Butch e femme

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Marcha da Sociedade Lésbica Butch/Femme na Parada do Orgulho Gay de Nova York (2007).

Butch e femme são termos usados na subcultura lésbica[1] para atribuir ou reconhecer uma expressão de gênero masculina (butch) ou feminina (femme) com seus traços, comportamentos, estilos, autopercepção e assim por diante.[2][3] Os termos foram fundados em comunidades lésbicas no século XX. Esse conceito foi chamado de "maneira de organizar relações sexuais, gênero e identidade sexual". [4] A cultura butch-femme não é a única forma de um sistema diádico lésbico, pois há muitas mulheres em relacionamentos butch-butch e femme-femme.[5]

Tanto a expressão de lésbicas individuais de expressões butch e femme quanto o relacionamento da população lésbica em geral com a noção de butch e femme como um princípio organizador do relacionamento sexual variaram ao longo do século XX.[6] Algumas feministas lésbicas argumentaram que o butch-femme é uma replicação das relações heterossexuais, enquanto outras comentaristas argumentam que, embora ressoe com os padrões heterossexuais de relacionamento, butch-femme desafia-o simultaneamente.[7] Pesquisas realizadas nos anos 90 nos Estados Unidos mostraram que "95% das lésbicas estão familiarizadas com os códigos butch/femme e podem classificar a si mesmas ou a outras em termos desses códigos, e, no entanto, a mesma porcentagem considera que butch/femme 'não é importante em suas vidas'.[8]

Em português existem as palavras caminhoneira, bolachona, machorra e bofinha (ou bofinho, em alusão a tomboy),[9][10][11][12] que podem ter uso semelhante a butch. O termo sapatona ou sapatão pode ser usado de forma pejorativa como insulto, palavrão, profanação ou calúnia, logo ela se torna incompatível ao uso de butch e comparável a dyke ou bulldyke, por isto muitas mulheres lésbicas e bissexuais usam butch como empréstimo linguístico.[13][14][15][16][17][18][19][20][21][22][23][24] Outro termo semelhante é ursa, ursete e ursula, que tenta copiar urso da cultura gay, para designar mulheres ursinas.[25][26][27] Há também outras traduções para dyke: fancha, viada, fufa, fessureira, racha, mulher-macho, macha, cola velcro, marimacho, marimacha, sapa, virago, safista, fessureira e sapatia.[28][29]

Femme, fem ou feme também conhecida por sapatilha, sapatinha, sapatinho e sandalhinha,[30][31] é comumente usado por pessoas queer que não são essencialmente lésbicas, como mulheres bissexuais, travestis e homens gays ou bissexuais afeminados, indicando uma feminilidade LGBT ou QPOC (pessoa queer de cor, queer person of color), ou que de qualquer forma foge da conformidade e do binário de gênero, mas ainda assim podem usar fem (abreviatura de femme ou feminilidade).[32][33][34][35][36][37][38][39][40][41]

Etimologia e simbologia[editar | editar código-fonte]

A palavra femme é retirada da palavra francesa para mulher. A palavra butch, que significa "masculino", pode ter sido cunhada abreviando a palavra butcher, como observado pela primeira vez no apelido de George Cassidy, Butch Cassidy.[42] No entanto, a origem exata da palavra ainda é desconhecida.

Butch-femme symbol.png

A web designer butch Daddy Rhon criou um símbolo de um triângulo preto cruzando um círculo vermelho para representar a sexualidade de butch/femme, que foi usada pela primeira vez no início do século 21 no site butch-femme.com e começou a ser usada em outros lugares.[43]

Atributos[editar | editar código-fonte]

Há um debate sobre a quem os termos butch e femme podem ser aplicados, e particularmente se os indivíduos trans podem ser identificados dessa maneira. Por exemplo, Jack Halberstam argumenta que homens trans não podem ser considerados butch, uma vez que constitui uma fusão de masculinidade com butchness. Ele ainda argumenta que butch-femme é exclusivamente voltada para trabalhar em relacionamentos lésbicos.[44] Os estereótipos e as definições de butch e femme variam muito, mesmo dentro de comunidades LGBT . Por outro lado, a escritora Jewelle Gomez refletiu que as mulheres butches e femmes no início do século XX podem estar expressando sua identidade transgênera.[45][46] A antipatia por butches fêmeas ou femininas e femmes machas ou masculinas tem sido interpretada por alguns comentadores como transfobia,[47] embora os maches (ou machos) femmes e fêmes (fêmies ou fêmeos) butches nem sempre sejam transgêneros, e de fato alguns heterossexuais de ambos os sexos exibem esses atributos.[48][49]

