Cabo Orange

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cabo Orange
País  Brasil
Região  Amapá
Local Foz do rio Oiapoque
Mar(es) Oceano Atlântico
Flamingo-rubro, que no Brasil nidifica apenas no cabo Orange

O cabo Orange situa-se no litoral do estado brasileiro do Amapá e marca o extremo norte desse estado, bem como de todo o litoral do Brasil, embora este ainda continue por mais alguns quilômetros, novamente em direção sul, na foz do rio Oiapoque, a oeste do cabo. Rica em fauna e flora, a área é o único lugar do litoral brasileiro onde o flamingo-rubro nidifica.[1] [2]

História[editar | editar código-fonte]

A região foi descoberta em 1600 pelo navegador espanhol Vicente Pinzón, que originalmente o nomeou «cabo de San Vicente Ferráz», em homenagem ao santo do dia, como era costume na época.[3] Em 1696 passa a se chamar «cabo Cecil» e, pouco depois, em 1600, foi novamente mudado para «cabo de la Corda».[3] A denominação atual desse marco geográfico foi posta em 1625 pelo holandês Johannes de Laet, que o batizou em homenagem à Casa de Orange.[3] Os portugueses, a principio, haviam dado o nome de «Cabo do Norte».[4]

Tanto o cabo Orange quanto a vizinha foz do rio Oiapoque são por vezes frequentemente mencionados como sendo o extremo norte do Brasil, e até a segunda metade do século XX essa informação errônea ainda podia ser encontrada em vários livros escolares ou publicações brasileiras conceituadas.[5] [nota 1] Em realidade, o ponto mais setentrional do Brasil está localizado no interior da Amazônia, a centenas de quilômetros dali, no monte Caburaí, estado de Roraima, fronteira com a Guiana (ex-Guiana Inglesa). O Caburaí fica quase um grau de latitude mais ao norte que o cabo Orange. Entretanto, o cabo é de fato o ponto mais ao norte do litoral brasileiro.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O cabo Orange é separado da costa da Guiana Francesa por uma vasta baía alimentada pelo estuário do rio Oiapoque. A região está localizado numa área de manguezal frequentemente inundada pelas marés, como quase todo o litoral amapaense, e está incluída no Parque Nacional do Cabo Orange.

Notas

  1. Como se pode constatar pela expressão popular «do Oiapoque ao Chuí», usada para indicar que algo abrange todo o território nacional brasileiro.

Referências

  1. João Paulo Ribeiro Capobianco (2001). Biodiversidade na amazônia brasileira: avaliação e ações prioritárias para a conservação, uso sustentável e repartição de benefícios Estação Liberdade [S.l.] p. 540. ISBN 8585994134. 
  2. Adm. do sítio web (2010). «Flamingo-americano (Phoenicopterus ruber)». Dicionário Socioambiental Brasileiro. Consultado em 5 de setembro de 2015. 
  3. a b c VIDAL, Valmiro R. (1958). Curiosidades: como se aprende distraindo-se; 1.000 coisas interessantes para a nossa cultura enciclopédica Conquista [S.l.] p. 223. 
  4. RAJA GABAGLIA, Fernando Antônio. As fronteiras do Brasil Tipografia do Jornal do Commercio, 1916 [S.l.] p. 331. 
  5. BENEVIDES, Marijeso de Alencar (1946). Os novos territórios federais: Amapá, Rio-Branco, Guaporé, Ponta-Pora e Iguaçu; Geografia, história e legislação Imprensa Nacional [S.l.] p. 264. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.