Cabreúva (São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Cabreúva
Vista do Cruzeiro, retratando o Centro histórico da Cidade

Vista do Cruzeiro, retratando o Centro histórico da Cidade
Bandeira de Cabreúva
Brasão de Cabreúva
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 24 de março de 1859 (159 anos)
Gentílico cabreuvano
Lema Sub lege libertas
"Sob a lei da liberdade"
Prefeito(a) Henrique Martin (Sem partido atualmente)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Cabreúva
Localização de Cabreúva em São Paulo
Cabreúva está localizado em: Brasil
Cabreúva
Localização de Cabreúva no Brasil
23° 18' 28" S 47° 07' 58" O23° 18' 28" S 47° 07' 58" O
Unidade federativa São Paulo
Região
intermediária

Campinas IBGE/2017 [1]

Região
imediata

Jundiaí IBGE/2017

Região metropolitana Jundiaí
Municípios limítrofes Norte: Indaiatuba e Itupeva

Sul: Pirapora do Bom Jesus e Araçariguama Leste: Jundiaí Oeste: Itu.

Distância até a capital 78 km
Características geográficas
Área 259,807 km² [2]
População 47 877 hab. Censo IBGE/2017[3]
Densidade 184,28 hab./km²
Clima Tropical de Altitude Cwa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,774 elevado PNUD/2000[4]
PIB R$ 950 650,979 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 22 721,65 IBGE/2008[5]
Vista panorâmica do Cruzeiro, localizado no Bairro Vale Verde

Cabreúva é um município da Aglomeração Urbana de Jundiaí, no estado de São Paulo, no Brasil. Situa-se nas coordenadas geográficas: 23º18'27" S e 47º07'59" W. De acordo com o censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2010, sua população é de 45 830 habitantes.[6] Possui uma área territorial de 259 quilômetros quadrados.[7]

História[editar | editar código-fonte]

Cabreúva foi fundada em princípios do século XVIII por um membro da família Martins e Ramos, do município de Itu, o qual, à procura de um lugar para instalar-se, subiu explorando a margem direita do Rio Tietê até encontrar um vale encravado entre cinco grandes serras - que mais tarde seriam denominadas Japi", Guaxatuba, Guaxinduva, Cristais e Taguá, onde, constatando o clima ameno, a fertilidade do solo e a abundância de água existentes, estabeleceu-se.

Senhor de muitos escravos e dono de grande fortuna, Martins, acompanhado pela família, ocupou a terra e dedicou-se a cultivar cana-de-açúcar para a fabricação de aguardente, dando início à instalação de engenhos que se tornariam a maior força econômica da localidade durante décadas; produzindo uma cachaça que ganhou notoriedade e tornou-se famosa muito além de suas fronteiras, dando à cidade o popular slogan de Terra da Pinga.      

Aproximadamente um século após a fundação, uma família de lavradores doou o terreno para a construção de uma capela, que foi erguida sob a invocação de São Benedito que, poucos anos depois de sua fundação, em virtude da precariedade da construção, desmoronou ante a força de um grande temporal. No mesmo local, passados alguns meses, foi erigida, por um fazendeiro, uma nova capela, até que, em 1856, com recursos levantados pela comunidade, ergueu-se a Matriz atual, em homenagem à Nossa Senhora da Piedade, Padroeira de Cabreúva, que é homenageada em 15 de setembro.

Etimologia - Árvore Cabreúva[editar | editar código-fonte]

O nome do município é originário da árvore Cabreúva do tipo pardo (Myrocarpus Frondosus), da família (Leguminosae-Papilionoideae) conhecida pelos índios como "Kaburé-Iwa" (árvore da Coruja).

A cabreúva é muito valorizada pela densidade da madeira (0,91g/cm³) e pelas propriedades medicinais do líquido aromático liberado quando se efetuam incisões no tronco, o qual produz um bálsamo muito utilizado na medicina popular.

O topônimo fixou-se em virtude da utilização de um tronco da árvore - que costuma atingir média de 25 metros de comprimento, com 90 cm de diâmetro - como pinguela (ponte) para facilitar a travessia de pedestres sobre o Ribeirão dos Padres (atualmente Ribeirão Cabreúva) às margens do qual estava o então Distrito de Paz que viria a se tornar o centro da cidade.

Também conhecida como Óleo Pardo, Pau-de-bálsamo, Cabrué, Caboriba, Cabureíba, Jataúba, Pau D‘óleo... dentre outros nomes, a árvore fornece madeira principalmente para uso externo, como mourões, dormentes e vigas para pontes, além da utilização como revestimento decorativo em lambrís e painéis.

