholarship Edition" houve a adição de novas aulas: Música (Music), Biologia (Biology), Matemática (Math) e Geografia (Geography). Todas as aulas requerem que o jogador as complete cinco vezes, cada uma com alguma variação mais difícil. Após terminadas, você não precisa mais comparecer às aulas que foram terminadas mas sempre tem a opção de ir na última aula (as aulas não são desabilitadas do jogo).

O jogo funciona como Mundo aberto, o que significa que você não tem propriamente um objectivo linear, podendo optar quando irá fazer a missão principal, mas é necessário que as missões sejam cumpridas para progredir no jogo e abrir novas áreas, além de aprender novos golpes de luta e destravar espaços comerciais.

O jogo permite ao jogador se aliar a um determinado grupo através de side quests, que lhe rendem pontos com a facção beneficiada pela ação, entretanto, o progresso no jogo exige que sejam cumpridas certas missões que, em um primeiro momento, faz o jogador ser mal visto por alguns grupos que, ao avançar na história, se revelam como antagonistas.

O formato de mundo aberto e as opções de interação permitem​ ao jogador ter uma certa liberdade, mas é preciso ter em mente de que para todos os atos há consequências. Monitores, professores, diretores e policiais têm um papel moderador no jogo. Caso seja violento ou maldoso com alguém, ou mesmo se praticar vandalismo, o medidor no canto superior direito o alertará de que poderá ser detido caso haja um moderador por perto. Caso seja pego você poderá ser levado para a sala do diretor, ou, caso esteja em horário de aula, será imediatamente levado para a sala.

No jogo não é possível avançar sendo totalmente pacífico, sabendo que já nas primeiras missões, o jogo põe-te numa cena de batalha com outro rapaz. Porém, ao seguir a história à risca, também não será obrigado a bater ou humilhar alunos mais fracos (como nerds ou os "sem gangues"), pelo contrário, irá até protegê-los, mas sempre com a intenção de receber alguma recompensa depois.

O sistema de batalhas corpo-a-corpo foi absurdamente melhorado, se comparado outros jogos da Rockstar (como os vários títulos​ de GTA), está mais irônico e realista. Umas​ das mais notáveis​ melhorias no sistema foi a adição do jogador poder levar a luta para o chão, a opção de finalizar o oponente com um ato humilhante e a adaptação de determinados golpes de acordo com a posição do oponente. A dificuldade das batalhas também está mais fiel, por exemplo, um Nerd estudioso pode ser derrotado com apenas 5 ou 6 socos, enquanto nocautear um Atleta musculoso e alto será um desafio para o jogador, que para vencer, terá que saber a hora de atacar e se defender.

História[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O jogo começa com Jimmy deitado no carro discutindo com sua mãe e com seu padrasto. A mãe de Jimmy quer colocá-lo num internato, enquanto ela vai passar uma longa lua de mel com seu 5º marido. E ela escolheu Bullworth Academy, a escola mais louca de todo o país (e foi a única que aceitou Jimmy). Continuando a discussão, eles chegam á Bullworth Academy. A mãe de Jimmy deixa-o à frente da escola, onde ele é recebido pela secretária. Então ela diz a Jimmy para ir falar com o diretor, o Dr. Crabblesnitch. O doutor diz que Jimmy é um rapaz muito mau, o pior que ele já recebeu em sua escola até agora. Ele cita algumas coisas que Jimmy fez em outros internatos: Vandalismo, Linguagem imprópria, Graffiti, e Bullying. Logo depois dessa conversa, a secretária manda Jimmy vestir o uniforme da escola. Quando Jimmy chega ao dormitório masculino começa uma luta, que na verdade é um pequeno tutorial do jogo. Quando tiveres acabado com o rapaz que te atacou, chegará Hattrick, o professor de matemática corrupto da escola (como os policiais corruptos dos jogos da série GTA) fazendo-te parar com a luta. Entrando no dormitório, Jimmy conhece Gary, um rapaz muito inteligente (que por vezes mostra-se um pouco psicopata) e que pretende dominar a escola e as outras facções. Chegando ao seu quarto, Gary apresenta-te a Peter (ou apenas Pete). Depois de um tempo, Gary trai Jimmy porque acha que Jimmy quer dominar a escola no lugar dele e inventa algumas mentiras para todos os chefes de facções começando por Russel, chefe dos bullies (valentões), Gary fala para Russel que Jimmy xingou sua mãe de animais de fazenda. Depois disso, Gary continua a mentir para chefes de facções e por causa disso Jimmy continua se dando mal perdendo respeito com facções e se metendo em brigas.

No último capítulo Jimmy tem que lidar com uma facção não muito conhecida pelo pessoal da Bullworth Academy, os Townies, porque eles não estudam lá, então Gary, além de sabotar o que Jimmy tinha feito para restaurar a paz e ordem na escola e fazê-lo com que fosse expulso, convence os alunos de Bullworth a iniciar uma guerra escolar eliminando os mais fracos, mandar na escola e criar sua própria facção. E nisso o Jimmy e o Russel já são amigos, e quando eles entram na escola, pegam a cetra do Jimmy e o Russel vai atrás. O Jimmy fica sozinho lá. Quando chega o Gary, eles começam a brigar e ele sai correndo atrás do Gary até o topo da escola. E eles começam a se bater em cima de um piso de vidro em baixo deles que se quebra e caem na sala do diretor. O diretor ouve o que os dois falam e diz a Gary que ele foi expulso. Depois disso, Dr. Crabblesnitch pergunta o que Jimmy quer e ele responde que quer ajudar uns amigos fazendo com que Zoe volte a sua escola e Pete seja o chefe dos monitores. Por fim Jimmy pergunta ao diretor sobre a carta de expulsão. Percebendo o grande erro em expulsar Jimmy e escutar Gary, Dr. Crabblesnitch revoga a expulsão de Jimmy.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Sumário[editar | editar código-fonte]

  • Capítulo 1: Fazendo Novos Amigos e Inimigos: Jimmy chega à Academia Bullworth e imediatamente entra em conflito com os Valentões da escola.
  • Capítulo 2: O Choro das Crianças Ricas: Jimmy agora está mais popular, mas acaba criando inimizade com os Preppies, liderados pelo arrogante Derby Harrington.
  • Capítulo 3: O Amor Faz o Mundo Girar: Jimmy se envolve com Lola Lombardi, a promíscua namorada de Johnny Vincent, o genioso líder dos Greasers, ganhando assim o ódio do grupo.
  • Capítulo 4: Uma Mente Sã em um Corpo Saudável e Outras Mentiras: Após ter tomado o controle de duas das piores gangues da Academia Bullworth, Jimmy decide dominar de vez a escola, derrotando os Atletas. Mas para isso, ele precisa convencer os Nerds a ajudá-lo.
  • Capítulo 5: A Queda e Ascensão de Jimmy Hopkins, 15 anos: Jimmy, depois de desfrutar do seu poder como rei da escola, perde o respeito de todas as gangues e é expulso. Ele tem que limpar seu nome e ser aceito novamente na Academia, mas para isso precisará enfrentar os Townies, a misteriosa gangue de ex-alunos de Bullworth que moram no distrito industrial, e seu arqui-inimigo, Gary Smith.
  • Capítulo 6: Verão Sem Fim: Jimmy ganha total respeito das 6 gangues de Bullworth, tem a escola e a cidade inteiras para poder explorar, procurar por itens, fazer corridas e é livre para fazer o que quiser.

Personagens principais[editar | editar código-fonte]

