Cacatua

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCacatua
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Psitaciformes
Família: Cacatuidae
Gêneros
Probosciger

Calyptorhynchus

Callocephalon

Eolophus

Cacatua

Nymphicus

Lophochroa

Cacatuas ou catatuas (em Portugal[1]) são aves psitaciformes, pertencentes à família Cacatuidae (a taxonomia de Sibley-Ahlquist integra as cacatuas na família dos psitacídeos). São muito semelhantes aos papagaios em relação ao bico em formato de banana e morfologia zigodáctila dos pés (dois dedos para a frente, dois para trás). Como características distintivas, as cacatuas apresentam uma crista móvel e plumagem de cores simples. As cacatuas têm distribuição geográfica restrita à Oceania (mais precisamente nas florestas australianas) e em ilhas vizinhas do Pacífico. Há cerca de 20 espécies de cacatuas.

Bastantes barulhentas e coloridas, as cacatuas têm bicos encurvados e pés com grande capacidade de movimentação, usados para andar, trepar em árvores e levar comida à boca. As cacatuas são psitacídeos grandes, dotadas de um penacho que é erguido em exibições de corte. Encontradas apenas no Sudeste Asiático e na Austrália, são especializadas em comer sementes e quebrar nozes. Reúnem-se em grandes bandos, vivem em ambientes relativamente úmidos e têm cauda curta. Alimentam-se principalmente no solo.

As cacatuas têm uma expectativa de vida que varia de 30 a 75 anos. São aves extremamente dóceis e brincalhonas, se adquiridas em um cativeiro. Podem aprender a cantar e a falar. Atingem tamanhos que variam de 35 a 70 centímetros. O que torna a cacatua particular é a sua crista, que levanta e abaixa dependendo do seu estado de humor.

Outro aspecto a ter em conta é a inteligência destes bichos, que aprendem com muita facilidade a abrir gaiolas e a pegar em pequenos objetos como isqueiros, canetas, relógios, pulseiras, cordões, dentre outros, podendo representar um perigo para o animal. Portanto, é importante deixar estas pequenas coisas longe de seu alcance. Uma das formas de ultrapassar este problema é ter alguns brinquedos próprios para ela ou também dar-lhe nozes ou castanhas para lhe entreter. Se sentirem-se esquecidas ou abandonadas, tendem a arrancar as penas e a destruir tudo o que tenham à volta, seja plantas, mobília, eletrodomésticos e até mesmo roupas.

Etmologia[editar | editar código-fonte]

A palavra cockatoo (nome em inglês para cacatua) data do século XX e é derivada do neerlandês kaketoe, que vem do malaio kakaktua. As variantes do século XVII incluem cacato, cacatua e crockadore. Cokato, cocatore e cocatoo foram usados no século XVIII.[2][3] A derivação também foi usada para os nomes familiares e genéricos Cacatuidae e Cacatua, respectivamente.[4]

Na gíria australiana ou na língua vernácula, uma pessoa designada para vigiar enquanto outros realizam atividades clandestinas ou ilegais, particularmente jogos de azar, pode ser chamada de "cockatoo".[5] Proprietários de pequenas empresas agrícolas são frequentemente chamados de "fazendeiros arrogantes", de maneira jocosa ou levemente depreciativa.[6]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

As cacatuas foram definidas pela primeira vez como uma subfamília Cacatuinae dentro da família dos psitacídeos pelo naturalista inglês George Robert Gray em 1840, sendo Cacatua o primeiro gênero listado e tipo.[7] Este grupo foi considerado alternadamente como completo ou como uma subfamília por diferentes autoridades. O ornitólogo americano James Lee Peters em sua lista de verificação de 1937 de Birds of the World, Sibley e Monroe em 1990 manteve-a como uma subfamília, enquanto o especialista em psitacídeos Joseph Forshaw a classificou como uma família em 1973.[8] Estudos moleculares subsequentes indicam que o primeiro ramo dos ancestrais dos papagaios originais foram os papagaios da Nova Zelândia da superfamília Strigopoidea, e depois disso as cacatuas, agora um grupo ou clado bem definido, se separaram dos papagaios restantes, que então se irradiaram através do Hemisfério Sul e diversificado em muitas espécies de papagaios, periquitos, araras, lóris, pombinhos e outros papagaios verdadeiros da superfamília Psittacoidea.[9][10][11][12][13][14][15][16][17]

As relações entre os vários gêneros da cacatua são amplamente resolvidas,[9][10][12][18][19][20] embora a colocação da calopsita (Nymphicus hollandicus) na base das cacatuas permaneça incerta. A calopsita é alternativamente colocada como base para todas as outras espécies de cacatua,[9][19] como o táxon irmão da espécie de cacatua negra do gênero Calyptorhynchus[12][18][20] ou como o táxon irmão de um clado que consiste em os gêneros da cacatua branca e rosa, bem como a cacatua da palma.[10] As espécies restantes estão dentro de dois clados principais, um consistindo nas espécies pretas do gênero Calyptorhynchus, enquanto o outro contém as espécies restantes.[9][10][12][19][20] De acordo com a maioria das autoridades, o segundo clado inclui a cacatua palmeira negra (Probosciger), a galah cinza e avermelhada (Eolophus), a cacatua gang-gang (Callocephalon) e a cacatua cacatua-rosa (Lophochroa),[9][10][12][19] embora Probosciger às vezes seja colocado como base para todas as outras espécies.[18] As espécies restantes são principalmente brancas ou ligeiramente rosadas e todas pertencem ao gênero Cacatua.[9][10][11][12][19] Os gêneros Eolophus, Lophochroa e Cacatua são hipomelanísticos. O gênero Cacatua é subdividido nos subgêneros Licmetis, comumente conhecido como corellas, e Cacatua, referido como cacatua branca.[9][18][19][20][21] De forma confusa, o termo "cacatua branca" também foi aplicado a todo o gênero.[22][23] As cinco espécies de cacatua do gênero Calyptorhynchus são comumente conhecidas como cacatuas negras[21] e são divididas em dois subgêneros: Calyptorhynchus e Zanda. O primeiro grupo é sexualmente dicromático, com as mulheres apresentando plumagem com barras proeminentes.[24] Os dois também se distinguem por diferenças na chamada "mendicância por comida" dos jovens.[25]

O registro fóssil de cacatuas é ainda mais limitado do que o de papagaios em geral, com apenas um fóssil de cacatua verdadeiramente antigo conhecido: uma espécie de Cacatua, provavelmente do subgênero Licmetis, encontrada nos depósitos do Mioceno Inferior (16-23 milhões de anos atrás) de Riversleigh, Austrália.[26] Embora fragmentários, os restos mortais são semelhantes à corella ocidental e ao galah.[27] Na Melanésia, ossos subfósseis de espécies de Cacatua que aparentemente não sobreviveram aos primeiros assentamentos humanos foram encontrados na Nova Caledónia e na Nova Irlanda.[28][29]

Características gerais[editar | editar código-fonte]

Asas: as cacatuas são boas voadoras. Suas asas são afiladas ou arredondadas. Quase sempre voam em bandos barulhentos, que podem ter desde pares até centenas de aves.

Bico: alimentam-se basicamente de vegetais e sementes. Usam o bico para quebrar e abrir sementes e nozes ou para morder frutos. A maxila superior, maior que a inferior, tem relativa mobilidade. Termina em um gancho pontudo, que utiliza para se alimentar e escalar. A língua costuma ser grossa e áspera.

Pés: usam-nos para andar, subir em brinquedos e escalar objetos (ou a gaiola), pegar a comida e levá-la à boca.

