Código dos Cânones das Igrejas Orientais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Código dos Cânones das Igrejas Orientais (em latim: Codex Canonum Ecclesiarum Orientalium,[1] CCEO abreviado) é o título da codificação de 1990 das partes comuns da Lei Canon para as 23 igrejas católicas orientais da Igreja Católica. É dividido em 30 títulos e possui um total de 1546 cânones.[2] A Igreja Latina ocidental é governada por seu próprio código de cânones, o Codex Iuris Canonici de 1983.

História da codificação[editar | editar código-fonte]

As 23 Igrejas sui iuris que compõem coletivamente as Igrejas Católicas Orientais foram convidadas pela Igreja Católica a codificar suas próprias leis particulares e submetê-las ao papa, para que possa haver um Código completo de todas as leis religiosas no Catolicismo. O Papa João Paulo II promulgou o Código dos Cânones das Igrejas Orientais em 18 de outubro de 1990, pelo documento Sacri Canones.[3] O Código entrou em vigor em 1 de outubro de 1991.[4]

Língua[editar | editar código-fonte]

A língua oficial do direito canônico comum a todas as igrejas católicas orientais (chamada "direito comum".[nota 1] é latim.[5] Embora o latim seja a língua da Igreja Latina e não das Igrejas Orientais, o latim foi escolhido como a língua de direito comum porque não existe uma língua comum em uso entre todas as Igrejas Católicas Orientais. Os membros destas igrejas usam uma diversidade de línguas, incluindo grego, árabe, romeno, malaio, inglês, francês, espanhol e português, mas nenhuma destas línguas poderia ser usada como língua de direito comum. O latim foi escolhido porque tem uma longa história de tradição legal e jurídica, e era adequado para servir como o texto comum a partir do qual se poderiam fazer traduções.

Emendas[editar | editar código-fonte]

Em 1998, o Papa João Paulo II publicou o motu proprio Ad Tuendam Fidem,[6] que alterou dois cânones (750 e 1371) do Código de Direito Canônico de 1983 e dois cânones (598 e 1436) do Código de Cânones das Igrejas Orientais. Igrejas, de modo a acrescentar "novas normas que impõem expressamente a obrigação de defender as verdades propostas de maneira definitiva pelo Magistério da Igreja e que também estabelecem sanções canônicas relacionadas".

Mitis et Misericors Iesus[editar | editar código-fonte]

Em 15 de agosto de 2015, o Papa Francisco publicou o motu proprio Mitis et Misericors Iesus, que alterou os cânones 1357-1377 do CCEO.[7] Ele reformou os procedimentos para os ensaios matriciais de nulidade e instituiu um processo mais breve.[8]

Títulos[editar | editar código-fonte]

O texto do CCEO está dividido em 31 seções, 30 títulos e uma seção de cânones preliminares.

Cânones preliminares[editar | editar código-fonte]

Os 6 cânones preliminares tratam do escopo e da continuidade, o que é afetado pelo CCEO e como a legislação e os costumes anteriores devem ser tratados.

Cânon. 1 O CCEO se refere unicamente às Igrejas Católicas Orientais, a menos que mencionado de outra forma.

Cânon. 2 O CCEO deve ser avaliado de acordo com as Leis Antigas das Igrejas Orientais.

Cânon. 3 O CCEO não "em grande parte legisla sobre questões litúrgicas" [9] e, portanto, os Livros Litúrgicos devem ser observados, a menos que contrário aos cânones do CCEO.

Cânon. 4) O CCEO não degrada nem revoga tratados/pactos firmados pela Santa Sé com nações/sociedades políticas. Portanto, eles ainda têm sua força, apesar de quaisquer prescrições do CCEO em contrário.

Os direitos e obrigações de todos os fiéis cristãos[editar | editar código-fonte]

Esta seção define os fiéis e catecúmenos cristãos.

Expressa que o povo de Deus tem a obrigação de: manter a fé e professar abertamente a fé, manter a comunhão, promover o crescimento da Igreja, ouvir os pastores, informar os pastores sobre suas opiniões sobre assuntos do bem da Igreja, chamar as associações privadas 'católicas' somente quando aprovadas pelo bispo, preservam a boa reputação e a privacidade de todas as pessoas, ajudam com as necessidades da Igreja e promovem a justiça social, inclusive fornecendo ajuda aos pobres com seus próprios recursos.

Também expressa vários direitos dos fiéis.

Os cânones nesta seção são numerados de 7 a 26.