  • James 'Jimmy' Hopkins: O mais novo estudante da Bullworth Academy. Jimmy começa o jogo à procura de paz na escola, entretanto, ele é constantemente assediado e intimidado. Todavia, quando mexem com Jimmy, o mesmo não deixa por estar, e, dessa maneira, ele se transforma no líder de todas as "panelinhas". Ele já foi expulso de sete escolas e sua mãe já se casou cinco vezes. O jogo permite que Jimmy possa beijar garotas e garotos, dependendo da escolha do jogador. Com seus avanços acadêmicos, ele pode interagir com os alunos e os professores da escola, além das pessoas da cidade, com o avanço no enredo. Ele é amigo de Gary Smith, um sociopata que acha que pode dominar a escola, e Pete Kowalski, um tímido estudante à procura de amigos. Ao longo da primeira parte do jogo, Gary manipula Jimmy, que por sua vez faz todos os trabalhos sujos do psicopata. Jimmy também tem a sua maneira de navegar através das seis facções da escola - os Bullies, os Nerds, os Preppies, os Greasers, os Jocks, e os "Townies" (que não são da escola). Todas as facções tem membros femininos, com quem Jimmy pode exercer um romance. Há também um número de estudantes (Gordon, Ivan, Konstantinos, Ray, Lance, Trevor, Angie, Christie e Eunice) que não fazem parte de quaisquer facções. Contrariando os outros jogos da Rockstar, todos os personagens influentes do jogo têm um nome exclusivo e uma personalidade distinta.
  • Gary Smith: Gary Smith é um dos principais personagens do jogo e o grande vilão do jogo. é um estudante da mesma idade que Jimmy, sociopata e ele tem o prazer de maltratar e ofender as pessoas, ele é um jovem de mente instável, toma remédios controlados, quer assumir a a escola Bullworth Academy, e usa Jimmy como cúmplice e tem uma grande facilidade de manipular as pessoas. Logo no início do jogo, Gary tenta convencer Jimmy que se ele e o Jimmy governassem a escola, ela seria melhor. Por sua vez, Jimmy dizia que se alguém fosse governar, seria o próprio, e Gary começa a achar que Jimmy está conspirando contra ele. Durante todo o jogo Gary mostra sinais de paranoia no jogo e deixa de tomar secretamente seus remédios quando conhece o Jimmy.
  • Pete Kowalski: Estudante tímido, que no inicio não tinha amigos. No princípio do jogo, Pete é intimidado por Gary e Jimmy, e é um cúmplice dos planos dele. Quando Gary trai Jimmy no final do Capítulo 1, Pete se torna o melhor amigo de Jimmy, eles se ajudam e juntos arquitetam um plano para fazer justiça contra Gary, mostrada na invasão do Capítulo 5. Posteriormente, se torna o chefe dos monitores da Bullworth Academy após Gary ser expulso ele também se torna amigo de Zoe Taylor, no final do Capítulo 5.
  • Zoe Taylor: Uma garota da cidade que fora expulsa da academia de Bullworth, reclamando que Mr. Burton - professor de educação física que, por diversas, vezes, é pego em atos promíscuos - tentava a estuprar. Ela não aparece até o Capítulo 5, em que se torna namorada de Jimmy e se torna sua principal parceira no jogo junto com Pete.
  • Lola Lombardi: Jovem da facção dos Greasers, liderada pelo seu namorado, Johnny Vincent. Estuda na Bullworth. Considerada a ''piranha'' de toda a escola, acaba se envolvendo com Jimmy, por sua vez um inimigo-e-depois-aliado de Johnny Vincent. No final do Capítulo 3 abandona Johnny para ficar de vez com Jimmy, que a recusa, posteriormente se envolvendo com Zoe Taylor no Capítulo 5.
  • Dr. Crabblesnitch: O diretor da Bullworth Academy, é muito odiado pelos alunos, que criticam seu modo perverso e severo de governar o colégio. No Capítulo 5, ele cai sob a influência de Gary, e expulsa Jimmy, porém depois que Gary o traí, ele percebe que cometeu um grande erro.
  • Johnny Vincent: Namorado de Lola e extremamente ciumento. É o líder da gangue de estilo rockabilly dos Greasers, se torna aliado de Jimmy Hopkins no início do capítulo 3 mas logo se torna seu maior inimigo no final deste mesmo capítulo, devido às suas inseguranças e seu ciúme.
  • Russell Northrop: Líder dos valentões e um importante aliado de Jimmy Hopkins no segundo capítulo. Apesar de ser desprovido de inteligência, é um dos estudantes mais fortes e resistentes da Bullworth Academy, ele se auto-intitula "o campeão de Bullworth".
  • Edgar Munsen: Líder dos Townies (baderneiros), ele é um dos "enganados" por Gary, para fazer seu trabalho sujo e pôr Jimmy para fora da Bullworth.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Algumas informações pré-lançamento divulgadas pela Take-Two Interactive pareciam indicar que o jogador seria um típico "valentão", influenciando os outros e lançando um soco em outro aluno. Todavia, quando o jogo foi lançado, o que vimos foi completamente diferente do que se esperava, com o jogador no papel de um estudante-problema que se levantou e lutou contra os bullies e outros como forma de auto-defesa, e não o contrário.

