Código Internacional de Ética Jornalística

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Código Internacional de Ética Jornalistica
Criado 1983
Ratificado 1983
Local de assinatura Paris
 França
Propósito Elenco de princípios éticos e morais norteadores e obrigatórios a serem observados por operadores do jornalismo no mundo.
Autoria UNESCO e associações de jornalistas do mundo inteiro
Signatários Associações mundial, continentais e nacionais de jornalistas.

O Código Internacional de Ética Jornalistica é um documento ético-deontológico que proclama os princípios internacionais da ética no jornalismo e que assegura que o dever supremo do jornalista é servir a causa do direito a uma informação verídica e autêntica através duma dedicação honesta à realidade objectiva e duma exposição responsável dos factos no seu devido contexto, destacando as suas relações essenciais e é um documento que tem o fim de orientar as formulações deontológicas a serem adotadas pelos códigos de ética jornalistica a nível de cada país.[1].

História[editar | editar código-fonte]

O documento foi aprovado em Paris no dia 20 de novembro de 1983, durante a realização da quarta reunião consultiva de organizações internacionais e regionais de jornalistas, cuja realização foi coordenada pela UNESCO[2][3].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [http://www.jornalistas.eu/?n=7998 Princípios Internacionais da Ética Profissional no Jornalismo – 1983. Sindicatos dos jornalistas. Página consultada em 16 de março de 2017.
  2. [http://ethicnet.uta.fi/international/international_principles_of_professional_ethics_in_journalism International Principles of Professional Ethics in journalism. ethicnet.uta.fi/. Acesso em 17 de maçrço de 2017(em inglês)
  3. MEYER, Philip. A Ética no Jornalismo: um guia para estudantes, profissionais e leitores. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1989

Bibliografia complementar[editar | editar código-fonte]

  • ELLIOTT, Deni. Jornalismo versus Privacidade. Rio de Janeiro, Nórdica, 1990.
  • ERBOLATO, Mário. Deontologia da Comunicação Social. Petrópolis, Vozes, 1982.
  • RIBEIRO, Alex. Caso Escola Base: os abusos da imprensa. São Paulo, Ática, 1995.
  • SANTOS, Reinaldo (organizador). A Ética na comunicação (textos dos códigos). Rio de Janeiro, Destaque, 1993.
  • SCHMUHL, Robert (organizador). As responsabilidades do jornalismo. Rio de Janeiro, Nórdica, 1985.
  • WALRAFF, Günter. Fábrica de mentiras. São Paulo, Globo, 1990.
Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.