TUE Série 401 (RFFSA)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de CPTM - Série 1600)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
TUE Série 401 (RFFSA)
BuddMafersaE402.jpg
Série 1400 (1401/1402) padrão metropolitano na Linha 12 - Safira
----
SalãoBudd1402.jpg
Visão interna
----
Período de serviço 19772017
Fabricante Budd/Mafersa
Fábrica Lapa, Caçapava
Família Budd
Período de construção 19761977
Entrada em serviço 1976-2018
Período de renovação 2008
Período de desmanche 2018
Total construídos 30
Total em serviço 0
Formação 3, 4 (modernizado), 6 e 9 carros
Capacidade 1800 passageiros
Operador RFFSA (1976-1984); CBTU (1984-1992); CPTM (1992-2018)
Depósitos Lapa, Luz, Brás, Engenheiro São Paulo
Linhas 7roxo.png Rubi
12blue.png Safira
Especificações
Corpo Aço inox
Comprimento Total 25,908 m
Largura 3,057 m
Altura 4,655 m
Altura do Piso 1,362
Portas 8 por carro (4 de cada lado)
Velocidade máxima 100 Km/h
Peso MC : 61.900 Kg

R : 41.500 Kg

RC : 40.050 Kg

Aceleração 0,50 m/s²
Desaceleração 0,77 m/s² (freio de serviço)

1,10 m/s² (freio de emergência)

Tipo de tração elétrica
Motor corrente contínua
Potência 1.224 kW
Tipo de transmissão Árvore de cames elétrica
Tipo de climatização 5 exaustores e 4 circuladores por carro
Captação de energia Catenária
Bitola 1.600 mm

O TUE Série 401 (RFFSA) foi um Trem unidade elétrico que pertenceu à frota de Material Rodante da CPTM.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Na década de 1970, a situação dos subúrbios ferroviários paulistas da RFFSA era alarmante. Acidentes, defeitos, vandalismo diminuíam a frota disponível e provocavam protestos da população que realizava protestos que descambavam para quebra-quebras de trens e estações. Para conter a revolta popular pelo mau serviço prestado, que espantava os passageiros. Em 1973, os trens da grande São Paulo transportaram 99 milhões de passageiros, sendo que em 1975 o número havia recuado para 92 milhões. Com essa queda de passageiros e de arrecadação, a RFFSA iniciou um plano emergencial de remodelação dos subúrbios atendidos pela empresa incluindo São Paulo. [2]

Foram adquiridos 30 trens junto à Mafersa, sendo chamados de série 401 (cujo projeto fora baseado na Série 101 da EFSJ), sendo os carros fabricados na unidade Lapa e os truques na unidade Caçapava. Estima-se que cada carro tenha custado cerca de 400 mil dólares à época.[3]

Ano Quantidade
1976 2
1977 28 [4]
Total 30

Operação[editar | editar código-fonte]

RFFSA/CBTU (1976-1994)[editar | editar código-fonte]

Os dois primeiros trens foram entregues durante a cerimônia de inauguração da estação Estudantes, em 10 de novembro de 1976.[5] Apesar da entrega dos 30 trens ser concluída em 1978, a frota 401 teve um desempenho regular, sendo que em 1984 já se discutia sua modernização. [6]

Ano Disponibilidade (%)
1983[7] 77
1984 80
1985 [8] 84
1986 83
1987 [9] 88
1988 84
1989 [10] 71
Disponibilidade média

(1983-1989)

81 %

Entre 1988 e 1991 a CBTU reformou 8 trens da frota, tendo sido todos repassados para a CPTM em 1994.

CPTM (1994-2017)[editar | editar código-fonte]

A CPTM assumiu as linhas, estações e frotas de trens da CBTU em 1 de julho de 1994. Isso incluiu os trens da Série 401, rebatizados Série 1400. A situação da frota da CPTM se agravou ao ponto de apenas 65% de toda a frota da CPTM estar disponível para operação em 1996.[11] Apesar da necessidade de reforma, a Série 1400 (que completava 20 anos de operação naquele momento) foi preterida do Plano Quinquenal de Material Rodante (PQMR I), recebendo apenas revisões programadas. Em fins de 1996 as empresas GE (subsidiária GEVISA) e ABB foram contratadas por 8.930.562,87 reais para realizar a revisão geral de 6 trens-unidade das séries 401/431.[12]

Apenas em 2004 foi lançado o PQMR II, que previu a reforma geral de 14 trens-unidade restantes (da frota original de 30). Após irregularidades, o contrato foi cancelado e apenas 4 trens-unidade foram entregues.[13] Os trens foram empregados pela CPTM na extensão operacional da Linha 7 e e na Linha 12 até junho de 2017, quando os últimos remanescentes foram retirados de serviço, sendo substituídos por trens da Série 2000 na Linha 12 e 9500 na Linha 7.[14]

Modernização da frota[editar | editar código-fonte]

A modernização da frota foi projetada dentro do Programa Quinquenal de Modernização e Remobilização de Frota (PQMR II) em 2004-também chamado popularmente de Programa Boa Viagem. A CPTM licitou a reforma de 14 trens remanescentes da Série 1400, tendo o contrato sido vencida pela empresa IESA Projetos[15] em agosto de 2005 pelo valor de R$ 18.967.114,63.[16] Por conta de indícios de corrupção detectados pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (que mais tarde se revelariam no Escândalo das licitações no transporte público em São Paulo), o contrato foi julgado irregular e cancelado com 4 trens concluídos e os demais em início de modernização, totalizando 43%. Posteriormente, a CPTM decidiu sucatear os 10 trens restantes.[17][18]

Programa Série Trens-unidade Licitação/contrato Vencedora Situação
PQMR II[19] 1400 14 nº 848.640.201.100 IESA (R$ 18.967.144,63) Julgado irregular pelo TCE-SP e cancelado com 43% executado

Acidentes e incidentes[editar | editar código-fonte]

  • 27 de outubro de 1983 - Um trem é incendiado na estação Jaraguá, durante os tumultos nos subúrbios da RFFSA-SP ocorridos naquele ano.[20]
  • 22 de outubro de 1992 - Colisão entre trem série 401 e trem cargueiro da RFFSA deixa 4 feridos próximo à estação Rio Grande da Serra.[21]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

  • Em 1997, um dos trens da série 1400 foi utilizado como cenário do clipe da música O Trem do grupo RZO.

TUE Série 431[editar | editar código-fonte]

TUE Série 431
Linha F1600CPTM.jpg
TUE Série 1600, unidade 1623
----
Fabricante Budd/Mafersa
Período de construção 1978
Entrada em serviço 1978
Total construídos 19
Total em serviço 0
Total desmanchados 4
Total preservados 0
Formação 4 carros por composição (MC-RC-RC-MC) (Extensão linha 7)
Capacidade 894 passageiros, formação de 3 carros
Operador RFFSA (1978–1984)
CBTU (1984–1994)
CPTM (1994–presente)
Linhas Atuais: Sem Serviço

Anteriores:
7roxo.png Rubi
11orange.png Coral
12blue.png Safira

Especificações
Corpo Aço inox
Comprimento Total MC: 25,908 m

R/RC: 25,908 m

Portas 8 (4 de cada lado, 1,20m cada)
Velocidade máxima 100Km/h (maxima)
Peso Peso MC: 59.800 Kg

Peso R: 40.890 Kg Peso RC: 39.500 Kg

Aceleração 0,50 m/s²
Desaceleração Max. Freio de Serviço: 0,77 m/

Max. Freio Emergência: 1,10 m/s²

Tipo de tração Por eixo de cames
Potência 1.372 kW
Tipo de climatização Forçada por ventilação
Captação de energia Catenária 3000V CA
Freios Sapatas Fenólicas de ação eletropneumatica
Acoplamento Engate Mandibular
Bitola 1.600 mm

O TUE Série 431 (RFFSA) foi um Trem unidade elétrico que pertenceu à frota de Material Rodante da CPTM.

História[editar | editar código-fonte]

Projeto e fabricação[editar | editar código-fonte]

Após a fabricação dos 30 trens série 401, a RFFSA encomendou mais 40 trens de 4 carros para serem empregados nos subúrbios da RFFSA de São Paulo. A diferença da nova série para a 401 consistiu na eliminação da porta de passagem entre carros dos carros com cabine de comando. Com a crise ocorrida nos subúrbios do Rio de Janeiro, dois trens das séries 401 e 431 chegaram a ser testados em todas as linhas suburbanas do Grande Rio, porém os trens foram reprovados por terem gabarito superior ao das linhas (mais largos e altos praticamente raspavam nas plataformas das estações e coberturas das oficinas)e menor potência.[22][23] Os primeiros cinco trens foram entregues em 1977, sendo nomeados Série 431:

