Cânion de Xingó

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cânion de Xingó
Foto feita por drone mostrando os Cânions do Xingó (ou do Rio São Francisco).
País(es)  Brasil

O Cânion de Xingó[1] é um cânion brasileiro[2] considerado o quinto maior cânion navegável do mundo,[3] além de ser um dos maiores cânions no Brasil.[4] Localizado no nordeste,[5] esses são os Cânions do Rio São Francisco,[6] ou também como é conhecido, os Cânions do Xingó,[7] já que são o principal atrativo turístico do complexo Xingó, que integra nas águas do Rio São Francisco os Estados de Sergipe, Alagoas e Bahia.[8] O nome do cânion se deve ao Rio Xingó, um dos inúmeros braços do Velho Chico.[9] A ficção ajudou a divulgar ainda mais a área depois que ela foi utilizada para filmagem de parte das novelas Cordel Encantado e Velho Chico, da Rede Globo.[10] Até então, a região era famosa por ter sido um refúgio de Lampião e seu bando - e local da emboscada onde o rei do cangaço e Maria Bonita foram exterminados.[11]

O cânion[editar | editar código-fonte]

O Cânion de Xingó é formado por um vale profundo, com 65 quilômetros de extensão, 170 metros de profundidade e largura que varia de 50 a 300 metros.[12]

Há algumas décadas atrás a região do cânion era seca e coberta pela caatinga. Mas no ano de 1994, quando as águas do Rio São Francisco foram represadas para construção da Usina Hidrelétrica de Xingó, o cenário mudou. O leito do rio subiu quase cem metros[13] e deu origem ao 5º maior cânion navegável do mundo.[14]

Vista da Usina Hidrelétrica de Xingó. A navegabilidade nos cânions do Xingó (ou do Rio São Francisco) se deve a sua construção, já que houve um represamento enorme do rio. Com a inundação e formação do grande lago, que serve de reservatório para a usina, os cânions de Xingó tornaram-se um atrativo turístico para essa região.

Antes da construção da usina, o rio São Francisco não era navegável em alguns pontos da região porque só tinha cerca de 20 metros de profundidade e possuia muitas ilhas na localidade.[15] Foi a construção da Hidrelétrica de Xingó que alagou todo o vale - e fez a cidade de Canindé de São Francisco se mudar para o alto da colina.[16]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome do cânion se deve ao Rio Xingó, um dos inúmeros braços do Velho Chico.[17] E Xingó significa “água que corre entre pedras” para os índios.[18]

Localização[editar | editar código-fonte]

Em pleno sertão nordestino,[19] os cânions do Rio São Francisco fazem parte da unidade de conservação, que é de proteção integral da natureza e está localizada na divisa entre os estados de Alagoas, da Bahia e de Sergipe, com território distribuído pelos municípios de Canindé de São Francisco, Delmiro Gouveia, Olho d'Água do Casado, Paulo Afonso e Piranhas.[20]

História[editar | editar código-fonte]

Segundo estudos geológicos, o local era o fundo do mar há mais ou menos uns 65 milhões de anos atrás. Com a divisão então das placas tectônicas, uma regrediu para onde se encontra hoje e deixou uma fenda aberta.[21] Ali a erosão formou grandes cânions, que são pano de fundo para viagens de barco.[22]

A navegação pelo Rio São Francisco na região do Cânion de Xingó mostra a imponência das formações rochosas causadas pela era do gelo. A paisagem é fruto de milhões de anos de erosão e modificações do relevo ao longo do tempo, formando verdadeiros paredões naturais que foram formados lentamente ao longo do passar das eras geológicas da Terra.

No cânion, as rochas de 50 m de altura, que possuem cerca de 60 mil anos,[23] ainda guardam vestígios dos primeiros habitantes do local, que viveram lá há mais de oito mil anos atrás, como pinturas rupestres e fragmentos de cerâmica.[24] Elas podem ser visitadas no Museu de Arqueologia de Xingó (MAX).[25]

Fachada do prédio do Museu de Arqueologia de Xingó, no município de Canindé de São Francisco, estado de Sergipe. Criado no ano 2000 com a missão de pesquisar, preservar e expor o patrimônio arqueológico de Xingó, o museu oferece um rico acervo de peças arqueológicas que conta um pouco da história da região.

