CASA CN-235

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wiki letter w.svg
Por favor melhore este artigo, expandindo-o. Mais informação pode ser encontrada no artigo «CASA/IPTN CN-235» na Wikipédia em inglês e também na página de discussão. (junho de 2014)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.


CN-235
Um CASA CN-235M-100 da Força Aérea Espanhola
Descrição
País de origem Flag of Spain.svg Espanha
Fabricante CASA/IPTN
Produção 1983-presente
Quantidade
produzida
273 unidade(s)
Primeiro voo 11 de novembro de 1983 (31 anos)
Entrada em serviço 1 de março de 1988
Missão Aeronave de transporte civil e militar
Tripulação 2
Soldados /
Passageiros
51 passageiros ou
35 paraquedistas ou
18 macas ou
4 paletes HCU-6/E incluindo um na rampa
Carga 6 000 kg (13 200 lb)
Dimensões
Comprimento 21,40 m
Envergadura 25,81 m
Altura 8,18 m
Área (asas) 59,10 m²
Peso
Tara 9800 kg
Peso bruto máximo 15100 kg
Propulsão
Motores 2x turboélices General Electric CT7-9C3 com 1 305 hp (973 kW) cada na decolagem
Performance
Velocidade máxima 450 km/h
Alcance 4355 km
Tecto máximo 7620 m
Relação de subida 7.8 m/s
Armamento
Mísseis/Bombas CN-235 MPA: 6x pontos duros para mísseis AM-39 Exocet ou torpedos Mk.46
Notas
Dados da Wikipédia anglófona - CN235

O CASA/IPTN CN-235 é uma aeronave bimotor de transporte de médio alcance que foi desenvolvida em conjunto pela EADS CASA da Espanha e IPTN da Indonésia participando da aviação regional e no transporte militar. Com a extinção da EADS em janeiro de 2014, o modelo passou a ser produzido pela Airbus Defence and Space, uma divisão da Airbus voltada para os setores aeroespacial, defesa e aviação militar.[1] Suas primeiras versões militares são: patrulha marítima, vigilância, e transporte militar. O maior utilizador desta aeronave é a Turquia, que possui 61 SV-235.

Design e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O projeto foi um trabalho em conjunto entre a CASA e a fabricante indonésia IPTN, formando a Airtech para gerenciar o programa. A cooperação seguiu apenas até a série 10 e séries 100/110, com versões posteriores sendo desenvolvidas independentemente. Mais de 230 de todas as versões do CN-235 estão em serviço e acumularam já mais de 500.000 horas de voo.

O desenho se iniciou em Janeiro de 1980 realizando seu primeiro voo em 11 de Novembro de 1983. A certificação indonésia e espanhola foi apenas em 20 de Junho de 1986; O primeiro voo da primeira aeronave produzida (em série) foi em 19 de Agosto de 1986 e a certificação tipo da FAA foi dada em 3 de Dezembro de 1986. A aeronave entrou em serviço apenas no dia 1 de Março de 1988.

Em 1995, a CASA iniciou desenvolvimento de uma versão estendida do CN-235, conhecido como C-295. Em Dezembro de 2002, a Marinha Colombiana informou a compra de dois CN-235 para missões de patrulha e anti-tráfico de drogas.

Em Abril de 2005, a Venezuela comprou dois CN-235 para vigilância marítima mais 10 aeronaves para transporte mas a operação foi interrompida pelo fato de os Estados Unidos da América se recusarem a transferir tecnologia americana. [2]

Em Janeiro de 2006, a Tailândia solicitou uma compra com a Dirgantara de 10 aeronaves, seis para o Ministério da Defesa e quatro para o Ministério da Agricultura.

Em Dezembro de 2007, a Espanha encomendou duas aeronaves CN-235 para patrulha marítima para a Guardia Civil, com entrega estimada em 2008–2009.

Um CN-235 MPA foi entregue pela Dirgantara para o Ministério da Defesa da Indonésia em Junho de 2008.

O CN-235 foi selecionado pela Guarda Costeira dos Estados Unidos como uma aeronave de Médio Alcance para Patrulha e Vigilância Marítima (MRSMPA), dos quais 36 estão sendo comprados para substituir o HU-25 Guardian da guarda costeira. Estes são designados como HC-144A Ocean Sentry .[3] O primeiro HC-144A foi entregue pela EADS CASA à Lockheed Martin para instalação de seus equipamentos de missões específicas em Dezembro de 2006.[4] O HC-144A recebeu a Homologação de Operação Inicial (IOC) em 2 de Abril de 2009. Oito HC-144A foram entregues para a guarda costeira em 1 de Julho de 2009.

Em Agosto de 2006, três CASA CN-235-10 continuavam em serviço de linha aérea, na Africa, dois com a Safair e um com a Tiko Air.[5] A Asian Spirit opera um único CN-235-220 nas Filipinas, com dados de Junho/Julho de 2007.

O Corpo Aéreo Irlandês opera duas aeronaves da CASA para serviços de Patrulha Marítima.

Há pelo menos dois CN-235 voando na Força Aérea dos Estados Unidos em uma versão não divulgada no 427º Esquadrão de Operações Especiais.[6] [necessário verificar]

No início de Julho de 2008, a Marinha Mexicana anunciou a compra de seis CASA CN-235 da Espanha.[carece de fontes?] Em Abril de 2010, Hervé Morin, Ministro da Defesa Francesa, anunciou o pedido de oito CN-235-300[7] .

