Cérebro de Matrioska

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Cérebro de Matriosca ou cérebro de matrioska é uma hipotética megaestrutura proposta por Robert Bradbury, baseada na Esfera de Dyson, um computador de capacidade imensa. É um exemplo de gerador de energia de classe II proposto na Escala de Kardashev, utilizando quase toda a energia luminosa e térmica de uma estrela para fazer funcionar sistemas computacionais.[1] Este conceito deriva das bonecas russas matrioscas.[2] O conceito foi desenvolvido por Bradbury na antologia Year Million: Science at the Far Edge of Knowledge[3]e atraiu o interesse de repórteres do Los Angeles Times e do Wall Street Jornal.[4]

Conceito[editar | editar código-fonte]

O termo "cérebro de matriosca" foi inventando por Robert Bradbury como uma alternativa ao "Cérebro de Júpiter" — um conceito similar ao cérebro de matriosca, mas otimizada para pequena escalas planetária para que se tenha um mínimo atraso na propagação da informação. Um cérebro de matriosca foi desenhado para utilizar o máximo possível de energia extraída de sua fonte primária, uma estrela, enquanto um cérebro de Júpiter é mais otimizado visando velocidade computacional.[5]

Possibilidades de usos[editar | editar código-fonte]

Algumas possibilidades de uso de uma fonte de imensa capacidade computacional têm sido propostas. Uma idéia sugerida por Charles Stross, em sua novela Accelerando, poderia ser usada para simular perfeitamente mentes humanas em realidade virtual, transferindo mentes humanas para o cérebro de matriosca. Stross ainda sugere que um computador como este seria suficiente poderoso para lançar um ataque e manipular as estruturas do universo em si (espaço e tempo, por exemplo).[6] Em Godplayers (2005), Damien Broderick assume que um cérebro de matriosca poderia simular diversos universos alternativos.[7] O futurologista e transumanista Anders Sandberg escreve um ensaio especulando as implicações da computação em massiva escala de máquinas como o cérebro de matriosca, publicado pelo Institute for Ethics and Emerging Technologies.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Bradbury, Robert J. «Matrioshka Brain Home Page». Consultado em 28 de agosto de 2009 
  2. «Matrioshka Brains – Some Intermediate Stages in the Evolution of Life» (PDF). Department of Astronomy, University of Virginia. Consultado em 28 de agosto de 2009 
  3. Levy, Brett (26 de agosto de 2008). «Book Review: 'Year Million: Science at the Far Edge of Knowledge,' edited by Damien Broderick». Los Angeles Times. Consultado em 28 de agosto de 2009 
  4. Horgan, John (13 de junho de 2008). «The Shape of Things to Come (review of Year Million)». The Wall Street Journal. Consultado em 28 de agosto de 2009 
  5. «Jupiter & Matrioshka Brains: History & References». Robert Bradbury. Consultado em 28 de agosto de 2009 
  6. Stross, Charles (2006). Accelerando. [S.l.]: Ace Books. ISBN 0-441-01415-1 
  7. Broderick, Damien (2005). Godplayers. [S.l.]: Thunder's Mouth. ISBN 1-56025-670-2 
  8. Sandberg, Anders (22 de dezembro de 1999). «The physics of information processing superobjects: Daily life among the Jupiter brain» (PDF). Institute for Ethics and Emerging Technologies. Journal of Evolution & Technology. 5 (1). Consultado em 28 de agosto de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]