CNT Tropical

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
CNT Tropical
Rádio e Televisão OM Ltda.
Londrina, Paraná
Brasil
Tipo Empresa privada
Canais
07 VHF analógico
47 UHF e 7.1 virtual digital
Sede Bandeira londrina.svg Londrina, PR
Rodovia Celso Garcia Nunes, km 380 - Gleba Fazenda Palhano
Rede CNT (TV Universal)
Rede(s) anterior(es) Rede Globo (1979)
Rede Bandeirantes (1979-1990)
Rede Record (1990-1992)
Rede OM (1992-1993)
TV JB (2007)
Fundador Oscar Martinez
José Carlos Martinez
Flávio Martinez
Pertence a Organizações Martinez
Proprietário Flávio Martinez
Antigo proprietário José Carlos Martinez (1979-2003)
Presidente Flávio Martinez
Fundação 15 de março de 1979 (39 anos)
CNPJ 77.237.733/0001-79
Prefixo ZYB 398
Nome(s) anteriore(s) TV Tropical (1979-1993)
TV JB Londrina (2007)
CNT Londrina (1993-2017)
Cobertura Partes do Interior do Paraná, Brasília e Belo Horizonte
Coord. do transmissor 23° 19' 31.9" S 51° 11' 30.1" O
Potência 5 kW
Página oficial cnt.com.br

CNT Tropical é uma emissora de televisão brasileira sediada em Londrina, cidade do estado do Paraná. Opera nos canais 7 VHF e 47 UHF digital, e é uma emissora própria e uma das geradoras da CNT. Fundada em 1979 por José Carlos Martinez, foi a primeira emissora das Organizações Martinez, e juntamente com a TV Paraná (hoje CNT Curitiba) formou a Rede OM em 1982, que constituiu a atual CNT.

História[editar | editar código-fonte]

TV Tropical (1979-1993)[editar | editar código-fonte]

A emissora foi fundada como TV Tropical em 15 de março de 1979 por Oscar Martinez e seus filhos José Carlos Martinez e Flávio Martinez, através do canal 7 VHF. Inicialmente afiliada à Rede Globo, passou a ser afiliada à Rede Bandeirantes em 1º de dezembro do mesmo ano, quando a mesma despontava como rede de televisão em vários estados na época, e quando a TV Coroados, também pertencente aos Martinez, era vendida para a Rede Paranaense.[1]

No mesmo ano, Luiz Carlos Alborghetti estreava na emissora com o programa policial Cadeia, com o mesmo nome e formato que o revelou na Rádio Tabajara de Londrina. O Cadeia, criado inicialmente para a cidade de Londrina, tinha 5 minutos de duração e com o tempo foi aumentando, chegando a ter aos sábados, 1h45 de duração. Alborghetti se destacava pela maneira como conduzia a atração, tendo sempre uma toalha no pescoço e um pedaço de pau na mão, com o qual batia na mesa quando alguma notícia lhe irritava.

Formação da Rede OM
Ver artigo principal: Rede OM

A TV Paraná de Curitiba, administrada por Ronald Sanson Stresser e os Diários Associados é colocada à venda devido a crise financeira do conglomerado. As Organizações Martinez então se oferecem como compradores da emissora. Após uma intensa negociação, a emissora finalmente é comprada em abril de 1980, e passa a compor com a TV Tropical uma pequena rede local. Em 18 de julho, com o fim da Rede Tupi, a TV Paraná unifica sua afiliação com a da TV Tropical e ambas tornam-se afiliadas a Rede Bandeirantes. Em maio de 1982, quando as Organizações Martinez concluem a fase de reestruturações na TV Paraná, é oficialmente fundada a Rede OM, com a emissora de Curitiba tornando-se a cabeça-de-rede.

Após a formação da rede, a TV Tropical expande sua área de cobertura para várias cidades do interior do Paraná, com a instalação de repetidoras via micro-ondas. Em 1990, a TV Tropical, a TV Paraná e a TV Maringá (fundada em 1988) deixam a Rede Bandeirantes e tornam-se afiliadas da recém-criada Rede Record. Em 1992, com a compra da TV Corcovado e a transmissão via satélite, a Rede OM deixa a Rede Record e torna-se uma emissora independente, e consequentemente, uma nova rede de televisão, agora, com abrangência nacional.

CNT Londrina/CNT Tropical (1993-presente)[editar | editar código-fonte]

Em 23 de maio de 1993, a Rede OM passava a se chamar Central Nacional de Televisão (CNT). A TV Tropical, por sua vez, passava a se chamar CNT Londrina, embora o nome TV Tropical continue a ser utilizado até os dias atuais, porém não mais oficialmente.

Em 17 de abril de 2007, a CNT Londrina passa a se chamar TV JB Londrina através de parceria entre as Organizações Martinez e a Companhia Brasileira de Multimídia, com o nome de TV JB.

Em novembro de 2017, a emissora é renomeada e passa a se chamar CNT Tropical. A mudança tornou a emissora geradora de conteúdo para as retransmissoras de Belo Horizonte e Brasília.

Sinal digital[editar | editar código-fonte]

PSIP Canal Proporção de tela Programação
7.1 47 UHF 1080i Programação principal da CNT Londrina / CNT

A emissora iniciou suas transmissões digitais em 23 de julho de 2013, através do canal 47 UHF, para Londrina e áreas próximas. Seus programas locais da ainda não são produzidos em alta definição.[2]

Programas[editar | editar código-fonte]

  • CNT Notícias: Telejornal, com Vanessa Ferreira;
  • Militão & Militão: Programa de entrevistas, com Osvaldo Militão e Marcelo Militão;
  • Canal Cooperativo: Jornalístico, com Isabella Cantarino e Taise Boleli;
  • Esporte com Cabral: Jornalístico esportivo, com Rubens F. Cabral;
  • Cidadão Tropical: Programa de entrevistas, com José Marcelo Santos

Equipe[editar | editar código-fonte]

Membros atuais[editar | editar código-fonte]

  • Marcelo Militão
  • Osvaldo Militão
  • Isabella Cantarino
  • Taise Boleli
  • Oda Paula
  • Fernanda Abras
  • Leandro De Souza
  • Jose Marcelo Santos
  • Isabella Vieira
  • Marco Alves
  • Carolina Rizzo
  • Rubens F. Cabral
  • Vanessa Ferreira
  • Manuela Borges
  • Juliana Souza

Membros antigos[editar | editar código-fonte]

  • Diego Couto
  • Flávio Vinícius
  • Lívia Alcântara
  • Luan Barcelos
  • Luiz Cezar Lazari
  • Luiz Carlos Alborghetti
  • Luiz Marcos Barros
  • Marcela Macedo
  • Marcelo Maia
  • Nadine de Barros
  • Natan Macedo
  • Stella Mainardi

Retransmissoras[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ferreira da Costa, Osmani (2008). «Concessão televisiva e relações políticas sob a ditadura militar: o caso da Rede Globo no Paraná» (PDF). ANPUH. Consultado em 22 de fevereiro de 2016. 
  2. «CNT tem sinal digital em Londrina». Jogo do Poder. 23 de julho de 2013. Consultado em 22 de fevereiro de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]