Variações[editar | editar código-fonte]

Um CASA CN-235 da Força Aérea Espanhola
C-105A Amazonas Brasileiro
CN-235-10
Versão de produção inicial (15 fabricados por cada empresa), equipados com motores GE CT7-7A.
CN-235-100/110
Praticamente o mesmo que a série 10, mas com motores GE CT7-9C em novas naceles; substituiu a série 10 em 1988 a partir da 31ª aeronave produzida. A série 100 é produzido na Espanha e a série 110 na Indonésia, com elétrica melhorada, e sistemas de alerta também melhorados.
CN-235-200/220
Versão atualizada. Reforços estruturais foram realizados para aumentar os pesos operacionais, melhorias aerodinâmicas no bordo de ataque da asa e no leme, diminuição da pista necessária para operação e um alcance aumentado com carga máxima. A série 200 é produzida na Espanha e a série 220 na Indonésia.
CN-235-300
Modificação da CASA nas séries 200/220, com a suíte de aviônicos da Honeywell. Outras mudanças incluem um sistema de pressurização melhorado e a opção de instalação de um trem de pouso do nariz com duas rodas.
CN-235-330 Phoenix
Modificação das séries 200/220, oferecido pela IPTN com novos aviônicos da Honeywell, sistema ARL-2002 EW e 16.800kg de MTOW (Peso Máximo de Decolagem), para atingir o objetivo da Força Aérea Real Australiana, realizando o Projeto 'Air 5190 para levantamentos técnicos de cargas, mas foi forçado por restrições financeiras a cancelar o projeto em 1998.
CN-235 MPA (Maritime Patrol Aircraft)
Versão de Patrulha Marítima
HC-144 Ocean Sentry
Designativo da Guarda Costeira dos Estados Unidos para um pequeno número de aeronaves destinadas a substituir os pequenos HU-25 Guardian.

Operadores[editar | editar código-fonte]

Operadores militares[editar | editar código-fonte]

Operadores mundiais do CN-235:
  Operadores Militares
  Operadores Governamentais
  Operadores Iniciais
HC-144A Ocean Sentry da Guarda Costeira dos Estados Unidos (CN-235-300 MP Persuader).
 Áustria
Botswana
FlagofBophuthatswana.png Bophuthatswana
 Brunei
 Burkina Faso
 Chile
 Colômbia
Equador
 França
  • Exército do Ar Francês 19 CN235-100, 18 atualizados na configuração CN235-200. 8 CN235-300 (solicitados em Abril de 2010)
Gabão
Indonésia
 Irlanda
Jordânia
 Malásia
 México
 Marrocos
Nigéria
Paquistão
 Panamá
Papua-Nova Guiné
 Portugal
 Coreia do Sul
Arábia Saudita
África do Sul
Flag of Spain.svg Espanha
 Tailândia
 Turquia
  • Força Aérea da Turquia (50 x CN235-100M)
  • Marinha da Turquia (9 x CN-235 ASW/ASuW MPA com AMASCOS (Airborne Maritime Situation & Control System - Sistema de Controle Situacional Marítimo) da Thales)
  • Guarda Costeira da Turquia (3 x CN-235 MPA com AMASCOS (Airborne Maritime Situation & Control System - Sistema de Controle Situacional Marítimo) da Thales)
 Emirados Árabes Unidos
 Estados Unidos

Operadores governamentais e paramilitares[editar | editar código-fonte]

Um CASA CN-235-300 MPA do Serviço de Busca e Salvamento Espanhol
CN235 da Presidential Airways
Flag of Spain.svg Espanha
 Tailândia

Operadores civis[editar | editar código-fonte]

Indonésia,

Merpati e Pelita.

Espanha

Binter Canarias e Binter Mediterraneo, ambas subsidiárias da Iberia, operaram quatro e cinco respectivamente entre 1989 e 1997.

Argentina ,

Inter Austral, subsidiária da Austral Líneas Aéreas, foi posteriormente integrada à Aerolíneas Argentinas.

África do Sul

Safair, que opera em Pretoria, África do Sul, possui dois CN-235s,

Madagascar

Tiko Air tinha um (C012),

Acidentes notáveis[editar | editar código-fonte]

Em 29 de Agosto de 2001, o Voo 8261 da Binter Mediterráneo (Matrícula EC-FBC) se acidentou próximo à N-340 (Rodovia ligando Cádiz-Barcelona), em torno de 200 metros próximo à pista 32 no Aeroporto Internacional Ruiz Picasso em Málaga, Espanha. O piloto reportou ao Controle de Tráfego Aéreo de Málaga, na aproximação final, que o motor esquerdo da aeronave havia falhado, e faria então um pouso de emergência. O avião desceu atingindo as primeiras luzes do canto da pista e parando bem próximo à N-340. A investigação subsequente ao acidente revelou que logo após a falha do motor esquerdo da aeronave, o Primeiro Oficial inadvertidamente desligou ambos os motores da aeronave, levando-a a uma perda total de potência. Quatro das 44 pessoas foram mortas, incluindo o piloto Capt. Fdez. Ruano.[13] A aeronave se fragmentou.[14]

EADS CASA CN-235.svg

Especificações (CN-235)

Dados de: Airbus Military.[nota 1]

Descrições gerais
Motorização
Performance
Armamentos
  • Número de pilones: 6x
  • Mísseis dos pilones:
    • CN-235 MPA: 6x pontos duros para mísseis AM-39 Exocet ou torpedos Mk.46


Notas das especificações

  1. Especificações do CN235 airbusmilitary.com (em inglês)


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.