Caracterização da área[editar | editar código-fonte]

Relevo[editar | editar código-fonte]

Vista de formações rochosas do Cânion do Xingó. Os extensos paredões dessa região foram formados por processos erosivos.

O cânion de São Francisco apresenta encostas com diversas formas de relevo formadas pela ação erosiva da água e dos ventos.[26]

Paredão de rochas alaranjadas que compõe o Canion do Xingó. Foto produzida num passeio de barco que teve como ponto de partida a cidade de Canindé em Sergipe, adentrando o estado de Alagoas.

As rochas das encostas chegam a ter 50 m de altura[27] e são do tipo magmáticas e metamorficas, de granito, nas cores vermelha e cinza.[28]

Paisagem com paredões de rochas areníticas na região do Cânion do Xingó, entre Piranhas-AL e Canindé de São Francisco-SE.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O Cânion fica ao redor de um lago formado pelas águas esverdeadas do Rio São Francisco, que foi represado para a construção da hidrelétrica de Xingó.[29]

De Paulo Afonso a Canindé de São Francisco a navegação é feita pelo cânion do São Francisco, até a Usina Hidrelétrica de Xingó.

O lago tem 65 quilômetros de extensão, indo de Xingó até Paulo Afonso, na Bahia.[30]

Foto panorâmica do lago de Xingó, vista de um restaurante em Piranhas, Alagoas.

O rio Xingó é um dos inúmeros braços do Velho Chico, já na parte alagoana.[31]

Com algumas localidades passando dos 100 metros de profundidade, o Rio São Francisco, popularmente conhecido como 'Velho Chico', demonstra ao turista sua majestade entre os cânions.

Fauna e Flora[editar | editar código-fonte]

A fauna é rica e variada pelas inúmeras espécies de répteis, aves e insetos, que completam o cenário, transformando o Cânion numa das maiores riquezas do Brasil.[32] Nos trechos onde as rochas têm fendas, é comum ver morcegos que ficam ouriçados procurando frutinhas e insetos.[33]

Entre os cânions, no Rio São Francisco, o cenário é propício para uma paisagem peculiar, onde a natureza não tem intervenção do homem.

Às belezas naturais são abundantes, já que uma flora rica em diversidade e belezas se combina com uma localização geográfica privilegiada.[34]

A vegetação presente na área dos Cânions do Xingó (ou do Rio São Francisco) apresenta diversidade florística.

O cenário é formado pela vegetação de caatinga, típica da região, com exemplares de xique-xique, mandacaru, faxeiro e bromélias.[35]

O Cânion de Xingó está localizado em uma região com vegetação de caatinga que sofre influência do rio São Francisco.

Turismo[editar | editar código-fonte]

O Canion do Xingó (ou do Rio São Francisco), que hoje é incluído no mapa turístico do brasil como um destino ecoturístico de grande atração para o turismo,[36] é um dos principais pontos turísticos nacionais[37] e atrai turistas de todos os cantos do mundo.[38] A maioria dos turistas que visitam o local ainda é de brasileiros, mas alguns grupos de estrangeiros começam a chegar a essa parte do nordeste Brasileiro.[39]

Trecho do Cânion de Xingó, na divisa dos estados de Alagoas e Sergipe, muito apreciado por banhistas.

A localização estratégica da região, próximo de importantes capitais nordestinas como Aracaju, Maceió e Salvador,[40] já que o complexo onde esse atrativo está situado, compreende os estados de Sergipe, Alagoas e Bahia,[41] faz com que receba milhares de turistas na alta temporada.[42] Diariamente, cerca de 1,5 mil turistas de diversos pontos do país realizam o passeio ao Cânion do Xingó (ou do Rio São Francisco).[43]

Passeio de Catamarã pela região do Cânion de Xingó.

