Cabeça Dinossauro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cabeça Dinossauro
Álbum de estúdio de Titãs
Lançamento Junho de 1986
21 de maio de 2012 (edição comemorativa dos 30 anos da banda)
Gravação Estúdio Nas Nuvens, Rio de Janeiro-RJ, em março e abril de 1986
Gênero(s) Punk rock, post-punk, new wave, funk rock
Duração 38:41
Idioma(s) (em português)
Formato(s) LP; Tape; Fita de Vídeo; CD e DVD.
Gravadora(s) WEA Discos (LP e Tape); Elektra Records e WEA (Compactos Simples e EP); Warner H.V. Music (Fita de Vídeo e DVD) e Warner Music Group Brasil - WEA Discos (CD, CD Single e Single Digital) e também Polysom/ Banguela Records (ReLançamento em Vinil de 180 g).
Produção Liminha, Pena Schmidt e Vitor Farias
Cronologia de Titãs
Último
Televisão
(1985)
Jesus Não Tem Dentes no País dos Banguelas
(1987)
Próximo
Singles de Cabeça Dinossauro
  1. "AA UU"
    Lançamento: 1986
  2. "O Que / AA UU (Remix)"
    Lançamento: 1986
  3. "Polícia / O Que (4 Remixes)"
    Lançamento: 1986
  4. "Homem Primata / Polícia (2 Remixes)"
    Lançamento: 1987
  5. "Família"
    Lançamento: 1987
  6. "Bichos Escrotos (ao vivo)"
    Lançamento: 1987

Cabeça Dinossauro é o terceiro álbum de estúdio da banda brasileira de rock Titãs, lançado em 1 de junho de 1986. Não só marcou a estreia da parceria da banda com o produtor Liminha como também garantiu o primeiro disco de ouro para a banda, em dezembro do mesmo ano.[1]

Antecedentes, conceito e gravação[editar | editar código-fonte]

A prisão do vocalista Arnaldo Antunes e do guitarrista Tony Bellotto, nos finais de 1985, por porte de heroína; o "relativo fracasso" do álbum anterior Televisão; e a clara vontade da banda de buscar uma sonoridade pesada influenciaram na mudança estética que a banda tomou neste LP.[2]

O álbum foi gravado e mixado em um mês.[2]

A capa foi baseada em um esboço do pintor italiano Leonardo Da Vinci, intitulado A expressão de um homem urrando. Um outro desenho de Da Vinci, Cabeça grotesca, foi para a contracapa do disco.[3] Ambos os acetatos vieram diretamente do Museu do Louvre, trazidos por um amigo do pai do vocalista e tecladista Sérgio Britto". Eles vieram substituir pequenas reproduções das quais a banda dispunha mas que tinham qualidade insuficiente para o projeto. Conforme relatou o músico em 2006, "as primeiras 30 mil cópias do disco foram feitas em um papel fosco e poroso muito mais caro que o normal. Generosidade do André Midani, então presidente da Warner, que nos deu total apoio antes, durante e depois da gravação atendendo a quase tudo o que pedíamos."[2]

Composição e letras[editar | editar código-fonte]

O material musical de Cabeça Dinossauro já estava todo definido antes da banda entrar em estúdio. A primeira faixa a ser gravada foi o single "AA UU", que já era tocado em shows. Já a última foi o encerramento "O Que".[2]

A percussão da faixa-título foi tocada por Liminha. Após várias tentativas elaboradas, ele improvisou com as paredes, o chão e as colunas do estúdio, e a performance "em transe" foi aprovada por todos.[2] O vocal de "A Face do Destruidor" foi gravado em cima da base tocada de trás pra frente. Segundo Sérgio, "quando gravamos tínhamos que pensar que aquilo ia ser ouvido dessa maneira".[2]

Alguns dos solos de Tony no disco foram feitos alternando a palheta com o um anel grande que ele usava. Desta forma, ele tocava ao mesmo tempo em que fazia uma espécie de percussão na guitarra.[2]