O uso paisagístico é recomendado apenas em parques e jardins de grandes dimensões, pois é planta que precisa de espaço. Desenvolve-se muito bem em formações tropicais como florestas pluviais da encosta Atlântica - com exceção para o cerrado, onde não é encontrada.

Floresce entre os meses de setembro e outubro, com amadurecimento dos frutos em novembro e dezembro, os quais, se colhidos no início da queda espontânea, podem ser utilizados para a semeadura como se fossem sementes, não devendo, no entanto, ser armazenados por período superior a 03 meses.

Para a produção de mudas, deve-se colocar as sementes para germinar logo que colhidas, em canteiros ou embalagens individuais contendo substrato de matéria orgânica e argila, e mantê-las em ambiente semi-sombreado. A germinação ocorre normalmente entre o 10º e o 15º dia e o desenvolvimento das plantas é médio, alcançando 2,5 metros em 2 anos.

Formação Administrativa[editar | editar código-fonte]

  • Distrito criado com a denominação de Cabreúva, por Decreto de 09 de dezembro de 1830, no município de Itu.
  • Elevado a categoria de vila com a denominação de Cabreúva, por Lei Províncial no 12, de 24 de março de 1859, desmembrado de Itu.
  • Constituído do Distrito Sede em 24 de julho de 1859. Cidade por Lei Estadual nº 1038, de 19 de dezembro de 1906.
  • Em divisão administrativa do Brasil referente ao ano de 1911, o município de Cabreúva se compunha do Distrito Sede. Assim permanecendo em divisão administrativa referente ao ano de 1933.
  • Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, bem como no quadro anexo ao Decreto-lei Estadual nº 9073, de 31 de março de 1938, o município de Cabreúva pertence ao termo judiciário de Itu, da Comarca de Itu, e se compõe do Distrito Sede.
  • No quadro fixado, pelo Decreto Estadual nº 9775, de 30 de novembro de 1938, para 1939-1943, o município de Cabreúva é composto de 1º único Distrito Cabreúva e pertence ao termo de Itu, na comarca de Itu. Em virtude do Decreto-lei Estadual nº 14334, de 30 de novembro de 1944.
  • Fixado o quadro territorial para vigorar em 1945-1948, o Município de Cabreúva ficou composto igualmente de 1º Distrito, Cabreúva e pertence ao termo e comarca de Itu. Constituído ainda apenas de 1º Distrito, Cabreúva, comarca de Itu, nos quadros territoriais fixados pelas Leis Estaduais nos 233, de 24-XII­1948 e 2456, de 30-XII-1953 para vigorar, respectivamente, nos períodos 1949-53 e 1954-58. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 01-VII-1960.
  • Lei Estadual no 8092, de 18 de fevereiro de 1964, cria o Distrito de Bonfim do Bom Jesus e incorpora ao município de Cabreúva.
  • Lei Estadual no 4954, de 27 de dezembro de 1985, cria o Distrito de Jacaré e incorpora ao município de Cabreúva.
  • Em Divisão Territorial datada de 01-VI-1995, o município é constituído 3 Distritos: Cabreúva, Bonfim do Bom Jesus e Jacaré. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 15-VII-1999.

Fonte: IBGE

Feriados Municipais - Lei 1.863/09[editar | editar código-fonte]

  • 24 de março: aniversário do município.
  • Sexta-Feira Santa
  • Corpus Christi
  • 15 de setembro: dia de Nossa Senhora da Piedade, Padroeira do município.
  • 20 de novembro: dia da Consciência Negra.
A igreja matriz, dedicada a Nossa Senhora da Piedade

Cultura[editar | editar código-fonte]

Cabreúva é a cidade de residência da família do escritor e editor Jeferson Santiago de França, que foi um dos primeiros a fazer teatro no município, tendo montado e participado de diversos grupos teatrais. Participou também da obra "Poetas da cidade", uma antologia de textos produzidos pelos munícipes em 2008, com organização de Lucy Ciola, secretária municipal de Cultura, à época. Jeferson Santiago de França batizou a sua editora de Cabureiwa Editorial , em referência ao município, e lançou em 2016 o livro infantojuvenil Moça Lua (primeiro volume da Série Folclore Brasileiro), onde reconta uma lenda indígena. Em 2017, o escritor lançou Corpo-seco, o segundo volume da Série Folclore Brasileiro e, atualmente, prepara o seu livro de poemas e o seu primeiro romance.

