Caíde de Rei

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
 Portugal Caíde de Rei  
—  Freguesia  —
Caíde de Rei está localizado em: Portugal Continental
Caíde de Rei
Localização de Caíde de Rei em Portugal
Coordenadas 41° 16' 07" N 8° 12' 46" O
País  Portugal
Concelho LOU.png Lousada
Administração
 - Tipo Junta de freguesia
 - Presidente Adão António Moreira (PS)
Área
 - Total 6,66 km²
População (2011)
 - Total 2 529
    • Densidade 379,7 hab./km²
Gentílico: Caidense
Orago São Pedro
Sítio

Caíde de Rei é uma freguesia portuguesa do concelho de Lousada, com 6,66 km² de área e 2 529 habitantes (2011). A sua densidade populacional é 379,7 hab/km².

Situa-se aproximadamente a 8 km da sede de concelho (Lousada). Esta freguesia confina com as freguesias de Vilar do Torno e Alentém, Aveleda e Meinedo, pertencentes igualmente ao conselho de Lousada, Travanca e Oliveira, estas duas do concelho de Amarante e ainda com São Mamede de Recesinhos, concelho de Penafiel.

A freguesia de Caíde é banhada pelo ribeira do mesmo nome, Ribeira de Caíde e ainda confina uma pequena parcela da freguesia com o rio Sousa.

HISTÓRIA ADMINISTRATIVA/BIOGRÁFICA/FAMILIAR

A freguesia de São Pedro de Caíde de Rei, comarca de Penafiel pelo Decreto nº 13.917, de 9 de Julho de 1927, era abadia da apresentação dos Condes de Sabugal e comenda da Ordem de Cristo, no antigo concelho de Santa Cruz de Riba Tâmega, na antiga comarca de Guimarães. Pertenceu ao concelho de Santa Cruz de Riba Tâmega, extinto pelo Decreto de 24 de Outubro de 1855, passando a fazer parte do concelho de Lousada. Em 1708 era reitoria da comenda da Ordem de Cristo, na diocese de Braga; em 1839 passou a fazer parte da comarca de Amarante e, em 1852, pertencia à diocese do Porto. Esta freguesia pertenceu ao extinto bispado de Penafiel. Comarca eclesiástica de Amarante - 2º distrito (1907). Primeira vigararia de Lousada (1916; 1970). http://caide-lousada.blogspot.pt/

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Caíde de Rei [1]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
720 1 069 1 041 1 014 1 160 1 208 1 372 1 603 1 812 2 048 2 152 2 702 2 807 2 636 2 529
Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 514 433 1 361 328 19,5% 16,4% 51,6% 12,4%
2011 420 338 1 417 354 16,6% 13,4% 56,0% 14,0%

História[editar | editar código-fonte]

Uma lenda local relaciona o topónimo "Caíde de Rei", com o facto de no sítio onde viria a ser construída a Casa da Quintã (actualmente parte integrante do património cultural e edificado), o rei ter caído do seu cavalo. Outra versão popular aponta para a existência, no local, de uma povoação sarracena, aquando do domínio árabe, perdurando ainda o lugar de Mouro. Caíde não deveria ser senão uma outra forma de dizer "Kaid', palavra árabe para chefe, ou alcaide; esta é talvez a que melhor harmoniza a tradição popular com algum fundamento histórico. "Caíde" surge também em alguns dicionários de toponímia como uma variante do baixo-latim "Villa Cagildi", "a Quinta de Cagildo".

A freguesia de São Pedro de Caíde de Rei, comarca de Penafiel pelo Decreto n.º 13. 917, de 9 de Julho de 1927, era abadia da apresentação dos Condes de Sabugal e comenda da Ordem de Cristo, no antigo concelho de Santa Cruz de Riba Tâmega, na antiga comarca de Guimarães. Pertenceu ao concelho de Santa Cruz de Riba Tâmega, extinto pelo Decreto de 24 de Outubro de 1885, passando a fazer parte do concelho de Lousada. Em 1708 era reitoria da Ordem de Cristo, na antiga diocese de Braga; em 1839 passou a fazer parte da comarca da Amarante, em 1852 pertencia à diocese do Porto. Esta freguesia pertenceu ao antigo bispado de Penafiel. Comarca eclesiástica de Amarante - 2.° distrito (1907). Primeira vigararia de Lousada (1916; 1970). Caíde alem de ser uma freguesia por aí além é a melhor freguesia do conselho de Lousada

Foral[editar | editar código-fonte]

Referem-se-lhe as Inquisições de 1220 e 1258 como “Parrochia Santi Petri Cadii” acrescentando que “era do padroado real”.

Em 1708 era reitoria da Comenda da Ordem de Cristo no concelho de Santa Cruz de Riba Tâmega, comarca de Guimarães e Arquidiocese de Braga. Mais tarde e por doação régia, o se­nhorio e a representação passarem aos condes de Sabugal, dentro da mesma comenda da Ordem de Cristo.

A partir dos meados do século XIX passou a pertencer reli­giosamente à diocese do Porto.

Em 1838, fazia parte da comarca de Amarante.

A partir de 24 de Outubro de 1855 (extinto o concelho de Santa Cruz de Riba Tâmega), aparece a freguesia de Caíde de Rei integrada no actual concelho de Lousada.

Vestígios Romanos e Pré-Romanos[editar | editar código-fonte]

Foram há anos encontrados, nesta freguesia, no lugar da Povoense (hoje transformado em vinhas, mas que o próprio nome povoense indica o nome de povoação), vestígios da existência de tribos primitivas, Encontraram-se alicerces de construções romanas, sepulturas com vasos de cerâmica (onde colocavam as cinzas dos corpos queimados), época Pré-Cristá, e ao lado sepulturas cristãs cavadas na pedra. Este local fica nas bouças da Seara, hoje pertença da Casa de Vila Verde.

O monte do Castro, situado no lugar da Boavista, limita o lugar de Caíde de Rei com a da Aveleda, é também um indicativo de uma fortificação castreja.

Património[editar | editar código-fonte]

Equipamentos[editar | editar código-fonte]

  • Centro Social e Paroquial de Caíde de Rei (com auditório)
  • Cais Cultural de Caíde de Rei (com auditório, sótão polivalente e biblioteca)

Pessoas Célebres[editar | editar código-fonte]

  • Zé do Telhado - Um homem dotado de bons sentimentos esses que perdeu vítima do meio familiar e militar em que viveu. Pode dizer-se que foi uma vítima do seu tempo. Era muito respeitador dos seus conterrâneos e das mulheres e crianças das casas que assaltava, tinha sempre a preocupação de recomendar aos seus homens esse respeito.

Se se perguntar a qualquer pessoa quem foi o Zé do Telhado, obtemos a resposta: - Era um ladrão, que rouba­va aos ricos para dar aos pobres, distribuía o produto dos seus roubos pelos mais necessitados.

Foi o homem mais falado destas redondezas, deixando após si uma lenda que o povo foi pouco a pouco tecendo e transmitindo de geração em geração até aos nossos dias.

  • Frei António de Mesquita - Foi filho ilustre de Caíde, Frei António de Mesquita. Nasceu e morreu na Casa de Vila Verde.

Frei António de Mesquita era um homem muito culto, foi o organizador do arquivo da casa de Vila Verde. Foi abade em vários conventos da Ordem de Cristo (no Convento de Salsedas -Lamego, no de Bouros-Gerês e outros). Quando o exército liberal entrou no Porto em 1832, ele era o procurador geral da Ordem de Cristo.

Instituições / Colectividades / Grupos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes