Buttery Bootlegging

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
O site do Buttery Bootlegging

O Buttery Bootlegging é um site administrado pelo cleptomaníaco profissional "Dangler" que, por um preço negociado, roubará praticamente qualquer item de um diretório de lojas escolhidas a dedo e listadas em sua página.[1] Basta enviar-lhe o produto que deseja, juntamente com a quantidade de Bitcoin você está disposto a pagar e Dangler irá adquirir o item. Uma vez adquirido, uma foto ou vídeo do item com a presença de um cartaz escrito "Dangler" será enviado como prova.[2] Dangler também tem um inventário de coisas que está disposto a vender, devido a uma combinação de clientes que não realizaram o pagamento. O site tem boas avaliações e, por isso, é provavelmente confiável. No entanto, ainda é um serviço ilegal existente na Deep Web, assim como com a maioria dos sites presentes nela.[carece de fontes?]

História[editar | editar código-fonte]

Apesar de o e-commerce na Deep Web só ter começado por volta de 2006, mercadorias ilícitas estavam entre os itens mais negociados na internet, quando no início de 1970 estudantes da Universidade de Stanford e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts usaram o que era então chamado de ARPANET para coordenar a compra de cannabis.[3] No final da década de 1980, grupos de notícias como alt.drugs se tornaria centros on-line de discussão sobre drogas, no entanto todos os negócios relacionados foram arranjados inteiramente entre indivíduos.[4] Com o desenvolvimento e popularização da World Wide Web e do e-commerce na década de 1990, as ferramentas para discutir ou realizar transações ilícitas tornaram-se mais amplamente disponíveis. Um dos fóruns de drogas da web mais conhecidos, The Hive, lançado em 1997, proporcionava um fórum de compartilhamento de informações para a síntese de drogas e discussão jurídica. The Hive foi destaque no Dateline NBC, chamado Os Arquivos “X”, em 2001, trazendo o assunto para o discussão pública.[5] A partir de 2003, o "Research Chemical Mailing List" (RCML) começou a discutir o seu fornecimento legal como uma alternativa para fóruns como alt.drugs.psychedelics. No entanto a Operação Web Tryp levou a uma série de paralisações do sites e detenções nesta área.[6]

O The Farmer's Market foi lançado em 2006 e mudou-se para Tor em 2010. Ele foi fechado e vários operadores e utilizadores foram presos em abril de 2012, como resultado da operação "A bomba de Adão”, uma investigação de dois anos conduzida pelos DEA (Drug Enforcement Administration) dos Estados Unidos.[7] Ele foi considerado um 'proto-Silk Road', mas o uso de serviços de pagamento, tais como PayPal e Western Union permitiram pela força da lei que seus pagamentos fossem rastreados, sendo posteriormente fechados pelo FBI em 2012.[8][9]

Deep Web[editar | editar código-fonte]

A Deep Web é considerada como um amplo mercado coberto pelo anonimato, uma condição que a torna atraente para a indústria dos cibercrimes, que está movendo seus negócios para uma região do espaço cibernético onde é realmente difícil de rastrear os vendedores, compradores ou qualquer que seja os produtos que eles negociam. A maioria presente na Deep Web sabe da possibilidade de adquirir armas, malwares e drogas em total segurança, evitando o controle da aplicação da lei e longe de qualquer tipo de limitações. Em vários marketplaces presentes na dark web é possível adquirir coisas ilegais, e a imprensa fez grande publicidade sobre este aspecto, que é o tipo de notícia que as pessoas gostam de ler. Um dos mais famosos marketplaces é, sem dúvida, o web site Silk Road, um mercado online onde a maioria dos produtos são derivados de atividades ilegais. Claro que não é o único, muitos outros mercados estão conseguindo abordar esses tipos de produtos terríveis como maconha, cocaína, anabolizantes, etc. A maioria das transações na Deep Web aceitam BitCoin como moeda para pagamentos, permitindo a compra de qualquer tipo de produtos que preservam o anonimato da transação e incentivando mais ainda o desenvolvimento do comércio de qualquer tipo de atividades ilegais. Se trata de um sistema autônomo que fortalece o exercício de atividades criminosas, assegurando o anonimato das transacções e a incapacitando o rastreamento de criminosos.

Dark Web[editar | editar código-fonte]

A Dark Web é o conteúdo da World Wide Web que existe na Darknet, redes de sobreposição que utilizam a Internet pública, mas que necessitam de softwares específicos, configurações ou autorização para o acesso. [10][11] A Dark Web forma uma pequena parte da Deep Web. As darknets que constituem a Dark Web incluem redes pequenas (friend-to-friend, peer-to-peer), bem como grandes redes populares como Freenet, I2P e Tor, operados por organizações públicas e particulares. Os usuários da Dark Web referem-se à web regular como Clearnet (rede limpa), devido à sua natureza não-criptografada.[12] O Tor pode ser referido como Cebolândia,[13] uma referência ao sufixo de domínio de nível superior de rede .onion (cebola) e da técnica de tráfego de anonimização de roteamento onion.

Mercado Negro[editar | editar código-fonte]

O primeiro site de vendas a usar Tor e Bitcoin foi o Silk Road, fundada por Ross Ulbricht sob pseudônimo de "Dread Pirate Roberts" em fevereiro de 2011.[14][15] Em junho de 2011, Gawker publicou um artigo sobre o site, o que levou a "Internet buzz"[16] a um aumento no tráfego do site. Por sua vez, levou a uma pressão política do senador Chuck Schumer na DEA dos EUA e no Departamento de Justiça para desativá-lo,[17] o que realmente aconteceu em outubro de 2013 após uma longa investigação.[18] O uso do Silk Road pelo Tor, bitcoin e sistemas de feedback iria definir o padrão para novos mercados darknet para os próximos anos.[19] O desligamento foi descrito pelo site de notícias DeepDotWeb como "a melhor publicidade que mercados da darknet poderiam ter esperado", seguindo a proliferação de sites concorrentes causada e a previsão do The Guardian que outros iriam tomar conta do mercado que o Silk Road anteriormente havia dominado.[20][21]

Os meses e anos após o encerramento do Silk Road seriam marcados por um grande aumento do número de mercados de curta duração, bem como seus encerramentos por aplicação da lei, cortes, golpes e fechamentos voluntários.

Atlantis, o primeiro local a aceitar Litecoin além de Bitcoin, foi encerrado em setembro de 2013, pouco antes da invasão Silk Road, deixando apenas uma semana para os usuários retirarem todas as moedas.[22] Em outubro de 2013 o Projeto Black Flag ficou em pânico, encerrou suas atividades e roubou os bitcoins de seus usuários logo após o encerramento do Silk Road.[23][24] A popularidade do Black Market Reloaded aumentou drasticamente após o encerramento da Silk Road e do Sheep Marketplace[25] no entanto, no final de Novembro de 2013, o proprietário do Black Market Reloaded anunciou que o site iria ser tirado do ar devido ao influxo incontrolável de novos clientes.[26] O Sheep Marketplace, lançado em março de 2013, foi um dos locais menos conhecidos para ganhar popularidade com o fechamento do Silk Road.[27] Não muito tempo depois desses acontecimentos que cessaram a operação em dezembro de 2013, quando anunciou que estava fechando depois de dois homens da Florida[28] roubaram US $ 6 milhões em bitcoins dos usuários.[29][30][31]

Do final de 2013 até 2014, novos mercados começaram a surgir com regularidade, como o Silk Road 2.0, dirigida pelos ex-administradores do site Silk Road, bem como o site Agora.[32][33] Tais lançamentos nem sempre foram um sucesso, em fevereiro de 2014, o mercado altamente antecipado com base no Black Market Reloaded,[34] Utopia,[35] foi aberto apenas para ser desativado 8 dias mais tarde na sequência das ações rápidas de aplicação da lei holandesa.[36]

O mês de Novembro de 2014 abalou o ecossistema do mercado darknet, quando a Operação Onymous, executado pelo FBI e pela Agência Nacional de Crime do Reino Unido (National Crime Agency) levou à apreensão de 27 sites, incluindo o Silk Road 2.0[37] e 12 sites menores de fornecedores individuais.[38] Em setembro de 2014, “Agora foi considerado como maior site, evitando a Operação Onymous e a partir de abril 2015 passou a ser o maior site global.[32]

Em março de 2015, o site Evolution roubou bitcoins estimados em US $ 12 milhões.[39] O fechamento do Evolution levou a uma redistribuição de usuários para o Black Bank e Agora. No entanto, o Black Bank, que a partir de abril de 2015 era responsável por 5% de itens do mercado darknet, anunciou em 18 de maio de 2015 o seu encerramento para "manutenção"[40] antes de desaparecer em um esquema similar ao Evolution.[41] Na sequência destes acontecimentos, comentaristas sugeriram a descentralização do mercado, como a OpenBazaar, a fim de proteger os compradores e vendedores deste risco no futuro, bem como um apoio mais generalizado de pagamentos via criptomoeda.[42][43]

Em abril surgiu o TheRealDeal, o primeiro site de cyber-braços abertos para exploração de software, assim como medicamentos lançados para o interesse de especialistas em segurança.[44] Em maio, ataques DDOS foram realizados contra diferentes sites, incluindo TheRealDeal. Os proprietários do site criaram um site de phishing para obter a senha do atacante e, posteriormente, revelou a colaboração entre o atacante e o administrador do site Mr Nice Guy, que também estava planejando dar golpe em seus usuários.[45] Esta informação foi revelada ao site de notícias DeepDotWeb.[46][47]

Em 31 de julho, a polícia italiana em conjunto com a Europol encerraram o Babylon, site da darknet italiana, apreendendo 11.000 bitcoins e 1 milhão de euros.[48][49]

No final de agosto, o Agora anunciou o seu encerramento temporário iminente depois do relatar 'atividades suspeitas' em seu servidor, suspeitando de algum tipo de bug no Tor.[50]

Desde outubro de 2015, AlphaBay é reconhecido como o maior site.[51] A partir de então, até 2016, houve um período de estabilidade prolongada para os mercados, até que em abril, quando o grande site Nucleus entrou em colapso por razões desconhecidas.[52]

Buttery Bootlegging[editar | editar código-fonte]

Assim como visto anteriormente, o mercado negro está cheio de produtos ilegais, mas e sobre as coisas mais triviais, como uma bolsa um novo telefone - coisas que você realmente quer, mas simplesmente não pode pagar? Bem, uma pessoa normal iria economizar dinheiro para comprá-lo ou simplesmente esquecê-lo[carece de fontes?], mas se estas duas opções não a deixar satisfeita, ela pode realmente pagar a alguém da Deep Web para roubar pra ela.

Um homem conhecido como “Dangler" mantém um site na Deep Web, chamado Buttery Bootlegging. Na página inicial, ele explica o seu negócio em termos muito simples:

"Você quer algo caro, mas não tem dinheiro suficiente. Eu sou bom em roubar, e eu preciso de dinheiro."[53]

Basicamente, tudo que precisa ser feito é enviar um e-mail para Dangler dizendo-lhe o que quer e quanto se está disposto a pagar. Depois que ele rouba o item, ele enviará ao comprador uma foto do produto ao lado de um pedaço de papel com a palavra "Dangler". Daí então o comprador terá que transferir os Bitcoins para ele e ele irá postar o item para um endereço de sua escolha.[54]

É um conceito simples, aparentemente com pouco risco, mas continua sendo fora da lei. As pessoas que usam serviços de Dangler provavelmente estão fazendo isso por uma razão: eles acreditam pagando a alguém para roubar para eles não é tão mau como cometer o crime. Pagar a alguém para roubar poderia ser considerado por alguns como simplesmente pagar por um serviço, mantendo a consciência limpa.[carece de fontes?]

Os itens que Dangler rouba são principalmente itens de luxo de grandes lojas[55] - eles são completamente desnecessários. Realmente vale a pena o risco? Deve valer para Dangler, e ainda afirma em seu site que ele às vezes rouba sem motivo.

Buttery Bootlegging é um dos serviços mais inofensivos oferecidos na Deep Web[carece de fontes?], mercado que movimenta mais de meio milhão em receita todos os dias, sendo considerado por muitos uma grande indústria de fazer dinheiro.

Considerando que todo o tráfego da web é monitorado, o que leva milhões de pessoas a estarem preocupadas com sua privacidade, um sentimento de anonimato traz um sentimento de invencibilidade, explicando a razão de tantas pessoas estarem felizes com o envolvimento em atividades ilegais, uma vez que entram nos “reinos" da Deep Web.[carece de fontes?]

Referências

  1. St. Louis, Bitcoin. «Buttery Bootlegging is a service that allows one to hire a thief who specializes in stealing from stores.». Consultado em 26 de junho de 2016 
  2. Blocker, Brett (14 de agosto de 2015). «Once he does, a photo or video of the item alongside a placard that reads "Dangler" will be sent your way as proof.». Consultado em 26 de junho de 2016 
  3. Power, Mike (19 de abril de 2013). «Online highs are old as the net: the first e-commerce was a drugs deal». Consultado em 26 de maio de 2015 
  4. Howell O'Neill, Patrick (15 de fevereiro de 2015). «The uncensored history of the Internet's drug revolution». Consultado em 26 de maio de 2015 
  5. Howell O'Neill, Patrick (28 de agosto de 2013). «How the Internet powered a DIY drug revolution». Consultado em 30 de maio de 2015 
  6. Power, Mike. Drugs 2.0. [S.l.: s.n.] Consultado em 28 de junho de 2016 
  7. Schwartz, Mathew J. (17 de abril de 2012). «Feds Bust 'Farmer's Market' for Online Drugs». Dark Reading. Information Week 
  8. «US busts online drugs ring Farmer's Market». BBC News. 17 de abril de 2012. Consultado em 18 de outubro de 2013 
  9. «Black Market Drug Site 'Silk Road' Booming: $22 Million In Annual Sales». Forbes. 8 de junho de 2012. Consultado em 18 de outubro de 2013 
  10. Greenberg, Andy (19 de novembro de 2014). «Hacker Lexicon: What Is the dark web?». Wired. Consultado em 27 de agosto de 2015 
  11. Egan, Matt (12 de janeiro de 2015). «What is the dark web? How to access the dark web - How to turn out the lights and access the dark web (and why you might want to)». Consultado em 18 de junho de 2015 
  12. «Clearnet vs hidden services – why you should be careful». DeepDotWeb. Consultado em 4 de junho de 2015 
  13. Chacos, Brad (12 de agosto de 2013). «Meet Darknet, the hidden, anonymous underbelly of the searchable Web». Consultado em 16 de agosto de 2015 
  14. Justin Norrie; Asher Moses (12 de junho de 2011). «Drugs bought with virtual cash». The Sydney Morning Herald. Fairfax Media. Consultado em 5 de novembro de 2011 
  15. Public statement from a Silk Road spokesperson 1 March 2011.
  16. Gayathri, Amrutha (11 de junho de 2011). «From marijuana to LSD, now illegal drugs delivered on your doorstep». International Business Times. Consultado em 13 de abril de 2013 
  17. «Schumer Pushes to Shut Down Online Drug Marketplace». NBC New York. Associated Press. 5 de junho de 2011. Consultado em 15 de junho de 2011 
  18. «Sealed Complaint 13 MAG 2328: United States of America v. Ross William Ulbricht» (PDF). 27 de setembro de 2014. Consultado em 27 de janeiro de 2014 
  19. Deep Web. 2015 
  20. Alex Hern (18 de outubro de 2013). «Silk Road replacement Black Market Reloaded briefly closed». The Guardian. Consultado em 18 de outubro de 2013 
  21. Samuel Gibbs (3 de outubro de 2013). «Silk Road underground market closed – but others will replace it». The Guardian. Consultado em 18 de outubro de 2013 
  22. Chen, Adrian (20 de setembro de 2013). «Popular Underground Drug Market Shuts Down for 'Security Reasons'». Consultado em 5 de julho de 2015 
  23. Greenberg, Andy (30 de outubro de 2013). «'Silk Road 2.0' Launches, Promising A Resurrected Black Market For The Dark Web». Forbes. Consultado em 6 de novembro de 2013 
  24. DeepDotWeb (30 de outubro de 2013). «Project Black Flag Waves the White Flag». Consultado em 5 de julho de 2015 
  25. Bilton, Nick. «Disruptions: A Digital Underworld cloaked in anonymity». New York Times 
  26. Greenburg, Andy (1 de dezembro de 2013). «Silk Road Competitor Shuts Down And Another Plans To Go Offline After Claimed $6 Million Theft». Forbes. Consultado em 4 de janeiro de 2014 
  27. O'Neill, Patrick Howell (27 de março de 2015). «Suspected Dark Net master thief busted trying to buy luxury Czech home». Daily Dot 
  28. Shin, Laura (30 de maio de 2016). «Mystery Solved: $6.6 Million Bitcoin Theft That Brought Down Dark Web Site Tied To 2 Florida Men». Consultado em 1 de junho de 2016 
  29. Adrianne Jeffries (29 de abril de 2013). «Drugs, porn, and counterfeits: the market for illegal goods is booming online». The Verge. Consultado em 2 de dezembro de 2013 
  30. «Dark marketplace closes after theft of £3m in bitcoins». BBC News. 2 de dezembro de 2013. Consultado em 2 de dezembro de 2013 
  31. Mandalia, Ravi (1 de dezembro de 2013). «Silk Road-like Sheep Marketplace scams users; over 39k Bitcoins worth $40 million stolen». Techie News. Consultado em 2 de dezembro de 2013 
  32. a b Andy Greenberg. "Drug Market 'Agora' Replaces the Silk Road as King of the Dark Net". Wired, 2 September 2014.
  33. Grenberg, Andy (6 de dezembro de 2013). «New Silk Road Drug Market Backed Up To '500 Locations In 17 Countries' To Resist Another Takedown». Forbes.com. Consultado em 30 de dezembro de 2013 
  34. DeepDotWeb (31 de dezembro de 2013). «BMR Based Market: Utopia Market». Consultado em 31 de maio de 2015 
  35. DeepDotWeb (3 de fevereiro de 2014). «Utopia Marketplace is Now Officially Open!». Consultado em 24 de maio de 2015 
  36. BBC Technology (12 de fevereiro de 2014). «Utopia drugs market forced off Tor by Dutch police». Consultado em 24 de maio de 2015 
  37. Templeton, Graham (8 de novembro de 2014). «Dark market massacre: FBI shuts down Silk Road 2.0 and dozens more Tor websites». Consultado em 19 de maio de 2015 
  38. Vinton, Kate (7 de novembro de 2015). «So Far Feds Have Only Confirmed Seizing 27 "Dark Market" Sites In Operation Onymous». Consultado em 26 de maio de 2015 
  39. Greenberg, Andy (18 de março de 2015). «The Dark Web's Top Drug Market, Evolution, Just Vanished». Consultado em 4 de julho de 2015 
  40. DeepDotWeb (18 de maio de 2015). «BlackBank Under Maintenance». Consultado em 31 de maio de 2015 
  41. «Black Bank Bitcoin Market». DeepDotWeb 
  42. Cohen, David (18 de janeiro de 2015). «After The Social Web, Here Comes The Trust Web». TechChrunch. Consultado em 4 de julho de 2015 
  43. OpenBazaar Team (19 de março de 2015). «Evolution Exit Scam Shows Multisig Isn't Enough: We need Decentralization». Consultado em 26 de maio de 2015 
  44. Greenberg, Andy (17 de abril de 2015). «New Dark-Web Market Is Selling Zero-Day Exploits to Hackers». Consultado em 24 de maio de 2015 
  45. DeepDotWeb (31 de maio de 2015). «Meet The Market Admin Who Was Responsible For the Ddos Attacks». Consultado em 7 de junho de 2015 
  46. Cox, Joseph (4 de junho de 2015). «A Dark Web Tale of DDoS Attacks, Phishing, and 'Deals With the Devil'». Consultado em 7 de junho de 2015 
  47. Paganini, Pierluigi (7 de junho de 2015). «The silent war between black markets in the deep web». Consultado em 7 de junho de 2015 
  48. Willan, Philip (31 de julho de 2015). «Italian police shutter Dark Web marketplace». Consultado em 2 de agosto de 2015 
  49. DeepDotWeb (2 de agosto de 2015). «Italian police Bust "Babylon" Dark Web Market». Consultado em 2 de agosto de 2015 
  50. Greenberg, Andy (26 de agosto de 2015). «Agora, the Dark Web's Biggest Drug Market, Is Going Offline». Consultado em 13 de setembro de 2015 
  51. «Buying Drugs Online Remains Easy». Southwest Coalition 
  52. Cox, Joseph (19 de abril de 2016). «Dark Web Market Disappears, Users Migrate in Panic, Circle of Life Continues». Consultado em 23 de abril de 2016 
  53. Institute, McAfee. «Dangler is good at stealing apparently and will steal anything that you can't afford or just don't want to pay for». Consultado em 26 de junho de 2016 
  54. Dilong, Nadine (17 de fevereiro de 2016). «After he steals the item, he will send you a picture of it next to a piece of paper with the word 'Dangler'. You then transfer Bitcoin money to him and he'll post the item to an address of your choice.». Consultado em 26 de junho de 2016 
  55. Goodman, Marc (24 de fevereiro de 2015). Future Crimes: Inside The Digital Underground and the Battle For Our Connected World. NEW YORK: Random House. p. 302. ISBN 1473508460