O Centro histórico abriga a Igreja Matriz Nossa Senhora da Piedade, erguida em 1856 com recursos da comunidade e fazendeiros da época. Abriga ainda a Sorveteria Laurini, que há décadas é famosa na cidade e na região pela fabricação de sorvetes, sendo o 'carro-chefe' o picolé de groselha. Além disso, a cidade conta com projetos culturais e diversas construções de época.

Cabreúva também sedia dois importantes templos da tradição budista, o Centro de Meditação Kadampa Brasil, maior templo budista da América Latina e o Mosteiro Sakya, localizado no Centro da cidade.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A paisagem é dominada por duas formações geográficas destacadas: as serras (Japi, Guaxatuba e Taguá) e o Rio Tietê.

As altitudes no município variam entre 640 m no centro do município até 1.200 no alto da Serra do Japi.

O município possui uma área territorial total de 261 km², sendo 96 km² de área urbana e 165 km² de área rural, tendo como municípios vizinhos ao norte: Indaiatuba e Itupeva, ao sul: Pirapora do Bom Jesus e Araçariguama, ao leste: Jundiaí e a oeste: Itu.

Clima[editar | editar código-fonte]

Cabreúva está acima do Trópico de Capricórnio, na Zona Tropical do hemisfério Sul. O clima de Cabreúva é influenciado pela altitude. Os verões são quentes e úmidos, a Primavera e o Outono são estações de Transição entre o verão e o inverno, sendo mais úmidas quando tende ao verão e mais secas quando tendem ao inverno. O inverno é a época de estiagem das chuvas, e enfim, é a estação seca(W), não tendo uma frequência pluviométrica na estação. O clima se define então como: Tropical de Altitude tipo Cwa na classificação Classificação climática de Köppen-Geiger.

As altitudes no município variam entre 640 metros no centro do município até 1 200 metros no alto da Serra do Japi.

O município possui uma área territorial total de 261 quilômetros quadrados, sendo 96 quilômetros quadrados de área urbana e 165 quilômetros quadrados de área rural, tendo como municípios vizinhos ao norte: Indaiatuba e Itupeva, ao sul: Pirapora do Bom Jesus e Araçariguama, ao leste: Jundiaí e a oeste: Itu.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010

População Total: 41 643

  • Urbana: 35 295
  • Rural: 6 348
  • Homens: 21 114
  • Mulheres: 20 529

Densidade demográfica (hab./km²): 160,28

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 16,02

Expectativa de vida (anos): 71

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,56

Taxa de Alfabetização: 90,05%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,774

  • IDH-M Renda: 0,709
  • IDH-M Longevidade: 0,769
  • IDH-M Educação: 0,845

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

  • Prefeito: Henrique Martin (Sem partido atualmente) (2013-2016) / (2017-2020)
  • Henrique Martin tem a comunicação na veia. Vendeu anúncios, editou jornais. Também teve programas de rádio (primeiro, na Rádio Club FM; depois, na Rádio Japi AM – ambas de Cabreúva). Nesta última, produzia e apresentava o programa ‘Café com o Prefeito’. Ele, aliás, também tem a política na veia – e, em 2004, aos 18 anos, se elegeu o vereador mais jovem do Brasil e mais votado na história da cidade, até então. Depois, cumpriu o segundo mandato na Câmara Municipal de Cabreúva onde foi presidente e partiu para outro desafio, quando se elegeu prefeito daquele município. Em 2016, conquistou o seu segundo mandato como prefeito, obtendo 85% dos votos. Henrique é formado em Jornalismo, tem MBA em Gestão de Pessoas e já publicou dois livros: ‘Gestão Pública do Futuro’ e ‘Hermelindo Federzoni – O Glória do Caipira’, o qual teve toda sua renda revertida ao Grendacc (Grupo em Defesa da Criança com Câncer) de Jundiaí-SP.
  • Vice-prefeita: Maria Célia Donato Reynaldo (PSD)
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cabreúva (São Paulo)

Referências

  1. «O recorte das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias de 2017» (PDF). Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2017. p. 20–34. Consultado em 10 de agosto de 2017. 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. «Censo Populacional 2017». Censo Populacional 2017. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 23 de janeiro 2015. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  6. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome IBGE_Pop_2014
  7. «Alckmin lança Câmara de Desenvolvimento Metropolitano». SP Notícias - Governo do Estado de São Paulo. 30 de março de 2011. Consultado em 2 de abril de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]