O jogo para PlayStation 2 fugiu um pouco de seu antecessor Grand Theft Auto: San Andreas. Em Bully, todos os personagens da escola têm aparência exclusiva, e, em certas ocasiões como missões, personalidade própria.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Bully tem causado polêmica entre os pais e os educadores. As críticas à Rockstar vão pela natureza adulta dos seus jogos, e as críticas para Bully têm sido especialmente sobre a violência e o título, por exemplo. Alguns grupos contra o jogo alegam que o protagonista incentiva o Bullying nas escolas, e mexer com meninos ou meninas mais fracos é um problema grave e com sérias ramificações. Grupos como o Bullying Online e o Peaceaholics têm criticado o jogo por glorificar e trivializar o Bullying escolar. Grande parte também vai para a maneira em que o Bullying é tratado no jogo, como se fosse algo comum e sem perigo. Em 2006, a companhia estadunidense ESRB afirmou que o jogo só é recomendado para maiores de 13 anos, e uma agência da Nova Zelândia o classificou da mesma maneira. Em 2007, o Yahoo! Games listou Bully como um dos 10 jogos mais controversos de todos os tempos.

Sexualidade[editar | editar código-fonte]

A sexualidade é um tema presente ao longo de Bully. Cinco diferentes missões envolvem Jimmy executando missões em nome de diferentes garotas, e quando ele é bem-sucedido ganha um beijo das mesmas. As aulas de Artes se constituem em um jogo infantil famoso. São 5 aulas, e a medida que Jimmy vai avançando ele aprende a beijar garotas. Ele também pode beijar alguns homens no jogo. A ESRB, quando questionada, disse que levou em conta a homossexualidade ao dar a censura de apenas 13 anos. Outros temas sexuais envolvem um professor tarado de educação física, que tenta assediar garotas e é viciado em revistas pornográficas (na qual parece em uma artwork do jogo que foi censurada ao longo das versões para consoles das novas gerações). Além disso, há uma missão chamada "Panty Raid", onde o professor de educação física pede a Jimmy Hopkins para ir buscar calcinhas no dormitório feminino.

Reino Unido[editar | editar código-fonte]

Tentativas de banir o jogo não foram poupadas pela instituição Bullying Online e pelo Partido Trabalhista M.P. Keith Vaz, na Inglaterra. Currys e PC World, ambas de propriedade da DSG International, se recusaram a vender o jogo pela internet e pela loja, pois "iria denegrir a imagem da Currys e da PC World". A declaração oficial da Currys afirma que o jogo é uma "ligação explícita entre a violência e as crianças", e continua: "Nós não ficamos felizes em tomar essa decisão, considerando especialmente nosso excelente relacionamento com a Rockstar". No entanto, as lojas da DSG também têm outros projetos da Rockstar, como os violentos GTA e Manhunt, ambos para maiores de 18 anos.

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Antes mesmo do lançamento de Bully, Jack Thompson apresentou uma ação judicial para tentar tirar o jogo das prateleiras das lojas em Flórida. Thompson declarou que o jogo é um "incômodo", um "simulador de violência". A petição de Thompson, apresentada no 11º Circuito Tribunal Judicial, foi avaliado pelo juiz Ronald Friedman. Em 13 de outubro de 2006, Friedman alegou que era a favor do circulamento do jogo nas ruas da Flórida, pois não havia nada que fosse realmente "chocante". Quando informada acerca da decisão de Friedman, a mídia dos Estados Unidos tomou uma opinião geralmente positiva do jogo. A imprensa descreveu o jogo como de formato-livre, com foco na construção de uma rede social e de aprendizagem através das aulas, com punições graves para o mau-comportamento.

