Cícero Dias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Cícero Dias
Nome completo Cícero dos Santos Dias
Nascimento 5 de março de 1907
Escada, PE
Brasil
Morte 28 de janeiro de 2003 (95 anos)
Paris, Île-de-France
França
Área pintura, desenho, ilustração, cenografia
Movimento(s) modernismo

Cícero dos Santos Dias (Escada, 5 de março de 1907Paris, 28 de janeiro de 2003) foi um pintor do modernismo brasileiro.[1][2][3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Escada, Pernambuco, foi o sétimo dos onze filhos do casal Pedro dos Santos Dias e Maria Gentil de Barros Dias, e passou a infância num engenho de sua cidade de origem, na Zona da Mata pernambucana. Em 1920, com treze anos, foi para o Rio de Janeiro. Entre os anos de 1925 e 1927, Cícero conheceu os modernistas e estudou pintura.

Em 1927, realizou sua primeira exposição individual, no Rio de Janeiro e, em 1928, abandonou a Escola de Belas Artes, passando a dedicar-se exclusivamente à pintura.

Em 1937, executou o cenário do balé de Serge Lifar e Villa Lobos, expôs em coletiva de modernos em Nova Iorque e viajou a Paris, onde se fixou definitivamente. Em Paris, tornou-se amigo de Picasso, do poeta Paul Éluard, e entrou em contato com o surrealismo. Durante a ocupação da França foi feito prisioneiro dos alemães.

Em 1943, participou do Salão de Arte Moderna de Lisboa, onde obteve premiação e, em 1945, voltou a Paris e ligou-se ao grupo dos abstratos. Nesse mesmo ano, expõe em Londres, na Unesco em Paris e em Amsterdam.

O ano de 1948 marcou uma atividade mais intensa no Brasil, com Cícero interessando-se sobretudo por murais. Em 1949, compareceu à Exposição de Arte Mural, em Avinhão, na França. Em 1950 participou da Bienal de Veneza. Em 1965, a Bienal de Veneza realizou uma exposição retrospectiva de quarenta anos de pintura de Cícero Dias. Em 1970, realizou individuais no Recife, Rio de Janeiro e em São Paulo. Em 1981, o MAM realizou uma retrospectiva de sua obra.

Volta com maior intensidade à pintura figurativa na década de 1960, como ocorre em O Noivo. Permanecem em seus quadros o clima de sonho e os elementos recorrentes: mulheres, casarios, folhagens, sendo constante a presença do mar como ocorre no quadro A Noiva.

Em 2000, inaugurou a Praça do Marco Zero, projetada por ele mesmo, em Recife. O local rapidamente se tornou um símbolo da capital pernambucana, por ter em seu solo uma rosa dos ventos desenhada por Cícero Dias e o marco zero das distâncias do estado de Pernambuco no centro do desenho.

Em fevereiro de 2002, Cícero Dias esteve novamente na capital pernambucana para o lançamento de um livro sobre sua trajetória artística e fez uma exposição na galeria Portal, em São Paulo.

Morreu em 28 de janeiro de 2003, em sua residência na Rue Long Champ, Paris. O Pintor morreu rodeado por sua esposa Raymonde, sua filha Sylvia e seus dois netos. Encontra-se sepultado no cemitério Montparnasse.

Em 2011 foi inaugurado em sua cidade natal, Escada, o museu Cícero Dias, que reúne obras do pintor e também de outros artistas locais, além de antiguidades como joias, moedas, cachimbos, mobília e porcelana.[4]

Em 2014 foi aprovada na Assembleia Legislativa de Pernambuco a Lei Estadual nº 15.286/14 que denomina a Unidade de Pronto Atendimento Especialidades (UPAE) do município de Escada "UPAE Cícero Dias".[5] A referida unidade de atendimento só foi inaugurada em agosto de 2022.[6]

Em 2016 foi lançado o documentário "Cícero Dias: o compadre de Picasso", de Vladimir Carvalho. O longa metragem foi exibido nos festivais É Tudo Verdade - Festival Internacional de Documentário 2016, 49º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro 2016 (Melhor Direção e Melhor roteiro), Festival de Cinema de Petrópolis 2016 (Filme de abertura) e FESTin Lisboa 2017.[7][8]

O Comitê Cícero Dias está preparando o Catalogue Raisonné da obra de Cícero Dias, desenho e pintura.

Lugares que contam a história do pintor[editar | editar código-fonte]

Vitrine com obras no Museu Cícero Dias.jpg

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Cícero Dias - Fundação Joaquim Nabuco». Fundação Joaquim Nabuco. Consultado em 28 de abril de 2014 
  2. «Dias, Cicero (1907 - 2003)». Itaú Cultural. Consultado em 28 de abril de 2014 
  3. «Cícero Dias - Bolsa de Arte». Bolsa de Arte. Consultado em 28 de abril de 2014 
  4. Pernambuco, Diario de; Pernambuco, Diario de (18 de maio de 2021). «Museu Cícero Dias, em Escada, comemora 10 anos de fundação». Diario de Pernambuco. Consultado em 21 de fevereiro de 2022 
  5. «Alepe Legis - Portal da Legislação Estadual de Pernambuco». Alepe Legis - Portal da Legislação Estadual. Consultado em 21 de fevereiro de 2022 
  6. «Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco | Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco». portal.saude.pe.gov.br. Consultado em 7 de setembro de 2022 
  7. PE, Do G1 (17 de novembro de 2016). «Documentário sobre Cícero Dias é exibido no Cinema São Luiz, no Recife». Pernambuco. Consultado em 21 de fevereiro de 2022 
  8. «Cícero Dias, o Compadre de Picasso - Filme - Jangada». www.jangada.org. Consultado em 21 de fevereiro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]