Estudiosas como Judith Butler e Anne Fausto-Sterling sugerem que butch e femme não são tentativas de assumir papéis de gênero "tradicionais". Em vez disso, elas argumentam que o gênero é social e historicamente construído, em vez de essencial, "natural" ou biológico. A historiadora lésbica femme Joan Nestle argumenta que femme e butch podem ser vistos como gêneros distintos em si mesmos.[50]

Butch[editar | editar código-fonte]

"Butch" pode ser usado como adjetivo ou substantivo[51] para descrever o gênero ou performance de gênero de um indivíduo. Uma pessoa masculina de qualquer sexo pode ser descrita como butch, embora seja mais comum usar o termo para mulheres com traços mais masculinos, masculinizados ou masculinizantes.[52] O termo butch tende a denotar um grau de masculinidade exibido por uma pessoa do sexo feminino além do que seria considerado típico de uma moleca/maria-rapaz. Não é incomum que mulheres com aparência de butch enfrentem assédio ou violência.[53] Uma pesquisa de butches nos anos 90 mostrou que 50% eram atraídos principalmente por mulheres, enquanto 25% relataram ser geralmente atraídos por outros butches.[54] A estudiosa feminista Sally Rowena Munt descreveu as butches como "a forma pública reconhecível de lesbianismo (lesbianidade, lesbicidade ou lesbiandade)" e uma figura fora da lei na cultura lésbica.[55]

BUTCH Voices, uma conferência nacional para "indivíduos masculinos do centro", incluindo variante de gênero, foi fundada em 2008.[56][57]

Femme[editar | editar código-fonte]

Assim como o termo "butch", femme pode ser usado como adjetivo ou substantivo.[51] As femmes não são "lidas" como lésbicas de verdade, a menos que estejam com uma parceira butch, porque estão em conformidade com os padrões tradicionais de feminilidade. Por não expressarem qualidades masculinas, as mulheres eram particularmente irritantes para sexólogos e psicanalistas que queriam argumentar que todas as lésbicas desejavam ser homens.[58] Tradicionalmente, esperava-se que a femme em um casal butch-femme aja como uma mulher feminina estereotipada e forneça apoio emocional ao seu parceiro butch. Na primeira metade do século XX, quando os papéis de gênero butch-femme foram limitados à cena underground dos bares, as femmes foram consideradas invisíveis sem um parceiro butch - ou seja, elas poderiam passar como heterossexuais por causa de sua conformidade de gênero.[59] No entanto, Joan Nestle afirma que as mulheres em um casal butch-femme tornam a butch e a femme extremamente visíveis. Ao ousar serem publicamente atraídos por mulheres butch, as femmes refletiam sua própria diferença sexual e faziam do butch um assunto conhecido do desejo.[60]

Lésbica butch (esquerda) e lésbica femme (direita)

O movimento feminista separatista do final das décadas de 1960 e 1970 forçou o sexo feminino, como feministas radicais lésbicas descobriram que os papéis de gênero lésbico eram uma replicação decepcionante e opressiva do estilo de vida heterossexual.[61] No entanto, a década de 1980 viu um ressurgimento dos papéis de gênero butch e femme. Nessa nova configuração de butch e femme, era aceitável, e até desejável, ter pares sexuais e românticos femme-femme. Femmes ganharam valor como seu próprio sexo lésbico, tornando possível a existência separada de butches. Por exemplo, Susie Bright, fundadora do On Our Backs, a primeira periódica de sexo lésbico do gênero, identifica-se como femme.[62] Além das representações na pornografia, a estética neo-butch e neo-femme na vida cotidiana ajudou a adicionar um senso de identidade visual às lésbicas que abandonaram esses papéis em nome do politicamente correto.[63]

Em "Negotiating Dyke Femininity" (negociando a feminilidade sapatônica (ou sapata)), a estudiosa lésbica Wendy Somerson, explica que as mulheres da comunidade lésbica que são mais femininas e que não se encaixam no estereótipo "butch" podem passar da maneira hétera. Ela acredita que o vínculo entre aparência, desempenho de gênero e a sexualidade de alguém deve ser interrompido, porque a aparência de alguém não deve definir sua sexualidade. Em seu artigo, Somerson também fala claramente sobre como na comunidade lésbica algumas são consideradas mais masculinas que outras.[64]

