Caiçara (Paraíba)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Caiçara, veja Caiçara (desambiguação).
Município de Caiçara
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 7 de novembro
Fundação 7 de novembro de 1908 (107 anos)[1]
Gentílico caiçarense
Prefeito(a) Cícero Francisco da Silva (PSB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Caiçara
Localização de Caiçara na Paraíba
Caiçara está localizado em: Brasil
Caiçara
Localização de Caiçara no Brasil
06° 33' 14" S 35° 24' 39" O06° 33' 14" S 35° 24' 39" O
Unidade federativa  Paraíba
Mesorregião Agreste Paraibano IBGE/2008[2]
Microrregião Guarabira IBGE/2008[2]
Região metropolitana Guarabira
Municípios limítrofes Nova Cruz - RN; Jacaraú e Lagoa de Dentro (leste); Serra da Raiz e Belém (Paraíba) (sul); Logradouro (Paraíba) (leste)[3]
Distância até a capital 143 km
Características geográficas
Área 127,911 km² [4]
População 7 304 hab. (PB: 110º) –  estimativa populacional - IBGE/2013[5]
Densidade 57,1 hab./km²
Altitude 150 m
Clima semiárido, com chuvas de verão[6]
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,576 baixo PNUD/2000[7]
PIB R$ 29 460,264 mil IBGE/2008[8]
PIB per capita R$ 3 916,55 IBGE/2008[8]
Página oficial

Caiçara é um município localizado na microrregião de Guarabira, no estado da Paraíba, no Brasil. Sua população em 2013 foi estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 7 304 habitantes,[5] distribuídos em 128 quilômetros quadrados de área.

História[editar | editar código-fonte]

O atual território brasileiro já era habitado desde pelo menos 10000 a.C. por povos provenientes de outros continentes (possivelmente, da África, Ásia e Oceania).[9] Por volta do ano 1000, a região, então habitada pelos índios tapuias, foi ocupada por povos tupis procedentes da Amazônia.[10] . Quando os primeiros europeus (franceses e portugueses) chegaram à região, no século XVI, a mesma era habitada pela tribo tupi dos potiguaras, que chamavam a região de "Cupaoba". Os potiguaras se aliaram aos franceses e passaram a lutar contra os invasores portugueses, nas chamadas Guerras de Cupaoba (1574-1599). Os portugueses ganharam a guerra e passaram a catequizar os índios e a dividir a região em sesmarias distribuídas entre os portugueses. Em 1619, Raphael de Carvalho obteve a sesmaria 13 da capitania da Paraíba, que abrangia a região do atual município de Caiçaras. Em meados do século XVII, a distribuição de sesmarias foi interrompida pelas invasões holandesas no Brasil e pela guerra dos Cariris. No século seguinte, a distribuição de sesmarias prosseguiu, com a criação de gado tendo papel cada vez maior na economia da região.[11]

Um dos primeiros habitantes com nome registrado da região foi José de Abreu Cordeiro, em 1770.[12] A sesmaria foi adquirida por Luís Soares Mendonça, em 1822, quando instalou-se no local. Manuel Soares da Costa, Francisco da Costa Gonçalves e José Vicente adquiriram estas terras, instalando suas casas e currais, denominados de "caiçaras", termo este que originou o nome do lugar ("caiçara" provém do tupi antigo ka'aysá (ou ka'aysara), designando uma cerca rústica feita de galhos de árvores.)[13] Estes proprietários ergueram uma capela a Nossa Senhora do Rosário, à qual doaram 60 braças de terra. No entorno da igreja, foram surgindo o povoado e o comércio. O povoado foi elevado à categoria de vila com a denominação de Caiçara pela lei provincial nº 758, de 6 de dezembro de 1883. Entretanto, pela lei nº 776, de 2 de outubro de 1884, foi extinta a vila de Caiçara, sendo seu território anexado ao município de Guarabira (antes, Vila da Independência). Somente em 1908, ocorreu a emancipação política pela lei estadual nº 309, de 7 de novembro de 1908.[14]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Relevo[editar | editar código-fonte]

Conforme a classificação geral e mapeamento do relevo paraibano de Carvalho (1982), o município de Caiçara faz parte da unidade geomorfológica identificada como Depressão Sublitorânea. Encontra-se situado entre serras, vales e maciços residuais antigos, com elevações pouco expressivas, possuindo cotas altimétricas variando entre 73 e 262 metros. A classificação geomorfológica do referido município está relacionada com as formas mais expressivas. Nesse sentido, os fatos geomorfológicos são organizados em três unidades morfológicas: Planície do Curimataú, Planície do Pirari e Serras de Caiçara.[6]

Clima[editar | editar código-fonte]

O território de Caiçara, o clima está condicionado pela sua localização geográfica. Situada na porção norte da Depressão Sublitorânea, apresenta característica de clima semiúmido. Caracteriza-se por apresentar chuvas de outono e inverno e um período de estiagem de seis a sete meses. O regime de chuvas está na dependência da Massa Equatorial Atlântica, que atua no período do verão, como também da Massa Tropical Atlântica que exerce influência principalmente durante o inverno, sendo movimentada pelos alísios do sudeste.

Outros fatores importantes contribuem para a determinação dos moldes climáticos encontrados no referido município, tais como: a baixa latitude, com aproximadamente 6,6 graus de latitude sul, a altitude média pouco expressiva, em torno dos 167 metros.