Igrejas Sui Iuris e Ritos[editar | editar código-fonte]

Uma igreja sui iuris é "uma comunidade de fiéis cristãos, unida por uma hierarquia segundo a norma do direito e reconhecida expressa ou tacitamente como sui iuris pela autoridade suprema da Igreja" (CCEO.27). O termo sui iuris é uma inovação do CCEO (Codex Canonum Ecclesiarum Orientalium - Código dos Cânones das Igrejas Orientais) e denota a relativa autonomia das Igrejas Católicas Orientais. Este termo canônico, grávida de muitas nuances jurídicas, indica a missão dada por Deus das Igrejas Católicas Orientais de preservar a sua natureza patrimonial autônoma. A autonomia destas igrejas é relativa, no sentido em que estão sob a autoridade do bispo de Roma.[10][nota 2]

Segundo o CCEO, as Igrejas Católicas Orientais sui iuris são de 4 categorias:

1 Igrejas Patriarcais:

A igreja patriarcal é a forma adulta de uma Igreja Católica Oriental. É uma comunidade de fiéis cristãos unidos por uma hierarquia patriarcal. O patriarca, juntamente com o Sínodo dos Bispos, possui poderes legislativos, judiciais e administrativos no território eclesiástico, sem prejuízo dos poderes reservados, na lei comum ao papa (CCEO 55-150). Entre as igrejas orientais católicas, os seguintes detêm status patriarcal: maronita, caldeu, copta, siríaca, melquita e armênia.[12]

2) Principais igrejas arquiepiscopais:

As principais igrejas arquiepiscopais são aquelas igrejas orientais que são governadas pelos principais arcebispos, assistidas por um respectivo sínodo de bispos. Essas igrejas têm quase os mesmos direitos e obrigações das igrejas patriarcais. Um arcebispo maior é a metropolitana de  ; ele é escolhido pelo papa ou reconhecido por ele e preside toda uma igreja oriental sui iuris. O que é declarado na lei comum a respeito de igrejas ou patriarcas patriarcais é entendido como aplicável às principais igrejas arquiepiscopais ou principais arcebispos, a menos que a lei comum forneça expressamente o contrário ou o assunto seja óbvio. (CCEO.151, 152). As quatro principais igrejas arquiepiscopais são a siro-malabar, a bizantina ucraniana, a católica siro-malankara e a bizantina romena.[12]

3) Igrejas metropolitanas:

Esta é uma igreja que é governada por um "sui iuris" metropolitano. Tal igreja é presidida pelo metropolita de uma determinada sede que foi eleita canonicamente e confirmada pelo papa. Ele é assistido por um conselho de hierarquias, de acordo com as normas da lei (CCEO. 155§1). As igrejas metropolitanas católicas são a católica etíope, católica eritreia, bizantina húngara, bizantina eslovaca e a igreja católica rutena.[12]

4) Outras Igrejas:

Além das formas de igreja mencionadas acima, existem outras comunidades eclesiásticas que são confiadas a um hierarca que preside de acordo com as normas do direito canônico. (CCEO. 174). As seguintes igrejas católicas orientais têm esse status: grego bielorrusso, grego búlgaro, grego macedônio, grego bizantino, ítalo-albanês, igreja bizantina da Eparquia de Križvci, bizantino albanês e bizantino russo. No total, existem 22 igrejas sui iuris orientais dentro da comunhão católica.[12]

As Igrejas Patriarcais[editar | editar código-fonte]

Cúria Patriarcal (Cânones 114-125)[editar | editar código-fonte]

CÓPIA PATRIARCAL E MAIOR ARQUIEPISCOPAL:

