Cónica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela obra de Apolônio de Pergamo, veja As Cônicas.

Em geometria, cónicas (português europeu) ou cônicas (português brasileiro) são as curvas geradas ou encontradas, na intersecção de um plano que atravessa um cone.

Numa superfície afunilada, existem três tipos de cortes que podem ser obtidos por esse processo e que resultam na:

  1. Elipse, que é a cónica definida na interseção de um plano que atravessa a superfície de um cone;
  2. Parábola, que é a cónica também definida na intersecção de um plano que penetra a superfície de um cone;
  3. Hipérbole, que é a cónica definida na interseção de um plano que penetra num cone em paralelo ao seu eixo.

Secção cônica[editar | editar código-fonte]

É um corte em cones completos por meio de um plano paralelo, não-paralelo ou perpendicular ou a um plano de referência. Estas seções geram as curvas cônicas nas interseções da superfície do cone com os planos cortantes.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

As curvas cônicas tem aplicações práticas que fazem com que elas sejam utilizadas até hoje.

Elipse[editar | editar código-fonte]

A elipse encontrou bastante relevância na Astronomia, desde que Johannes Kepler estabeleceu que as órbitas dos planetas no sistema solar são elípticas. As propriedades elípticas também explicam o fenômeno que ocorre em câmaras de sussuro.

Hipérbole[editar | editar código-fonte]

As propriedades da hipérbole são utilizadas no método de navegação LORAN e na descrição da tragetória de uma partícula alfa sujeita ao campo elétrico de um núcleo atômico.

Parábola[editar | editar código-fonte]

A parábola tem propriedades que são aplicadas na produção de espelhos de faróis e de refletores de longo alcance, e no uso de refletores parabólicos para antenas parabólicas e microfones parabólicos

Ligações externas[editar | editar código-fonte]