Alimentação: a ração destas aves deve ser adquirida em uma casa de aves (ou de rações),de preferência misturas nutritivas, parecidas com a de papagaio, e devem ser considerados ainda suplementos de frutas ou suplementos vitamínicos. Quando estiver calor, é aconselhável que borrife as suas penas com um borrifador. Na Natureza, estas aves vivem em ambientes relativamente úmidos, sentindo a necessidade desses borrifos.

Gêneros[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ciberdúvidas/ISCTE-IUL. «Catatua e cacatua - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa». ciberduvidas.iscte-iul.pt. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  2. J. Simpson; E. Weiner, eds. (1989). «cockatoo». Oxford English Dictionary 2nd ed. Oxford: Clarendon Press. ISBN 978-0-19-861186-8 
  3. Mynott, Jeremy (2009). Birdscapes: Birds in Our Imagination and Experience. Princeton, New Jersey: Princeton University Press. p. 319. ISBN 978-0-691-13539-7 
  4. Higgins, Peter Jeffrey (ed.) (1999). Handbook of Australian, New Zealand and Antarctic Birds. Volume 4: Parrots to Dollarbird. Melbourne: Oxford University Press. p. 127. ISBN 978-0-19-553071-1 
  5. Rowley, Ian (1997). «Family Cacatuidae (Cockatoos)». In: del Hoyo, Josep; Elliott, Andrew; Sargatal, Jordi. Handbook of the Birds of the World. Volume 4, Sandgrouse to Cuckoos. Barcelona: Lynx Edicions. pp. 246–69. ISBN 978-84-87334-22-1 
  6. Richards, Kel. «ABC NewsRadio: wordwatch, Cockatoo». ABC website. Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 20 de outubro de 2009. Arquivado do original em 16 de maio de 2008 
  7. Gray, George Robert (1840). A List of the Genera of Birds, with an indication of the typical species of each genus. London: R. & J.E. Taylor. p. 53. Consultado em 2 de novembro de 2009 
  8. Christidis & Boles 2008, p. 148
  9. a b c d e f g Nicole E. White; Matthew J. Phillips; M. Thomas P. Gilbert; Alonzo Alfaro-Núñez; Eske Willerslev; Peter R. Mawson; Peter B.S. Spencer; Michael Bunce (2011). «The evolutionary history of cockatoos (Aves: Psittaciformes: Cacatuidae)» (PDF). Molecular Phylogenetics and Evolution. 59 (3): 615–622. PMID 21419232. doi:10.1016/j.ympev.2011.03.011 
  10. a b c d e f Wright TF, Schirtzinger EE, Matsumoto T, et al. (2008). «A Multilocus Molecular Phylogeny of the Parrots (Psittaciformes): Support for a Gondwanan Origin during the Cretaceous». Molecular Biology and Evolution. 25 (10): 2141–56. PMC 2727385Acessível livremente. PMID 18653733. doi:10.1093/molbev/msn160 
  11. a b de Kloet, RS; de Kloet SR (2005). «The evolution of the spindlin gene in birds: Sequence analysis of an intron of the spindlin W and Z gene reveals four major divisions of the Psittaciformes». Molecular Phylogenetics and Evolution. 36 (3): 706–21. PMID 16099384. doi:10.1016/j.ympev.2005.03.013 
  12. a b c d e f Tokita M, Kiyoshi T, Armstrong KN (2007). «Evolution of craniofacial novelty in parrots through developmental modularity and heterochrony». Evolution & Development. 9 (6): 590–601. PMID 17976055. doi:10.1111/j.1525-142X.2007.00199.x 
  13. Astuti, Dwi; Azuma, Noriko; Suzuki, Hitoshi; Higashi, Seigo (2006). «Phylogenetic Relationships Within Parrots (Psittacidae) Inferred from Mitochondrial Cytochrome-bGene Sequences». Zoological Science. 23 (2): 191–8. PMID 16603811. doi:10.2108/zsj.23.191. hdl:2115/54809 