Para visitá-lo, os turistas podem contratar passeios de catamarã feitos por empresas localizadas próximas das cidades de Canindé de São Francisco (SE) ou Piranhas (AL).[44] Contudo, existem outras opções para fazer o tour,[45] já que o passeio de catamarã é outra boa atração a partir de Paulo Afonso, na Bahia.[46] Lá, o turista tem a oportunidade de aproveitar a paisagem natural e terminar o tour com um mergulho pelo cânion.[47]

Passeios saem também de mais dois pontos em Alagoas: restaurante Castanho, em Delmiro Gouveia,[48] e Prainha da Dulce, em Olho d’Água,[49] cidade alagoana que está ao lado de Piranhas. De lá saem lanchas e barcos menores que fazem um passeio ainda mais interessante, passando pelos cânions e pela Gruta do Talhado, mas também pelo Vale dos Mestres, que não entra no roteiro das grandes embarcações.[50]

Passeio pelo Cânion do Rio São Francisco partindo de Olho d'Água do Casado, no estado de Alagoas.

Principais acessos[editar | editar código-fonte]

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Cânion de Xingó atrai turistas para Canindé de São Francisco». g1.globo.com. Consultado em 10 de dezembro de 2019 
  2. «Brasil tem grande diversidade de cânions para ser explorada». g1.globo.com. Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  3. «Sertão de Sergipe abriga um dos maiores cânions navegáveis do mundo». www.uol.com.br. Consultado em 24 de dezembro de 2019 
  4. «Os 9 Maiores Cânions no Brasil». www.bolsadeviagem.com.br. Consultado em 24 de dezembro de 2019 
  5. «Os cânions do Xingó são ótimas atrações turísticas para se refrescar no calor do Nordeste». www.hojeemdia.com.br. Consultado em 10 de dezembro de 2019 
  6. «Voamos nos Cânions do São Francisco! Olha só essas imagens». goldtrip.com.br. Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  7. «Conheça os 8 Melhores Cânions Para Quem Ama Aventura e Altura!». www.transportal.com.br. Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  8. «Cânion do Xingó é destaque no sertão do "Velho Chico"». www.tribunapr.com.br. Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  9. «Cânion do Xingó, a bela paisagem do sertão nordestino». viajanteemserie.com.br. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  10. «Um mergulho nos cânions do Velho Chico». jc.ne10.uol.com.br. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  11. «Cânion do Xingó: vá, mas fique». viagem.estadao.com.br. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  12. «Passeio pelo Rio São Francisco é atração no Cânion de Xingó». g1.globo.com. Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  13. «Cânion do Xingó é paraíso que fica no meio do sertão sergipano». g1.globo.com. Consultado em 10 de dezembro de 2019 
  14. «Cânion de Xingó atrai turistas para Canindé de São Francisco». g1.globo.com. Consultado em 10 de dezembro de 2019 
  15. «Cânion do Xingó, santuário no sertão nordestino». www.territorios.com.br. Consultado em 20 de dezembro de 2019 
  16. «Cânion do Xingó: vá, mas fique». viagem.estadao.com.br. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  17. «Cânion do Xingó, a bela paisagem do sertão nordestino». viajanteemserie.com.br. Consultado em 2 de janeiro de 2020 
  18. «Navegar no rio São Francisco é inesquecível: paz, cânions e água verde o tornam mágico». www.vix.com. Consultado em 2 de janeiro de 2020 
  19. «Cânion do Xingó, a bela paisagem do sertão nordestino». viajanteemserie.com.br. Consultado em 5 de janeiro de 2020 
  20. «Crianças vivem dia de lazer nos cânions do São Francisco». www.icmbio.gov.br. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  21. «Cânion do Xingó é um paraíso no meio do sertão sergipano». globoplay.globo.com. Consultado em 20 de novembro de 2019 
  22. «Velho Chico forma praia em cidade histórica do sertão alagoano». www.terra.com.br. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  23. «Sertão de Sergipe abriga um dos maiores cânions navegáveis do mundo». www.uol.com.br. Consultado em 21 de novembro de 2019 
  24. «Canion de Xingó entre as 10 maravilhas para conhecer antes de morrer». www.jornaldacidade.net. Consultado em 20 de novembro de 2019 
