Saltar para o conteúdo

Café coado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Café coado

A água escoa através do café moído,
do filtro de papel e é então coletada
em um recipiente colocado abaixo
de um suporte usado para
infusão por gotejamento.

O café coado é feito despejando água quente nos grãos de café moídos e depois deixando fermentar. Existem vários métodos para fazer isso, incluindo o uso de um filtro, um coador e uma prensa francesa. Os termos usados para o café resultante geralmente refletem o método usado, como café feito por gotejamento, café filtrado, café derramado, café fabricado por imersão ou simplesmente café. A água penetra no café moído, absorvendo seus compostos químicos constituintes, e depois passa por um filtro. As borras de café usadas ficam retidas no filtro, enquanto o café coado é coletado em um recipiente como uma jarra, pote ou bule.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História do café
Chaleira de meados
do século XX.
Bule de café do
século XVIII.
Xícara de café.

Os filtros de café de papel foram inventados na Alemanha por Melitta Bentz em 1908[1] e são comumente usados para fermentação por gotejamento em todo o mundo. Em 1954 a Wigomat, inventada por Gottlob Widmann, foi patenteada na Alemanha sendo a primeira cafeteira elétrica por gotejamento.[2] As cafeteiras por gotejamento substituíram o coador de café na década de 1970 devido à tendência dos coadores de extrair o café em excesso, tornando-o amargo.[3] Um dos benefícios dos filtros de papel é que o pó usado e o filtro podem ser descartados juntos, sem a necessidade de limpar o filtro. Agora também são comuns os filtros permanentes, feitos de chapas finas de metal perfurado, malha plástica fina ou cerâmica porosa que retém a borra, mas permite a passagem do café, eliminando a necessidade de adquirir filtros separados que às vezes não são encontrados em algumas partes do o mundo. Estes aumentam a manutenção da máquina, mas reduzem o custo total e produzem menos desperdício.

Características[editar | editar código-fonte]

Café de gotejamento manual (derramamento).

A infusão com filtro de papel produz um café claro e encorpado. Embora livre de sedimentos, esse café carece de alguns óleos e essências do café; ele ficarem presos no filtro de papel.[4] Filtros de metal não removem esses componentes.[5]

Pode-se observar, principalmente quando se utiliza uma jarra alta e estreita, que o café na parte inferior da cafeteira é mais forte do que na parte superior. Isso ocorre porque menos sabor está disponível para extração do pó de café à medida que o processo de fermentação avança. Um argumento matemático foi feito de que a entrega de força comparável em duas xícaras de café é quase alcançada usando uma sequência de doses de Thue-Morse.[6] Essa análise gerou um artigo caprichoso na imprensa popular.[7]

Existem no mercado diversos dispositivos de gotejamento manual que oferecem um pouco mais de controle sobre os parâmetros de infusão do que as máquinas automáticas, e que incorporam válvulas de rolha e outras inovações que oferecem maior controle sobre o tempo de maceração e a proporção de café na água. Há também pequenos, portáteis, sachês de gotejamento de dose única que apenas seguram o coador e descansam em cima de uma caneca ou xícara, tornando-as uma opção popular para campistas e caminhantes do outback. A água quente é derramada e pinga diretamente no copo.

Uma forma menos familiar de preparação de café por gotejamento é o pote reversível ou "flip", geralmente conhecida como Napoletana.

Café escorrendo pelos grãos e filtrado em vários potes nesta cafeteria
de especialidades.
Cafeteira elétrica.

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

Drip-O-lator:
Montado...
...e desmontado.

O Drip-O-lator é um pote de café patenteado para fazer café por gotejamento patenteado em 1921 e em 1930 e fabricado em Massillon, Ohio,[8] ou Macon, Geórgia,[9] Estados Unidos. A produção de Drip-O-lators cessou em meados do século XX. Os potes tornaram-se colecionáveis semelhantes aos bric-à-brac.[10]

O café filtrado é fundamental para a cultura e o conhecimento do café japonês.[11]

No sul da Índia, o café filtrado feito em casa é conhecido como Kaapi e faz parte da cultura local. A maioria das casas tem um filtro de café de aço inoxidável e a maioria das lojas vende grãos de café torrados e moídos na hora. Algumas marcas populares de café de filtro incluem Mysore café, Hill coffee (Suresh Healthcare), Cothas Coffee (Bangalore) e Narasu's Coffee (Salem). É comum no sul da Índia e na Louisiana adicionar um aditivo chamado chicória ao café para dar um aroma e sabor únicos.[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «The History of How We Make Coffee». About.com. Consultado em 13 de fevereiro de 2012 
  2. «Sixty years of the Federal Republic of Germany – a retrospective of everyday life». Consultado em 28 de dezembro de 2012 
  3. «Perfectcoffeemakers.com». www.perfectcoffeemakers.com. Consultado em 18 de setembro de 2012. Arquivado do original em 18 de março de 2014 
  4. "How to Use a Pour Over Brewer" Arquivado em 2011-10-23 no Wayback Machine CoffeeGeek.com. October 21, 2005.
  5. Cornelis MC, El-Sohemy A (novembro de 2007). «Coffee, caffeine, and coronary heart disease». Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 10 (6): 745–51. PMID 18089957. doi:10.1097/MCO.0b013e3282f05d81 
  6. Richman, Robert (2001). «Recursive Binary Sequences of Differences» (PDF). Complex Systems. 13 (4): 381–392. Consultado em 19 de fevereiro de 2013 
  7. Abrahams, Marc (12 de julho de 2010). «How to pour the perfect cup of coffee». The Guardian. Consultado em 19 de fevereiro de 2013 
  8. Patent number 1370782[ligação inativa]
  9. Patent #1743925[ligação inativa]
  10. Drip-O-lator
  11. Strand, Oliver (9 de fevereiro de 2011). «Coffee's Slow Dance». The New York Times. Consultado em 7 de dezembro de 2019 
  12. Thomas, Rans (11 de janeiro de 2012). «Chicory: A Powerful Perennial». Quality Deer Management Association. Consultado em 29 de setembro de 2018. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]