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil a comercialização tanto em lojas quanto em sites e as propagandas do jogo foram proibidas. Em decisão tomada pelo juíz Flávio Mendes Rebelo, do Rio Grande do Sul, o jogo foi proibido por retratar "fundamentalmente, situações ditadas pela violência, provocação, corrupção, humilhação e professores inescrupulosos, nocivo à formação de crianças e adolescentes e ao público em geral".[6][7] Foi estabelecida uma multa de 100 mil reais para quem descumprir a decisão.[6]

Em 23 de junho de 2016, o jogo foi relançado para PS4 e o seu banimento foi revogado para todas as plataformas.[8]

Recepção[editar | editar código-fonte]

As opiniões dos críticos em referência ao jogo Bully geralmente foram positivas. A IGN o avaliou como 8.9/10, a Games Radar aplicou 9.0/10, um perfeito 10/10 da 1Up.com, 8.7/10 da Gamespot, 35/40 da Famitsu, um grande 5/5 da Jive Magazine, 8.75/10 da VGRC.net, 5/5 da X-Play, e esteve nos 10 melhores jogos de 2006 na PlayStation Magazine. Todas as empresas citadas são referências mundiais em jogos. Os críticos geralmente elogiam o enredo do jogo, enquanto criticam a câmera do jogo. Os críticos também notaram que o jogo é substancialmente mais fácil do que os veteranos da Rockstar, como Grand Theft Auto, no entanto não perde sua essência.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Ganhou o prêmio IGN como melhor jogo de Ação para PlayStation 2;
  • Ganhou o prêmio GameSpot de jogo com melhor trilha-sonora;
  • Foi finalista do prêmio GameSpot para jogo do ano de 2006;
  • Esteve na seleção de 52 jogos da Gaming Target para continuar a jogar;
  • Um dos 5 melhores jogos para PlayStation 2;
  • Ficou em 42ª no Top 100 Playstation 2 Games, da IGN

Bully no PlayStation 4[editar | editar código-fonte]

Juntamente à Manhunt, Bully foi relançado pela Rockstar para o Playstation 4 em 22 de março de 2016. Os jogos foram apresentados com surpresa, pois foram adicionados à Playstation Store (sistema de loja online de jogos da Sony) européia sem aviso prévio.[9] Eventualmente lojas de outros países receberam o jogo, inclusive o Brasil.[10]

Vozes[editar | editar código-fonte]

  • Jimmy Hopkins: Gerry Rosenthal / Akira Ishida (Japonês)
  • Gary Smith: Peter Vack / Showtaro Morikubo (Japonês)
  • Pete Kowalski: Matt Bush / Kōki Uchiyama (Japonês)
  • Johnny Vincent: Rocco Rosanio
  • Zoe Taylor: Molly Fox
  • Lola Lombardi: Phoebe Strole
  • Earnest Jones: Jesse Tendler
  • Derby Harrington: John LaVelle / Hikaru Midorikawa (Japonês)
  • Ted Thompson:  Alex Cendese / Tomokazu Sugita (Japonês)
  • Mandy Wiles: Elena Franklin / Maaya Sakamoto (Japonês)
  • Algie Papadopoulos: Brett Tabisel
  • Russell Northrop: Cody Melton
  • Trent Northwick: Jaime McAdams
  • Davis White: Geoff Wigdor / Daisuke Ono (Japonês)
  • Troy Miller: Evan Weinstein
  • Melvin O'Conner: Charlie Saxton
  • Bucky Pasteur: Tim Wersan
  • Fatty Johnson: Ryan Cotler
  • Cornelius Thomas: Chaz Stevens
  • Thad Carlson: Kevin Cahoon
  • Beatrice Trudeau: Caitlin Greer / Mamiko Noto (Japonês)
  • Tad Spencer: Baron Vaughn
  • Pinky Gauthier: Kaija Matiss / Rie Kugimiya (Japonês)
  • Bif Taylor: Andrew Rannells
  • Bryce Montrose: Ben Levin
  • Chad Morris: Brandon Gill
  • Gordon Wakefield: Andrew Gehling
  • Justin Vandervelde: Jaesun Celebre
  • Parker Ogilvie: Cory Anker
  • Lefty Mancini: Louie Torrellas
  • Lucky de Luca: Mike Nathan
  • Norton Williams: Adam Chandler-Berat
  • Peanut(Larry)Romano: Joe Aro
  • Ricky Pucino: TJ Del Reno
  • Vance Medici: William De Vizia
  • Damon West: Ben Curtis
  • Bo Jackson: Jason Fuchs
  • Casey Harris: Dimitri Michann
  • Dan Wison: Matt Sauerhoff
  • Juri Karamazov: Lloyd Floyd
  • Kirby Olsen: Chris Kromer / Kappei Yamaguchi (Japonês)
  • Luis Luna: Adam Scarimbolo
  • Fenwick: Robert Whaley
  • Mr. Gordon: Todd Susman
  • Nate: Sean Morgan
  • Mr. Bubas: Tony Call
  • Padrasto de Jimmy: Michael Cullen
  • Pedro de la Hoya: Daniel Tay