As mulheres ainda combatem a invisibilidade que sua apresentação cria e afirmam sua sexualidade através de sua feminilidade.[65] A rejeição de mulheres como ilegítimas ou invisíveis também ocorre dentro da própria comunidade LGBT, o que cria um impulso para que as mulheres se defendam como uma identidade autônoma, inerentemente ligada a butches.[66]

Outros termos[editar | editar código-fonte]

Algumas mulheres em comunidades lésbicas evitam as classificações butch ou femme, acreditando que elas são inadequadas para descrever um indivíduo ou que os rótulos são limitadores por si só. Outras pessoas da comunidade LGBT adaptaram os rótulos comuns para serem mais descritivos, como "soft stud", "hard butch", "gym queen" ou "tomboy femme". A comediante Elvira Kurt contribuiu com o termo "fellagirly" como uma descrição para mulheres LBT que não são estritamente femme ou butch, mas uma combinação. Nas décadas de 1950 e 1960, os termos chi-chi e kiki era usado para significar a mesma coisa.[67]

"Lésbicas com batom" (lipstick lesbians) são lésbicas femininas. Uma mulher que gosta de receber e não dar sexualmente é chamada de "rainha do travesseiro" (pillow queen) ou "princesa do travesseiro" (pillow princess).[68] Por outro lado, uma mulher butch pode ser descrita como "butch de pedra" (stone butch), "dique de diesel" (diesel dyke),[69] "bulldagger" ou "bull bitch"[70]:136 O termo boi é normalmente usado por mulheres LGBT mais jovens. Definindo a diferença entre um butch e um boi, uma boi disse a um repórter: "esse senso de jogo - há uma grande diferença de ser uma butch. Para mim, butch é como um adulto. Você é o homem da casa."[71] Há também um uso emergente dos termos soft butch (butch leve) "stem" (cravo-femme), "futch" (feminine butch)[72] ou "chapstick lesbian" como termos para mulheres que têm características de butch e femme. Lésbicas unissex e nem butch nem femme são chamadas de "andróginas" ou "andros". Um outro termo, mais antigo, que denota sáficas, chamado bluff, mistura butch com fluff.[73][74][75]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Butch-Femme» (PDF). glbtq.com 
  2. Hollibaugh, Amber L. (2000). My Dangerous Desires: A Queer Girl Dreaming Her Way Home. Duke University Press. [S.l.: s.n.] 249 páginas. ISBN 978-0822326199 
  3. Boyd, Helen (2004). My Husband Betty: Love, Sex and Life With a Cross-Dresser. Sdal Press. [S.l.: s.n.] 64 páginas. ISBN 978-1560255154 
  4. Kramararae, Chris (2000). Rutledge International Encyclopaedia of Women. Routledge. [S.l.: s.n.] 133 páginas. ISBN 978-0415920896 
  5. Beeming, Brett (1996). Queer Studies: A Lesbian, Gay, Bisexual and Transgender Anthology. NYU press. [S.l.: s.n.] pp. 23–27. ISBN 978-0814712580 
  6. Harmon, Lori (2007). Gender Identity, Minority Stress, And Substance Use Among Lesbians. ProQuest. [S.l.: s.n.] pp. 5–7. ISBN 978-0549398059 
  7. Sullivan, Nikki (2003). Critical Introduction to Queer Theory. Edinburgh University Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0748615971 
  8. Caramagno, Thomas C. (2002). Irreconcilable Differences? Intellectual Stalemate in the Gay Rights Debate. Greenwood Publishing Group. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0275977115 
  9. Giusti, Iran (17 de agosto de 2013). «Conheça as bofinhos: jeitão de menino e sempre prontas para uma cerveja - Home - iG». iGay. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  10. Vieira, Renan (11 de fevereiro de 2019). «O Sétimo Guardião: Diana diz que é lésbica e Rivalda dispara: "sapatão?"». Observatório da TV. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  11. «Conheça algumas gírias dos gays». Extra Online. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  12. «O que significa Bofe ou Bofinha?». Yahoo Respostas. 15 de abril de 2009. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  13. «Documentário retrata trajetória de uma caminhoneira transexual e lésbica». Ponte Jornalismo. 30 de março de 2019. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  14. Facco, Lúcia (2003). As heroínas saem do armário: literatura lésbica contemporânea. [S.l.]: Edicoes GLS. ISBN 978-85-86755-38-5 