Ano Quantidade
1977 20 [24]
1978 20 [25]
Total 40

Operação[editar | editar código-fonte]

RFFSA/CBTU (1977-1994)[editar | editar código-fonte]

Os primeiros trens entraram em operação em 1977, sendo operados pela RFFSA em São Paulo até 1984. Nesse período, 7 trens foram baixados por conta de acidentes e atos de vandalismo, reduzindo a frota para 33 trens- quando foi repassada para a CBTU.[7]

Na CBTU os trens operaram, principalmente nas linhas da Zona Leste. Durante a década de 1980 a disponibilidade da frota manteve-se alta, apesar dos problemas financeiros da CBTU. Em 1988 foi a frota com maior índice de disponibilidade da superintendência:

Ano Disponibilidade (%)
1983 77
1984 [7] 80
1985 [8] 84
1986 83
1987 [9] 85
1988 93
1989 [10] 83
Disponibilidade média

(1983-1989)

83,5 %

CPTM (1994-2017)[editar | editar código-fonte]

Um dos 7 trens-unidade (21 carros) reformados entre 2005-2007 pela Alstom.

Após assumir trens, linhas e frotas da CBTU, a CPTM rebatizou a Série 431 de Série 1600. Apesar do sucateamento de parte da frota (apenas 65% de toda a frota da CPTM estavam disponíveis para operação em 1996[26]), a CPTM não incluiu a reforma da Série 1600 no Plano Quinquenal de Material Rodante (PQMR I). Ao lado da Série 1400, a Série 1600 passou apenas por revisões gerais contratadas junto às empresas GE (subsidiária GEVISA) e ABB.[27]

Em 2004, dentro do âmbito do PQMR II, foram reformados 7 trens-unidade restantes (da frota original de 40). Apesar de irregularidades, o contrato foi executado, embora 4 trens-unidade tenham sido baixados apenas 6 anos após serem entregues.[13]

Programa Série Trens-unidade Licitação/contrato Vencedora Situação
PQMR II[28] 1600 7 nº 848.640.201.101 Alstom (R$ 7.538.113,35) Julgado irregular pelo TCE-SP, porém 100% executado

Os trens foram empregados pela CPTM na extensão operacional da Linha 7 e e na Linha 12 até junho de 2017, quando os últimos remanescentes foram retirados de serviço, sendo substituídos por trens da Série 2000 na Linha 12 e 9500 na Linha 7.[14]

A composição 1601-1612 (azul metropolitano), a última sobrevivente da série, foi cortada em outubro de 2018, após ser vítima de vandalismo no Pátio Jundiaí da CPTM.[29]

Acidentes e incidentes[editar | editar código-fonte]

  • 27 de maio de 1988 - Após atraso de trens, vândalos incendeiam trem da Serie 431 estacionado na estação Artur Alvim, causando a total destruição do trem-unidade e um prejuízo de US$ 10 milhões para a CBTU;[30]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

  • Trens desativados da série 431 e o pátio Lapa da RFFSA foram usados como cenários do filme Promiscuidade:Os Pivetes de Kátia (1983), de Fauzi Mansur[31];

