Cabeço das Fráguas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Camera-photo.svg
Ajude a melhorar este artigo sobre Arquitetura ilustrando-o com uma imagem. Consulte Política de imagens e Como usar imagens.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde Março de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Sítio Arqueológico do Cabeço das Fráguas ou apenas Cabeço das Fráguas, localiza-se junto da Quinta de S. Domingos, no lugar de Cabeço da Senhora dos Prazeres, freguesia de Benespera no concelho da Guarda, distrito da Guarda.[1]

A altitude do cabeço é de 1015 metros. No seu topo existe um planalto onde estavam implantadas as edificações religiosas, em todas as portelas existem vestígios de muralhas.

O acesso só é possível a pé e com alguma dificuldade, já que leva quase uma hora a subir o íngreme cabeço pelo flanco norte (o mais favorável para a subida).

Trata-se de um sítio arqueológico da maior importância, referente a um antigo local de culto a divindades lusitanas datado do séc. V a.C..

No topo do cabeço encontra-se uma escavação arqueológica que prova a existência de algumas edificações lusitanas possivelmente destinadas ao culto. A consubstanciar essa mesma ideia está a existência de uma das únicas inscrições em língua lusitana escrita com caracteres latinos.

Nas imediações do cabeço foram encontradas 20 aras religiosas contemporâneas dos lusitanos, o que se reveste da maior importância já que, por comparação, em toda a província vizinha de Salamanca, Espanha apenas existem 18 aras.

Pensa-se que o cabeço poderá ser o local da morte de Viriato e das suas possíveis cerimónias fúnebres sob a forma de cremação em pira funerária. Podendo por isso ser o equivalente ao túmulo em outras culturas fúnebres.

Inscrição na laje[editar | editar código-fonte]

Na inscrição na laje pode ler-se:

OILAM. TREBOPALA.

INDI. PORCOM. LAE(uel B)BO.

OMAIAM. ICCONA. LOIM/INNA. OILAM. VSSEAM.

TREBARVNE. INDI. TAVROM./ IFADEM [...?]

REVE. TRE [...]

Que segundo uma das traduções mais consensuais:

“A Trebopala uma ovelha e a Laebo um porco,

a Iccona Loiminna uma vaca,

a Trebaruna uma ovelha de um ano

e a Reva Tre-(?) um touro de cobrição”

A inscrição na laje foi reproduzida com auxilio de um equipamento scanner laser e um molde da mesma encontra-se exposto no museu da Guarda.

Referências

  1. «Anúncio nº 184/2013» (PDF). Diário da República. Consultado em 9 de Março de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]