  15. Infopédia. «Sapatona | Definição ou significado de Sapatona no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  16. «O que é ser sapatão hoje?». Revista Marie Claire. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  17. «8 tipos de sapatão mais comuns que você com certeza já conheceu». Superela (em inglês). 5 de setembro de 2019. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  18. Magallissima. «Você é uma sapatão POC?». BuzzFeed. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  19. «[Cheiro de Couro]: Nem toda lésbica é uma caminhoneira ou uma novinha descolada | Me Salte». Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  20. «Modelo foi chamada de sapatão a caminhoneira por cabelo». Terra. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  21. «'Sou sapatão e não um mesclado de estereótipos'». HuffPost Brasil. 5 de maio de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  22. «Carnaval sapatão». Trip. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  23. «Sapatão Bissexual, prazer!». Blogueiras Feministas. 25 de setembro de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  24. «Why Butch/Femme Belong To Bisexuals As Well (And Bi+ History Resources!) • Shop Bi Girls Club». Shop Bi Girls Club (em inglês). 12 de agosto de 2019. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  25. «Beary feminine». Xtra. 29 de maio de 2002. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  26. K, Kristi (28 de janeiro de 2013). «In Search of Bear-ettes: Where is the Lesbian Bear community?». The K Word (em inglês). Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  27. «Urban Dictionary: Ursula». Urban Dictionary (em inglês). Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  28. Lacombe,Eduardo (30 de junho de 2016). As Musas. [S.l.]: Mourthé. ISBN 978-85-65938-15-0 
  29. «Usem a língua! Conheça 17 gírias lésbicas». Guia Gay São Paulo. Consultado em 10 de fevereiro de 2020 
  30. Jac (15 de janeiro de 2012). «A Palavra L». Flexões Lésbicas. Consultado em 10 de fevereiro de 2020 
  31. «Lésbica: a rebelde do patriarcado». Justificando. 7 de setembro de 2017. Consultado em 10 de fevereiro de 2020 
  32. «Are you Femme? What Femme Isn't and What it is. | The Affirmative Couch» (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  33. Thomas, Sophie Saint (8 de setembro de 2017). «Being Queer and Femme Means Constantly Coming Out». Cosmopolitan (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  34. «I'm Bisexual, I'm Femme, And You Can't Tell Me Otherwise». GO Magazine (em inglês). 6 de novembro de 2018. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  35. «How I Maintain Visibility as a Bi Femme». Biorg (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  36. McCallum, Kristen (17 de junho de 2019). «5 Black Women and Nonbinary Femmes Making History Today». The Riveter (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  37. «Mixed-Race, Non-Binary, Queer Fat Femme: How I Fail and Succeed in Finding Liberation». thebodyisnotanapology.com. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  38. «11 Common Assumptions About Being a Queer Femme – Debunked». Everyday Feminism (em inglês). 10 de fevereiro de 2016. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  39. «The Difference Between Femme & Being Feminine». Bustle (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  40. Donish, Cassie (4 de dezembro de 2017). «Five Queer People on What 'Femme' Means to Them». Vice (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  41. Costa, Daniela. «9 Shows That Actually Star LGBTQ People of Color». Teen Vogue (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  42. Walker. «Butch Bottom–Femme Top? An Exploration of Lesbian Stereotypes.». Journal of Lesbian Studies. 16: 90–107. PMID 22239455. doi:10.1080/10894160.2011.557646 
  43. Lindstrom, Isaac (2008). To Fight, Live, and Love at the Gender Border in Trans People in Love. Taylor & Francis. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0789035714 
  44. Caramagno, Thomas C. (2002). Irreconcilable Differences? Intellectual Stalemate in the Gay Rights Debate. ABC-CLIO. [S.l.: s.n.] pp. 137–8. ISBN 978-0275977214 
  45. Munt, ed. (1998). Butch/Femme: Inside Lesbian Gender. Cassell 1st ed. [S.l.: s.n.] ISBN 030433958X 
  46. Coyote; Sharman, eds. (2011). «Femme Butch Feminist, by Jewelle Gomez». Persistence: All Ways Butch and Femme. Arsenal Pulp Press. Vancouver, B.C., Canada: [s.n.] pp. 67–78. ISBN 978-1551523972 
