TVE Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cabeça Feita)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Nota: Para emissoras com nome similar consulte TV Educativa (desambiguação)
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde março de 2010). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
TV Educativa do Rio de Janeiro
Televisão Educativa do Brasil S/A
Tipo Rede de televisão aberta educativa
País  Brasil
Fundação 5 de novembro de 1975
por Gilson Amado
Extinção 2 de dezembro de 2007
Pertence a Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto
Cidade de origem Rio de Janeiro Rio de Janeiro, RJ
Sede Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg Rio de Janeiro, RJ
Avenida Gomes Freire, 474 / Rua da Relação, 18 - Centro
Estúdios Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg Rio de Janeiro, RJ
Avenida Gomes Freire, 474 / Rua da Lapa, 18 - Centro
Slogan Um canal entre você e o Brasil.
Canais irmãos Rádio MEC
Afiliações Rede Pública de Televisão
Emissoras próprias
Nome(s) anteriore(s)
  • TV Educativa (1975-1987)
  • Rede Brasil (1987-1997; 2001-2005)

TV Educativa do Rio de Janeiro (também chamada de TVE Brasil, TV Educativa ou TVE RJ) foi uma emissora de televisão brasileira sediada no Rio de Janeiro, capital do estado homônimo. De cunho educativo e público, a emissora era mantida pela Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto, fundação educativa que também controla, até hoje, a Rádio MEC. Inaugurada no dia 5 de novembro de 1975, foi idealizada pelo professor Gilson Amado, que já havia realizado experiências em programação educativa no rádio e na TV.

Em 1998, a TVE Brasil passou a integrar a Rede Pública de Televisão, que era coordenada em conjunto com a TV Cultura, além das afiliadas de cada uma. Foi extinta no dia 2 de dezembro de 2007, após a fusão da ACERP com a Radiobrás para formar a Empresa Brasil de Comunicação, dando espaço para a TV Brasil, sendo lançada no mesmo dia em que as transmissões de televisão digital se iniciaram no território brasileiro.

História[editar | editar código-fonte]

O conceito de uma emissora de televisão educativa era defendido pelo professor Gilson Amado, que sempre justificou o uso da televisão como instrumento de ensino à distância. Gilson já tinha experiência em programação educativa desde 1962, quando conquistou o horário das 22h30, na então TV Continental, canal 9 do Rio de Janeiro, para apresentar suas mesas-redondas.

No dia 3 de janeiro de 1967, Gilson Amado inaugurou a Fundação Centro Brasileira de TV Educativa (FCBTVE), que embora tenha um período pré-histórico que remete aos idos de 1952 e às figuras de Roquette Pinto e Tude de Souza, não pôde, por motivos políticos, ser concretizada. Gilson Amado, porém, com experiência na área, uma vez que já havia trabalhado na TV Continental, bem como na TV Tupi, levou a ideia adiante e deu início aos trabalhos de educar a distância via televisão. Tinha como objetivo alfabetizar o maior número de pessoas do país. Inicialmente, a FCBTVE obteve concessão para se estabelecer como rádio e televisão através da Portaria Interministerial n° 408, em 1970 e do decreto federal n° 72637, em 1973. Passou seus primeiros anos operando apenas em circuito fechado, em condições precárias, num pequeno apartamento de quarto e sala situado no 10º andar de uma edifício comercial, localizado na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, na capital fluminense. Esta fase de experiências serviu como treinamento da equipe.

Em 1972, a emissora, que ainda não tinha sido inaugurada, recebeu da Fundação Konrad Adenauer, da Alemanha, os primeiros equipamentos para seu estúdio, o Telecentro, localizado na Avenida Gomes Freire, 474, no Centro, onde antes funcionava o Teatro República. A FCBTVE ganhou a concessão do canal 2 VHF, onde a filial carioca da TV Excelsior operou entre 1963 e 1970.

Mas antes de ganhar a concessão de seu próprio canal, a TVE, desde 1971, tinha permissão para veicular seus programas no horário diurno de quase 30 emissoras comerciais. Após diversos cursos, treinamentos, seminários e estudos, a TV Rio canal 13, veiculou, no dia 26 de novembro de 1973, o 1º programa da FCBTVE, João da Silva, que consistia numa mescla entre telenovela e curso supletivo de 1° grau, com o ator Nelson Xavier.

No dia 5 de novembro de 1975, a TVE fez sua primeira transmissão através do canal 2, ainda em caráter experimental. A emissora só passou a operar em definitivo no dia 4 de fevereiro de 1977, exibindo 6 horas de programação diária.[1]

No dia 3 de dezembro de 1979, entrou no ar a Rede de Televisão Educativa, composta por 20 emissoras. Os programas É Preciso Cantar e Pequena Antologia da MPB, apresentados por Grande Otelo, tinham a preocupação com a memória nacional. Financiados pela Rede Globo e produzidos pela TVE, surgiram dois bem sucedidos seriados da teledramaturgia infantil: Pluft, o Fantasminha (1975) e Sítio do Picapau Amarelo (1977). Também nesta fase inicial, destacou-se a série Patati-Patatá, premiada no Japão como o melhor programa de conteúdo pedagógico do mundo em 1981. Neste ano, Flávio Migliaccio estreou um seriado como Tio Maneco, personagem no qual ele já tinha interpretado no cinema em dois filmes, um de 1971 e outro de 1978.

Já o trabalho voltado para as crianças revelou artistas como Gualba Pessanha (interpretando o personagem Plim-Plim, o Mágico do Papel), Daniel Azulay (em A Turma do Lambe-Lambe) e Bia Bedran (em Canta Conto). O programa I Love You ensinava inglês através de músicas. Abordando os mais variados assuntos, Lúcia Leme comandou os debates, as entrevistas e os bate-papos do programa Sem Censura, que chegou a alcançar o 2° lugar na audiência vespertina em 1987, no Rio de Janeiro. Em 1988, através da iniciativa do publicitário Carlos Alberto Vizeu, estreou o programa Intervalo, que recordava antigos comerciais da TV brasileira. Na década de 1990, estreava o programa Um Salto para o Futuro, com a proposta de disseminar programas de educação à distância, visando a reciclagem de professores do ensino básico.

No dia 8 de outubro de 1981, a FCBTVE passou a englobar 4 centros de comunicação (televisão, rádio, informática e multimeios), criando assim o Fundo de Financiamento da Televisão Educativa (FUNTEVÊ). No dia 26 de novembro, o centro de televisão recebeu o nome Centro Brasileiro de Televisão Educativa Gilson Amado, em homenagem ao professor, falecido há exatos dois anos. A TVE era parte da extinta Fundação Roquette-Pinto, órgão vinculado à Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República. No dia 16 de janeiro de 1998, a fundação tornou-se Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (ACERP), passando a captar patrocínio para financiar parte de sua programação. No dia 28 de outubro, é criada, em São Paulo, a Rede Pública de Televisão, uma divisão da ACERP para unificar conteúdos de todas as emissoras educativas do país, onde a TVE coordenava junto com a TV Cultura.

Em 2007, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva assina um decreto que criaria a Empresa Brasil de Comunicação (feita a partir de uma fusão entre a ACERP e a Radiobrás, de Brasília, unificando também os órgãos de rádio e televisão educativas governamentais), além de uma emissora de televisão de caráter público.[2] Às 12 horas (horário de Brasília) do dia 2 de dezembro, reunindo-se com os canais da extinta Radiobrás, a TVE passou a ser denominada de TV Brasil. No mesmo dia, foi lançado o sinal de televisão digital na capital paulista, inaugurando a nova tecnologia no Brasil.

Programas[editar | editar código-fonte]

Em toda a sua existência, a TVE Brasil exibiu os seguintes programas:[3]

Slogans[editar | editar código-fonte]

  • 1980: ZYB 510, TV Educativa, Canal 2
  • 1982: TVE 82, o melhor da televisão.
  • 1985: TVE, a nova imagem da liberdade.
  • 1987: Rede Brasil, uma nova imagem no ar.
  • 1988: Rede Brasil, o país ligado de norte a sul.
  • 1990: Mais um programa via satélite pela Rede Brasil.
  • 1992 - 1993: Rede Brasil, a televisão a serviço da sociedade.
  • 1997 - 2001: Aqui na TVE Brasil, todo horário é nobre para você.
  • 2001 - 2003: Penso, logo assisto.
  • 2003 - 2005: TVE, uma emissora da Rede Brasil.
  • 2005 - 2007: Um canal entre você e o Brasil.

Referências

  1. «A história da TVE». Pró-TV. Consultado em 4 de janeiro de 2018. 
  2. Dayane Mikevis (30 de outubro de 2007). «Prestes a ser "engolida" por TV de Lula, TVE vive apreensão». Folha Online. Folha de S.Paulo. Consultado em 5 de janeiro de 2018. 
  3. «Programação TVE». Terra. Consultado em 3 de junho de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
TV Excelsior RJ
Canal 2 do Rio de Janeiro
1975 - 2007
Sucedido por
TV Brasil RJ