Versões[editar | editar código-fonte]

Bully: Scholarship Edition
Produtora(s) Rockstar New England
Editora(s) Rockstar Games
Distribuidora(s) Take-Two Interactive
Zenimax Asia
(Square Enix)
Motor Gamebryo (Xbox 360)
CriWare (Wii)
Havok (Microsoft Windows)
Plataforma(s) Xbox 360, Wii, Microsoft Windows
Data(s) de lançamento Xbox 360 e Wii
  • JP 11 de março, 2008
  • AN 4 de março, 2008
  • PAL 6 de março, 2008
  • AU 7de março, 2008

Microsoft Windows
  • JP 04 de dezembro, 2008
  • AN 24 de outubro, 2008
Gênero(s) Ação-Aventura
Mundo aberto
Modos de jogo Single-player e Multiplayer

Bully Scholarship Edition foi lançado para Xbox 360, Microsoft Windows e Nintendo Wii no dia 3 de março de 2008. O jogo tem conteúdo exclusivo, que não estavam disponíveis na versão para PlayStation 2, incluindo oito novas missões, novos personagens, quatro novos tipos de aula (Biologia, Música, Matemática e Geografia), novos itens e novas roupas, após tantas polêmicas algumas artworks foram censuradas. Alguns scripts foram alterados, incluindo os tipos de missões e feriados do Capítulo 3, que estavam ausentes na versão para PlayStation 2. A Rockstar Games anunciou o jogo em 19 de julho de 2007.[11][12][13][14]

Referências

  1. «Bully in name change shock». Gamesradar.com. 1 de setembro de 2006. Consultado em 1 de setembro de 2006  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  2. «Bully for Xbox canceled». ign.com. Consultado em 19 de março de 2007 
  3. «Rockstar's Bully Afterthoughts from 1UP.com». 1UP.com. 11 de dezembro de 2006. Consultado em 22 de agosto de 2008. He's a fascinating character, definitely, and Bullworth is a fascinating place, so obviously we would love to explore, but we have no plans right now for it.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  4. Matt Martin (12 de março de 2008). «Grand Theft Auto has sold 66 million units to date». GamesIndustry.biz. Consultado em 1 de abril de 2008 
  5. «Recommendation of the Board of Directors to Reject Electronic Arts Inc.'s Tender Offer» (PDF). Take-Two Interactive. 26 de março de 2008. p. 14. Consultado em 16 de setembro de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 8 de abril de 2008 
  6. a b «Justiça do Rio Grande do Sul proíbe jogo Bully em todo Brasil». Folha.com. 9 de abril de 2008. Consultado em 13 de janeiro de 2013 
  7. «Justiça proíbe jogo 'Bully' no Rio Grande do Sul». G1. 9 de abril de 2008. Consultado em 13 de janeiro de 2013 
  8. «'Bully' é relançado no Brasil para PS4 e PC após proibição em 2008». G1.com.br. 23 de junho de 2016. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  9. Vieira, Douglas (22 de março de 2016). «Surpresa! Bully e Manhunt para PS4 'brotam' na PlayStation Store europeia». Tecmundo. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  10. Cullen, James (22 de março de 2016). «Atualização da PlayStation Store». Playstation.Blog. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  11. Versões do jogo em GameFaqs
  12. GameSpot
  13. Site oficial
  14. UOL

Ligações externas[editar | editar código-fonte]