Cabeleireiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde abril de 2011).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Cabeleireiro em acção.

Cabeleireiro(a) ou barbeiro(a) é uma categoria profissional que trabalha com o cabelo humano, realizando diversas alterações ao mesmo como corte ou coloração. Estes profissionais utilizam vários utensílios e ferramentas para a manipulação capilar, onde se salientam: as tesouras, navalhas, pentes, capas e máquinas de corte e acabamento. O nome designa também o estabelecimento comercial onde trabalham as pessoas dedicadas a esta atividade.

O dia do profissional cabeleireiro(a) é oficialmente comemorado no dia 18 de janeiro[1] Outras datas sempre foram comemoradas como o Dia do Cabeleireiro(a), por exemplo o 3 de Setembro, que era uma data sugerida por sindicatos ou federações da classe. Outras data que também se confundem e onde muito se comemora são os dias 3 e 11 de novembro. Mas esta data se confunde com o dia do padroeiro dos cabeleireiros, São Martinho de Porres, comemorado no dia 3 de Novembro.

A profissão barbeiro foi trazida ao Brasil pelos padres jesuítas[2], em uma tentativa de civilizar os nativos daqui. Com o tempo, o ofício começou a ser delegado aos escravos negros, que trabalhavam para seus senhores e para outros homens.

Durante a Segunda Guerra Mundial, surgiram novos equipamentos que facilitaram o home care. Com isso, o público das barbearias diminuiu e o ofício ficou por um tempo esquecido. Mas Elvis fez com que esses tempos tivessem revival durante a era rock.

No entanto, por muito tempo, a barbearia não conseguiu seguir as amplas mudanças da sociedade. Como os salões de beleza, começou a se tornar unissex e foi inundado pelas mulheres, afastando os homens.

Com isso, o público permanecia sem grandes crescimentos e, assim, criou-se um nicho a ser atendido. Mas os brasileiros, cada vez mais vaidosos, passaram a necessitar de um especialista que pudesse atendê-los da forma como merecem: de forma confortável, adequada e especializada.

Os novos empreendedores, com o desejo de explorar demandas cada vez mais personalizadas, transformaram o setor, reinventaram as barbearias e elas voltaram com tudo. Hoje é impossível pensar em mercado da beleza masculino sem se lembrar delas.


Referências

  1. Congresso Nacional (18 de janeiro de 2012). «Lei Nº 12.592, de 18 de janeiro de 2012». Subchefia para assuntos jurídicos da Casa Civil da Presidência da República Federativa do Brasil. Consultado em 9 de junho de 2017 
  2. CEFAD - Instituto Europeu de formação profissional (22 de junho de 2017). «Profissão Barbeiro» 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cabeleireiro