Caio Porfírio Carneiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Caio Porfirio Carneiro)
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2012)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Caio Porfírio Carneiro
Nome completo Caio Porfírio de Castro Carneiro
Nascimento 1 de julho de 1928 (89 anos)
Fortaleza, CE
Morte
São Paulo,
Residência Fortaleza, , de 1928 a 1955.

São Paulo, de 1955 em diante.

Nacionalidade Brasileiro
Ocupação Escritor, contista
Prémios Prémio Jabuti 1975
Género literário Conto, Poesia

Caio Porfírio de Castro Carneiro (Fortaleza, 1º de julho de 1928 - São Paulo, 17 de julho de 2017) foi um escritor brasileiro com destaque no gênero contos. Vencedor do Prêmio Jabuti em sua 17a Edição. Sua estréia no gênero deu-se em 1961, com Trapiá, livro indicado para o vestibular 2009.1 da Universidade Federal do Ceará (UFC), instituição da qual foi professor.

Vida[editar | editar código-fonte]

Nasceu no dia 1º de julho de 1928 na cidade de Fortaleza, no Ceará. Escrevia, desde muito jovem, poesias de pé quebrado e crônicas. Após terminar o colegial, conseguiu um emprego como revisor de jornal, no qual teve chance de ser promovido para a redação.[1] Em 1955, mudou-se para São Paulo. Em 1963, assumiu a posição de secretário administrativo da União Brasileira de Escritores de São Paulo. Ganhou vários prêmios literários, como o Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro. Seus contos estão incluídos em dezenas de antologias do gênero e foram traduzidos para o espanhol, italiano, alemão e inglês.

Morte[editar | editar código-fonte]

Morreu na manhã da segunda-feira, dia 17 de julho de 2017, com 89 anos. [2]

Principais Obras[editar | editar código-fonte]

Publicou os livros de contos:

  • Trapiá (1961);
  • O Menino e o Agreste (1969);
  • O Casarão (1975);
  • Chuva – Os dez cavaleiros (1977);
  • O Contra-Espelho (1981);
  • 10 Contos Escolhidos (1983);
  • Viagem sem Volta (1985);
  • Os Dedos e os Dados (1989);
  • Maiores e Menores (2003).

Também escreveu os romances:

  • O Sal da Terra (1965);

Livro este que foi traduzido para o italiano, árabe e francês e adaptado para o cinema.

  • Uma Luz no Sertão (1973).

Bem como as novelas:

  • Bala de Rifle (1963);
  • A Oportunidade (1986);
  • Três Caminhos (1988);
  • Dias sem Sol (1988).

Dedicou-se, ainda, à literatura juvenil, poesia e memórias.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]