  14. Christidis L; Schodde R; Shaw DD; Maynes SF (1991). «Relationships among the Australo-Papuan parrots, lorikeets, and cockatoos (Aves, Psittaciformes) – protein evidence» (PDF). Condor. 93 (2): 302–17. JSTOR 1368946. doi:10.2307/1368946 
  15. Schweizer M, Seehausen O, Güntert M, Hertwig ST (2010). «The evolutionary diversification of parrots supports a taxon pulse model with multiple trans-oceanic dispersal events and local radiations». Molecular Phylogenetics and Evolution. 54 (3): 984–994. PMID 19699808. doi:10.1016/j.ympev.2009.08.021 
  16. Manuel Schweizer; Ole Seehausen; Stefan T. Hertwig (2011). «Macroevolutionary patterns in the diversification of parrots: effects of climate change, geological events and key innovations». Journal of Biogeography. 38 (11): 2176–2194. doi:10.1111/j.1365-2699.2011.02555.x 
  17. Leo Joseph; Alicia Toon; Erin E. Schirtzinger; Timothy F. Wright (2011). «Molecular systematics of two enigmatic genera Psittacella and Pezoporus illuminate the ecological radiation of Australo-Papuan parrots (Aves: Psittaciformes)». Molecular Phylogenetics and Evolution. 59 (3): 675–684. PMID 21453777. doi:10.1016/j.ympev.2011.03.017 
  18. a b c d Brown DM, Toft CA (1999). «Molecular systematics and biogeography of the cockatoos (Psittaciformes: Cacatuidae)». Auk. 116 (1): 141–57. JSTOR 4089461. doi:10.2307/4089461 
  19. a b c d e f Astuti, D (2004). A phylogeny of cockatoos (Aves: Psittaciformes) inferred from DNA sequences of the seventh intron of nuclear β-fibrinogen gene (PDF) (PhD). Graduate School of Environmental Earth Science, Hokkaido University, Japan 
  20. a b c d Adams M, Baverstock PR, Saunders DA, Schodde R, Smith GT (1984). «Biochemical systematics of the Australian cockatoos (Psittaciformes: Cacatuinae)». Australian Journal of Zoology. 32 (3): 363–77. doi:10.1071/ZO9840363 
  21. a b Christidis & Boles 2008, p. 151
  22. Forshaw & Cooper 1978, p. 124
  23. Cayley & Lendon 1973, p. 84
  24. Christidis & Boles 2008, p. 150
  25. Courtney, J (1996). «The juvenile food-begging calls, food-swallowing vocalisation and begging postures in Australian Cockatoos». Australian Bird Watcher. 16: 236–49. ISSN 0045-0316 
  26. Boles, Walter E (1993). «A new cockatoo (Psittaciformes: Cacatuidae) from the Tertiary of Riversleigh, northwestern Queensland, and an evaluation of rostral characters in the systematics of parrots». Ibis. 135 (1): 8–18. doi:10.1111/j.1474-919X.1993.tb02804.x 
  27. Waterhouse, DM (2006). «Parrots in a nutshell: The fossil record of Psittaciformes (Aves)». Historical Biology. 18 (2): 223–34. doi:10.1080/08912960600641224 
  28. Steadman, D (2006). Extinction and Biogeography of Tropical Pacific Birds. Chicago: University of Chicago Press. p. 348. ISBN 978-0-226-77142-7 
  29. Steadman, D; White P; Allen J (1999). «Prehistoric birds from New Ireland, Papua New Guinea: Extinctions on a large Melanesian island». Proceedings of the National Academy of Sciences. 96 (5): 2563–68. Bibcode:1999PNAS...96.2563S. PMC 26825Acessível livremente. PMID 10051683. doi:10.1073/pnas.96.5.2563 
  30. «Parrots». IOC World Bird List. Consultado em 19 de Setembro de 2011 


Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Cacatua
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Cacatua