  47. Tyler, Carol-Ann (2003). Female Impersonation. Routledge. [S.l.: s.n.] 91 páginas. ISBN 978-0-415-91688-2 
  48. «There's No Other Georgy Deep Inside – Coming Out As A Butch Straight Woman». The Vagenda 
  49. «Confessions Of A Feminine Straight Guy». Thought Catalog 
  50. Nestle, Joan (1992). The Persistent Desire: A Femme–Butch Reader. Alyson Publications. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1555831905 
  51. a b Bergman, S. Bear (2006). Butch is a noun. Suspect Thoughts Press. San Francisco: [s.n.] ISBN 978-0-9771582-5-6 
  52. «In Search of Looks, Status, or Something Else? Partner Preferences Among Butch and Femme Lesbians and Heterosexual Men and Women». Sex Roles. 64: 658–668. ISSN 0360-0025. doi:10.1007/s11199-010-9861-8 [ligação inativa]
  53. «2014 National Street Harassment Study». Stop Street Harassment 
  54. Caramagno, Thomas C. (2002). Irreconcilable Differences? Intellectual Stalemate in the Gay Rights Debate. ABC-CLIO. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0275977214 
  55. Munt, Sally R. (1998). Heroic Desire: Lesbian Identity and Cultural Space. New York University Press 1st ed. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0814756065 
  56. «About». BUTCH Voices 
  57. «BUTCH Voices Conference Makes Masculine Of Center Womyn Heard». Curve 
  58. Faderman, Lilian (1991). Odd Girls and Twilight Lovers: A History of Lesbian Life in Twentieth-Century America. Columbia University Press. New York, New York: [s.n.] ISBN 978-0231074889. OCLC 22906565  p. 61
  59. Stein, Arlene (1997). Sex and Sensibility: Stories of a Lesbian Generation. University of California Press. [S.l.: s.n.] pp. 17–18. ISBN 9780520918313 
  60. Vance, Carol S. (1984). Pleasure and Danger: Exploring Female Sexuality. Routledge & K. Paul. [S.l.: s.n.] ISBN 0710099746 
  61. Faderman, Lilian (1991). Odd Girls and Twilight Lovers: A History of Lesbian Life in Twentieth-Century America. Columbia University Press. New York, New York: [s.n.] ISBN 978-0231074889. OCLC 22906565  p.210
  62. «How A Teenage Femme Snuck Her Way Into the Mineshaft— NY's Legendary Men's S/M Club». Susie Bright Journal 
  63. «The Return of Butch and Femme: A Phenomenon in Lesbian Sexuality of the 1980s and 1990s». Journal of the History of Sexuality. 2: 578–596. 1992. ISSN 1043-4070. JSTOR 3704264 
  64. Weir, Sara; Faulkner, Constance (2004). «On the Complications of Negotiating Dyke Femininity, by Wendy Somerson». Voices of a New Generation: A Feminist Anthology. Pearson. Boston, Massachusetts: [s.n.] ISBN 978-0205344147. OCLC 52410222 
  65. Rose, Chloë Brushwood; Camilleri, Anna (2002). Brazen Femme: Queering Femininity. Arsenal Pulp Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1551521268 
  66. Lowrey, Sassafras (2009). Visible: A Femmethology, Vol 1. Homofactus Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0978597344 
  67. «What Does Kiki Mean? | Slang by Dictionary.com». Everything After Z by Dictionary.com (em inglês). Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  68. McAuliffe, Mary (2008). Tribades, Tommies and Transgressives: Histories of Sexualities. Cambridge Scholars Pub. [S.l.: s.n.] 273 páginas. ISBN 978-1847185921 
  69. «Common lesbian slang and terminology». The Other Team 
  70. Haggerty, George E. (2000). Encyclopedia of Lesbian And Gay Histories and Cultures, Vol 1. Taylor & Francis. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0815333548 
  71. http://nymag.com/nymetro/news/features/n_9709/  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  72. Belge, Kathy (2011). Queer: The Ultimate LGBT Guide for Teens. Houghton Mifflin Harcourt. [S.l.: s.n.] 10 páginas. ISBN 9780547687322 
  73. Duberman, Martin (4 de junho de 2019). Stonewall: The Definitive Story of the LGBT Rights Uprising that Changed America (em inglês). [S.l.]: Penguin. ISBN 978-0-593-08399-4 
  74. «The Lesbian Handbook.com». www.lesbianhandbook.net. Consultado em 11 de fevereiro de 2020 
  75. Eaklor, Vicki Lynn (2008). Queer America: A GLBT History of the 20th Century (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. ISBN 978-0-313-33749-9 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Livros e Revistas
Coleções
Portal A Wikipédia tem o portal: