Cândido, ou O Otimismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cândido
Candide1759.jpg
Frontispício da primeira edição de 1759, publicada em Paris, onde se lê "Cândido, ou O Otimismo, traduzido do alemão do Senhor Doutor Ralph".[1][2]
Autor (es) Voltaire
Idioma Francês
País França
Género Conto filosófico; sátira; novela picaresca; Bildungsroman
Ilustrador Jean-Michel Moreau le Jeune
Lançamento Janeiro de 1759[3][4]

Candide, ou l'Optimisme é um conto filosófico em tom de sátira publicado pela primeira vez em 1759 por Voltaire, filósofo do Iluminismo. A novela já foi traduzida em centenas de línguas e, em português, seu título costuma ser Cândido ou O Otimismo ou simplesmente Cândido.[5] Foi realizado, ao que parece, em três dias, em 1758, ainda sob a impressão do terremoto de Lisboa, com assinatura de um pseudônimo, "Monsieur le docteur Ralph", literalmente, "Senhor Doutor Ralph". Narra a história de um jovem, Cândido, vivendo num paraíso edênico e recebendo ensinamentos do otimismo de Leibniz através de seu mentor, Pangloss. A obra retrata a abrupta interrupção deste estilo de vida quando Cândido se desilude ao testemunhar e experimentar eminentes dificuldades no mundo. Voltaire conclui a obra-prima com Cândido — se não rejeitando o otimismo — ao menos substituindo o mantra leibniziano de Pangloss, "tudo vai pelo melhor no melhor dos mundos possíveis", por um preceito enigmático: "devemos cultivar nosso jardim."

Cândido é caracterizada pelo tom sarcástico, bem como pelo enredo errático, fantástico e veloz. Este romance picaresco com uma história semelhante à de um bildungsroman mais sério, parodia diversos clichés do romance e da aventura, as lutas das quais são caricaturadas em um tom que é, mordazmente, matéria de fato. Ainda assim, os eventos discutidos no livro são muitas vezes baseados em acontecimentos históricos, como a Guerra dos Sete Anos e o já citado terremoto de Lisboa de 1755.[6] O problema do mal, tema comum aos filósofos da época, é exposto também neste conto, de forma mais direta e ironicamente: o autor ridiculariza a religião, os teólogos, os governos, o exército, as filosofias e os filósofos por meio de alegorias; de maneira mais conspícua, chega a roubar Leibniz e seu otimismo.[7][8]

Conforme esperado por Voltaire, Cândido desfrutou de grande sucesso e causou grande escândalo. Imediatamente após a sua publicação secreta, o livro foi amplamente proibido por conter blasfêmia religiosa, sedição política e hostilidade intelectual escondidos sob um fino véu de ingenuidade.[7] Graças a sua inteligência afiada e a seu retrato profundo da condição humana, influenciou diversos autores, notavelmente o 1984 (1948) de Orwell, o Admirável Mundo Novo (1932) de Huxley e a reflexão sobre pessimismo e otimismo em Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881) e Quincas Borba (1891) de Machado de Assis. Também inspirou artistas como Leonard Bernstein, que compôs música para a opereta homônima de 1956, com libretto original de Lillian Hellman e, mais recentemente, de Hugh Wheeler.[9]

Além de para ópera, o romance de Voltaire foi adaptado para as telas pelo cineasta brasileiro Amácio Mazzaropi, no filme Candinho — apresentando, no entanto, uma mensagem oposta à de Voltaire, com o sambista Adoniran Barbosa no papel do Prof. Pancrácio (uma versão brasileira de Pangloss, no filme). Na televisão brasileira tanto o conto Cândido quanto o filme de Mazzaroppi foram inspiração para a construção do enredo da telenovela Êta Mundo Bom (2016) de Walcyr Carrasco.[10][11]

Nos dias de hoje, Cândido é reconhecido como a magnum opus de Voltaire,[7] e considerado parte do Cânone Ocidental; é possível, segundo alguns, que tenha transmitido mais ensinamentos substanciais do que qualquer outra obra da literatura francesa.[12]

Personagens[editar | editar código-fonte]

  • Cândido, o protagonista
  • Cunegundes, esposa de Cândido
  • Dr. Pangloss, mestre de Cândido
  • Cacambo, criado de Cândido
  • Martinho, companheiro de viagem de Cândido
  • Paquette, criada da família de Cunegundes
  • O Barão, irmão de Cunegundes
  • A Velha, criada de Cunegundes
  • Jacques o Anabatista, benfeitor de Cândido
  • Frei Giroflée, frade a quem Paquette servia

Resumo da trama[editar | editar código-fonte]

Cândido é um jovem que vive no castelo do barão de Thunder-ten-tronckh localizado na Vestfália. Seu mestre é Pangloss, filósofo que ensina a "metafísico-teólogo-cosmolonigologia" e que professava, como Leibniz, que vivemos no melhor dos mundos possíveis. Cândido é expulso desse melhor dos mundos possíveis como resultado de um beijo proibido trocado com Cunegundes, filha do barão, sua prima. Cândido então descobre o mundo, e vai de decepção em decepção pelos caminhos de uma longa jornada de iniciação.

Recrutado à força pelas tropas búlgaras, testemunha o massacre da guerra. Foge e é recolhido pelo anabatista Jacques. Reencontra Pangloss, envelhecido e vitimado pela sífilis, que o informa da morte de Cunegundes estuprada por soldados búlgaros. Embarcam com Jacques para Lisboa. Após uma tempestade em que Jacques morre afogado, chegam a Lisboa no dia do terremoto e são vítimas de um auto de fé em que Pangloss é enforcado. Cândido reencontra Cunegundes, amante de um grande inquisidor e um judeu rico: dom Issachar. É levado a matar os dois homens e foge com Cunegundes e sua velha criada para Cádis, na Espanha.

Ele embarca com seu criado Cacambo, Cunegundes e a velha criada para o Paraguai. Forçado a abandonar Cunegundes em Buenos Aires, foge com Cacambo para o Paraguai. Eles encontram o irmão de Cunegundes, que Cândido transpassa com uma golpe de espada, escapam, evitam ser comidos pelos selvagens Orelhões e descobrem a terra do Eldorado. Ali estão felizes, mas preferem partir, levando consigo cem carneiros carregados de víveres e tesouros para reencontrar Cunegundes.

Enviando Cacambo para resgatar Cunegundes, Cândido é roubado por um mercador e um juiz, trava conhecimento com Martin, desgostoso com a vida e retorna à Europa com ele. Eles chegaram em Bordéus antes de passarem por Paris ("um caos, uma aglomeração onde todos buscam o prazer e onde quase ninguém o encontra"), onde Cândido adoece mas se recupera, se deixa roubar por um abade e escapa do calabouço oferecendo ao esbirro três diamantes. Cândido e Martin, em seguida, rumam à Inglaterra de navio, onde sequer desembarcam após assistirem à execução de um oficial britânico. Resolvem ir a Veneza, onde procuram em vão Cacambo e Cunegundes. Ali encontram Paquette, a criada do barão Thunder-ten-tronckh, e seu amante, o monge Giroflée, visitam um ricaço desiludido e travam conhecimento com seis reis destronados.

Em seguida partem para Constantinopla a fim de libertarem Cunegundes, que perdeu os encantos e virou escrava do rei deposto Ragotski, e resgatarem o criado Cacambo. Na galera, entre os galés, encontram Pangloss, tendo sobrevivido ao enforcamento, e o irmão de Cunegundes, que escapou do golpe de espada, os quais Cândido liberta pagando um resgate. Em Constantinopla, ele resgata Cunegundes, feia e rabugenta, a desposa contra a vontade de seu irmão que ele é obrigado a banir, instala-se em uma fazenda, é roubado por mercadores, acolhe Paquette e Giroflée e acaba cultivando seu jardim.

— Todos os acontecimentos — dizia às vezes Pangloss a Cândido — estão devidamente encadeados no melhor dos mundos possíveis; pois, afinal, se não tivesses sido expulso de um lindo castelo, a pontapés no traseiro, por amor da senhorita Cunegundes, se a Inquisição não te houvesse apanhado, se não tivesses percorrido a América a pé, se não tivesses mergulhado a espada no barão, se não tivesses perdido todos os teus carneiros da boa terra do Eldorado, não estarias aqui agora comendo doce de cidra e pistache. — Tudo isso está muito bem dito — respondeu Cândido, — mas devemos cultivar nosso jardim.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Wootton (2000), p. 1
  2. Aldridge (1975), pp. 251–254
  3. Davidson (2005), pp. 52–53
  4. Williams (1997), pp. 1–3
  5. Milliet, 1972, p.149.
  6. Mason (1992), p. 10
  7. a b c Davidson (2005), p. 54
  8. Aldridge (1975), p. 260
  9. Leister (1985), p. 120
  10. «Mazzaropi inspira nova trama da Rede Globo». revistagloborural.globo.com/. Consultado em 21 de janeiro de 2016 
  11. «Estou resgatando o menino que via filmes do Mazzaropi, diz Walcyr Carrasco - Últimas Notícias - UOL TV e Famosos». UOL TV e Famosos. Consultado em 21 de janeiro de 2016 
  12. Waldinger (1987), p. ix

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Milliet, Sérgio (notas) e Quintana, Mário (tradução). Contos de Voltaire (especialmente "Cândido, ou O Otimista", pp. 150–238). 1ª ed., maio, 1972. Os Imortais da Literatura Universal, nº40. Editora Abril.
  • Aldridge, Alfred Owen (1975). «Voltaire and the Century of Light». Princeton, New Jersey: Princeton University Press. ISBN 0-691-06287-0 
  • Astbury, Kate (abril 2005). «Candide, ou l'optimisme, seconde partie (1760) / Jean-François Marmontel: un intellectuel exemplaire au siècle des Lumières». Modern Humanities Research Association. Modern Language Review. 100 (2). EBSCO Accession Number 16763209 
  • Ayer, A.J. (1986). Voltaire. New York City: Random House. ISBN 0-394-54798-5 
  • Barasch, Frances K. (Inverno 1985). «The Grotesque as a Comic Genre». Modern Language Studies. 15 (1) 
  • Beck, Ervin (Verão 1999). «Voltaire's Candide». Explicator. 57 (4). EBSCO Accession Number 2336667 
  • Bellhouse, Mary L. (dezembro 2006). «Candide Shoots the Monkey Lovers: Representing Black Men in Eighteenth-Century French Visual Culture». Sage Publications. Political Theory. 34 (6): 756. doi:10.1177/0090591706293020 
  • Bottiglia, William F. (setembro 1951). «Candide's Garden». PMLA. 66 (5): 720. doi:10.2307/459532 
  • Bottiglia, William F. (1959). Besterman, Theodore, ed. «Voltaire's Candide: Analysis of a Classic». Institut et Musee Voltaire. Studies on Voltaire and the Eighteenth Century. VII 
  • Bottiglia, William F. (1968). Voltaire; a collection of critical essays. Englewood Cliffs, NJ: Prentice–Hall, Inc. Library of Congress Number: 68–17823 
  • Bowerman, George F. (1931). Censorship and the Public Library. [S.l.]: Ayer Publishing. ISBN 0-8369-0232-7 
  • Boyer, Paul S. (2002). Purity in Print: Book Censorship in America from the Gilded Age to the Computer Age. [S.l.]: University of Wisconsin Press. ISBN 0-299-17584-7 
  • Boztas, Senay (2009). «Interview: Frank Woodley - Candide laughter». Scotland on Sunday. Consultado em 14 de novembro de 2009 
  • Braun, Theodore E. D. (março 1988). «Teaching Candide— A Debate». The French Review. 61 (4): 569–571 
  • Britannica (2008). «Great Books of the Western World: A Collection of the Greatest Writings in Western History» (PDF). Britannica. Consultado em 22 de junho de 2008 
  • Broome, J. H. (1960). «Voltaire and Fougeret de Monbron a "Candide" Problem Reconsidered». The Modern Language Review. 55 (4): 509–518. doi:10.2307/3721375 
  • Burns, Jennefer (outubro 2000). «Telling tales about 'Impegno': Commitment and hindsight in Vittorini and Calvino». The Modern Language Review. 95 (4): 992. doi:10.2307/3736629. Gale Document Number:A80191130 
  • Crocker, Lester G. (Outono 1971). «Professor Wolper's Interpretation of Candide». Eighteenth-Century Studies. 5 (1): 145–156 
  • Davidson, Ian (11 de janeiro de 2005). Voltaire in Exile. New York: Grove Press. p. 53. ISBN 0-8021-1791-0 
  • Dawson, Deidre (1 de janeiro de 1986). «In Search of the Real Pangloss: The Correspondence of Voltaire with the Duchess of Saxe-Gotha». Yale French Studies (71 Men/Women of Letters): 93. doi:10.2307/2930024. ISSN 0044-0078 
  • Gopnik, Adam (2005). «Voltaire's Garden». Conde Nast Publications. New Yorker. 81 (3) 
  • Haight, Anne Lyon (1970). Banned Books: Informal Notes on Some Books Banned for Various Reasons at Various Times and in Various Places. New Yorker. [S.l.]: R. R. Bowker. ISBN 835202046 Verifique |isbn= (ajuda) 
  • Havens, George R. (abril 1932). «The Composition of Voltaire's Candide». Modern Language Notes. 47 (4): 225. doi:10.2307/2913581 
  • Havens, George R. (maio 1973). «Some Notes on Candide». Modern Language Notes. 88 (4, French Issue): 841–847 
  • Hitchins, Keith (Verão/Outono 2002). «Le voyage de Candide à Istanbul». World Literature Today. 76 (3/4). EBSCO Accession Number 9209009  Verifique data em: |data= (ajuda)
  • Hobbs, Perry (2 de abril de 1930). «Dirty Hands: A Federal Customs Official Looks at Art». The New Republic 
  • Kamrath, Mark L. (1991). «Brown and the Enlightenment: A study of the influence of Voltaire's Candide in Edgar Huntly». The American Transcendental Quarterly. 5 (1) 