Os bispos da cúria (máximo de três); Sínodo Permanente: Patriarca + 4 bispos (3 + 1) e 4 substitutos (Quasi - Patriarca Permanente do Sínodo + 2 bispos); Chanceler, vice-chanceler, notários, chancelaria; Oficial de Finanças Patriarcal (administrador dos bens da Igreja); Outros aspectos como arquivos, inventário, fontes financeiras de cúria; As comissões: pela liturgia, ecumenismo, catecismo, evangelização, preparação do Sínodo dos Bispos, preparação da Assembléia patriarcal, censura de livros e outras comissões sob a autoridade patriarcal; O Tribunal Ordinário O presidente, os juízes (9), os funcionários administrativos (auditores, promotor de justiça, defensor da fiança, notários, advogados, procuradores, peritos, intérpretes, etc.); Os órgãos ligados à cúria patriarcal: Todos os órgãos da igreja patriarcal que colaboram na administração da igreja patriarcal, incluindo o tribunal superior, moderador geral da administração da justiça, um grupo de bispos por recurso, procurador patriarcal em Roma, órgãos curiais romanos, cúria de outras igrejas patriarcais, etc. (no que diz respeito à cúria, é o mesmo para as igrejas patriarcais e principais arquiepiscopais) [nota 3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. This usage should not be confused with the common law civil legal system or with the jus commune.
  2. For a better understanding of the concept of church sui iuris see, Žužek, Understanding The Eastern Code, pp. 94–109. “Una Chiesa Orientale cattolica è una parte della Chiesa Universale che vive la fede in modo corrispondente ad una delle cinque grandi tradizioni orientali- Alessandrina, Antiochena, Costantinopolitina, Caldea, Armena- e che contiene o è almeno capace di contenere, come sue componenti minori, più comunità diocesane gerarchicamente riunite sotto la guida di un capo comune legittimamente eletto e in comunione con Roma, il quale con il proprio Sinodo costituisce la superiore istanza per tutti gli affari di carattere amministrativo, legislativo e giudiziario delle stesse Communità, nell'ambito del diritto comune a tutte le Chiese, determinato nei Canoni sanciti dai Concili Ecumenici o del Romano Pontefice, sempre preservando il diritto di quest'ultimo di intervenire nei singoli casi” pp. 103–104.[11][10] A rough translation of this may be rendered "An Eastern Catholic Church is on part of the Universal Church in which lives the faith in a corresponding manner to one of the five great Eastern Traditions - Alexandria, Antioch, Constantinople, Chalcedon, Armenian - and which contains or is capable of containing, as its small marts, more community specific diocesan rule and the guide of a legitimately elected head of the community and in Communion with Rome, in which, with its own Synod, constitutes the highest law for all those affairs of an administrative character, legislative and guiding of its own community, in the aim of the direction common to all the Church, determined in the Holy Canons of the Ecumenical Councils or of the Roman Pontiff, always preserving the direction of the latter in individual cases."
  3. Dr. Francis Eluvathingal, Patriarchal and Major Archiepiscopal Churches in the Eastern Catholic Legislations based on CCEO Canon 114-125.

Referências[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «CCEO - Table of Contents - IntraText CT». Intratext.com 
  2. Pete Vere & Michael Trueman, "Surprised by Canon Law, Vol. 2" (Cincinnati, Ohio: Servant Books, 2007); p. 123
  3. AAS82 (1990) pp. 1033-1063
  4. Thomas Kuzhinapurath, Salvific Law: Salvific Character of CCEO, An Historical Overview, Malankara Seminary Publications, Trivandrum, 2008, p.79
  5. John D. Faris, "Codifications of Eastern Canon Law", in A Practical Commentary to the Code of Canons of the Eastern Churches, ed. John D. Faris & Jobe Abbass, OFM Conv., cxxvi.
  6. «Ad Tuendam Fidem (18 May 1998) - John Paul II». Vatican.va 
  7. Apostolic Letter Motu Prioprio of the Supreme Pontiff Francis Mitis et Misericors Iesus by which the Canons of the Code of Canons of the Eastern Churches Pertaining to Cases Regarding the Nullity of Marriage are Reformed
  8. Vatican Radio, Pope Francis reforms Church law in marital nullity trials, accessed 6 May 2020.
  9. Code of Canons of Oriental Churchs. Èulogos SpA I IntraText Edition CT ed. [S.l.: s.n.] 1990 
  10. a b «Malankara Catholic Church sui iuris: Juridical Status and Power of Governance - Eastern Christianity - Religious Organizations». Scribd 
  11. «Österreichisches Archiv für Kirchenrecht». Herder. 8 July 1994. Consultado em 8 July 2018 – via Google Books  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  12. a b c d «The Unique Identity of the Syro-Malankara Catholic Church» 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Faris, John D. & Jobe Abbass, OFM Conv., Eds. Um comentário prático ao Código dos Cânones das Igrejas Orientais, 2 vols. Montreal: Librairie Wilson & Lafleur, 2019.
  • Panteleimon Rodopoulos. Uma visão geral do direito canônico ortodoxo . Editado por George Dion Dragas. Instituto de Pesquisa Ortodoxa, 2007.

Ligação externas[editar | editar código-fonte]