Célia Helena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Fevereiro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Célia Helena
Nome completo Célia Camargo Silva
Nascimento 13 de março de 1936
São Paulo, SP
Morte 29 de março de 1997 (61 anos)
São Paulo, SP
Ocupação atriz, diretora de teatro
IMDb: (inglês)

Célia Camargo Silva, mais conhecida como Célia Helena (São Paulo,13 de março de 1936 — São Paulo, 29 de março de 1997), foi uma atriz e diretora de teatro brasileira.

Popular por seu trabalho como atriz em televisão e cinema, foi no teatro paulistano que consolidou sua carreira, atuando ao lado de atores como Paulo Autran e Cacilda Becker. Célia Helena foi uma atriz de carreira teatral sólida, reconhecida e consistente, fazendo parte da história do teatro brasileiro ao participar ativamente das bases que influenciariam a prática cênica até o período contemporâneo: o Teatro de Arena, o Oficina, o Teatro Cacilda Becker, a Cia. Rubens de Falco, entre outros. Além disso, formou toda uma geração de artistas em sua escola, na qual fazia questão de dar atenção dedicada a todos os alunos.

Fundou o Teatro Escola Célia Helena, em São Paulo no ano de 1977. A Escola Célia Helena, um dos mais tradicionais centros de formação de atores do país, se transforma em Escola Superior de Artes Célia Helena em 2008[1], contando atualmente com cursos de pós-graduação.

Célia morreu dias depois de completar 61 anos, no Hospital Albert Einstein, onde estava internada desde 6 de março para uma cirurgia de um câncer raro, que ataca as paredes dos vasos sanguíneos.[2]

É mãe de Elisa, com Ruy Ohtake, e da atriz Lígia Cortez, com Raul Cortez. Ela era espírita.[2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Na televisão[editar | editar código-fonte]

No cinema[editar | editar código-fonte]

No teatro [5][editar | editar código-fonte]

  • 1953 - Inimigos Íntimos - TBC (Rio de Janeiro)
  • 1955 - OsTrês Maridos de Madame - Teatro Leopoldo Fróes
  • 1955 - O Prazer da Honestidade - Teatro de Arena
  • 1955 - A Ilha dos Papagaios - Teatro Maria Della Costa
  • 1956 - Não te Assusta Zacharias! - Teatro Maria Della Costa e viagem ao RS
  • 1957 - Tragédia para Rir - Teatro da Federação Paulista de Futebol
  • 1957 - Quando Éramos Casados
  • 1958 - Matar - TBC
  • 1958 - Do Outro Lado da Rua - TBC
  • 1958 - O Marido Confundido - TBC
  • 1959 - Com o Teatro Cacilda Becker, no Brasil e em Portugal, participou das produções: Os Perigos da Pureza, Maria Stuart, A Dama das Camélias, O Auto da Compadecida, O Santo e a Porca, Santa Martha Fabril S.A.
  • 1960 - Boca de Ouro - Teatro da Federação Paulista de Futebol
  • 1961 - A Vida Impressa em Dólar - Teatro Oficina
  • 1961 - José do Parto à Sepultura - Teatro Oficina
  • 1962 - Um Bonde Chamado Desejo - Teatro Oficina
  • 1962 - Todo Anjo é Terrível - Teatro Oficina
  • 1963 - Os Pequenos Burgueses - Teatro Oficina
  • 1964 - Andorra - Teatro Oficina
  • 1964 - Quatro num Quarto - Teatro Oficina
  • 1964 - Festival de Atlântida - com o repertório do Teatro Oficina
  • 1965 - Os Inimigos - Teatro Oficina
  • 1967 - O Estado Militarista, ou A Saída, Onde Fica a Saída? - Teatro Opinião, RJ
  • 1967 - Círculo de Giz Caucasiano - Teatro de Arena
  • 1968 - Um Dia na Morte de Joe Egg - Teatro Bela Vista
  • 1968 - As Moças - Teatro Cacilda Becker
  • 1968 - O Clube da Fossa - TBC
  • 1969/70 - O Balcão - Teatro Ruth Escobar
  • 1972 - Panorama Visto da Ponte - Teatro Cacilda Becker
  • 1972 - Sambão Didático - Projeto Monteiro Lobato, em escolas
  • 1973 - E Deus Criou a Varoa - Projeto Monteiro Lobato, em escolas
  • 1974/75 - Autos Sacramentais - Teatro Ruth Escobar e excursão à França, Irã e Itália
  • 1976 - Pano de Boca - Teatro Treze de Maio
  • 1976 - Sétima Morada - Teatro Ruth Escobar, escolas da Capital e do Estado, e igrejas
  • 1977 - Libel e a Sapateirinha - Teatro Célia Helena (inauguração, horário infantil)
  • 1977 - O Casamento de Natalina - Teatro Célia Helena (inauguração, horário adulto)
  • 1978 - A Missa do Vaqueiro - Teatro MEC-Funarte
  • 1980 - A Nonna - Teatro Anchieta
  • 1982 - Numa Nice - Teatro Anchieta
  • 1983 - Rock and Roll
  • 1984 - Oi Vento... Tudo Bem? - Teatro Célia Helena
  • 1988 - Pegando Fogo lá Fora - Teatro de Cultura Artística
  • 1990/91 - Os Pequenos Burgueses - Teatro Procópio Ferreira e teatros estaduais do Brasil
  • 1991 - Laços Eternos - Teatro Ruth Escobar
  • 1992 - Luar em Preto e Branco - Teatro Hilton

Prêmios[editar | editar código-fonte]

1964

  • Melhor Atriz - Festival de Atlântida
  • Prêmio Governador do Estado e Prêmio APCA (Ass. Paulista de Críticos de Arte) por Quatro num Quarto, de Valentin Kataiev

1968

  • Prêmio Governador do Estado e Prêmio APCA por As Moças, de Isabel Câmara

1969

  • Prêmio Governador do Estado e Prêmio APCA por O Balcão, de Jean Genet

1976

  • Prêmio Molière e Prêmio APCT (Ass. Paulista de Críticos de Teatro) por Pano de Boca, de Fauzi Arap

1986

  • Prêmio Mambembe, Prêmio APCA, Prêmio APETESP e Prêmio Governador do Estado por Pedro e o Lobo

Referências

  1. Escola Superior de Artes Célia Helena
  2. a b «Célia Helena morre de câncer em São Paulo». Folha de S. Paulo. 30/3/1997. Consultado em 19/08/2012. 
  3. Cinemateca Brasileira, Fatalidade [em linha]
  4. Cinemateca Brasileira, Das Tripas Coração [em linha]
  5. LICIA, Nydia (2010). Célia Helena Uma Atriz Visceral (São Paulo: Imprensa Oficial). pp. 134–135, 139, e 143. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.