A época chuvosa, conhecida localmente como a estação do inverno, inicia-se no mês de fevereiro ou março e prolonga-se até agosto, com muitas irregularidades. O período seco começa em setembro e se estende até o segundo mês do ano. A temperatura média anual gira em torno dos . A amplitude térmica ao ano é muito pequena, variando na ordem dos cinco ou seis graus célsius em virtude da baixa latitude. O regime pluviométrico de Caiçara é de 800 mm anual, segundo a Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (AESA) e a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural da Paraíba (Emater – PB).[6]

Vegetação[editar | editar código-fonte]

O conjunto de plantas que se desenvolveu naturalmente no município de Caiçara está associada às condições climáticas e aos tipos de solos do local, que se relacionam entre si. A formação original da vegetação é identificada, segundo Carvalho (1982), como do tipo Agreste. Esta cobertura, conforme Feliciano e Melo (2003), se divide em duas unidades: a formação Agreste Sublitorânea, que se desenvolveu na Depressão entre os tabuleiros subcosteiros e o maciço da Borborema, e a formação Agreste da Borborema que se formou nas frentes elevadas do Planalto, com exceção do Brejo localizado entre essas duas variações da vegetação da Paraíba. Este domínio natural é caracterizado por uma vegetação tropical semiúmida constituída de um extrato predominantemente herbáceo estacional, composto por plantas anuais ou vivazes que se desenvolvem plenamente no período das chuvas, e outro arbustivo/arbóreo formado por plantas de pequeno e médio porte, com algumas de grande porte em pontos isolados.

A formação Agreste é uma vegetação do tipo acatingada, típica da região semiúmida, que se desenvolveu entre a caatinga e a cobertura vegetal de características úmida da Zona da Mata. Originalmente constitui-se por uma comunidade de espécies de características xerófilas da caatinga, como o mandacaru (Cereus Jamacaru), xiquexique (Pilosocereus gounellei), macambira (Bromelia laciniosa) e umburana-vermelha (Bursera leptophloeos), bem como algumas da Mata Atlântica, é o caso do pau d’arco (ipê) (Tabebuia serratifolia), canafístula (Cássia ferrugínea) e açoita-cavalo (Luehea grandiflora). Isto lhe confere um caráter de transição.[6]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O município de Caiçara tem o seu território completamente localizado na bacia hidrográfica do rio Curimataú.

Este rio tem a sua nascente na superfície elevada do Maciço da Borborema, no município de Barra de Santa Rosa - PB, onde nasce o riacho Poleiro. Ele deságua no Oceano Atlântico, na divisa do município de Canguaretama - RN com Baía Formosa - RN, no local denominado de Barra do Cunhaú. O seu estuário é visto como uma região de grandes riquezas, tanto em aspectos ambientais quanto econômicos. A área comporta vastos manguezais, que apesar de desempenhar a função de reguladores do ecossistema, vem sendo devastados para o desenvolvimento da carcinicultura. 

Uma série de pequenos riachos, todos temporários, drena o município de Caiçara. Todos são tributários da margem direita do Curimataú. Os principais são: o Pirari, o Riacho do Luís e o Massaranduba.[6]

Geologia

A estrutura geológica do município é composta por rochas cristalinas do Pré-Cambriano, ou seja, que datam de uma das fases mais antigas da origem do planeta. As mais encontradas são: o granito e o pegmatito, ambas, rochas magmáticas plutônicas muito ácidas, como também o gnaisse e o migmatito, rochas metamórficas oriundas do granito, estas constituem os tipos mais expressivos.

Solo

Os lavradores e pecuaristas de Caiçara utilizam alguns termos populares para classificar os solos da região. Como, por exemplo, “Terra Arisca”, para designar solos arenosos e “Barro de Louça”, para denominar os solos argilosos. Para estas classificações eles se baseiam apenas em observações feitas nos horizontes superficiais, na manutenção cotidiana da terra para fins agrícolas.

Entretanto, conforme a classificação de Brasil (1972) e Brasil (1981) e com base nos estudos de campo, os solos de Caiçara classificam-se em Planossolos, Argissolos, Neossolos e Vertissolos.

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Caiçara (Paraíba)

Referências

  1. IBGE. «Histórico - Ciçara (PB)». Consultado em 15 de setembro de 2012. 
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  3. «Mapa da Confederação Nacional de Municípios». 
  4. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010. 
  5. a b «Estimativas da população residente nos municípios brasileiros» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 01 de julho de 2013. Consultado em 31 de dezembro de 2013. 
  6. a b c d e «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  7. «Diagnóstico do Município de Caiçara Paraíba» (PDF). Projeto Águas Subetrrâneas. Ministério das Minas e Energia. 2005. Consultado em 09 de outubro de 2009. 
  8. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010. 
  9. BUENO, E. Brasil: uma história. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 12.
  10. BUENO, E. Brasil: uma história. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 19.
  11. Caiçara: governo municipal. Disponível em http://www.caicara.pb.gov.br/historia/. Acesso em 26 de outubro de 2015.
  12. «História de Caiçara. Página da Confederação Nacional de Municípios». 
  13. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 210.
  14. «Documentação Territorial do Brasil» (PDF). IBGE. Consultado em 09 de outubro de 2009. 

[1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios da Paraíba é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


  1. SANTOS, Valdenir Laurentino dos (2014). Caiçara, uma visão geográfica do espaço físico e socioambiental [S.l.: s.n.] ISBN 978-85-7539-940-8. 
  2. CARVALHO, M. G. F. de. (1982). Estado da Paraíba Classificação geomorfológica [S.l.: s.n.]