CHEGA

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
CHEGA
Líder André Ventura
Secretário sem representantes eleitos[1]
Fundação 9 de abril de 2019 (2019-04-09)
Sede Lisboa, Portugal Portugal
Ideologia Nacionalismo português
Conservadorismo social
Liberalismo económico
Anti-imigração
Populismo de direita[2]
Espectro político Extrema-direita[3]
Antecessor Partido Social Democrata (cisão)
Assembleia da República
0 / 230
Cores Azul escuro
Página oficial
partidochega.pt

O CHEGA (sigla: CH) é o 24.º partido político português.

A sua inscrição no registo dos partidos políticos portugueses foi aceite pelo Tribunal Constitucional a 9 de Abril de 2019.[4]

Foi anunciado que o cabeça de lista ao Parlamento Europeu é André Ventura, no dia 12 de Abril de 2019.

Ideologia do partido[editar | editar código-fonte]

O CHEGA assume-se como um partido político de base e natureza popular. Defende o liberalismo personalista, promovendo essencialmente uma diminuição da presença do Estado na vida da República.

Economia[editar | editar código-fonte]

O partido assume-se a favor da redução da carga fiscal sobre os trabalhadores e a classe média, considerando o sistema tributário "brutal e agressivo que onera desproporcionalmente quem trabalha e gera riqueza"[5], que deixa os portugueses “sufocados” e que lhes “retira quase metade do seu salário”[6]. Defende também cortar a burocratização que acredita que, juntamente com a carga fiscal, é uma das principais causas para o desemprego de longa duração, para a emigração e para o atraso competitivo da economia portuguesa.

Resultados Eleitorais[editar | editar código-fonte]

Eleições legislativas (Não Realizado)[editar | editar código-fonte]

Data Cabeça de lista Cl. Votos % +/- Deputados +/-
2019 André Ventura

Eleições europeias[editar | editar código-fonte]

Data Cabeça de lista Cl. Votos % +/- Deputados
2019 Basta!
0 / 21


Referências

  1. https://partidochega.pt/representantes-eleitos/
  2. «'Politico' sublinha pouca adesão de Portugal ao movimento populista». Jornal Expresso. Consultado em 29 de maio de 2019. Artigo sobre a campanha para as europeias refere as escassas hipóteses de a coligação Basta eleger um eurodeputado e avança as razões para o país resistir à vaga de extrema-direita que atingiu o resto da Europa. 
  3. «'Politico' sublinha pouca adesão de Portugal ao movimento populista». Jornal Expresso. Consultado em 29 de maio de 2019. Artigo sobre a campanha para as europeias refere as escassas hipóteses de a coligação Basta eleger um eurodeputado e avança as razões para o país resistir à vaga de extrema-direita que atingiu o resto da Europa. 
  4. http://www.tribunalconstitucional.pt/tc/partidos.html
  5. «Manifesto». Partido Político CHEGA. Consultado em 22 de maio de 2019 
  6. «"Trabalhadores são escravos. Devíamos ter vergonha de celebrar este dia"». Notícias ao Minuto. 1 de maio de 2019. Consultado em 22 de maio de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.