Legado[editar | editar código-fonte]

Num artigo para a revista Rolling Stone Brasil em 2006, Sérgio comentou:[2]

Foi incluído na lista dos 100 melhores discos da música brasileira ficando com a 19ª posição.[4] Em setembro de 2012, foi eleito pelo público da Rádio Eldorado FM, do portal Estadao.com e do Caderno C2+Música (estes dois últimos pertencentes ao jornal O Estado de S. Paulo) como o sétimo melhor disco brasileiro da história.[5]

Em 2012, em comemoração aos 30 anos da banda, o álbum passou a ser executado na íntegra nos shows e foi relançado com as 13 canções originais, mais as versões demo delas e a inédita "Vai pra Rua", de Arnaldo e Paulo Miklos.[6] . Um dos shows dessa turnê foi registrado e lançado em CD, DVD, Blu-ray e Download digital, intitulado Cabeça Dinossauro ao Vivo 2012. O álbum foi lançado no final do mesmo ano. A turnê foi determinante para o direcionamento musical que a banda tomou no álbum que lançou alguns depois: Nheengatu.[7]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 4.5 de 5 estrelas. link

Na época do lançamento do disco, o crítico Alberto Villas, d'O Estado de S. Paulo, afirmou que o álbum era "a grande surpresa do ano. (...) É um disco chocante, punk, nervoso e muito curioso. Um disco de rock-veneno, um grito. Um álbum de surpresas."[8]

Faixas[editar | editar código-fonte]

Álbum Original[editar | editar código-fonte]

N.º Título Compositor(es) Vocais principais Duração
1. "Cabeça Dinossauro"   Arnaldo Antunes, Branco Mello, Paulo Miklos Branco Mello 2:19
2. "AA UU"   Marcelo Fromer, Sérgio Britto Sérgio Britto 3:01
3. "Igreja"   Nando Reis Nando Reis 2:47
4. "Polícia"   Tony Bellotto Sérgio Britto 2:07
5. "Estado Violência"   Charles Gavin Paulo Miklos 3:07
6. "A Face do Destruidor"   Arnaldo Antunes, Paulo Miklos Paulo Miklos 0:34
7. "Porrada"   Arnaldo Antunes, Sérgio Britto Arnaldo Antunes 2:49
8. "Tô Cansado"   Arnaldo Antunes, Branco Mello Branco Mello 2:16
9. "Bichos Escrotos"   Arnaldo Antunes, Sérgio Britto, Nando Reis Paulo Miklos 3:14
10. "Família"   Arnaldo Antunes, Tony Bellotto Nando Reis 3:32
11. "Homem Primata"   Ciro Pessoa, Marcelo Fromer, Nando Reis, Sérgio Britto Sérgio Britto 3:27
12. "Dívidas"   Arnaldo Antunes, Branco Mello Branco Mello 3:06
13. "O Que"   Arnaldo Antunes Arnaldo Antunes 5:38

CD 2 - Edição Especial lançada em 2012 com a versão demo do Álbum[editar | editar código-fonte]

N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Cabeça Dinossauro (Demo)"   Arnaldo Antunes, Branco Mello, Paulo Miklos 1:58
2. "AA UU (Demo)"   Marcelo Fromer, Sérgio Britto 3:00
3. "Igreja (Demo)"   Nando Reis 2:48
4. "Polícia (Demo)"   Tony Bellotto 2:01
5. "Estado Violência (Demo)"   Charles Gavin 2:33
6. "A Face do Destruidor (Demo)"   Arnaldo Antunes, Paulo Miklos 0:44
7. "Vai pra Rua (Demo)"   Arnaldo Antunes, Paulo Miklos 2:18
8. "Tô Cansado (Demo)"   Arnaldo Antunes, Branco Mello 2:20
9. "Bichos Escrotos (Demo)"   Arnaldo Antunes, Nando Reis, Sérgio Britto 3:17
10. "Família (Demo)"   Arnaldo Antunes, Tony Bellotto 4:09
11. "Homem Primata (Demo)"   Ciro Pessoa, Marcelo Fromer, Nando Reis, Sérgio Britto 3:13
12. "Dívidas (Demo)"   Arnaldo Antunes, Branco Mello 3:09
13. "O Que (Demo)"   Arnaldo Antunes 2:12

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

Titãs
Participações especiais
  • Liminha: guitarra em "Família" e "O Que"; percussão em "Cabeça Dinossauro"; DMX, Drumulator e efeitos em "O Que"
  • Repolho: castanholas em "Homem Primata"
Produção musical
  • Liminha - produtor, direção artística e musical
  • Vitor Farias - produtor, engenheiro de gravação e mixagem
  • Pena Schmidt - produtor
  • Bernardo - assistente de estúdio
  • Ricardo Garcia - masterização
  • Gravado no Estúdio Nas Nuvens, Rio de Janeiro-RJ, em março e abril de 1986
Produção gráfica
  • Sérgio Britto - capa
  • Vânia Toledo - fotos
  • Silvia Panella - arte final
  • José Oswaldo Martins - corte

Regravações por outros artistas[editar | editar código-fonte]

  • "Polícia": A canção foi regravada pela banda brasileira de thrash metal Sepultura, incluindo-a como faixa bônus da versão brasileira do disco Chaos A.D. (1993). Na edição de 1994 do festival Hollywood Rock, os Titãs chamaram os membros do Sepultura (também participantes do evento) para participarem da performance da faixa ao vivo. Em algumas ocasiões, o guitarrista Andreas Kisser participa de shows do Titãs tocando guitarra nessa canção. Os Paralamas do Sucesso, em algumas ocasiões, citam trechos de "Polícia" em sua canção "Selvagem". A banda liderada por Herbert Vianna ainda regravou as duas canções junto com a banda paulista, no CD e DVD Paralamas e Titãs Juntos e Ao Vivo, também com a participação de Andreas Kisser.
  • "Estado Violência": foi regravada pelo Biquini Cavadão em seu álbum de covers 80 (2001).
  • "Família": O grupo de pagode Molejo adaptou a letra para o ritmo de samba, na versão gravada no álbum de 1998. A introdução de teclados da versão original foi utilizada em uma das faixas, com o aval dos Titãs.

Referências

  1. Titãs. «Titãs - História». Consultado em 25 de maio de 2008. 
  2. a b c d e f g h Britto, Sérgio (Novembro 2006). "Cabeça Dinossauro". Rolling Stone Brasil (2). Grupo Spring de Comunicação.
  3. whiplash.net (2007). «Leonardo da Vinci na capa de álbum dos Titãs». Consultado em 25 de maio de 2008. 
  4. Pereira, Leonardo Dias (Outubro de 2007). «Os 100 Maiores Discos da Música Brasileira - Cabeça Dinossauro - Titãs (1986, WEA)». Rolling Stone Brasil. Spring. Consultado em 28 de janeiro de 2016. 
  5. Bomfim, Emanuel (7 de setembro de 2012). «'Ventura' é eleito o melhor disco brasileiro de todos os tempos». Combate Rock. Grupo Estado. Consultado em 28 de janeiro de 2016. 
  6. Cabeça Dinossauro - Edição Comemorativa 30 Anos (Deluxe Version)
  7. Bergamo, Mônica (24 de março de 2014). «Com 30 anos de estrada, Titãs se unem à nova geração do humor em filme e preparam disco». Folha de S.Paulo. Grupo Folha. Consultado em 28 de Abril de 2014. 
  8. Leite, Edmundo (31 de agosto de 2012). «Alguns discos clássicos já nascem grandes». Acervo Estadão. Grupo Estado. Consultado em 28 de janeiro de 2016. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Titãs é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.