  • Leister, Elizabeth Cooney (1985). Voltaire's Candide. Col: Barron's book notes. Woodbury, New York: Barron's Educational Series, Inc. ISBN 0-8120-3505-4 
  • Malandain, Pierre (1989). Voltaire: Candide ou L'Optimisme et autres contes. [S.l.]: Pocket. ISBN 2-266-08266-3 
  • Mason, H. T. (janeiro 1970). «Voltaire's "Contes": An "État Présent"». The Modern Language Review. 65 (1): 19–35. doi:10.2307/3722784 
  • Mason, Haydn (1992). Candide: Optimism Demolished. Col: Twayne's Masterwork Studies. New York City: Twayne Publishers. ISBN 0-8057-8085-8 
  • McGhee, Dorothy M. (1943). The "Conte Philosophique" Bridging a Century. PMLA. 58. [S.l.]: Modern Language Association. pp. 438–449. Consultado em 2 de julho de 2008 
  • Means, Richard (2006). Voltaire: Background and Early Writing. [S.l.]: Great Neck Publishing. ISBN 1-4298-06654-0; EBSCOhost Accession Number: 19358655 Verifique |isbn= (ajuda) 
  • Monty, Julie Anne. «Textualizing the Future: Godard, Rochefort, Beckett and Dystopian Discourse» (PDF). The University of Texas at Austin. Consultado em 5 de julho de 2008 
  • Morrison, Ian R. (janeiro 2002). «Leonardo Sciascia's Candido and Voltaire's Candide». Modern Language Review. 97 (1): 59. doi:10.2307/3735619. EBSCO Accession Number 6388910 
  • Oxford Color French Dictionary Plus. New York: Oxford University Press Inc. 2004. p. 42. ISBN 0-19-860898-5 
  • Peyser, Joan (1987). Bernstein, a biography. New York: Beech Tree Books. ISBN 0-688-04918-4 
  • Radner, Daisie (outubro 1998). «Optimality in biology: Pangloss or Leibniz?». Monist. 81 (4). EBSCO Accession Number 1713757 
  • Rouillard, C. D. (novembro 1962). «Review of "Voltaire and Candide: A Study in the Fusion of History, Art and Philosophy"». Modern Philology. 60 (2): 145–149. doi:10.1086/389529 
  • Scherr, Arthur (Primavera 1993). «Voltaire's 'Candide': a tale of women's equality». The Midwest Quarterly. 34 (3): 261–282. Thomson Gale Document Number A13877067 
  • Silva, Edward T. (1974). «From Candide to Candy: Love's Labor Lost». Journal of Popular Culture. 8: 783–791. doi:10.1111/j.0022-3840.1975.00783.x. ISSN 0022-3840. EBSCO Accession Number 1975201832 
  • Smollett, Tobias (2008). «Candide». Wikisource, The Free Library. Consultado em 29 de maio de 2008 
  • Starobinski, Jean (Verão 1976). «Sur le Style Philosophique de Candide». Comparative Literature. 28 (3) 
  • Taylor, O. R.; Vercruysse, Jeroom (1979). «Review: Les Éditions encadrées des Œuvres de Voltaire de 1775». The Modern Language Review. 74 (1): 207. doi:10.2307/3726968 
  • Torrey, Norman L. (novembro 1929). «The Date of Composition of Candide, and Voltaire's Corrections». Modern Language Notes. 44 (7): 446. doi:10.2307/2913558 
  • Voltaire (1931) [1759]. Morize, André, ed. Candide: ou, L'optimisme; édition critique avec une introd. et un commentaire par André Morize. Paris: [s.n.] 
  • Voltaire ; translated by Lowell Bair ; with an appreciation by Andre Maurois ; illustrations by Sheilah Beckett. (1959) [1759]. Bair, Lowell, ed. Candide. New York: Bantam Dell. ISBN 0-553-21166-8  |last= e |author= redundantes (ajuda)
  • Wade, Ira O. (outubro 1956). «The La Vallière MS of Candide». The French Review. 30 (1) 
  • Wade, Ira O. (15 de fevereiro de 1957). «A Manuscript of Voltaire's "Candide"». Proceedings of the American Philosophical Society. 101 (1) 
  • Wade, Ira O. (1959a). «The First Edition of Candide: A Problem of Identification». The Princeton University Library Chronicle. 20 (2) 
  • Wade, Ira O. (1959b). Voltaire and Candide: A Study in the Fusion of History, Art, and Philosophy. Princeton, New Jersey: Princeton University Press. ISBN 0-8046-1688-4. Library of Congress number 59-11085 
  • Waldinger, Renée (1987). Approaches to Teaching Voltaire's Candide. New York: The Modern Language Association of America. ISBN 0-87352-503-5 
  • Walsh, Thomas (2001). Readings on Candide. Col: Literary Companion to World Literature. San Diego, CA: Greenhaven Press. ISBN 0-7377-0362-8 
  • Williams, David (1997). Voltaire, Candide. Spain: Grand & Cutler Ltd. ISBN 0-7293-0395-0 
  • Wolper, Roy S. (Inverno 1969). «Candide, Gull in the Garden?». Eighteenth-Century Studies. 3 (2): 265–277. doi:10.2307/2737575 
  • Wootton, David (2000). Candide and Related Texts. [S.l.]: Hackett Publishing Company, Inc. ISBN 0-87220-547-9