  25. «Sertão de Sergipe abriga um dos maiores cânions navegáveis do mundo». www.uol.com.br. Consultado em 21 de novembro de 2019 
  26. «Governador inaugura Terminal Rodoviário em Canindé de São Francisco». itnet.com.br. Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  27. «No sertão, cânion transmite sensação de alma lavada». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 20 de novembro de 2019 
  28. «Canyons do Rio São Francisco - Atrativo Turistico». acertepauloafonso.com.br. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  29. «Cânion do Xingó atrai turistas para o Sertão». g1.globo.com. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  30. «Os cânions do Xingó são ótimas atrações turísticas para se refrescar no calor do Nordeste». www.hojeemdia.com.br. Consultado em 23 de novembro de 2019 
  31. «Cânion do Xingó: Como visitar e Fazer o Passeio de Barco (SE ou AL)». vidacigana.com. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  32. «Cânion do Xingó». guiadolitoral.uol.com.br. Consultado em 20 de novembro de 2019 
  33. «Cânions do Rio São Francisco ficam na memória». www.tribunapr.com.br. Consultado em 20 de novembro de 2019 
  34. «Veja as Maravilhas que te Espera em Canindé de São Francisco !». www.transportal.com.br. Consultado em 15 de dezembro de 2019 
  35. «vc repórter: Cânion do Xingó atrai fãs do turismo ecológico para o Sergipe». www.terra.com.br. Consultado em 20 de novembro de 2019 
  36. «Cânion do Xingó». www.ecoturismonobrasil.com.br. Consultado em 20 de dezembro de 2019 
  37. «Conheça os principais Cânions do Brasil». amp.ocp.news. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  38. «8 cânions que toda alma aventureira precisa desbravar pelo Brasil». amp.guiadasemana.com.br. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  39. «Cânion do Xingó: uma natureza radical». ambientes.ambientebrasil.com.br. Consultado em 20 de dezembro de 2019 
  40. «CÂNION DO XINGÓ: UM TESOURO NO SERTÃO NORDESTINO». bemvindosabordo.com.br. Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  41. «CÂNION DO XINGÓ: UM PASSEIO IMPERDÍVEL PARA QUEM ESTIVER NA REGIÃO!». dicas.morrodesaopaulocatamara.com. Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  42. «No sertão sergipano, a grandiosidade da paisagem convida a um belo passeio». www.correiodoestado.com.br. Consultado em 20 de novembro de 2019 
  43. «Cânion do Xingó é paraíso que fica no sertão de Sergipe». www.bahia.ws. Consultado em 20 de novembro de 2019 
  44. «Cinco cânions para conhecer no Brasil, do Rio Grande do Sul a Alagoas». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 10 de dezembro de 2019 
  45. «Passeio de barco pelo Cânion do Xingó». partiupelomundo.com. Consultado em 20 de dezembro de 2019 
  46. «Passeio de Catamarã no Rio São Francisco». www.pauloafonso.ba.gov.br. Consultado em 17 de janeiro de 2020 
  47. «Paulo Afonso, destino para quem quer sair da rota de praias na Bahia». gauchazh.clicrbs.com.br. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  48. «PASSEIO DE BARCO AO CÂNION DO XINGÓ (RIO SÃO FRANCISCO)». m.feriasbrasil.com.br. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  49. «Passeios em Sergipe: Nozestur consolida-se como o maior receptivo do estado». www.qualviagem.com.br. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  50. «Cânion do Xingó: como chegar, quando ir e outras dicas». www.360meridianos.com. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  51. «Como chegar ao Xingó (e combinar com a Foz do Rio São Francisco)». www.viajenaviagem.com. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  52. «Piranhas Alagoas, cidade referência do cangaço». viajanteemserie.com.br. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  53. «Cânion do Xingó, a bela paisagem do sertão nordestino». viajanteemserie.com.br. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  54. «Piranhas, Alagoas: o que fazer na cidade que virou referência para a história do cangaço». www.matraqueando.com.br. Consultado em 1 de janeiro de 2020