Referências

  1. CPTM (fevereiro de 2006). «Série 1400». Internet Archive. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  2. Rede Ferroviária Federal S. A. (1977). «Relatório Anual». Ministério dos Transportes/Internet Archive. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  3. MELLO, Karla Reis Cardoso de (2000). Transporte Urbano de Passageiros: As Contradições do Poder Público. [S.l.]: Café Editora Expressa. pp. 259 (p. 161) 
  4. Rede Ferroviária Federal S. A. (1977). «Frota da RFFSA». Relatório Anual, página 31- Memória Estatística do Brasil/disponível no Internet Archive. Consultado em 21 de julho de 2019 
  5. «Trem para estudantes». Folha de S.Paulo, Ano LVI, edição 17388 , seção Local, página 20. 11 de novembro de 1976. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  6. Companhia Brasileira de Trens Urbanos (1984). «Material Rodante- página 77» (PDF). Relatório Anual. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  7. a b c Companhia Brasileira de Trens Urbanos (1984). «STU-RJ-Desempenho da frota» (PDF). Relatório Anual, página 95. Consultado em 1 de maio de 2019 
  8. a b ibdem (1985). «STU-RJ-Desempenho da Frota» (PDF). Relatório Anual, página C-43. Consultado em 1 de maio de 2019 
  9. a b ibdem (1987). «STU-RJ-Desempenho da Frota» (PDF). Relatório Anual, página C-49. Consultado em 1 de maio de 2019 
  10. a b ibdem (1989). «STU-RJ-Desempenho da Frota» (PDF). Relatório Anual, página 51. Consultado em 1 de maio de 2019 
  11. CPTM (24 de abril de 1997). «CPTM - Relatório da Administração (1996)». Folha de S.Paulo Ano 77, edição nº 24858, Caderno Balanço SP, página 2. Consultado em 23 de julho de 2019 
  12. CPTM (3 de janeiro de 1997). «Processo nº CC 9827501/Processo nº CC 181/95» (PDF). Diário Oficial do estado de São Paulo, Caderno Ineditoriais, página 12. Consultado em 23 de julho de 2019 
  13. a b Eurico Baptista Ribeiro Filho e Márcio Machado (2013). «Renovação da frota de trens eleva padrão de conforto» (PDF) 613 ed. Brasil Engenharia: 87. Consultado em 23 de julho de 2019 
  14. a b Ricardo Meier (5 de junho de 2017). «Novo trem coreano da CPTM está prestes a estrear na Linha 7». Metrô CPTM. Consultado em 23 de julho de 2019 
  15. Boletim Informativo (outubro de 2005). «Novo contrato para recuperação de TUE's». IESA 
  16. «TODOS OS CONTRATOS» (PDF). Revista Ferroviária. Dezembro de 2005. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  17. CPTM/Corregedoria Geral de Administração (16 de julho de 2013). «Procedimento CGA 1692» (PDF). Assembléia Legislativa de São Paulo. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  18. CPTM/Corregedoria Geral de Administração (16 de julho de 2013). «Procedimento CGA 191» (PDF). Assembléia Legislativa de São Paulo. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  19. CPTM (agosto de 2013). «Política de manutenção de trens da CPTM-Visão histórica» (PDF). Assembléia Legislativa de São Paulo. Consultado em 23 de julho de 2019 
  20. Ralph Mennucci Giesbrecht. «Estação Jaraguá». Estações Ferroviárias. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  21. «Choque de trens provoca 4 vítimas». Folha de S. Paulo , Ano 72, edição 23214, Caderno ABCD, página 1. 23 de outubro de 1992. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  22. «Grande Rio testa de trem de São Paulo que só aprova para uma linha suburbana». Jornal do Brasil, Ano LXXXVI, edição 259, página 19/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 23 de dezembro de 1976. Consultado em 21 de julho de 2019 
  23. Rede Ferroviára Federal S/A (1978). Rede Notícias. [S.l.: s.n.] pp. Edição nº 28, fevereiro de 1978, página 1 
  24. Rede Ferroviária Federal S. A. (1977). «Frota da RFFSA». Relatório Anual, página 31- Memória Estatística do Brasil/disponível no Internet Archive. Consultado em 21 de julho de 2019 
  25. Rede Ferroviária Federal S. A. (1978). «Frota da RFFSA». Relatório Anual, página 31- Memória Estatística do Brasil/disponível no Internet Archive. Consultado em 21 de julho de 2019 
  26. CPTM (24 de abril de 1997). «CPTM - Relatório da Administração (1996)». Folha de S.Paulo Ano 77, edição nº 24858, Caderno Balanço SP, página 2. Consultado em 23 de julho de 2019 
  27. CPTM (3 de janeiro de 1997). «Processo nº CC 9827501/Processo nº CC 181/95» (PDF). Diário Oficial do estado de São Paulo, Caderno Ineditoriais, página 12. Consultado em 23 de julho de 2019 
  28. Corregedoria Geral da Administração do estado de São Paulo (2013). «Procedimento CGA-191» (PDF). Assembléia Legislativa de São Paulo. Consultado em 24 de julho de 2019 
  29. I&N GameplaysTM (7 de maio de 2018). CPTM - TUE Série 1600 Budd Mafersa (B601-1601-B612-1612) Desativado No Pátio Jundiaí. YouTube 
  30. «Atraso provoca depredação de trens na Zona Leste». Folha de S. Paulo, ano 68, edição 21605, Seção Cidades - página A11. 28 de maio de 1988. Consultado em 23 de julho de 2019 
  31. Fauzi Mansur. «Promiscuidade:Os Pivetes de Kátia». Cinemateca Brasileira. Consultado em 21 de julho de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre TUE Série 401 (RFFSA)